WATSU NA FIROMIALGIA: A HIDROTERAPIA COMO METODO PARA ALÍVIO DE DORES E ESTÍMULO DO RELAXAMENTO MUSCULAR TENDO COMO PREMISSA A TECNICA D WATSU

Leticia Neves Ferreira
Douglas Silva Ataide

  1. Discente finalista do curso de Fisioterapia do centro universitário-FAMETRO
  2. Docente e orientador do curso de Fisioterapia de centro universitário-FAMETRO

RESUMO

A fibromialgia é uma doença crônica de fundamento desconhecido, gera sintomas de dor, fadiga, diminuição de sono e depressão Objetivo: objetivo deste projeto é mostrar que a intervenção da hidroterapia como método de estabilidade para o portador da síndrome de fibromialgia, promovendo o relaxamento da musculatura e o alivio de dores Metodologia: Trata-se de uma revisão literária de caráter dedutivo e descritivo Resultados esperados: Espera-se que com este estudo mostre que com o watsu pode proporcionar uma vida diária menos dolorosa e mais estimulante ao portador da síndrome, entrando como exercícios, melhorando seus sinais e sintomas

Palavras-chave: Fibromialgia, dor, reabilitação, hidroterapia

ABSTRACT

Fibromyalgia is a chronic disease of unknown, generantes symptoms of, fatigue, decreased sleep and depression goal: is to show the intervention of hydrotherapy as a method of stabilit for the bearer of the syndrome promoting muscle relief and pain relaxation Methodology: it is a deductive and descriptive literary review expected results: this study is expected to show that how can watsu provide a less painful daily life and more stimulanting for the carrier of the syndrome, fiding how exercises improving sings and symptoms

Keywords: Fibromyalgia, pain, rehabilitation, hydrotherapy

  1. INTRODUÇÃO

A fibromialgia (FM) é uma síndrome crônica do foro reumático, não articular, cujos fatores etiológicos não estão bem compreendidos. Se esta condição estiver associada a outras doenças, denomina-se FM secundária, se não designa-se FM primária. A FM atinge cerca de 2% da população adulta. São fatores de risco: a) o sexo (as mulheres são 5 a 9 vezes mais afetadas do que os homens); b) a idade (inicia-se entre os 20 e os 50 anos). As crianças e jovens também podem sofrer de FM, mas durante a idade escolar a frequência é igual em ambos os sexos. Os sintomas caracterizam-se pela presença de dor musculoesquelética generalizada e dor excessiva nos tender points – locais específicos do corpo que causam dor leve a moderada em indivíduos saudáveis. A dor presente na FM é considerada crónica, uma vez que apresenta uma duração superior a três meses (SILVA, 2014).

De acordo com BATISTA, BORGES e WIBELINGER (2012) dentre os diversos sintomas os mais comuns são fadiga, rigidez matinal, sensação de edema, fraqueza muscular, perturbação do sono influenciado deficts psicológicos. Os sintomas nesta síndrome variam de acordo com a temperatura onde o calor gera alivio e o frio pode agravar a sintomatologia.

MILTON HELFENSTEIN (2012) afirma que a FM ainda não tem uma causa especifica direta e continuam estudos que a síndrome seria uma alteração em um mecanismo central de controle da dor, o qual poderia gerar uma disfunção em neurotransmissores, além da FM pode ser confundida com diversas outras doenças pois é caracterizada apenas por fadiga e dor.

Nesse contexto a dor crônica causada pela FM é um estado persistente que modifica a qualidade de vida do seu portador, não possuindo cura o objetivo do seu tratamento é para o controle dos seus sintomas e não sua eliminação, de forma a amenizar os problemas do portador buscando uma melhor qualidade de vida (HEYMANN et, al.,2010)

BRAZ (2011) relata que não existem exames capazes ou suficientes para um bom diagnostico, logo ficando dependente do olho clínico e uma experiência médica, a questão financeira também é uma variante no tratamento, nem sempre o alto investimento leva uma satisfação de resultados.

STEFFENS (2011) reafirma que não existem exames laboratoriais tornando o diagnóstico mais demorado e muitas vezes errado. Consequentemente passam por mais estresse, instabilidade emocional que acaba afetando a doença.

Entende-se que o tratamento dessa síndrome deve ser individualizado e realizado por uma equipe multidisciplinar, contando com a participação ativa do paciente na combinação de tratamento farmacológicos (MICHALSEN et. al., 2013)

SANTOS (2012) mostra que os pontos de pressão são caracterizados pela sensibilidade, contudo há 11 ou mais dos 18 pontos dolorosos á digito-palpação localizado bilateralmente pelo corpo. Como: Occipío bilateralmente; coluna cervical (C6 e C7); musculo esternocleidomastoideo no terço médio; músculo do trapézio (ramo horizontal); tendão longo do bíceps bilateral; ombros; intercostais; lombar (L4 e L5); crista hilíaca posterosuperior e região medial do joelho.

Dentre os possíveis tratamentos indicados encontra-se a hidroterapia a qual o recurso fisioterapêutico tem demonstrado bons resultados no tratamento de diversas patologias (HIDALGO, et. al., 2013)

Hecker (2011) explica que na hidroterapia há uma redução de sintomas, pois a água tem um movimento lento que facilita a mobilidade facilitando o alongamento com mais amplitude.

Batista (2011) reafirma que o calor e a pressão hidrostática sofrem estímulos por mecanorreceptores e dos receptores térmicos, o calor aumenta o fluxo sanguíneo que facilita o relaxamento muscular. Já a pressão hidrostática ajuda no retorno venoso aliviando a dor.

Bastos (2011) solicita novos estudos para que o embasamento da hidroterapia e seus recursos sejam mais consistentes, para que tenhamos mais espaços dentre a reabilitação junto com novos benefícios

Fornazari (2012) ressalta que, a fisioterapia aquática é importante através de caráter intervencionista, que auxilia na independência funcional, mantém e melhora a amplitude de movimento, melhora força muscular e diminui espasmos, contribui também a socialização e estimula qualidade de vida junto com auto confiança

Cameron, (2011), avalia que a temperatura da água deve ser mantida aproximadamente entre 26ºC a 36ºC na piscina terapêutica. Porem exercícios de baixa intensidade pode elevar um pouco mais a temperatura de baixa. Já as temperaturas baixas são apropriadas para atividades mais dinâmicas e recreativas.

E para a elaboração de um programa de terapia aquática, é necessário o conhecimento das propriedades físicas da água e suas interações, as quais representam um desafio no planejamento adequado a cada caso tratado. O conhecimento da hidrodinâmica, termodinâmica e das alterações fisiológicas em meio líquido é primordial para a correta aplicação dos exercícios terapêuticos. A Fisioterapia Aquática proporciona vantagens principalmente pela ausência ou diminuição da sustentação do peso, dada por meio da flutuação, quando há diminuição funcional, seja por um processo inflamatório, dor, retração ou espasmo muscular e limitação de amplitude de movimento (FORNAZARI, 2012)

Portanto o estudo tem como objetivo analisar a melhora do portador da síndrome de fibromialgia auxiliado da técnica de watsu, visando sua estabilidade, melhora na vida diária, diminuição de dor e atrofia muscular

  1. METODOLOGIA

Esta pesquisa foi feita utilizando o método de revisão de literatura, possuindo caráter dedutivo com o objetivo de descrever o efeito e a importância da hidroterapia com a técnica de watsu em pacientes com fibromialgia. A partir de muitas pesquisas em bancos de dados como: Scientific Eletronic Library Online (SciELO), Physiotherapy Evidence Database (PEDro), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciencias da Saude (LILACS), livros e revistas.

Os critérios de inclusão foram considerados pela datação do artigo que deve estar entre 2005 a 2020, artigos em outras línguas. Foram excluídos artigos em que não envolvem fibromialgia, artigos que não envolvam a fisioterapia e outras revisões literárias. Palavras-chave foram usadas como: Fibromialgia, hidroterapia, técnicas de watsu, pacientes fibromiálgicos

Após análise do levantamento bibliográfico, considerando os critérios antes mencionados, foram selecionados os artigos e textos de maior relevância para o objetivo deste estudo. O estudo foi defendido através de um artigo redigido e uma defesa verbal com a utilização de todo o conhecimento e argumentação congruente com aquilo que foi descrito, de forma mais clara possível para a compreensão de todos os envolvidos.

E o trabalho finalizou obedecendo os aspectos éticos conforme Lei dos direitos Autorais (Lei nº 9.610) e com a listagem de suas respectivas referências seguido de seu apêndice. Para embasar o trabalho foram consultados 22 (vinte e dois) artigos, contemplando revistas e livros. Após busca as informações dos artigos restaram 10 artigos com os critérios devidamente compatíveis com a pesquisa, sobre a técnica utilizada, onde foram consultados para desenvolver e embasar todo o conteúdo explorado.

  1. RESULTADOS

As tabelas 1 nos mostram os artigos que foram selecionados para fazer parte desta pesquisa, após análise de cada um obteve-se um resultado que mostra os benefícios da técnica de watsu.

Tabela 1: Principais autores que mostram os benefícios da técnica de watsu

ANOAUTORESRESULTADO
2010Bastos; CaetanoEquilíbrio
2016SouzaRelaxamento
2012SilvaAquecimento da água
2016PereiraQualidade de vida
2010Dos SantosMelhora pós aplicação do watsu
2006Biasoli; machadoCriação do watsu
2009LanghorstAumento da utilização da técnica

A tabela 2, apresenta os artigos selecionados para comprovação da técnica de watsu na obtenção de resultados em portadores de fibromialgia

Tabela 2: 3 resultados encontrados após a aplicação do Método Watsu

ANOAUTORESSessõesResultados
2005Silva e zirbes12 sessõesDiminuição de Dor
2007Gallo10 sessões
2007Ramalho4 sessões




  1. DISCUSSÂO

O Watsu, também conhecido como “Water Shiatsu”, aquashiatsu ou hidroshiatsu, foi criado por Harold Dull em 1980. Essa técnica aplica os a long amentos e movimentos do shiatsu zen na água, incluindo alongamentos passivos, mobilizações de articulações, bem como pressão sobre “tsubos” (acupontos) para equilibrar fluxos de energia através dos mer idianos “cam inhos de energia”( BIASOLI; MACHADO , 2006).

Dentre tantas técnicas terapêuticas que abrange o universo da hidroterapia, vem se destacando o Watsu que consiste em um trabalho passivo do paciente que geralmente experimenta um relaxamento profundo, a partir da sustentação corporal pela água e o contínuo movimento rítmico de vários fluxos. Essa técnica de relaxamento foi introduzida a programas de reabilitação para beneficiar a melhora de patologias (BASTOS; CAETANO, 2010). Os mesmos autores relatam que a técnica não exige movimentos bruscos, apenas flutua nos braços do terapeuta, promovendo o relaxamento e seu corpo alonga livremente.

Souza (2016) reforça que que watsu é uma técnica de movimentos passivos em que o paciente recebe um profundo relaxamento pela sustentação da água e seus movimentos rítmicos contínuos. A técnica exige confiança, entre fisioterapeuta e paciente para que a técnica seja eficaz, caso contrário o portador não irá relaxar causando agravamento das dores.

Silva (2012) acrescenta que o calor imposto auxilia na técnica diminuindo a sensibilidade das terminações nervosas promovendo o relaxamento muscular relacionado a diminuição do tônus muscular. A técnica tem auxílio das propriedades da água, como o empuxo, que auxilia na postura, impõe resistência e auxilia nos movimentos.

Dos Santos (2010) esclarece que além do relaxamento muscular a técnica de watsu promove melhora no sono, no quadro álgico e previne outras doenças que poderiam ser geradas pela síndrome.

Langhorst (2009) relata que a hidroterapia tem sido usada em aproximadamente 75% dos pacientes com fibromialgia, entretanto auxiliada fora da hidro. A hidroterapia tem uma resposta mais demorada do que se recorrer a eletroterapia, entretanto sua resposta a diminuição da dor é mais prolongada, no entanto a eletro tem uma resposta mais rápida não compensando o seu tempo de resposta.

De acordo com os estudos feitos por Silva e Zirbes (2005) em uma avaliação (pré-tratamento), constatou uma presença de dor difusa e os pacientes relatam dor a mais de 6 meses em 15 dos 18 pontos de dor. No estudo foram avaliadas 15 pessoas, todas foram submetidas a 12 sessões de hidrocinesioterapia, ao fim das sessões foi constatado uma melhora de 67%. Os autores concluíram que a hidrocinesioterapia foi eficaz na redução de tender points dos fibromialgicos.

Figura 1: Comparação estatística dos tenders points pré e pós-intervenção

Fonte: dos autores

Gallo et al. (2007) realizarou um estudo com 12 pessoas, cada uam obteve 10 sessões de Watsu, mostrando também uma melhora significativa no quadro de dor de cada portador. Logo o autor afirma a melhora de dor com a aplicação da técnica citada.

Ramalho et al. (2002 apud DULL 2007), salientam que quando se realiza o tratamento com Watsu, observa-se uma melhora significativa na dor provocada pela analgesia propiciada pela água aquecida. Somado este benefício, a técnica promove uma melhora nos aspectos emocionais e aspectos físicos, diminuindo assim a dor. Desta maneira, Ramalho et al. (2007) investigaram os efeitos da técnica Watsu na dor relatada por seis pacientes portadores da síndrome da fibromialgia antes e após receberem 4 sessões de Watsu , uma vez por semana com uma hora de duração. Após o término do tratamento os autores concluíram que a técnica de Watsu foi eficaz em diminuir a dor dos pacientes fibromiálgicos.

  1. CONCLUSÃO

A fibromialgia é uma síndrome que não tem cura e é difícil seu diagnostico, pois não existe um exame específico para tal diagnostico ocasionando maior tempo de dor e incertezas ao portador. Desta forma o portador fica dependente do olho clínico do médico para que possa ser tratado corretamente.

Ao começar o tratamento é recorrido a uma equipe multidisciplinar, auxiliados pelos fármacos. Dentre eles o fisioterapeuta atua também na hidroterapia onde auxilia o portador com técnicas e métodos na piscina, como a tecnica watsu, que entra como relaxamento e melhora do portador lhe permitindo maior consciência corporal e movimentação, lhe devolvendo o bem estar e suas atividades de vida diárias (AVD´S) com maior qualidade.

  1. REFERÊNCIAS

SILVA, M. R. Hidroterapia no tratamento da fibromialgia. Monografia apresentada ao curso de Graduação em Fisioterapia da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA. Ariquemes – RO, 2014

HELFENSTEIN, Milton; GOLDENFUM, marco; SIENA, Cesar Augusto; Fibromialgia aspectos clínicos e ocupacionais. Escola Paulista de medicina, 2012.

HEYMANN, R. E.; PAIVA, E. S.; HELFENSTEIN Junior, M.et al Consenso Brasileiro no Tratamento de Fibromialgia. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo, v.50, p.56-66, 2010

BRAZ, A. S. et al. Uso da terapia não farmacológica, medicina alternativa e complementar na fibromialgia. Rev. Bras. Reumatol., São Paulo, v. 51, n. 3, 2011.

STEFFENS, Ricardo de Azevedo klumb et al. Praticar caminhada melhora a qualidade do sono e os estados de humor de mulheres com síndrome da fibromialgia. 2011, vl 12, n.4, pp327-331

SANTOS, E. B.; QUINTANS JR, L. J.; FRAGA, B. P.; MACIEIRA, J. C.; BONJARDIM, L. R.; Avaliação dos sintomas de ansiedade e depressão em fibromiálgicos. Revista da escola de enfermagem da USP, São Paulo, v.46, n.3, p.590-596, 2012

HIDALGO, D. C. Atualização em Fibromialgia. Medicina Legal de Costa Rica. Costa Rica, v. 30, n. 1, 2013.

HECKER, C. D. et al. Análise dos efeitos da cinesioterapia e da hidrocinesioterapia sobre a qualidade de vida de pacientes com fibromialgia: um ensaio clínico randomizado. Fisioter mov., Curitiba v. 24, n. 1, 2011.

BATISTA, Tânia; ALFAIATE, Vanessa; SILVA, Vera; GOMES, Martinho; ALVES, Sandra. Os efeitos da hidroterapia na fibromialgia. Revista de Ciência da Saúde: Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa. Vol. 3, p. 8-13, março de 2011. Disponível em:<http://www.salutisscientia.esscvp.eu/Site/Artigo.aspx?artigoid=30542>

BASTOS, Carina Correa; OLIVEIRA, Ediléa Monteiro. Síndrome da fibromialgia: Tratamento em piscina aquecida. Lato & Sensu, Belém, v. 4, n°1, p. 3-5,out, 2003. Disponível em: <http://www.congressodehidroterapia.com/artigos/artigo8.pdf>

FORNAZARI, L.P; EBOOK: Ciências da Saúde: Fisioterapia Aquática. Universidade Estadual do Centro-Oeste – Repositório Unicentro Paraná, 2012. Disponível em: http://repositorio.unicentro.br:8080/jspui/handle/123456789/503

CAMERON, M; Agentes Físicos na Reabilitação. 3° Edição, Editora Elsevier Brasil, 2011.

BIASOLI, M. C.; MACHADO, C. M. C. Hidroterapia: aplicabilidades clínicas. Revista Brasileira de Medicina, vol. 65, nº 5, mai. 2006. Disponível em:

Silva KMOM, Tucano SJP, Kümpel C, Castro AAMd, Porto EF. Effect of hydrotherapy on quality of life, functional capacity and sleep quality in patients with fibromyalgia. Revista brasileira de reumatologia. 2012;52(6):851-7.

Souza Md, Costa ARdBV, Aguiar AR, Cunha JAdS. A eficácia do método Watsu sobre a qualidade de vida e dor de pacientes com fibromialgia: um estudo de revisão. Movimenta. 2015;8(2):169-75.

Pereira SAP. A hidrocinesioterapia e sua influência na qualidade de vida de pacientes com fibromialgia. Fisioterapia Brasil. 2016;15(1).

dos Santos Bastos G, Caetano LF. Os benefícios do Watsu na fibromialgia. Corpus et Scientia. 2010;6(2).

BASTOS G. S.; CAETANO L. F. Os benefícios do Watsu na Fibromialgia. Corpus et Scientia, v. 6, n. 2, p. 14-25, nov 2010.

LANGHORST, J. et al. Efficacy of hydrotherapy in fibromyalgia syndrome – a meta-analysis of randomized controlled clinical trials. Rheumtology, v. 48, p. 1155-1159, 2009.

RAMALHO, T. T.; JÚNIOR, I. E.; BOCCUZZI, P. C. M. Watsu na Fibromialgia. Trabalho de Conclusão do curso de Fisioterapia da Universidade Paulista. 2007.

GALLO, A. L. P.; MOROTOMI, D. Q. O.; MOREIRA, L. S. M. Watsu na melhora da qualidade de vida de Fibromialgicas. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para obtenção do grau de bacharel em Fisioterapia, pela Universidade da Amazônia – UNAMA. 2007

SALVADOR, J. P.; SILVA, Q. F.; ZIRBES, M. C. G. M. Hidrocinesioterapia no tratamento de mulheres com fibromialgia: estudo de caso. Fisioterapia e Pesquisa, v. 11, n. 1, p. 27-36, 2005.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.