Rio recebe campanha de prevenção à osteoporose

O envelhecimento da população e a falta de prevenção têm contribuído com o crescimento da osteoporose, doença responsável pelo aumento de incidência das fraturas por fragilidade em idosos e que atinge uma em cada três brasileiras acima dos 45 anos1. Com uma população idosa de mais de 2 milhões de pessoas no estado, de acordo com o último Censo do IBGE2, o Rio de Janeiro recebe a Campanha de Prevenção à Osteoporose. A iniciativa é promovida pela Pfizer Consumer Healthcare, em parceria com a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO). 

Durante a campanha, que será realizada de 5 a 21 de agosto, na unidade da Drogaria Venâncio localizada na Ru a Olegário Maciel, poderão ser feitos, gratuitamente, o teste de cálcio, em que uma nutricionista avalia se o consumo do mineral está adequado e também o teste de calcâneo, que rastreia a osteoporose. A descalcificação progressiva dos ossos começa a ocorrer por volta dos 35 anos3, assim é importante iniciar a suplementação do mineral nessa faixa etária.

A Organização Mundial da Saúde (OMS)4 acredita que, no Brasil, mais de 10 milhões de pessoas sofram com a osteoporose. A doença é silenciosa e costuma ser diagnosticada após a primeira queda. Dados do Ministério da Saúde5 revelam um aumento de 30% nos casos de fraturas em idosos nos últimos cinco anos. Em 2008, foram 67.664 registros, mas em 2013 o número saltou para 85.939. Especialista da University College de Londres, David Marsh, que participou do Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia, realizado em maio último, alertou que as fratura s por fragilidade em idosos, relacionadas a doenças como osteoporose, devem aumentar em seis vezes nos próximos 20 anos, na América do Sul. 

Alimentação é o segredo
“O brasileiro está vivendo mais, assim as doenças que se agravam com o envelhecimento também aumentam. Porém, no caso da osteoporose, a prevenção é muito simples – dieta rica em cálcio, banhos de sol e exercícios físicos – o que contribui muito para uma boa qualidade de vida na terceira idade”, esclarece o presidente da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO) e professor de Reumatologia, Sebastião Cezar Radominski. Uma dieta rica em cálcio contém leite e derivados e ainda verduras de folhas verde escuras. “Quando a ingestão de cálcio é baixa, é recomendável o uso de suplementos de cálcio e vitamina D, especialmente nos pacientes em ri sco de osteoporose e fraturas”, orienta o presidente da ABRASSO.

De acordo com o estudo Brazos6 (Brazilian Osteoporosis Study), o brasileiro consome três vezes menos cálcio que a quantidade diária recomendada e até seis vezes menos vitamina D, fundamental para a absorção do mineral. Se o organismo tem carência de vitamina D, somente entre 10% e 15% do cálcio ingerido é absorvido e, sozinho, ele não consegue se fixar nos ossos6, podendo ocorrer a desmineralização óssea, o que aumenta o risco de quedas e fraturas. 

Cálcio na medida certa
Mantenha sempre uma alimentação rica em cálcio, pratique atividades físicas e tome banhos de sol com regularidade.  
Utilize suplementos de cál cio e vitamina D, para complementar a dieta. 
Lembre-se que a perda de cálcio dos ossos inicia a partir do 35 anos.

Serviço: Campanha de Prevenção à Osteoporose
Data: 5 a 21 de agosto
Horário: das 8 às 17h, de segunda a sábado
Local: Drogaria Venâncio – Rua Olegário Maciel, 188

Referências:        
1 – Paiva LC, et al. Impact of degenerative radiographic abnormalities and vertebral fractures on spinal bone density of women with osteoporosis. São Paulo Med J/Rev Paul Med 2002;120(1):9-12.
2 – Censo IBGE 2010. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/SIS_2010.pdf. p. 198.
3 – Harold M Frost, On Our Age-Related Bone Loss: Insights from a New Paradigm. Journal of Bone and Mineral Research.  Volume 12, Number 10, 1997
4 – http://www.portaldaenfermagem.com.br/plantao_read.asp?id=2264
5 – http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2014/05/11/interna_ciencia_saude,426969/registro-de-lesoes-osseas-em-idosos-subiu-30-em-cinco-anos-diz-balanco.shtml
6 – Pinheiro MM, Ciconelli RM, Martini LA, Ferra z MB. Clinical risk factors for osteoporotic fractures in Brazilian women and men: the Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Osteoporos Int. 2009;20(3):399-408.
Pfizer Consumer Healthcare – PCH 
A Pfizer Consumer Healthcare, divisão de consumo do grupo Pfizer, atua em mais de 90 países e comercializa produtos isentos de prescrição médica que promovem saúde e bem-estar para mais de 4 bilhões de consumidores em todo o mundo. No Brasil, a empresa atua nas categorias de analgésicos, antiácidos, multivitamínicos e nutricosméticos, representados pelas marcas Advil, Centrum, Caltrate, Clusivol, IMEDEEN, Magnésia Bisurada e Stresstabs. Hoje, o crescimento da PCH é impulsionado por três marcas globais: Centrum, o multivitamínico número 1 do mundo; Advil, o analgésico mais vendido globalmente, e Caltrate, a marca líder entre os suplementos de cálcio. Fundada em 1849 e instalada no Brasil desde 1952, a Pfizer está comprometida em fazer o melhor para colaborar para a qualidade de vida das pessoas em todas as etapas da vida, oferecendo opções terapêuticas para prevenção e tratamento de uma variedade de doenças. A companhia também mantém e acompanha projetos sociais voltados para educação, saúde e sustentabilidade no país. 

Informações à imprensa – Ketchum
Ana Luiza Petry – (11) 5090.8900 ramal 8828 / analuiza.petry@ketchum.com.br 
Juliana Fernandes – (11) 5090.8900 – ramal 8999 / juliana.fernandes@ketchum.com.br
Fabrício Costa – (11) 5090.8924 / fabricio.costa@ketchum.com.br

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.