TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ATRAVÉS DO USO DE ELETROLIPÓLISE E ANÁLISE DE ULTRA-SONOGRAFIA

Pâmela Billig Mello ; Aline Martinelli Piccinini²; Elisângela Batista³; Luís Henrique Telles da Rosa4; Patrícia Viana da Rosa5.

Resumo
O objetivo deste estudo foi analisar a eficácia do tratamento da gordura localizada através do uso da eletrolipólise nos modos transcutâneo e percutâneo. A amostra foi composta de 21 mulheres, com idades entre 18 e 28 anos, divididos em três grupos: Grupo 1 (Grupo-Controle), que não realizou tratamento; Grupo 2 (Grupo Transcutâneo), que recebeu tratamento transcutâneo com uso de eletrodos de silicone, e Grupo 3 (Grupo Percutâneo), que recebeu tratamento percutâneo com uso de eletrodo de agulha. Inicialmente foi realizada uma avaliação física e exame de ultra-sonografia de imagem, tendo sido realizado 10 sessões de atendimento com uma freqüência de um atendimento por semana e, ao final do tratamento foi realizada a reavaliação das voluntárias. Na comparação das médias da idade e IMC entre os grupos não se foi identificado diferença. Na comparação entre os resultados do pré e pós teste no Grupo 1 não houve diferença significativa, contudo entre os resultados do Grupo 2 foram encontradas diferenças significativas nas variáveis de perimetria e na mensuração da camada de gordura superior umbilical. Da mesma forma, no Grupo 3, foi identificada diferença significativa nas medidas da perimetria da cicatriz umbilical e infra-umbilical. Assim, esta pesquisa permitiu identificar que a eletrolipólise pode ser utilizada como recurso de tratamento na redução de gordura localizada, tendo sido encontrado no modo trasncutâneo os resultados mais efetivos.
Palavras-chave: Eletroterapia. Fisioterapia EstéticaUltra-Sonografia.
INTRODUÇÃO
Os paradigmas de beleza vêm se alterando no decorrer dos anos. O conceito do que é belo, na Renascença, difere do ideal de beleza moderno, por exemplo. Basta que se apreciem obras de arte de diferentes épocas para perceber que os padrões de beleza não são estanques. Contudo, mesmo a partir de diferentes modelos, pode-se dizer que a preocupação com a estética é constante nas diferentes sociedades e períodos. Tanto o ato indígena de pintar o corpo, como a preocupação chinesa de se ter um pé pequeno, por exemplo, ilustram perfeitamente a importância da aparência nas diferentes sociedades e culturas.
A preocupação com a aparência faz parte de nossa cultura. As pessoas sentem necessidade de estar dentro do padrão de beleza ditado como ideal pela sociedade para se sentirem parte desta. A partir deste contexto, a preocupação com a pele e com a presença de gorduras localizadas ganha potencial importância em nossa sociedade.
A pele possui inúmeras funções, como a de defesa orgânica, proteção contra diversos agentes do meio ambiente, regulação térmica, regulação da pressão e do fluxo sanguíneo e linfático, funções sensoriais, reservatório de alimento e de água, sendo importante na respiração, no metabolismo e no armazenamento de gordura (GUIRRO; GUIRRO, 2004).
É, portanto, o mais sensível dos órgãos do corpo humano, constituindo o primeiro meio de comunicação e também o mais eficiente protetor, localizando-se aí a primeira e última linha de defesa do indivíduo. Ela é composta de 3 camadas principais: epiderme, derme e hipoderme.
A epiderme é constituída essencialmente por um epitélio estratificado pavimentoso queratinizado. A derme é uma espessa camada de tecido conjuntivo sobre o qual se apóia a epiderme, comunicando esta com a hipoderme. Também chamada de tela subcutânea, a hipoderme é o “tecido sobre o qual a pele repousa, formado por tecido conjuntivo que varia do tipo frouxo ou adiposo ao denso nas várias localizações e nos diferentes indivíduos” (GUIRRO; GUIRRO, 2004).
A camada mais profunda da pele é formada por um número significativo de adipócitos. O adipócito é uma célula que apresenta pequenos vacúolos de gordura distribuídos pelo seu interior. Estes vacúolos são os que recebem o excesso de gordura da alimentação (GUIRRO; GUIRRO, 2004). A tela subcutânea ou hipoderme onde contém tecido adiposo recebe o nome de panículo adiposo, este representa um verdadeiro sistema de armazenamento e reserva de gordura.
A hipoderme, em geral, compõe-se de duas camadas: tecido adiposo comum, amarelo ou unilocular e tecido adiposo marrom, multilocular ou pardo. “O tecido adiposo é uma forma especializada de tecido conjuntivo, sendo constituído por células que armazenam gordura, chamadas adipócitos, associadas à grande irrigação sanguínea” (ROSS & ROMRELL, 1993). Pode ser encontrado de forma isolada ou em pequenos grupos, nas malhas de muitos tecidos conjuntivos, ou ainda agrupado em grandes áreas do corpo, como no tecido subcutâneo (BORGES, 2006).
O tecido adiposo unilocular forma, nos indivíduos bem nutridos, uma camada mais ou menos contínua no tecido conjuntivo, sob a pele. Esta camada é chamada panículo adiposo ou, histologicamente, hipoderme (ROSS & ROMRELL, 1993). Em geral, o tecido adiposo se localiza, preferencialmente, no tecido conjuntivo situado debaixo da pele da porção inferior do abdome, das nádegas, da axila e das coxas. Porém, esta distribuição no corpo varia, conforme biótipo, sexo e idade. Conforme Ross e Romrell (1993, p.119), “a quantidade de tecido adiposo em um indivíduo é determinada por fatores hereditários e ambientais, sendo o principal destes a ingestão de calorias”.
O tecido adiposo marrom, também é chamado de pardo em função de sua cor característica. Esta cor deve-se à abundante vascularização e às numerosas mitocôndrias que encontramos em suas células. (JUNQUEIRA & CARNEIRO, 1995). O tecido adiposo pardo está presente em grande quantidade nos animais hibernantes. Serve como fonte imediata de combustível de aquecimento, que é utilizada pelo animal quando acorda da hibernação (ROSS & ROMRELL, 1993, p. 121). No caso dos seres humanos, este tecido está presente em grande quantidade no recém-nascido, sendo ampla a sua distribuição nos primeiros dez anos de vida. A quantidade do tecido adiposo pardo diminui gradativamente, chegando a desaparecer da maioria dos locais, exceto das regiões em torno dos rins, da aorta e das regiões do pescoço e do mediastino.
Uma molécula de gordura possui os mesmos elementos estruturais da molécula de carboidrato (GUIRRO & GUIRRO, 2004). Em repouso, tanto gorduras quanto carboidratos contribuem quase que igualmente para o suprimento energético. As funções mais notáveis da gordura corporal incluem: proporcionar a maior reserva corporal de energia potencial, funcionar como acolchoamento para a proteção dos órgãos vitais, criar isolamento em relação ao estresse térmico dos ambientes, ser um veículo de transporte para as vitaminas lipossolúveis e funcionar como reservatório de água, uma vez que a gordura ao ser metabolizada produz água (GUIRRO & GUIRRO, 2004, p.49).
Por outro lado, a ingestão excessiva de gordura parece contribuir para diversas doenças crônicas, tais como: doença cardiovascular, diabete melito, obesidade, derrame cerebral e câncer. Em função disso, recomenda-se um baixo consumo de gorduras alimentares (DUTRA-DE-OLIVEIRA & MARCHINI, 1998).
De acordo com Bouchard (2003), o armazenamento de gorduras envolve múltiplas etapas; após a ingestão dos alimentos, os nutrientes são digeridos, absorvidos e processados, de tal maneira que sejam, eventualmente, utilizados no tecido adiposo. O excesso de peso, associado a um estilo de vida inativo, representa um risco para a saúde, pois aumenta a probabilidade de mortalidade. A gordura amarela é amplamente distribuída no tecido subcutâneo, mas quanto à quantidade, apresenta diferenças regionais influenciadas pelo sexo e pela idade. A quantidade de tecido adiposo em um indivíduo é determinada por fatores hereditários e ambientais, sendo o principal desses a ingestão de calorias.
Segundo Lofgren et al. apud Borges (2006) as principais áreas de localização da gordura subcutânea são:
– No homem: nuca, região acima da sétima vértebra cervical, áreas subcutâneas que recobrem o deltóide e o tríceps, região lombosacra e nádegas;
– Na mulher: mamas, nádegas, região epitrocanteriana e na parte anterior da coxa.
A eletrolipólise é uma técnica destinada fundamentalmente ao tratamento de adiposidades e acúmulos graxos localizados. Este recurso possibilita o tratamento através de eletrodos e agulhas. Teoricamente, tratamento com eletrodos é de eficácia intermediária, visto que as placas são colocadas superficialmente na pele e esta é um obstáculo muito grande à passagem de corrente elétrica até o tecido gorduroso, dificultando o tratamento e aumentando o número de sessões terapêuticas. Já o tratamento com agulhas é um dos métodos mais modernos (ULLMANN, REIS & STEIBEL, 2003).
Desta forma, o objetivo deste estudo foi verificar os efeitos da eletrolipólise no tratamento da gordura localizada em mulheres, bem como comparar os efeitos do tratamento percutâneo e transcutâneo.

METODOLOGIA

Caracterização do estudo
Este estudo foi do tipo experimental na modalidade de ensaio clínico, com grupo controle, utilizando uma abordagem quantitativa.

Local de estudo
Esta pesquisa foi realizada no município de Ijuí-RS, nas dependências da Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ, sendo aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade.

População e Amostra
A população deste estudo foi constituída de voluntárias do gênero feminino, portadoras de gordura localizada na região do abdômen. A amostra foi selecionada de forma intencional.
por voluntariedade. Foi constituída de 21 sujeitos com idades entre 18 e 28 anos, divididos em três grupos de forma aleatória sendo que: 7 voluntárias participaram do Grupo Controle não recebendo tratamento (Grupo 1), 7 voluntárias receberam tratamento na forma transcutânea (Grupo 2) e 7 voluntárias receberam tratamento na forma percutânea (Grupo 3).

Critérios de Inclusão e Seleção da Amostra
Foram incluídas no estudo mulheres entre 18 e 28 anos, sem história de doença prévia, não gestantes e com Índice de Massa Corporal (IMC) na faixa da normalidade, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).
Inicialmente foi realizado um contato com as voluntárias interessadas em participar do estudo. As mesmas receberam explicações sobre a pesquisa de como seria realizado o tratamento, em seguida assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, o qual informou sobre o objetivo do estudo e que o mesmo não apresentava risco à saúde das voluntárias.
O estudo limitou-se a avaliar a eficácia de um tratamento Fisioterapêutico para a gordura localizada. As pacientes não realizaram nenhum tipo de controle em relação à prática de atividade física e dieta.

Procedimentos
Primeiramente realizou-se uma avaliação física que constou de: anamnese, avaliação antropométrica para classificação de índice de massa corporal (IMC) e medidas de perimetria do abdômen.
A medida da perimetria foi realizada na primeira sessão e mensurada com a utilização de uma fita métrica em três regiões corporais: a região supra-umbilical a 5 cm acima da cicatriz-umbilical; a região da cicatriz-umbilical, com a medida realizada sobre a cicatriz-umbilical; e, a região infra-umbilical, com a medida realizada a 5 cm abaixo da cicatriz-umbilical, conforme descrito por Leite (1990).
O Índice de massa Corporal (IMC) foi calculado pela divisão do peso em quilogramas pelo quadrado da altura em metros, conforme descrito pelo OMS.
Antes de iniciar o tratamento as pacientes também foram submetidas ao exame de ultra-sonografia de imagem, mensurando a camada de gordura. Esta avaliação foi realizada ao lado direito e esquerdo acima da cicatriz umbilical e ao lado direito e esquerdo abaixo da cicatriz umbilical. Para realização do referido exame foi utilizado o aparelho de Ultra-som GE®, modelo VOLUSON 730 – EXPERT, Tridimensional (3D), com sonda SP 4 – 10 MHz.
O tratamento foi realizado utilizando o aparelho HVS Eletrolipólise da marca KW® Indústria Nacional de Tecnologia Eletrônica Ltda, nos modos Transcutâneo e Percutâneo, com uma freqüência de 15HZ associada à forma de onda C. As sessões de eletrolipólise tiveram uma freqüência de 1 (uma) vez por semana, duração de 40 minutos, com um total de 10 sessões em um período dez semanas, sendo a região do abdômen o local do tratamento. A intensidade foi alterada conforme a sensibilidade de cada voluntária.
Na modalidade transcutânea, foram colocados eletrodos em um espaço máximo de 5 cm entre um e outro com gel carbopol para a condução da corrente. O estímulo foi transmitido através de corrente elétrica bidirecional com pulsos de baixa freqüência, curta duração e componente galvânico nulo aplicado através de pares de eletrodos.
Na modalidade percutânea, primeiramente foi realizado assepsia através de álcool da região do abdômen, em seguida, foram introduzidas agulhas de 0.25x40mm, na posição vertical logo abaixo da pele, na junção derme-hipoderme, com espaço máximo de 5cm entre as agulhas. Essa prática é indolor, e a presença de sintomas álgicos indica um posicionamento inadequado das agulhas, havendo então uma correção do posicionamento das mesmas. As agulhas permaneciam implantadas no tecido subcutâneo dentro do tecido graxo, paralelas entre si (CAMPOS, 2000).
Ao final do tratamento os sujeitos do estudo foram submetidos à reavaliação com os mesmos procedimentos prévios ao tratamento.

Análise estatística
Os dados coletados foram analisados com a utilização da estatística descritiva através do uso do programa Microsoft Excel e SPSS, versão 11.1. As variáveis quantitativas foram descritas em função de sua média e desvio padrão.
Para a comparação das médias entre o pré-teste e o pós-teste em cada grupo, foi utilizado o Teste de t de Student ou ANOVA, quando o caso, com um intervalo de confiança de 95%.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
A idade mínima entre o total dos sujeitos da amostra foi de 18 anos e a idade máxima 28 anos, apresentando uma média de idade de 22,23 anos (±3,24).
Na comparação das médias entre os grupos, com a utilização da Análise de Variância (ANOVA) não foi identificada diferença significativa entre os valores da idade (p= 0,51; Tabela 1).

Tabela 1 – Descrição da média de idade dos grupos da amostra

Os resultados do IMC entre o total dos sujeitos da amostra indicam um valor mínimo de 17,6 e máximo de 26,5 com uma média de 20,21 (±2,08), portanto dentro da faixa de normalidade conforme a OMS.
Na comparação das médias dos valores do IMC entre os grupos com a utilização da Análise de Variança (ANOVA) também não foi identificada diferença significativa (p= 0,45; tabela 2).
O fato de não haver diferença entre as médias de idade e IMC entre os grupos mostra que os grupos são homogêneos e, portanto, podem ser comparados entre si.

Tabela 2 – Descrição da média dos valores do IMC dos grupos da amostra

No Grupo 1 na comparação com a utilização do Teste t de Student entre as médias dos valores do pré e pós teste nas medidas da perimetria supra-umbilical, umbilical e infra-umbilical e entre as médias dos valores da mensuração da camada de gordura não foi identificado diferença estatisticamente significativa. Isto indica que não ocorreu modificação na espessura da camada de gordura localizada e na perimetria abdominal conforme descrito na tabela 3.

Tabela 3 – Descrição das médias dos valores da perimetria e mensuração da camada de gordura no Grupo 1.

Desta forma, pode-se dizer que a não realização de estratégias de tratamento para redução na composição deste tecido não favorece o surgimento de mudanças. O acúmulo de gordura no gênero feminino pós-puberdade é esperado. A falta de exercícios físicos leva à flacidez muscular e dos tendões, com prejuízo dos mecanismos de propulsão do sangue de retorno, o que favorece a estase e o edema, além de ativar a lipogênese, pela redução do fluxo (KEDE & SABATOVICH, 2004).
No Grupo 2 na comparação com a utilização do Teste t de Student entre as médias dos valores do pré e pós teste nas medidas da perimetria supra-umbilical, umbilical e infra-umbilical e entre as médias dos valores da mensuração da camada de gordura foram identificadas algumas diferenças, conforme assinala a tabela 4.

Tabela 4 – Descrição das médias dos valores da perimetria e mensuração da camada de gordura no Grupo 2.


A redução de determinadas medidas verificada no Grupo 2 pode estar associada a aplicação da Eletrolipólise na modalidade transcutânea, que é uma forma de tratamento de Eletroterapia que utiliza corrente bidirecional, com alternância de polaridade a cada segundo que trata a gordura localizada e a celulite em seus diversos graus através de uma estimulação da pele através do uso de eletrodos de silicone. Zanin, Nohama e Lozzo (2008) também utilizaram ultra-sonografia para avaliar os efeitos desta técnica e encontraram uma diminuição significativa na camada de tecido adiposo subcutâneo abdominal. De Paula, Picheth e Simões (2007), também encontraram diminuição do perímetro abdominal após 6 sessões terapêuticas de eletrolipólise e verificaram, ainda, redução significativa da concentração sérica de glicerol basal e pós-tratamento.
No Grupo 3 na comparação com a utilização do Teste t de Student entre as médias dos valores do pré e pós teste nas medidas da perimetria supra-umbilical, umbilical e infra-umbilical e entre as médias dos valores da mensuração da camada de gordura foram identificadas algumas diferenças, conforme assinala a tabela 5.
Confirmando os efeitos positivos deste tipo de terapia Ge et. al. (2007) descreveram uma melhora de parâmetros relacionados com à obesidade, tais como o volume das células adipócitas e dos lipídios sanguíneos em ratos obesos após a estimulação elétrica com agulhas em pontos específicos de acupuntura. Os autores verificaram que a estimulação elétrica de mais alta freqüência (100Hz) foi mais eficaz que a de 30Hz.

Tabela 5 –  Descrição das médias dos valores da perimetria e mensuração da camada de gordura no Grupo 3.


CONCLUSÕES
Os dados finais indicaram que o grupo não submetido a nenhum tipo de tratamento não teve alterações na perimetria e nas medidas de mensuração das camadas de gordura. Porém o grupo tratado com eletrolipólise transcutânea apresentou diferenças em diversas medidas perimétricas e de mensuração da camada de gordura e o grupo tratado através da eletrolipólise percutânea apresentou diferenças significativas em algumas medidas perimétricas, mas não na mensuração das camadas de gordura.
Desta forma, em nosso estudo a utilização da eletrolipólise na modalidade transcutânea se mostrou eficaz na redução da camada de gordura da região abdominal (perceptível tanto na perimetria como na ultra-sonografia). Já a eletrolipólise na modalidade percutânea, embora referida como mais eficaz no tratamento da gordura localizada, mostrou redução de medidas perimétricas, mas não houve diferenças significativas na análise por ultra-sonografia.
Cabe ressaltar, porém, a importância de aliar esta terapia à prática de atividade física regular. Barros, Martins e Mattos (2008) analisaram os efeitos da eletrolipólise em mulheres sedentárias e praticantes de atividade física e observaram redução da espessura do tecido adiposo infra-umbilical apenas no grupo praticante de atividade física, sendo que as concentrações séricas do perfil lipídico e ácidos graxos não esterificados sugeriram que houve lipólise em ambos os grupos.
REFERÊNCIAS

BARROS, L.S.R.; MARTINS, R.C.; BORGES, F.S. Efeitos da eletrolipólise no tecido adiposo, fígado e nas concentrações séricas de ácidos graxos: estudo piloto. Fisioterapia Brasil. 9(1). 2008.
BORGES, F. S. Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte, 2006.
BOUCHARD, C. Atividade Física e Obesidade. São Paulo: Manoele, 2003.
CAMPOS, M. S. M. P. Manual do aparelho HVS eletrolipólise, 2000.
COSTA, R. F. Composição Corporal Teoria e Prática da Avaliação. São Paulo: Manole, 2001.
DE PAULA, M.R.; PICHETH, G.; SIMÕES, N. P. Efeitos da eletrolipoforese nas concentrações séricas do glicerol e do perfil lipídico. Fisioterapia Brasil. Suplemento especial, jan-fev. 2007
DUTRA-DE-OLIVEIRA, J. E.; MARCHINI, J. S. Ciências nutricionais. São Paulo: Sarvier, 1998.
GE, J.J.; WANG, S.J.; SUN, L.H.; LI, Q; XIAO, H.L. Effects of electroacupunture of different frequencies on slimming effect in the rat of experimental obesity. Zhongguo Zhen Jiu. 27(8): 598-600. 2007.
GUIRRO, E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional. 3 ed. São Paulo: Manoele, 2004.
JUNQUEIRA; CARNEIRO. Histologia básica. 8 ed. Rio de Janeiro: Koogan, 1995.
KEDE, M.P.V.; SABATOVICH, O. Dermatologia Estética. São Paulo: Atheneu, 2004.
LEITE, P. F. Aptidão Física, esporte e saúde: prevenção e reabilitação. 2. ed. São Paulo-SP: Robe, 1990.
ROSS, M. H.; ROMRELL, L. J. Histologia: texto e atlas. 2 ed. São Paulo: Panamericana, 1993.
ULLMANN, D.; REIS, T. M.; STEIBEL, V. Curso de Atualização em Medicina Estética. v. II, 4 ed. Porto Alegre, 2003.
ZANIN, C.T.P.; NOHAMA, P.; LOZZO, E.J. Efeitos da eletrolipoforese e da iontoforese com cúrcuma no tecido adiposo. Anais do 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica. 263-266. 2008.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

1 comentário em “TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ATRAVÉS DO USO DE ELETROLIPÓLISE E ANÁLISE DE ULTRA-SONOGRAFIA”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.