QUALIDADE DE VIDA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ASMÁTICO

Quality of life of children and adolescents with asthma

AUTOR: Thaís Cupertino Gonçalves da Silva

ORIENTADOR: Camila Schaan

RESUMO

O presente estudo caracteriza-se por uma revisão de literatura, procurando descrever os resultados de várias pesquisas sobre reeducação respiratória (RR) na qualidade de vida de crianças. A asma é uma patologia inflamatória, onde só no Brasil ocorrem em média 350 mil internações, sendo a terceira maior causa em infantes e adultos jovens. O entendimento sobre a patologia é importante para atuar na abordagem dos problemas relacionados a esta doença, como tratá-la e fazendo com que resulte numa melhor qualidade de vida. Dessa forma, com a análise dos artigos revisados é possível concluir que a reeducação respiratória, trás benefícios na melhora de vida das pessoas afetadas pela asma, porém é sempre desejado que mais estudos sejam realizados nessa área para contribuir com a redução deste problema que está presente não só no Brasil, mas também em outros países.

Palavras-Chave: Asma; reeducação respiratória; qualidade de vida; crianças, adolescentes

ABSTRACT

The present study is characterized by a literature review, describing the results of several investigations of respiratory rehabilitation (RR) on quality of life of children. Asthma is an inflammatory disease, occurring only in Brazil where an average of 350,000 hospitalizations and the third leading cause in infants and young adults. An understanding of the pathology is important to act in addressing the problems related to this disease, as it there and making that results in a better quality of life. Thus, the analysis of the papers is possible to conclude that respiratory rehabilitation, back benefits in improving the lives of people affected by asthma, but it is always desired that more studies be conducted in this area to contribute to the reduction of this problem that is present not only in Brazil but also in other countries.

Keywords: Asthma; respiratory rehabilitation; quality of life; child, adolecents

1. INTRODUÇÃO

Asma é definida como sendo uma patologia inflamatória crônica das vias aéreas, afetando pessoas suscetíveis. As principais características são: obstrução intermitente a entrada e saída de ar reversível naturalmente ou não; inflamação das vias aéreas inferiores com ampliação da reatividade das mesmas; episódios periódicos de sibilância, dispneia, aperto no peito, assim como tosse, especialmente à noite e pela manhã ao despertar (SARMENTO, 2010).

No Brasil, ocorrem em média 350 mil internações devido à asma, sendo a quarta maior causa de hospitalização pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e terceira maior causa em crianças e adultos jovens. Por ano as emergências recebem cerca de dois milhões de indivíduos com crise asmática, sendo que destas 47,8% são crianças e adolescentes menores de 18 anos. No Brasil, cerca de 28,57% dessas internações são de crianças entre cinco e nove anos, e no Rio Grande do Sul esta estatística é de 26,67% nesta faixa (SARMENTO 2010).

Em crianças, a asma é caracterizada através de diversos fatores, como distúrbios de sono, limitações ás atividades físicas e redução da autoestima. Além disso, ela pode ser desencadeada pelo exercício físico, fator comum entre crianças; frequência de alergias, com alérgeno inalado desencadeando uma resposta inflamatória; por infecções virais e até por problemas de natureza emocional. Sendo a predominância maior em meninos do que em meninas, na razão de 2:1 (TECKLIN,

2002).

A realização de atividades diárias ou a prática de atividade física alteram o estilo de vida da criança além de diminuírem os níveis de atividade por consequência do desconforto respiratório. Para tanto, o condicionamento físico para estes indivíduos é importante para melhorar a capacidade aeróbica, endurance muscular periférica, e melhorar a coordenação neuromotora infantil (GAVA & PICANÇO, 2007).

A reeducação respiratória é um fator fundamental durante o tratamento do paciente com asma, pode ser realizada através de exercícios respiratórios que também auxiliam na utilização das reservas respiratórias (REZENDE ET AL, 2008).

A qualidade de vida é definida como a percepção individual do ser em relação a sua posição na vida, no contexto cultural, no sistema de valores, na relação dos ideais, expectativas, padrões e preocupação, que tendem a ser alterada em resposta a

doença. Portanto, medir o impacto da asma na qualidade de vida das crianças, apesar de subjetiva, se tornou importante por tentar avaliar o impacto qualitativo da patologia na recuperação do estado físico, emocional e social, não visando apenas à sobrevida dos pacientes (REZENDE ET AL., 2008; TRAVENSOLO & RODRIGUES,

2006).

Para o asmático é importante que se atente a prevenção da patologia, principalmente através da orientação e da educação sobre a doença, com os familiares e com o próprio indivíduo. A compreensão da patologia diminui as internações hospitalares, idas à emergência e o número de crises, além de melhorar a qualidade de vida, sendo fundamental para esta última a completa adesão do paciente no tratamento (GAVA E PICANÇO, 2007; CARMO ET AL, 2011; CHATKIN AT AL,

2006).

O objetivo desta revisão bibliográfica é investigar qual instrumento são validados para analisar a Qualidade de vida de crianças com asma e a efetividade dos estudos de reeducação respiratória na qualidade de vida de vida da criança e do adolescente asmático.

2. METODOLOGIA

Foram incluídos estudos observacionais (estudos de coorte, transversal ou caso-controle), dados de primeira avaliação de ensaios clínicos randomizados ou não que avaliassem a reeducação respiratória em crianças e adolescente.

Foi realizada uma pesquisa bibliográfica nas bases de dados BIREME; SCIELO; MEDLINE; PUBMED; BioMedCentral fazendo uso dos seguintes descritores: fisioterapia, physiotherapy; asma, asthma; qualidade de vida, quality of life; reabilitação, rehabilitation; crianças, child; adolescentes, adolescente; pediátrico, pediatric; infantil, infant.

Inicialmente, os artigos foram revisados apenas pelo pesquisador que escreveu este artigo, primeiro foi selecionado quanto ao título, posteriormente foi realizada uma revisão dos resumos e finalmente a revisão do artigo na íntegra. A pesquisa foi limitada a artigos publicados nos idiomas português e inglês e apenas com seres humanos.

Os critérios de inclusão adotados foram artigos que relacionassem a qualidade de vida de pacientes asmáticos com reabilitação respiratória, adotar a faixa etária superior a seis anos e inferior a 21, percepção da melhora da qualidade de vida pelas

crianças e seus pais e validação de questionários.

Os critérios de exclusão foram: artigos que relacionavam asma e fatores nutricionais; estudos realizados a nível hospitalar, e os que relacionam asma a outras comorbidades, como por exemplo, depressão e rinossinusite.

3. RESULTADOS

Foram encontrados 225 artigos, sobre o assunto relacionado de acordo com os descritores, sendo que após a revisão de títulos e resumos este número reduziu-se para 24 artigos. E após a leitura na íntegra dos mesmos totalizou-se 10 artigos incluídos na presente revisão

O ano de publicação dos estudos foi delimitado entre 2004 e 2014, devido aos poucos artigos encontrados. O maior índice de produções foi encontrado nos anos de 2005 e 2010. No ano de 2005 foi achado dois artigos publicados, e em 2010 três artigos.

A maioria dos estudos tinha o objetivo de avaliar a relação da qualidade de vida com programas de reeducação, a relação da qualidade de vida das crianças com a de seus responsáveis, traduzir e adaptar o questionário sobre qualidade de vida a cultura de certa população.

Na tabela 1, apresentamos as características dos estudos incluídos e na tabela 2, a validação dos questionários.

asma-tabela-01

asma-tabela-02

3. DISCUSSÃO

A qualidade de vida possui um caráter subjetivo, pois depende da percepção do indivíduo avaliado e pode variar, para uma mesma pessoa, no decorrer do tempo. É definida pela Organização Mundial da Saúde como a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupação (TRAVENSOLO & RODRIGUES, 2006).

Em seu estudo Bemt e colaboradores (2010) avaliou a QV de aproximadamente 50 crianças através do questionário QV relacionada à saúde, composto por cinco aspectos: limitação nas atividades, sintomas da asma, impacto na vida social, limitação por causas ambientais e o impacto mental e social da doença. As maiores partes destes aspectos fazem parte de questionários amplamente utilizados (PAQLQ, HAY, PedsQL, CAQB). A partir da análise dos dados da QV relacionada a saúde, o autor pode concluir que a asma influencia a vida física, emocional e social de crianças, fatores estes também constatados por Aunstin e colaboradores (2005) em seu estudo, em que obteve maior percepção do impacto da asma nas crianças com asma leve, com relação distúrbio do sono, limitações nas atividades físicas e redução da autoestima.

Rezende e colaboradores (2008) aplicaram o PAQLQ e PACQLQ a cinco crianças e a seis responsáveis, o mesmo aplicou um questionário composto por 12 questões baseado em um proposto por Juniper, para que pudesse correlacionar a percepção sobre a qualidade de vida das crianças asmáticas e de seus responsáveis. Embora não tenha ocorrido melhora evidente na QV pré e pós o programa de reabilitação, houve uma percepção de melhora dos responsáveis em 12 das 23 questões Sarria e colaboradores (2010) utilizaram o PAQLQ com o intuito de avaliar as propriedades do questionário. Sendo o mesmo aplicado em 125 crianças e adolescentes, com m é d i a d e idade de 11 anos e comprovaram a adequação do PAQLQ desenvolvida pelo MAPI Institute em 2001.

McGran e colaboradores (2010) observaram que a reeducação respiratória traz benefícios á QV de crianças asmáticas através da aplicação do PAQLQ. Mesmo com as diferenças populacionais, uma vez que o estudo de Sarria e colaboradores (2010) ocorreram no Brasil e o de McGran e colaboradores (2010) foram desenvolvidos no Canadá, foi possível compreender que houve melhora na percepção criança quanto a sua qualidade de vida.

Página 12 de 14

Em seu estudo, realizado na Polônia, Stelmach ecolaboradores (2011), assim como, Rezende e colaboradores (2008), no Brasil, comparou a percepção dos pais e das crianças asmáticas quanto à qualidade de vida. Enquanto Stelmach e colaboradores (2011) utilizou o PACQLQ, Rezende e colaboradores (2008) aplicou uma versão adaptada do mesmo questionário com um número reduzido de questões aos pais, outra diferença importante nos esboços no tamanho da amostra, na qual Stelmach e colaboradores (2011) possui uma amostra 18 vezes maior que a desenvolvida por Rezende e colaboradores (2008). Mesmo assim, eles alcançaram os mesmos resultados após a aplicação de um programa de reeducação respiratória, percebendo que na análise do PAQLQ aplicado as crianças não havia diferença significativa na melhora da qualidade de vida, mas quanto à avaliação dos pais houve melhora no desempenho das atividades de vida diária das crianças, e melhora na qualidade de vida dos pais também.

Assim como La Scala e colaboradores (2005), Ricci e colaboradores (2009) visava comprovar através de seu projeto que o PAQLQ, na versão do país em questão, no caso de La Scala e colaboradores (2005) a versão Brasileira e de Ricci e colaboradores (2009) a versão Italiana, era válida e possuía eficácia na avaliação da qualidade de vida de infantes e adolescentes asmáticos, sendo evidenciado, em ambos, que as versões eram válidas. No entanto, La Scala e colaboradores (2005) não faz menção sobre a capacidade do PAQLQ de avaliar a qualidade de vida relacionada à saúde de crianças com boa função pulmonar, enquanto que Ricci e colaboradores (2009) afirmam em sua pesquisa que o PAQLQ é ineficaz para a avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde nestas crianças, sendo necessária a utilização de um instrumento mais sensível para esta averiguação.

Rezende e colaboradores (2008) observou que não houve diferença significativa comparando as questões da qualidade de vida da criança antes e após o programa de reabilitação pulmonar, porém os pais perceberam melhora na sua qualidade de vida em relação o quanto os pais/responsáveis passaram noites sem dormir por causa da asma da criança. Ao contrário de Rezende e colaboradores (2008), Stelmach e colaboradores (2011) constataram uma melhora na qualidade de vida da criança quanto ao fator emocional e as atividades, resultando em uma melhora na qualidade de vida dos cuidadores se relaciona ao controle da asma pela criança.

Página 13 de 14

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir das pesquisas e consultas realizadas artigos, foi possível nesta revisão, conhecer e descrever o conceito sobre a asma e como a reeducação respiratória pode trazer benefícios na qualidade de vida de crianças.

Esta é uma doença que atinge a população mundial, presente em todas as faixas etárias. Mas a prevalência da asma é maior em crianças, e nesta faixa etária a maior incidência no sexo masculino.

A reeducação respiratória promove melhora no desempenho das atividades diárias, proporcionando melhora na qualidade de vida infantil, juntamente a isso melhora na qualidade de vida dos pais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AUSTIN, J.B; SELVARAJ, S; GODDEN, D; RUSSEL, G. Deprivation, smoking, and quality life in asthma. Arch Dis Child, 2005; 90: 253-257

BEMT, Lisette Van Den; KOIJMAN, Sabine; LINSSEN, Vinca; et al. How does asthma influence the daily life of children? Results of focus group interviews.

Health Qual. Life Outcomes, 2010; 8:5.

CARMO, T. A.; ANDRADE, S. M.; SELMA M.; NETO, A.C. Avaliação de um programa de controle da asma em unidades de saúde da família. Caderno de Saúde Pública; Rio de Janeiro, 27 (1): 162-172; Janeiro,2011.

CHATKIN, J. M.; CAVALET-BLANCO, D.; SCAGLIA, N.C ; TONIETTO, R. G; WAGNER, M.B.; FRITSCHERE, C.C; Adesão ao tratamento de manutenção em asma. Jornal Brasileiro de Pneumologia.2006; 32(4): 277-283.

IV Diretrizes Brasileiras no Manejo da Asma. J Bras Pneumol. 2006;32 (Supl 7): 447-474.

DATASUS http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?idb2009/d3.def

GAVA, M.V; PICANÇO, P.S.A;. Fisioterapia Pneumológica. Barueri, SP: Manole, 2007.

Gimol Benzaquen PEROSA, Isabel Andrade Amato, Ligia Maria S.S. Rugolo et al. Qualidade de vida de crianças e adolescentes asmáticos: sua relação com estratégias de enfrentamento materno. Rev Paul Pediatr 2013; 31(2):145-51.

LA SCALA, Cintia S.K; CASPITZ, Charles K; SOLÉ, Dirceu. Adaptação e validação

Página 14 de 14

do Pediatric Asthma Quality of Life Questionaire (PAQLQ-A) em crianças e adolescentes com asma. Jornal de Pediatria, 2005; 81, (1): 54- 59.

Laura Janne L. Aragão, Maria Wanderleya L. Coriolano-Marinus, Gabriela Cunha S. Sette, et al. Qualidade de vida na asma brônquica- a concordância das percepções das crianças, adolescentes e seus pais. Rev Paul Pediatr 2012; 30(1):13-20.

MCGRAN, Shawna L; WONG, Eric; SHARPE, Healther M; et al. A Children’s asthma education program: Roaring Adventures of Puff(RAP), improves quality of life. 2010

REZENDE, Ivana Mara Oliveira; MOURO, Ana Luisa Dália; COSTA, Bibiana Carolina, et al. Efeitos da Reabilitação Pulmonar sobre a qualidde de vida: uma visão das crianças asmáticas e de seus pais. ACT Fisiatria, 2008; 15(3): 165- 169.

RICCI, Giampaolo; DONDI, Arianna; BALDI, Elena; et al. Use of the Italian version of the Pediatric Asthma Quality of Life Questionnaire in the daily practice: results of a prospective study. BMC Pediatrics, 2009. 9:30

SARMENTO, G. J. V.; Fisioterapia respiratória no paciente crítico: rotinas clínicas. 3ª edição, revisada e ampliada. Barueri, SP: Manole, 2010.

SARRIA, Edgar Enrique; ROSA, Rosana Cardoso Manique; FISCHER, Gilberto Bueno; et al. Versão brasileira do Pediatric Asthama Quality of Life Questionaire: validação de campo. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 2010; 36 (4): 417- 424.

STELMACH, Iwona; PODLECKA, Daniela; SMEJDA, Katarzyna; et al. Pediatric Asthma Caregiver’s Quality of Life Questionnaire is a useful tool for monitoring asthma in children. Qual. Life Res.2011

TECKLIN, J S. Fisioterapia Pediatrica. 3ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

TRAVENSOLO, Cristiane de Fátima; RODRIGUES, Claudiane Pedro. Qualidade de vida de um grupo de portadores de asma brônquica após um programa de fisioterapia respiratória ambulatorial: Relato de cinco casos. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, 2006; v.8,n.1, p. 28-33.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.