ÚLCERA POR PRESSÃO E REPARAÇÃO TECIDUAL: UM LEVANTAMENTO LITERÁRIO SOBRE OS EFEITOS DO LASER NO PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO

Clícia Souza de Menezes
Jeronice Souza Rodrigue

Clícia Souza de Menezes1; Jeronice Souza Rodrigues 2

1Acadêmica Finalista do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Manaus – FAMETRO.
2Fisioterapeuta Especialista; Docente do Centro Universitário de Manaus – FAMETRO.


RESUMO

As úlceras por pressão escaras ou úlceras de decúbito são alterações da integridade da pele têm sido relatadas como sendo objeto de preocupação da enfermagem. O interesse pelo uso do laser nas aplicações clínicas e o potencial das interações não-térmicas da luz laser com o tecido vem sendo motivo de vários estudos. O potencial da irradiação laser de intensidade relativamente baixa aplicada diretamente no tecido serve para modular certos processos biológicos, em particular fotobioestimular os processos de regeneração dos tecidos, controlar o processo inflamatório e atenuar a dor. Objetivo: Analisar os efeitos do laser na cicatrização da úlcera por pressão. Metodologia: Realizada através de um levantamento bibliográfico, o qual se baseou na literatura publicada em forma de livros, revistas especializadas, escritas ou eletrônicas; em jornais, em sites como SCIELO, PEDro, LILACS, especializados ou de busca de artigos sobre o conhecimento dos recursos fisioterapêuticos e seus protocolos mais utilizados para o tratamento das cicatrizes hipertróficas queloidianas. Resultados: Após a realização da busca pelos artigos sobre os efeitos do laser na atuação do processo de cicatrização de úlcera por pressão, observou-se que o laser tem se mostrado eficaz em reduzir a dor de diferentes etiologias, na regeneração tecidual e no controle de processos inflamatórios. Conclusão: A aplicação da laserterapia promoveu a diminuição do úlcera, aceleração da síntese de colágeno, redução dos microrganismos, aumento da mobilidade, da vascularização, do processo de cicatrização, proporcionou também melhora da coloração tecidual.

Palavras-Chave: Fisioterapia; Laserterapia; Lesões Cutâneas.

ABSTRACT

Pressure ulcers bedsores or decubitus ulcers are changes in skin integrity that have been reported as an object of concern for nursing. The interest in the use of laser in clinical applications and the potential of non-thermal interactions of laser light with tissue has been the subject of several studies. The potential of relatively low intensity laser irradiation applied directly to tissue serves to modulate certain biological processes, in particular photobiostimulating tissue regeneration processes, controlling the inflammatory process and alleviating pain. Objective: To analyze the effects of laser on healing of pressure ulcers. Methodology: Performed through a bibliographic survey, which was based on published literature in the form of books, specialized magazines, written or electronic; in newspapers, on sites such as SCIELO, PEDro, LILACS, specialized or searching for articles on the knowledge of physiotherapeutic resources and their most used protocols for the treatment of hypertrophic keloid scars. Results: After searching for articles on the effects of laser on the performance of the pressure ulcer healing process, it was observed that the laser has been shown to be effective in reducing pain of different etiologies, in tissue regeneration and in controlling inflammatory processes. Conclusion: The application of laser therapy promoted the reduction of the ulcer, acceleration of collagen synthesis, reduction of microorganisms, increased mobility, vascularization, healing process, also provided an improvement in tissue color.

Keywords: Incidence; Tissue Adhesion; Physiotherapy.

INTRODUÇÃO

De acordo com Ohura et al., (2011) descrevem a Úlcera de Pressão (UP) como uma patologia crônica decorrente de isquemia devido à baixa perfusão tecidual, a qual é induzida por uma compressão prolongada do corpo, apresentando inicialmente gangrena nos tecidos, seguido de descamação e exposição do tecido conjuntivo. Dessa forma agride o equilíbrio hemodinâmico da circulação venosa periférica e compromete a nutrição tecidual podendo levar a diversas complicações sérias como a morte, pois quase sempre a sepse se desenvolve por sua infecção.

Para Luz et al., (2010) afirmam em seus estudo que as UP se desenvolvem em virtude de alterações patológicas na perfusão sanguínea da pele e tecidos subjacentes. Sua formação depende de uma série de fatores, porém o principal é a pressão extrínseca sobre determinadas áreas da pele e tecidos moles por tempo prolongado. Inicialmente, ocorre a privação circulatória nas camadas mais superficiais da pele e à medida que a isquemia se aproxima de proeminências ósseas, focos maiores de tecido são acometidos.

Segundo Fernandes e Amaral, (2012) acrescentam ainda que existem outros dois fatores que contribuem para a formação da UP, e progressão da lesão são eles: a força de cisalhamento, que é a tração exercida sobre a pele, fazendo-a deslizar sobre o plano muscular, o que ocasiona a oclusão ou mesmo rompimento dos capilares responsáveis pela perfusão da pele neste local. Esta separação capilar causa a isquemia local, morte celular por isquemia, e todos os fenômenos decorrentes da falta de nutrição tecidual.

Braga e Silva Júnior, (2015) relatam que existem úlceras que não podem ser classificadas até que sejam desbridadas como a lesão com perda total de tecido, na qual a base está coberta por esfacelo (amarelo, marrom, cinza, esverdeado ou castanho) e ou há escara (marrom, castanha ou negra) no leito da lesão. A UP classifica-se em quatro estágios e seus conceitos são de grande importância para que os resultados e avaliações sejam corretos e a implantação de um protocolo para tratamento da doença. Os conceitos de cada estágio estão listados na Tabela 1 abaixo:

Estágio IEstágio IIEstágio IIIEstágio IV
Pele intacta com hiperemia de uma áreaPerda parcial da espessura dérmica.Perda de tecido em sua espessura total. APerda total de tecido com exposição
localizada que não embranquece, geralmente sobre proeminência óssea. A pele de cor escura pode não apresentar esbranquecimento visível e sua cor pode diferir da pele ao redor.Apresenta-se como úlcera superficial com o leito de coloração vermelho pálida, sem esfacelo. Pode apresentar-se ainda como uma bolha preenchida com exsudado seroso, intacta ou aberta rompida.gordura subcutânea pode estar visível, sem exposição de osso, tendão ou músculo. Esfacelo pode estar presente sem prejudicar a identificação da profundidade da perda tissular. Pode incluir descolamentos e túneis.óssea, de músculo ou tendão. Pode haver presença de esfacelo ou escara em algumas partes do leito da ferida. Frequentemente, inclui descolamento e túneis
Tabela1. Conceitos de estágio da úlcera. Fonte: BRAGA e SILVA JÚNIOR, (2015).

De acordo com Smith et al., (2013), o tratamento terapêutico para UP envolve várias abordagens, incluindo intervenções para tratar as condições que levam a úlceras por pressão (superfícies de suporte e suporte nutricional), intervenções para proteger e promover a cicatrização da úlcera (curativos de feridas; aplicações tópicas; e várias terapias adjuvantes, como estimulação elétrica, terapia de luz, dispositivos assistidos por vácuo) e reparação cirúrgica do úlcera. Os tratamentos para úlceras por pressão foram descritos e avaliados com diferentes graus de rigor e completude com incerteza contínua em torno do melhores opções de tratamento.

Segundo Afonso (2011), o Laser (Light Amplification by Stimulated Emission of Raddiation) vem sendo utilizado na clínica de fisioterapia há algumas décadas, e tem ocupado lugar de destaque no tratamento de úlceras por pressão. Com seus efeitos analgésicos, antiinflamatórios, antiedematosos e cicatrizantes mostrou resultados positivos em diversos estudos realizados no qual atuou como coadjuvante no tratamento dos diferentes tipos de lesão ulcerada

Assim, o estudo consiste em instigar os benefícios da laserterapia ao ser usado como tratamento fisioterapêutico na reparação tecidual da úlcera por pressão. Por ser um método terapêutico de baixo custo de investimento e manutenção, facilidade de aplicação e o fato de apresentar resultados clínicos importantes, acabam fazendo com que o laser seja um forte aliado no tratamento das úlceras por pressão.

A pesquisa teve como objetivo analisar os efeitos do laser na cicatrização da úlcera por pressão.

METODOLOGIA

A pesquisa utilizou um método hipotético com objetivo descritivo explicativo. Quanto ao método, define-se de um estudo transversal de natureza quantitativa com o grau e controle das variáveis do tipo não experimental. Utilizou-se como critério de inclusão: artigos periódicos indexados; artigos publicados em língua portuguesa, inglesa ou espanhola; artigos publicados entre os anos de 2010 à 2020; artigos que abordassem o tratamento da úlcera de pressão utilizando o laser de baixa potência com outros métodos; e como critério de exclusão: artigos cujo tratamento não foi realizado em humanos, artigos cujo laser não seja o evidenciado como o tratamento da úlcera por pressão. Assim, o período da busca deu-se no período de março a maio de 2019. Os descritores de pesquisa utilizados foram: Fisioterapia; Laserterapia; Lesões Cutâneas.

A partir dos critérios acima, objetiva-se verificar as características dos artigos publicados pertinentes com o tema utilizado neste estudo; para isso utilizou-se os cruzamentos dos descritores (úlcera de pressão e laser de baixa potência) relacionados com o laser ou úlcera por pressão. Após essa verificação, foi realizado um levantamento preliminar através de leitura seletiva dos resumos encontrados, como citado nos critérios de inclusão.

Para a coleta da pesquisa, realizou-se um levantamento bibliográfico, o qual é baseado na literatura publicada em forma de livros, em revistas especializadas, escritas ou eletrônicas; em jornais, em sites como Scientific Electronic Library Online – (SCIELO); Physiotherapy Evidence Database – (PEDro); Literatura Latinoamericana e do Caribe em Ciências da Saúde – (LILACS), especializados ou de busca. Outras importantes fontes de pesquisa são os eventos científicos, como congressos e seminários, utilizando arquivos em PDF ou no Word, e os artigos serão selecionados através do cruzamento associado dos descritores.

Para melhor organização e compreensão, realizou-se um tabelamento do material constituído do ano da pesquisa e autores separados de acordo com assuntos referentes. Com isso, será possível uma análise dos estudos selecionados, a fim de se obter um panorama detalhado da produção científica nacional e internacional sobre os efeitos do laser na cicatrização da úlcera por pressão.

A comparação entre os artigos pesquisados foi realizada através de uma análise de dados e os resultados foram descritos por meio de texto, e por meio da montagem de tabelas no Word para facilitar e ilustrar esse processo na melhor compreensão dos dados obtidos presentes neste estudo. A montagem da tabela foi feita através dos dados levantados, por meio de uma discussão entre autores e analise a partir da interpretação dos resultados evidenciados conforme revisão, com enfoque na melhor da técnica, a forma de aplicação, as convergências e divergências entre a técnica aplicada.

Posteriormente, os textos foram categorizados em uma tabela no programa Word que permitiram uma visualização mais clara dos dados coletados, considerando as palavras-chave e dados secundários como o resumo, após a seleção dos achados, realizamos a síntese dos dados através do fichamento. Os dados sintetizados foram documentados e analisados na revisão de literatura proposta, e para demonstrar os percentuais dos dados encontrados pelos atendimentos e protocolos que constam nos artigos utilizarmos o programa Word.

Figura 1: Fluxograma de identificação e seleção dos artigos para a revisão bibliográfica acerca dos efeitos do laser no processo de cicatrização das úlceras por pressão.

RESULTADOS

A tabela 1, mostra os artigos selecionados, para a realização desta revisão. O estudo resultou num total de 5 artigos, e segundo a análise de cada um obteve-se um resultado para mostrar sobre os efeitos do laser no processo de cicatrização da úlcera por pressão através de estudos originais.

Tabela 2: Principais resultados encontrados.

AnoAutorDuração do TratamentoPrincipais Resultados
2013Ruas1 vezes ao dia por 30 diasRedução no comprimento e largura dessas úlceras.
2017 2010Fialho et. al. Jacinto et al.2 a 3 vezes por semana com duração de 33 a 52 sessõesAumento do processo de cicatrização das UP.
2015 2015Palagi et al. Silva e Veronese2 vezes ma semana por 15 aplicaçõesAumento no processo de cicatrização, diminuição do tamanho e na exsudação da ferida.
2013Lima et al.7 atendimentos com intervalo de 2 diasAceleração cicatricial de tecidos mais profundos.
2011Lopes12 sessões, durante 2 meses, 2 vezes por semana, com duração de 60 minutosMelhora cicatricial.
2012Xavier et al.4 meses de tratamento, LTBI realizada semanalmente durante três semanas, com pausa de uma semana.Aumento no processo cicatricial, diminuição da dor e redução do tamanho da lesão.

Os estudos apresentados na tabela 2, expõe os principais resultados do efeito da Laserterapia no processo de cicatrização das úlceras por pressão, evidenciando a importância da eficácia dos mesmos, assim como na promoção da flexibilidade, funcionalidade e mobilidade tecidual proporcionando assim maior independência das propriedades mecânicas nos pacientes, os quais obteve resultados positivos com a aplicação do Laser, visando nas melhorias na qualidade e na aparência das úlceras.

DISCUSSÃO

De acordo com Ruas (2017), em seu estudo submeteu 14 pacientes ao tratamento com o Laserterapia com 3j/cm a 2kHz, de forma pontual continua uma vez ao dia, em dias alternados, com duração de 40 minutos cada atendimento, durante um mês. Após o término do tratamento, realizaram uma reavaliação de mensuração e observou que a úlcera apresentou redução em seu comprimento e largura, melhora da dor e do edema, aceleração do processo de cicatrização.

Acrescentam Fialho et al., (2017), em sua pesquisa realizada com 3 pacientes com úlcera por pressão, os quais foram tratados um usuário com o laser Hélio-Neônio e dois com o laser Arseneto de Gálioo. Foram realizadas oito sessões por mês, em meses consecutivos. No caso I, foram totalizadas 52 sessões de laserterapia com HeNe realizadas; já nos casos II e III, foram levadas a efeito de 22 a 46 sessões de AsGa, respectivamente. Os atendimentos ocorreram duas vezes por semana, a cada sessão era realizada reavaliação da lesão, retomadas as medidas de prevenção e de cuidados. Ao final das sessões os dois tipos de laser demonstraram resultados eficazes para o aumento cicatricial dos processos ulcerativos.

Jacinto et al., (2010), realizou um estudo de caso com uma paciente de 24 anos com úlceras de pressão em região sacral, sendo submetida ao uso do laser com parâmetros de 0,3J/cm² a 0,5J/cm, pontualmente nas bordas da ferida para a redução da UP. Foram realizadas 33 sessões por 3 vezes na semana em um período de 2 meses e a cada dez sessões a ferida era mensurada. Na sessão 33 observou que a UP se encontrava completamente cicatrizada, onde mostrou efeitos positivos, acelerando a proliferação tecidual, aumentando a vascularização local e formando um tecido de granulação mais organizado, favorecendo uma rápida cicatrização.

Concordam Palagi et al., (2015), através da realização do estudo de caso em um paciente submetido ao tratamento com o laser de baixa intensidade com luz contínua e pulsada, aplicado uma vez ao dia, três vezes na semana, por um período de cinco semanas consecutivas, totalizando 15 aplicações. Nas bordas da UP aplicou-se de forma pontual com 4 J/cm² e a uma distância de 1cm² entre os pontos. No centro da UP a forma de aplicação foi varredura, para tanto a caneta do laser ficou a uma distância de 1cm do tecido, num período de três a quatro minutos. No final dos atendimentos obteve aumento no processo de cicatrização, diminuíram o tamanho e na exsudação da ferida, além do aumento de tecido de epitelização.

Acrescenta Silva e Veronese (2015), em seu estudo com um único paciente conduzido a realizar Laserterapia para acelerar o processo de cicatrização da UP. As aplicações do laser foram realizadas de forma pontual com 2 sessões semanais, totalizando dezesseis atendimentos, incluindo as avaliações e reavaliações do tamanho das UP. Ao final dos atendimentos verificou-se que a aplicação de laserterapia proporcionou aumento do processo cicatricial, visto que reduziu o tamanho tanto na altura quanto na largura da UP, tornando-a um tratamento eficaz.

Entretanto Lima et al., (2013), recrutaram 5 pacientes com UP e utilizaram como tratamento a Laserterapia por se tratar de um procedimento menos agressivo, foram tratadas com os lasers GaAsInP (685 nm) e AlGaAs (830 nm), dosimetria de 4j/cm², forma pontual nas bordas da lesão e varredura no centro, sendo 7 atendimentos no intervalo de dois dias. E ao final do tratamento observou que o laser AlGaAs (830 nm) promoveu melhor tendência à restituição tecidual das UP devido a aceleração cicatricial de tecidos mais profundos.

Enquanto no estudo de Lopes (2011), realizaram o tratamento com apenas um paciente com cinco pontos de úlceras por pressão pelo corpo, em 12 sessões, durante dois meses, utilizando-se o laser com aplicação da irradiação com intensidade de 17 J/cm² de forma pontual com distância de 1 cm² por ponto. As sessões foram divididas em 2 vezes por semana, 60 minutos cada uma e durante todo o tratamento apenas a mesma fisioterapeuta foi a avaliadora e a responsável pela aplicação do procedimento. Após o final do tratamento concluir que o laser de baixa potência com dose de 17 J/cm2, atuou com sucesso no processo de cicatrização das UP.

Concordando com os autores anteriores Xavier et al., (2012), realizaram um estudo experimental com 13 pacientes com lesões dérmicas e aplicaram o laser LTBI em ponto, com os seguintes parâmetros: 5 J/cm² durante 10s. Após ao término das sessões pode observar que a laserterapia foi eficaz como fator acelerador no processo de reparo dessas lesões, favorecendo a evolução desse processo e permitindo uma melhora qualitativa no aspecto macroscópico das lesões, bem como redução da dor e diminuição do tamanho da área lesionada pela UP.

CONCLUSÃO

Diante do levantamento literário, pode-se analisar que os efeitos da Laserterapia proporcionaram melhora cicatricial das úlcera por pressão, mostrando-se eficaz principalmente para o aumento do processo de cicatrização tecidual, redução de dor e ação anti-inflamatória, ajudando também na prevenção de comprometimento estético e funcional. A utilização da técnica tornou possível restaurar a mobilidade tecidual e diminuir as tensões ao redor da úlcera e dessa forma contribuir para que a mesma não ocorra reincidivas.

O presente estudo analisou através dos relatos dos autores, que a Laserterapia por se tratar de um recurso utilizado pela fisioterapia produz efeito anti-inflamatório, analgésico, estimulante celular e modulador do tecido do conjuntivo na regeneração e na cicatrização de diferentes tecidos. Portanto o laser promoveu a diminuição das úlceras, aceleração da síntese de colágeno, redução dos microrganismos, aumento da mobilidade, da vascularização, do processo de cicatrização, proporcionou também melhora da coloração tecidual. Tornando-se elemento chave para contribuir e minimizar o risco de sequelas, limitações e reincidivas no tecido.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AFONSO, E. C. M. R. Laser de Baixa Potência, um Forte Aliado ao Tratamento Cicatricial da Úlcera de Pressão em Pacientes Hospitalizados. Revista Mineira de Ciências da Saúde. Patos de Minas: UNIPAM, v. 35, n. 3, p. 42, 2011.

BRAGA, J. V. P.; SILVA JUNIOR, J. E. F. Os efeitos da laserterapia de baixa potência em úlceras de pressão em pacientes hospitalizados: uma revisão bibliográfica. 2015. Disponível em: < http://www7.bahiana.edu.br/jspui/bitst ream/bahiana/322/1/Jaqueline%20Penalva%202015.pdf>.

FERNANDES, N. C. N.; AMARAL, J. P. B. V. Conhecimento da equipe multidisciplinar sobre prevenção, avaliação e tratamento de úlcera de pressão no Hospital Universitário Sul Fluminense/RJ. Estação Científica-Edição Especial “Fisioterapia” [Internet], v. 1, n. 1, 2012.

FIALHO, L.M.F; BARON, M.V; BRANDENBURG, C; MARTINS, A.B.T; Efeitos dos lasers Hélio-Neônio (HeNe) e Arseneto de Gálio (AsGa) associados à educação em saúde com foco na promoção da saúde de portadores de úlcera por pressão. Rev Med Minas Gerais, 2017; 27:e-1856.

JACINTO, J. B; MOTA, A. D. F. G; DE FREITAS, J. B; DA SILVA, G. M; DA CRUZ CANEVARI, G; Laserterapia na cicatrização de úlcera de pressão: Relato de caso. Sudamerica [Internet], 215-220, 2010.

LIMA, L; LIMA, B; RAMOS, L; ROCHA, W; MAGACHO, T; Efeitos do laser vermelho visível e infravermelho em úlceras de pressão grau III e IV. Revista Brasileira de Reabilitação e Atividade Física, Vitória, v.2 n.1, p. 8-14, abr.2013.

LOPES, L.D.F; Utilization of laser 660 nm, 17 J/cm² in pressured ulcer − A case study. Rev. Neurocienc. 2011;19(4):668-674

LUZ, S. R.; LOPACINSKI, A. C.; FRAGA, R.; URBAN, C. A. Úlceras de pressão. Geriatria & Gerontologia 4.1 (2010): 36-43. Disponível em: < http://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2014/10/2010-1.pdf#page=41>.

OHURA, T.; NAKAJO, T.; OKADA, S.; OMURA, K.; ADACHI, K. Evaluation of effects of nutrition intervention on healing of pressure ulcers and nutritional states (randomized controlled trial). Wound Repair Regen. 2011.

PALAGI S; SEVERO I.M; MENEGON D.B; LUCENA A.F; Laserterapia em úlcera por pressão: avaliação pelas Pressure Ulcer Scale for Healing e Nursing Outcomes Classification. Rev Esc Enferm USP · 2015; 49(5):826-833.

RUAS, R.F.B; Efeitos do laser de baixa potência arseneto de gálio e alumínio (830 nm) em úlceras crônicas. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires – Año 18 – Nº 181 – Junio de 2013.

SILVA, M.C.M; VARONESE, D.S; Aplicação de laserterapia em úlcera de pressão em pacientes com lesão medular – UM RELATO DE CASO. FIEP BULLETIN – Volume 85 – Special Edition – ARTICLE I – 2015.

SMITH, M. B.; TOTTEN, A.; HICKAM, D. H.; WASSON, N.; RAHMAN, B.; SAHA, S. Pressure ulcer treatment strategies: a systematic comparative effectiveness review. Annals of internal medicine, v. 159, n. 1, p. 39-50, 2013.

XAVIER, E.M; FERREIRA, J; RANIERO, L.J; BATISTA, J.R.X; FREITAS, M.L.L; SOUSA, M; LO SCHIAVO ARISAWA, E.A; Cicatrização de feridas decorrentes da hanseníase utilizando laser de baixa intensidade. Hansen Int. 2012; 37 (1): 51-57.

ANEXO

Carta Aceite do (a) Orientador (a) para Trabalho de Conclusão de Curso

Eu, Jeronice Souza Rodrigues, pelo presente, informo á coordenação e ao professor (a) responsável pela disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso, do

Curso de Fisioterapia que aceito orientar o (a) acadêmico (a)_Clícia Souza de

Menezes, na elaboração do seu TCC, intitulado: Úlcera por pressão e reparação tecidual: um levantamento literário sobre os efeitos do laser no processo de cicatrização._

Manaus, ___de ________ de______.

_____________________________________

Assinatura do (a) Coorientador (a)

(Se houver, e com autorização do Orientador de Conteúdo)

_______________________________________

Assinatura do (a) Orientador (a) de Conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.