PROCESSAMENTO HEMISFÉRICO: RELAÇÕES DE APRENDIZAGEM MOTRIZ POR EFEITO DE TRATAMENTOS MECANICISTAS E COGNITIVISTAS EM ESCOLARES

PROJETO DE PESQUISA NA LINHA DE ESTUDOS EM MECANISMOS E PROCESSOS DE APRENDIZAGEM HÁBIL-MOTORA
CARMEN SILVIA DA SILVA MARTINI
CONCEIÇÃO ELEONORA FERREIRA VASCOCELOS
KELLEN TEMER LOPES
LUCIENE DE JESUS MARQUES
MARGARETE PEREIRA FERREIRA LINDGREN
RAQUEL MOREIRA GUIMARÃES
VERNON FURTADO DA SILVA
RESUMO
O presente estudo tem como objetivo investigar a possibilidade teórica de que a função hemisférica de um indivíduo possa ter relações mais direcionais a tipos de formatos de ensino prevendo que relações otimizadas possam resultar em ganhos mais significativos. Na operacionalização da investigação será selecionada uma amostra a ser composta em seu total por 41 indivíduos do gênero masculino com idade variando entre 8 a 10 anos. O critério de seleção será norteado pela identificação da preferência hemisférica de cada participante, condição que permitirá subdividir a mesma amostra em grupos de hemisféricos específicos e bi-hemisféricos. Após a identificação dos grupos os mesmos serão testados em tarefas de natureza psicomotriz de diferentes graus de realização com o propósito de se verificar a capacidade de performance dos grupos por níveis de dificuldade. Os dados obtidos por efeito da dificuldade das tarefas serão estudados através de estatísticas descritiva e inferencial. Utilizando-se para a primeira referência em termos de média e variâncias e para a segunda análise de variância paramétrica. A hipótese substantiva que orienta a racionalidade do estudo em parte antecipa a possibilidade de que por ser de natureza mais lógica hemisférios esquerdo possam prevalecer sobre os direitos e bi-hemisféricos em comparações de performance que solicite do executante maior nível de análise. Os resultados mostram que a hipótese substantiva não foi confirmada, porque após análise do Teste de CLEM obtivemos maior percentual nos escolares, de ambos os gêneros, com dominância cerebral Bi-hemisférica no gênero masculino (54%) e no gênero feminino (65%) sobre o hemisfério direito no gênero masculino (25%) e no gênero feminino (29%) e hemisfério esquerdo no gênero masculino (21%) e no gênero feminino (6%), confirmando pesquisas anteriores realizadas por (Bogen et al. 1972: Hicks et al. 1975: Murray, 1979; Bradshan e Neetlon, 1983; Fairweather e Sidaway, 1994).
_______________________________________________________________
PALAVRAS CHAVES: hemisfericidade, processamento mental, aprendizagem.
_______________________________________________________________

HEMIPHERIC PROCESSING: RELATIONSHIP BETWEEN MOTOR LEARNING AND TYPE OF COGNITIVIST AND MECHANICAL METHODOLOGIES IN CHILDREN

ABSTRACT
The present study has as objective investigates the theoretical possibility that an individual’s hemispherical function can have more directional relationships to types of teaching formats foreseeing that optimized relationships can result in won more significant. In the operacionalização of the investigation a sample will be selected to be composed in his/her total by 41 individuals of the masculine gender with age varying among 8 to 10 years. The selection criterion will be orientated by the identification of each participant’s hemispherical preference, condition that permi-tirá to subdivide the same sample in groups of hemispherical specific and bi-hemispherical. After the identification of the groups the same ones will be tested in tare-fas of nature psicomotriz of different accomplishment degrees with the pur-pose of verifying the capacity of performance of the groups for levels of difficulty. The data obtained by effect of the difficulty of the tasks will be studied through de-scriptive statistics and inferencial. Being used for the first reference in average terms and variances and for the second analysis of parametric variance. The sub-stantive hypothesis that it guides the rationality of the study partly it advances the possibility that for being of nature more logical hemispheres left powder-sam to prevail on the rights and bi-hemispherical in comparisons of perfor-mance that re-quests of the performer larger analysis level. The results show that the substantive hypothesis was not confirmed, because after analysis of the Test of CLEM we ob-tained larger percentile in the scholars, of both goods, with pity-minância cerebral Bi-hemispherical in the masculine gender (54%) and in the feminine gender (65%) on the right hemisphere in the masculine gender (25%) and in the feminine gender (29%) and left hemisphere in the masculine gender (21%) and in the feminine gen-der (6%), confirming previous researches accomplished for (Bogen et al. 1972: Hicks et al. 1975: Murray, 1979; Bradshan and Neetlon, 1983; Fairweather and Sidaway, 1994).
_______________________________________________________________
KEY WORDS: Hemisphericity

1. INTRODUÇÃO

Evidências associadas ao estudo da hemisfericidade humana defendem que o cérebro humano possui 2 partes distintas, o hemisfério esquerdo e o hemisfério direito. Ainda que os hemisférios direito e esquerdo pareçam ser uma imagem em espelho um do outro, existe uma importante distinção funcional entre eles. Os hemisférios direito e esquerdo possuem funções diferentes e processam informações de formas diversas. Sabemos que hemisfericidade é a preferência de processamento mental de um dos lados do cérebro em certas funções, podendo ser esquerdo ou direito ou de ambos. Essa preferência parece ser uma capacidade inata. Pesquisas anteriores relatam que 25% de indivíduos de uma população normalmente processam informações com o hemisfério direito ou esquerdo, e 75% tendem a ser bi-hemisféricos ou inter-hemisféricos (Bogen et al. 1972: Hicks et al. 1975: Murray, 1979; Bradshan e Neetlon, 1983; Fairweather e Sidaway, 1994).
O hemisfério esquerdo é o responsável pelas características mais racionais, alguns autores ligam estas características ao mundo masculino. Reside nele a linguagem, a capacidade analítica, o conhecimento linear, a capacidade de conhecimento sucessivo de fatos, abstração para cálculos. Já o hemisfério direito que é mais intuitivo, estaria ligado a esfera feminina, a criatividade, ao conhecimento não linear, a capacidade do aprender simultâneo, atento às relações entre as partes e independente do tempo.
Este estudo está voltado para verificar os ganhos de aprendizagem motora correlacionando o hemisfério dominante e o tratamento mecanicista e declarativo em crianças em idade escolar, considerando ser um fator de extrema importância no aprendizado da criança a função do processamento hemisférico.
A especialização permite às crianças desenvolver o sentido de lateralidade e direcionalidade. A criança aprimora a coordenação motora e a percepção do corpo no espaço. E quanto mais estimulada for, mais se reforçam os circuitos que ligam a intenção a um ato concreto, esperando-se com isto, que elas possam se movimentar com mais desenvoltura e precisão.
A prática do processo de estimulação todavia deve ser pensado em termos da metodologia a ser aplicada. A atividade escolar é conduzida sobre direcionamentos cognitivista e mecanicista. Entretanto é notório uma tendência muito maior para o empreendimento mecanicista do que o cognitivista
Partindo da capacidade que o ser humano tem em armazenar fatos decorrentes de sua percepção, seja ela visual, auditiva dentre outros, é possível destacar como esta vantagem beneficia na intervenção a ser feita (que se possa propor) e os objetivos que se deseja alcançar com tal método.
O recurso cognitivista ou declarativo traz uma bagagem eficiente para capacidade de evocação consciente para eventos, também a facilidade para formar e ao mesmo tempo esquecer o que pretendia armazenar em mente. No momento em que ocorre esta percepção são excitadas, por várias áreas cerebrais, por exemplo, como neocórtex temporal e proporciona assim vários efeitos a partir de tal estimulação (BEAR, CONNORS, e PARADISO, 2002) .
É possível detectar a atividade declarativa e como este mecanismo influencia o indivíduo a partir do ponto em que ela é aplicada, como, por exemplo, ofertando estímulos deste gênero para crianças em um jogo de vídeo, e é amplamente notável a capacidade destas respostas o armazenamento de cada uma e as reações provocadas por elas. Logo, é possível saber como o efeito declarativo evidencia tal tarefa, sua conseqüência é expressada de maneira singular e significante, relata a forma e os fatos apresentados a partir do estímulo dado. Assim é claramente plausíveis a ação destes mecanismos e a resposta proporcionada por eles para alcançar o objetivo desejado ao utiliza-lo. Assim como existe, a memória cognitivista citada anteriormente haverá a memória mecanicista, também conhecida por memória não declarativa de procedimento que é uma memória implícita, pois resulta diretamente da experiência. O conhecimento por procedimento é a recordação das regras, “habilidades e procedimentos”. Ele é vital para o desenvolvimento do controle motor puro. Uma recebe primeiro impulsos sensoriais de várias modalidades através do tálamo, terminando no córtex sensorial apropriado. Essa informação é processada e levada ao córtex motor, sendo enviada aos gânglios da base e cerebelo para estabelecer planos para adaptações posturais, refinamento de programas motores e coordenação da direção, extensão, tempo, força e tosso necessário através de toda a seqüência do ato motor. Uma vez de volta ao córtex (córtex pré-frontal medial e córtex associativo parietal posterior), os tratos antecipatórios estabelecidos começam a execução do ato motor. O armazenamento e a recuperação da memória desses planos motores semi-automáticos parecem ocorrer através do sistema de controle motor.
O aprendizado e memória de procedimento não precisam do envolvimento do sistema límbico já que não é dado um valor determinado à tarefa; lidam com habilidades, hábitos e comportamentos estereotipados. Esse sistema está envolvido no desenvolvimento de planos de procedimentos usados para nossos movimentos de um lugar para outro ou para nos manter em uma posição quando precisamos parar (UMPHRED, 1994).
Considerando-se as teorizações acima expostas é viável se hipotetizar a possibilidade da existência de relações mais próximas entre montante de aprendizagem e a preferência de processamento hemisférico de um indivíduo. Ainda que até a presente data nenhum estudo focalizou esse tipo de questão. Esta pesquisa será conduzida com o propósito de investigar essa possibilidade.

2. METODOLOGIA

2.1. Amostra

Foram verificados os ganhos de aprendizagem motora relacionando o hemisfério dominante e a competência em tarefas de organização mecanicista e cognitivista em crianças de idade escolar, considerando como fator de extrema importância para tal aprendizagem, a agilidade do processamento dos membros dos grupos quando da execução das tarefas. Um número total de 41 escolares do ensino fundamental (N=41), com idade entre 8 e 10 anos compuseram a amostra. Como definição prioritária, os mesmos não poderiam apresentar qualquer distúrbio visual, auditivo, físico ou mental. Todos pertenciam a mesma Instituição, e selecionados sob forma aleatória para a participação no estudo.

2.2. Instrumentação
Os instrumentos necessários à operacionalização da presente pesquisa são de duas naturezas, uma delas, objetivando a identificação hemisférica dos participantes do estudo. Para isto será utilizado o teste de conjugação lateral dos olhos (CLEM) e para o segundo evento um teste de proficiência em um jogo de vídeo PLAY STATION com os seguintes jogos cubix, corrida de robots para mecanicista e mickeys wild adventure para cognitivista.

2.2.1.Teste de CLEM
Este teste tem validação efetivada através de vários parâmetros científicos como EEG e PET, e tem sido um procedimento muito utilizado em estudos com propósitos diferenciados como em psicologia, por exemplo, pesquisas buscam a identificação comportamental da direção dos olhos, visando-se com isto, a definição de conhecimento sobre o hemisfério de preferência de processamento mental do indivíduo observado e em neurologia, para identificação de mecanismos neurais que pudessem explicar e dar confiabilidade à versão teórica da técnica de aplicação do teste. O CLEM é um instrumento identificador de uso necessário, principalmente em virtude de dois importantes itens que são critérios na escolha de um teste: (1) validade e (2) viabilidade (que inclui custo benefício, facilidade de uso, facilidade de entendimento por parte do testado, além de outros).

2.2.2. Teste de Proficiência em Jogos de Vídeo
Todas as crianças selecionadas participaram dos dois tipos de teste, mecanicista e cognitivista. Após a realização do teste foi feito o teste de CLEM para se detectar a predominância hemisférica de cada um e posteriormente os resultados foram correlacionados.
Para o teste mecanicista e cognitivista foi utilizado um jogo de vídeo anteriormente citado com grau de dificuldade 1. O tempo para cada teste de jogo de vídeo foi de 10 minutos e foram aplicados em seqüência aleatória.
Antes da testagem se iniciar, foi realizado um questionário com os participantes para se verificar o grau de conhecimento em vídeo.

2.3. Procedimentos
Os procedimentos seguidos na formalização e execução da coleta de dados foram formulados sob duas perspectivas a seguir.

2.3.1. Procedimentos de Seleção de Amostra.
Os indivíduos foram solicitados para participarem espontaneamente do teste, que a eles e a seus respectivos responsáveis foi explicado toda a metodologia que seria usada com os participantes a serem observados, garantindo que não haveria nenhum risco físico ou psicológico. Através de autorização escrita dos responsáveis, os escolares participaram do processo de seleção e testes deste estudo.

2.3.2. Procedimento de Testagem
Foram reunidos em uma sala todos os indivíduos que iam participar dos testes. A eles foi explicado que o primeiro teste seria de perguntas e respostas com o objetivo de verificar como cada uma das crianças respondiam de maneira diferente a determinados tipos de problemas. Esta explicação foi dada de forma randômica, evitando criar um jogo mental lateralizado.
Após a verificação das preferências hemisféricas e separação dos grupos, a cada grupo foi explicado como seria realizada a segunda etapa do estudo. Foi dito que eles praticariam um determinado jogo de vídeo com o grau de dificuldade selecionado previamente e que mesmo que estivesse fácil ou difícil não poderiam mudar o grau de dificuldade do jogo e que seus pontos seriam contados e anotados.

2.4. Tratamento Estatístico
Os resultados do teste de CLEM e do Vídeo Game serão mostrados em tabelas e figuras como uma forma de facilitar o entendimento da aplicação metodológica como um todo. Posteriormente os mesmos foram estudados através de estatística descritiva para qual se utilizou instrumentais orientadores sobre os desvios e variações entre e intra grupos. Para se definir o quantitativo de diferenciação entre os referidos dados optou-se pela utilização de uma análise de variância. Como, também, foi necessário desenvolver e descriminar critérios para obter-se resultados concretos, em nível de performance motriz por efeito de competências mecanicista e cognitivista, dos jogos de vídeo. Os critérios são: Excelente se a criança alcançar de 9 a 10 pontos; Muito Bom se alcançar de 7 a 8 pontos; Bom se alcançar de 5 a 6 pontos; Ruim se alcançar de 3 a 4 pontos; e Deficiente se a criança alcançar de 1 a 2 pontos; na soma dos jogos mecanicista e cognitivista.

4- ANÁLISE DOS TESTES

Os estudos realizados em hemisfericidade humana defendem que o cérebro humano possui 2 partes distintas, o hemisfério esquerdo e o hemisfério direito, e que existe uma importante distinção funcional entre eles.
O hemisfério esquerdo é o responsável pelas características racionais como a linguagem, a capacidade analítica, o conhecimento linear, o conhecimento de fatos sucessivos, abstração de cálculos. Já o hemisfério direito é mais intuitivo como a criatividade, o conhecimento não linear, a capacidade do aprender simultâneo, atento às relações entre as partes e independente do tempo.
Estes fatos levaram-nos a realizar uma pesquisa com crianças carentes, de uma instituição filantrópica, na cidade do Rio de Janeiro/RJ/BR. Desta forma, verificaremos junto aos gráficos abaixo os resultados encontrados.
Conforme o registro do gráfico 1, pode-se observar que entre 24 escolares do gênero masculino, de 8 a 10 anos de idade, da classe social pobre, e com pouca experiência (20%) em jogo de vídeo game, foi obtido um resultado de performance motriz com critérios determinados: excelente (17%); muito bom (8%); bom (45%); ruim (17%); deficiente (13%). Observou-se também, um percentual excelente (17%) em nível de performance motriz por efeito de competências mecanicista e cognitivista, visto que somente 20% destas crianças possuem experiência em vídeo game.

Gráfico 2

No gráfico 2, o teste realizado com 17 escolares de gênero feminino, de 8 a 10 anos de idade, de classe social pobre, e pouca experiência (20%) em jogo de vídeo game, foi obtido um resultado de performance motriz com critérios determinados: excelente (0%); muito bom (12%); bom (46%); ruim (18%); deficiente (24%). Observou-se também, um elevado percentual deficiente (24%) em nível de performance motriz por efeito de competências mecanicista e cognitivista comparado aos outros resultados, e visto que somente 20% destas crianças possuem experiência em vídeo game.

Ao comparar os gráficos 1 e 2, que aborda sobre o Teste de Vídeo Game, verificou-se que os dois grupos tiveram em comum, como resultado, o maior percentual em nível de performance motriz por efeito de competências mecanicista e cognitivista, com o critério determinado de Bom (45%) no gênero masculino e (46%) no gênero feminino. Outro ponto observado foi uma grande diferença entre escolares do gênero masculino e feminino, donde o primeiro obteve um resultado excelente com de17% e o segundo obteve um resultado excelente com 0%, como também, uma elevada deficiência de 24% no gênero feminino comparada aos 13% no gênero masculino.

Gráfico 3

No registro do gráfico 3 verificamos, entre as perguntas analíticas e espaciais, dos 24 escolares do gênero masculino, a definição de conhecimento sobre o hemisférico de preferência de processamento mental, obtendo como resultado: bi-hemisférico (54%); hemisfério direito (31%); e hemisfério esquerdo (25 %).

Gráfico 4

No gráfico 4 foi detectado, entre as perguntas analíticas e espaciais, dos 17 escolares do gênero feminino, a definição de conhecimento sobre o hemisférico de preferência de processamento mental, obtendo como resultado: bi-hemisférico (65%); hemisfério direito (29%); e hemisfério esquerdo (6%).

Ao comparar o Teste de CLEM realizado para definir o conhecimento sobre o hemisférico de preferência de processamento mental entre as perguntas analíticas e espaciais, mostram nos gráficos 3 e 4, que os dois grupos tiveram em comum, como resultado, o maior percentual, a preferência bi-hemisférica 54% no gênero masculino e 65% no gênero feminino. Como também, ocorreu uma diferença entre os dois grupos, o primeiro, apesar de ser bi-hemisférico (54%), possui percentuais equilibrados em nível do hemisfério direito (25%) e esquerdo (21%); já, o segundo, com percentual bi-hemisférico (65%), possui percentuais desequilibrados em nível do hemisfério direito (29%) e esquerdo (6%), o que de certa forma poderá promover deficiências em alguma atividade de vida diária destes.

4-CONCLUSÃO
Este estudo está voltado para verificar os ganhos de aprendizagem motora correlacionando o hemisfério dominante e o tratamento mecanicista e declarativo em crianças em idade escolar, permitindo desenvolver o sentido de lateralidade e direcionalidade, e aprimorando a coordenação motora e a percepção do corpo no espaço. Todavia, deve ser pensado na prática para este processo de estimulação visando a metodologia a ser aplicada.
O recurso cognitivista ou declarativo traz uma bagagem eficiente para capa
cidade de evocação consciente para eventos, que facilita a formar e esquecer o que pretendia armazenar na mente. Neste momento de percepção as áreas cerebrais são excitadas como, o neocórtex temporal proporcionando vários efeitos de estimulação (BEAR, CONNORS, e PARADISO, 2002) . O conhecimento por procedimento é a recordação das regras, “habilidades e procedimentos”, desenvolvendo o controle motor puro.
O impulso sensorial variado passa através do tálamo até o córtex sensorial, que é processada no córtex motor, sendo enviada aos gânglios da base e cerebelo para estabelecer planos para adaptações posturais, refinamento de programas motores e coordenação da direção, extensão, tempo, força e tosso necessário através de toda a seqüência do ato motor. Uma vez de volta ao córtex (córtex pré-frontal medial e córtex associativo parietal posterior), os tratos antecipatórios estabelecidos começam a execução do ato motor. O armazenamento e a recuperação da memória desses planos motores semi-automáticos parecem ocorrer através do sistema de controle motor.
Considerando as teorizações acima expostas é viável se hipotetizar a possibilidade da existência de relações mais próximas entre montante de aprendizagem e a preferência de processamento hemisférico de um indivíduo, foi realizado um estudo em escolares de 8 a 10 anos de idade, em gênero masculino e feminino, da classe social pobre, de uma instituição filantrópica na cidade do Rio de Janeiro/RJ/BR, para detectar ganhos de aprendizagem motora relacionado ao hemisfério dominante. Desta forma, observamos no tratamento estatístico do Jogo de Vídeo Game o maior percentual bom (45%) em nível de performance motriz por efeito de competências mecanicista e cognitivista no gênero masculino e (46%) no gênero feminino. Outro fator identificado fi uma diferença entre ambos gêneros, donde o primeiro obteve no critério excelente (17%) e o segundo obteve (0%), e também uma elevada diferença no critério deficiência (24%) do segundo para o primeiro (13%).
Assim, conclui-se que estes escolares precisam melhorar sua capacidade e competência em nível de performance motriz, nos fatores mecanicista e cognitivista, para que possam no futuro vencer as dificuldades com mais eficiência, bem como melhorar ou modificar a metodologia aplicada nesta instituição.
Já, no tratamento estatístico do Teste de CLEM foi verificado que os dois grupos tiveram em comum, como resultado, o maior percentual, a preferência bi-hemisférica 54% no gênero masculino e 65% no gênero feminino. Também, foi encontrada uma diferença entre estes, donde o primeiro, apesar de ser bi-hemisférico (54%), possui percentuais equilibrados em nível do hemisfério direito (25%) e esquerdo (21%); já, o segundo, com percentual bi-hemisférico (65%), possui percentuais desequilibrados em nível do hemisfério direito (29%) e esquerdo (6%), demonstrando que poderá promover dificuldades e/ou deficiências em algumas atividades da vida diária, como também, na escolar e profissional. Estes dados, nos leva a concluir que os escolares deste gênero, de 8 a 10 anos de idade, precisam receber mais estímulos com características racionais, para que possam suprir a deficiência na linguagem, na capacidade analítica, no conhecimento linear, no conhecimento de fatos sucessivos, e na abstração de cálculos. Isto, porque, se compararmos com os resultados do gênero masculino observa-se maior equilíbrio entre os hemisférios direito (31%) e esquerdo (25%) na preferência de processamento mental.
Ao avaliar todos os resultados, com suas variações, percebe-se a necessidade da realização destes testes e/ou outros que possam demonstrar o nível de processamento motriz por efeito de competências mecanicista e cognitivista em escolares, bem como a dominância de processamento hemisférico para que estes tenham capacidade e competência profissional diante à sociedade, promovendo condição de crescimento e desenvolvimento pessoal, com respeito e dignidade de um cidadão brasileiro.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Artigos

FAIRWEATHER, Malcolm M. e SIDAWAY, Ben. Implications of hemispheric function for the effective teaching of motor skills. In: QUEST. National Association for Physical Education on Higher Education p. 281-298, 1994a.

_______________________. Strategic pedagogic hemispherical used in the acquisition and in the retention of motive ability. American Alliance for Health physical eduction, recreation and dance. V. 65 nº 1 p. 40-47, 1994.

HEILMAN, K. M.; MEADOR, K. J.; LORING, D.W. Hemispheric asymmetries of limb-kinetic apraxia. 2000.

MALCOLM; SIDAWAY, B. Hemispheric teaching strategies in the acquisition and retention of a motor skill. 1993.

MURRAY, Mary Jô. Matching preferred cognitive mode with teaching methodology in learning a novel motor skill. Research Quarterely. Vol. 50, nº. 1. p. 80-87, 1979.

PINHEIRO, D.; NOGUEIRA, M.; SAMPAIO, A.; ORTIZ, M. Dominância Cerebral. Internet http;//training.matrix.com.br/dominância.html, 2000.

SILVA, V. F. (Ph.D). Projeto de pesquisa sobre hemisfericidade I: padrões correlacionados e eletroencefalográficos entre dominância estrutural e funcional. In: Laboratório de neuromotricidade. Mimeo. Rio de Janeiro: Universidade Castelo Branco, 1998.

SILVA, V.F. Jogos de Vídeo Game de Longo Termo no Processamento Motor de Pré-escolares. (incompleto, ver Kellen)
VEIGA NETO, E. R. e BÚFALO, A.C. The Cerebellum and the Motor-learning. In: Arq.Ciênc. Saúde Unipar, 4 (1): jan/abr., 2000.

Livros:

BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W. e PARADISO, Michael A. (2002). Neurociências Desvendando o Sistema Nervoso. 2ª ed., Porto Alegre. Artmed.

FONSECA, Vitor da (1998). Aprender a Aprender: a educabilidade cognitiva. Porto Alegre, Artmed,.

GUYTON, A.C. (1985). Fisiologia Humana. 6ª ed., Rio de Janeiro, Interamericana,.

KANDEL, E.R., SCHWARTZ, J. H. e JESSELL, T. M. (2000). Fundamentos da Neurociência e do Comportamento. 2ª ed., Rio de Janeiro, Guanabara koogan S. A..

MACHADO, Ângelo (1993). Neuroanatomia Funcional. São Paulo: Atheneu.

MAGILL, Richard A. (2000). Aprendizagem Motora: conceitos e aplicações. 5ª ed., São Paulo, Edgard Blücher LTDA.

SCHIMIDT, R. A e WRISBERG, C. A. (2001). Aprendizagem e Performance Motora. 2ª ed. Porto Alegre. Artmed.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.