REVISÃO TRABALHO DE PARTO, PARTO E BIOMECÂNICA CORPORAL NO TRABALHO DE PARTO

Dra. Cláudia de Oliveira (SP)

Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia na Saúde da Mulher pelo COFFITO, Mestre e Doutora em Ciências pelo Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – FMUSP, Docente do Departamento de Fisioterapia, Universidade Santa Ceclia, Santos – SP, Membro da Associação Brasileira de Fisioterapia em Saúde da Mulher ABRAFISM.

Contextualização: A mudança da postura materna durante o trabalho de parto tem se mostrado eficiente para aumentar a velocidade da dilatação cervical, promover o alívio da dor durante as contrações e facilitar a descida fetal [1]. As parturientes deveriam ser incentivadas a adotarem posturas alternadas, de acordo com as habilidades motoras das mesmas [2].

Desenvolvimento: O fisioterapeuta especialista em Fisioterapia na Saúde da Mulher com foco em Obstetrícia é o profissional da saúde com maior especificidade no atendimento dessa mulher por utilizar a biomecânica como sua maior ferramenta para incentivar as melhores posturas durante o trabalho de parto.

Baseado no estudo de Bio et al. [3], o tema: Revisão trabalho de Parto, Parto e Biomecânica corporal no trabalho de Parto será abordado em nossa aula para apresentarmos qual a influência da mobilidade materna no decorrer do trabalho de parto por meio da fisioterapia.

O principal objetivo da atuação do fisioterapeuta em Obstetrícia é a mobilização corporal realizada com movimentos conscientes, globais e também específicos (extrínsecos e intrínsecos da pelve). Na pesquisa de Bio et al a mobilidade materna direcionada por um fisioterapeuta influenciou de maneira positiva o trabalho de parto com o aumento da tolerância à dor, evitando o uso de fármacos e reduzindo a duração da fase ativa da dilatação.

Considerações finais: Nessa palestra será realizada breve revisão da fisiologia do parto, biomecânica do trabalho de parto e serão referenciadas as melhores evidências científicas e da prática clínica sobre os recursos fisioterapêuticos que devem ser utilizados durante o trabalho de parto e as considerações para o período expulsivo.Dentre os recursos mais relevantes em nossa população iremos discutir sobre a utilização do TENS (SANTANA et al., 2016) [4], a massagem lombossacral (GALLO et al., 2018) [5] e o uso da bola suiça (DELGADO et al., 2019) [6].

Leitura complementar:

  1. Serruya SJ, Cecatti JG, Lago TG. O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2004 Oct [cited 2020 Aug 31]; 20(5):1281-1289. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2004000500022&lng=en. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500022.
  2. Simkin P, Bolding A. Update on nonpharmacologic approaches to relieve labor pain and prevent suffering. J Midwifery Womens Health. 2004;49(6):489-504. doi:10.1016/j.jmwh.2004.07.007
  3. Bio E, Bittar RE, Zugaib M. Influência da mobilidade materna na duração da fase ativa do trabalho de parto. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [Internet]. 2006 Nov [cited 2020 Aug 31]; 28(11):671-679. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032006001100007&lng=en. https://doi.org/10.1590/S0100-72032006001100007.
  4. Santana LS, Gallo RB, Ferreira CH, Duarte G, Quintana SM, Marcolin AC. Transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS) reduces pain and postpones the need for pharmacological analgesia during labour: a randomised trial. J Physiother. 2016;62(1):29-34. doi:10.1016/j.jphys.2015.11.002.
  5. Gallo RBS, Santana LS, Marcolin AC, Duarte G, Quintana SM. Sequential application of non-pharmacological interventions reduces the severity of labour pain, delays use of pharmacological analgesia, and improves some obstetric outcomes: a randomised trial. J Physiother. 2018;64(1):33-40. doi:10.1016/j.jphys.2017.11.014
  6. Delgado A, Maia T, Melo RS, Lemos A. Birth ball use for women in labor: A systematic review and meta-analysis. Complement Ther Clin Pract. 2019;35:92-101. doi:10.1016/j.ctcp.2019.01.015.

WEBCOBRAF

No período de Outubro/2020 a Fevereiro/2021, sob a organização do XXIII COBRAF, do 1st International Seminar on Innovative Learning and Healthcare Approaches in Physical Therapy, do 1° Encontro de Fisioterapia nos Distúrbios do Sono e dos eventos parceiros – 5º COBRAFISM, I COBRASFE e COBRASFIPICS, acontecerá o WEBCOBRAF, que consiste em uma série de webinars, que ocorrerão de quinze em quinze dias com diversos temas. Poderão participar do WEBCOBRAF sem custo adicional, todos os que estiverem inscritos no XXIII COBRAF até 5 dias antes de cada webnair. Não perca essa oportunidade! Garanta já a sua participação.

17 DE OUTUBRO

WEBCOBRAF – WEBINAR DE FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA
INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL COM BASE NA CIF
PALESTRANTES: PartiCipa Brasil & CanChild
17/10/2020 09h30min – 12h00min
Abertura – 5 min de duração
Palestras – 2 horas de duração
Peter Rosenbaum (CanChild, Canadá): F-words para o desenvolvimento da infância e a CIF
Kennea Ayupe (UnB, Brasil): Introdução à avaliação da criança e do adolescente no contexto da CIF
Paula Chagas (UFJF, Brasil): Avaliação dos fatores contextuais de acordo com core-sets da CIF
Robert Palisano (CanChild, USA)/ Hércules Leite (UFMG, Brasil)/ Ana Cristina Camargos (UFMG, Brasil): Avaliação do domínio da Atividade: GMFM, Challenge, Teste de Caminhada de 10 metros e PEDI-CAT
Ana Carolina de Campos (UFSCar, Brasil)/ Egmar Longo (UFRN-FACISA, Brasil): Avaliação do domínio de Participação: PEM-CY e YC-PEM
Aline Toledo (UnB, Brasil)/ Rafaela Moreira (UFSC, Brasil) /Rosane Morais (UFVJM, Brasil): Avaliação do domínio de Função Corporal: EASE, SRT, Teste de Caminhada de 6 minutos, FSA e Mini-mental
Discussão – 20 min de duração
Encerramento – 5 min de duração

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.