TRADUÇÃO DO CONHECIMENTO NA SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS MÍDIAS

Dra. Marina Junqueira Airoldi (SP)
Fisioterapeuta, Mestre em Ciências Médicas (FCM-Unicamp), Co-fundadora do Instituto Nossa Casa.
www.nossacasa.org.br
PALESTRANTE CONFIRMADA

Dra. Beatriz Santos Vieira (SP)
Mestre em Human Movements Sciences, Vrije Universiteit Amsterdam, Co-
fundadora do Instituto Nossa Casa
www.nossacasa.org.br

Contextualização: A Paralisia Cerebral tem efeitos ao longo da vida na função, participação e qualidade de vida das crianças e suas famílias. O planejamento de avaliações padronizadas, para identificar e quantificar demandas e evoluções, e o uso de intervenções baseadas em evidências são necessários para amparar e conduzir de forma mais adequada o desenvolvimento das crianças com Paralisia Cerebral e são pilares importantes para decisões clínicas, decisões no âmbito pessoal e familiar e no desenvolvimento de políticas públicas eficazes. A Prática Baseada em Evidências (PBE) é a tomada de decisão consciente que é baseada não somente em evidências científicas isoladamente, mas também nas características e preferências dos pacientes, levando em conta que o cuidado do paciente é individual e envolve várias incertezas (Cochrane Collaboration, 2003).

Desenvolvimento: O uso das tecnologias digitais tem crescido cada dia mais em nossas vidas, provocando mudanças significativas na sociedade. As Mídias e as Redes Sociais vieram revolucionar a comunicação e interação entre as pessoas, e o público ganhou um espaço de diálogo onde é possível uma construção de uma opinião pública livre de constrangimentos e que permite uma diversidade de conteúdos informativos capaz de alcançar inúmeras pessoas, de diferentes classes sociais e regiões demográficas. Com isso, a interação, a troca e a velocidade que o conhecimento é transmitido também são pontos que se beneficiam com o uso das ferramentas digitais. Sabemos que existem inúmeras barreiras entre o conhecimento científico produzido mundialmente e os usuários finais (profissionais, famílias, decisores políticos), por outro lado, muitas vezes as demandas locais da sociedade, também não chegam aos pesquisadores, dificultando a aplicabilidade de alguns conhecimentos produzidos. Em vista disso, o Instituto Nossa Casa foi fundado com o propósito de minimizar as barreiras entre a comunidade e à ciência. Tem como missão realizar a tradução do conhecimento científico (Knowledge Translation) sobre questões relacionadas à inclusão de crianças com deficiência, com um enfoque maior na deficiência física mais comum da infância, a Paralisia Cerebral. Um de seus pilares foca em realizar a tradução do conhecimento nas mídias sociais.Após identificação do problema, que é a existência de inúmeras barreiras no que compete o acesso, a disseminação de informação com embasamento e o impacto negativo que isso causa na vida das crianças e nas tomadas de decisões de suas famílias, o Instituto Nossa Casa ativou uma grande rede de pesquisadores nacionais e internacionais para apoiarem, guiarem e revisarem toda a parte técnica relacionada à síntese do conteúdo científico. A Nossa Casa, desde seu início, tem como um de seus principais apoiadores científicos, um dos maiores grupos de pesquisa do mundo na área, o CanChild – Canadá. Além do apoio mais próximo do CanChild, atualmente a Nossa Casa tem contato e conta com apoio de membros das principais academias e grupos de pesquisa do mundo entre eles a American Academy for Cerebral Palsy & Developmental Medicine (AACPDM), e a Academia Latinoamericana de Desarrollo Infantil y Discapacidad (ALDID). Focamos os nossos esforços em traduzir tais conteúdos respaldados por estes profissionais e pelos artigos com grande impacto e formamos outra rede de pessoas especialistas em mídias digitais e produções de vídeos. Trabalhamos com os conceitos realizados para entregar informações com muito respaldo científico, porém de forma clara, leve e amigável para a população. Por meio de uma linguagem acessível, conseguimos atingir desde profissionais da área, famílias até o público geral. Além disso, formamos rede de profissionais clínicos, familiares e pessoas com Paralisia Cerebral para realizar uma escuta ativa de os pontos de vista e estabelecer um elo e ser ponte entre essas esferas. Trabalhamos com website, página no Facebook, Instagram e Canal no Youtube. Diversos conteúdos audiovisuais vêm sendo produzidos e veiculados nessas redes. Métricas de mídia sociais e um formulário disponibilizado no website são utilizados para identificar as principais demandas do público e delinear futuros conteúdo a serem produzidos. Alguns materiais já foram traduzidos em quatro línguas demonstrando o impacto e os benefícios da tradução do conhecimento nas mídias sociais.

Considerações finais: A rápida aderência às páginas e o alcance e compartilhamento do material produzido pela Nossa Casa indica que redes sociais podem ter um importante potencial para serem utilizadas como ferramenta de Disseminação do Conhecimento e também um facilitador para a Prática Baseada em Evidencia.

Leitura complementar:
Imms C, Kerr C, Bowe SJ, et al. Efficacy of a knowledge translation approach in changing allied health practitioner use of evidence-based practices with children with cerebral palsy: a before and after longitudinal study [published online ahead of print, 2020 Mar 5]. Disabil Rehabil. 2020;1‐14. doi:10.1080/09638288.2020.1727576

Graham ID, Tetroe JM. Getting evidence into policy and practice: perspective of a health research funder. J Can Acad Child Adolesc Psychiatry. 2009;18(1):46‐50. https://canchild.ca/en/research-in-practice/knowledge-translation-exchange

2 comentários em “TRADUÇÃO DO CONHECIMENTO NA SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NAS MÍDIAS”

  1. Regiane Krakauer Kuhn

    Estas fisioterapeutas são sensacionais ! Não canso de dizer ! São exemplo pra nossa classe profissional!
    Parabens , Marina e Beatriz ! Parabéns , Nossa Casa !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.