PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DO CEUNIFAMETRO NO PERÍODO DE 2018 E 2019.

Maria Tereza Felix da Silva

Maria Tereza Felix da Silva¹ Adriana Karoline Maia dos Santos² Carolina Fernandes Araújo³ Douglas Silva Ataíde

  1. Discente finalista do curso de Fisioterapia do centro universitário-FAMETRO
  2. Docente e orientador do curso de Fisioterapia de centro universitário-FAMETRO


RESUMO

Introdução: A análise de prontuários de pacientes é importante para reconhecer e especificar o tipo de clientela que se tem em uma clínica. Conhecer o perfil epidemiológico dos usuários da Clínica Escola de Fisioterapia da Fametro (CEFF) é de importância fundamental para a melhoria do atendimento e qualidade dos serviços prestados pelos estagiários. Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico dos pacientes em tratamento fisioterapêutico atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia do Ceuni-Fametro nos anos de 2018 e 2019. Metodologia: Tratou-se de um estudo descritivo e retrospectivo com abordagem quantitativa que apresenta uma característica não exploratória de delineamento transversal. As informações do estudo foram coletadas através de prontuários dos pacientes atendidos. Os dados foram analisados estatisticamente por medidas de frequência absolutas, simples e relativas através do programa Software Microsoft Excel. Resultados: Foram analisados 114 prontuários dos pacientes atendidos na CEFF no período de janeiro de 2018 a dezembro de 2019. O perfil dos pacientes atendidos na clínica escola é composto de gêneros pariformes, faixa etária predominantemente adulta (41 a 60 anos), moradores da zona norte da capital, onde a área de maior procura por tratamento fisioterapêutico foi a Traumato–ortopedia, tendo como principal diagnóstico clínico a fratura e o segmento mais afetado a coluna lombar. Conclusão: Observou-se a necessidade de avaliação constante dos prontuários, visando auxiliar no processo de reabilitação, nortear iniciativas de pesquisa, consequentemente, otimizando a capacitação acadêmica e orientação nos serviços oferecidos pela clínica escola.

Palavras-Chave: Epidemiologia; Fisioterapia; Prontuários; Clínica Escola; Saúde Coletiva.

ABSTRACT

Introduction: The analysis of patient records is important to recognize and specify the type of clientele that you have in a clinic. Knowing the epidemiological profile of the users of the Clínica Escola de Fisioterapia da Fametro (CEFF) is of fundamental importance for improving the care and quality of services provided by the interns. Objective: To describe the epidemiological profile of patients undergoing physical therapy treatment attended at the Clínica Escola de Fisioterapia do Ceuni-Fametro in the years 2018 and 2019. Methodology: This was a descriptive and retrospective study with a quantitative approach that has a non-exploratory design feature transversal. The study information was collected through medical records of the patients attended. The data were analyzed statistically by absolute, simple and relative frequency measurements using the Microsoft Excel software program. Results: 114 medical records of patients treated at CEFF from January 2018 to December 2019 were analyzed. The profile of patients treated at the school clinic is composed of pariform genders, predominantly adult age group (41 to 60 yeares old), residents of the northern area of the capital, where the area of greatest demand for physical therapy treatment was Traumato-orthopedics, with the main clinical diagnosis of the fracture and the segment most affected by the lumbar spine. Conclusion: There was a need for constant evaluation of medical records, aiming to assist in the rehabilitation process, guide research initiatives, consequently, optimizing academic training and guidance in the services offered by the school clinic.

Keywords: Epidemiology; Physiotherapy; Medical records; School Clinic; Collective Health.

INTRODUÇÃO

O conhecimento da epidemiologia é de extrema importância para todas as áreas de atuação médica, uma vez que relaciona e fundamenta fatores encontrados até os dias atuais, podendo contribuir com tratamento e prevenção. Os estudos que abordam a fisioterapia contribuem com efeitos das técnicas, achados clínicos dos pacientes e aspectos epidemiológicos (RODRIGUES et al., 2017).

Para Thomazi et al., (2018), o envelhecimento acelerado da população brasileira e o aumento da expectativa de vida, trouxeram consequências na estruturação dos sistemas de saúde, acarretando maior prevalência de doenças crônico-degenerativas e incapacidades funcionais.

Da Silva et al., (2015), salienta que juntamente com o envelhecimento populacional e o aumento da expectativa de vida, houve mudanças significativas tanto no crescimento da prevalência de patologias crônico-degenerativas, como nos indicadores de morbidade e mortalidade.

Segundo Carvalho, Pinho e Garcia (2017), para o planejamento e desenvolvimento de ações em saúde pública é necessário conhecer as condições de vida e de trabalho das pessoas que habitam determinado local, assim como compreender os fatores determinantes e condicionantes do processo saúde-doença e suas implicações.

O acesso aos serviços de saúde tem sido objeto de análise na literatura internacional, principalmente no contexto de crise econômica que se instala na última década, demarcando a existência de barreiras aos usuários como filas para marcação de consulta e atendimento, bem como estratégias para sua superação (ASSIS e JESUS, 2012).

Realizar uma análise de prontuários de pacientes em uma determinada área é importante para reconhecer e especificar o tipo de clientela que se tem em uma clínica. Levando em consideração ser uma clínica-escola pode-se também perceber como está a aplicação dos conteúdos teórico-práticos por parte dos acadêmicos (SACON et al., 2011).

A Clínica Escola de Fisioterapia da Fametro (CEFF), predispõe de atendimento ambulatorial gratuito à população carente de várias localidades da cidade de Manaus, o qual é realizado por acadêmicos do curso de Fisioterapia, supervisionados por profissionais capacitados.

Esta pesquisa visa conhecer o perfil dos pacientes que foram atendidos na CEFF do Ceuni-Fametro no período de 2018 e 2019, no que diz respeito ao processo de reabilitação, uma vez que se deseja melhorar seus recursos físicos e pessoais, para a melhoria do processo de planejamento das atividades de ensino, pesquisa e extensão, além de melhora no atendimento oferecido a comunidade.

METODOLOGIA

Trata-se de um estudo descritivo e retrospectivo, com abordagem quantitativa que apresenta uma característica não exploratória de delineamento transversal. Após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), foi realizado um levantamento de dados por meio dos prontuários dos pacientes atendidos no período de janeiro de 2018 a dezembro de 2019 que se encontram no arquivo da CEFF.

No presente estudo foi realizado o levantamento de 185 prontuários de pacientes atendidos na CEFF nos anos de 2018 e 2019. Deste total foram excluídos 71 prontuários que continham dados incompletos, incorretos, imprecisos ou de difícil interpretação, sendo incluídos na pesquisa 114 prontuários restantes que continham todos os dados dos pacientes, conforme mostra a figura 1.

O presente estudo foi realizado na Clínica Escola de Fisioterapia da Fametro (CEFF), localizada na Avenida Constantino Nery, Nº 3378, Bairro Flores, Manaus – AM, 69050-001. A CEFF iniciou suas atividades em 02/05/2013 proporcionando aos acadêmicos de fisioterapia o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias para uma formação generalista, através da experiência vivenciada em atividades de observação e de atendimento em práticas assistidas.

A CEFF oferece aos alunos a oportunidade de realizar avaliações cinético funcionais, traçar condutas fisioterapêuticas e utilizar diversos métodos de intervenção. Presta atendimento ambulatorial e serviços como: palestras educacionais, ginástica laboral, avaliação fisioterapêutica, atendimento fisioterapêutico traumato-ortopédico e neurológico de forma gratuita à comunidade em geral, o qual é realizado por acadêmicos do curso de fisioterapia, supervisionados por profissionais capacitados.

As informações do estudo foram coletadas através de prontuários dos pacientes atendidos na CEFF nos anos de 2018 e 2019. Pelo fato de ser um estudo retrospectivo realizado através da análise de prontuários, não foi necessária a aplicação do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A pesquisa não causa exposição dos indivíduos, uma vez que os dados coletados não fornecem informações suficientes para identificação.

Foi utilizado como instrumento de coleta uma ficha previamente idealizada pelos pesquisadores com base nos prontuários dos pacientes catalogados na CEFF, para qual as informações contidas foram transferidas. Essa ficha contém informações como: sexo, idade, zona de moradia, segmento corporal afetado e diagnóstico clínico.

Para obtenção de dados e execução da pesquisa foi solicitado junto à administração da CEFF um Termo de Anuência (TA), que somente depois de cumprida esta etapa e com pareceres positivos, iniciou-se a coleta das informações que foi realizada somente pela equipe de pesquisadores para que não houvesse falsa interpretação dos resultados. Diante de inconsistência era revisado o número do prontuário indicado para que fosse realizada a correção.

Durante a pesquisa, não foram colhidos nomes e nenhum outro dado que possibilitasse de qualquer forma, identificar o paciente. Toda e qualquer informação colhida dos pacientes foram guardadas pelo pesquisador, sendo garantido o sigilo e anonimato das informações fornecidas que ficarão guardados por cinco anos, sendo destruídos após este período.

Foi feita uma análise quantitativa das informações presentes nos prontuários, revisão e tabulação dos resultados, onde cada indivíduo foi denominado por um número inteiro natural, iniciando pelo número 1 (um). Os dados foram analisados estatisticamente por medidas de frequência absolutas, simples e relativas através do programa Software Microsoft Excel, onde foram registrados todos os dados dos prontuários para uma posterior análise descritiva dos resultados apresentados nesta pesquisa.

RESULTADOS

Foram analisados 114 prontuários referentes aos atendimentos fisioterapêuticos realizados na CEFF nos anos de 2018 e 2019. Dentre os 114 prontuários analisados, a especialidade da Fisioterapia de maior demanda para tratamento fisioterapêutico foi na área de Traumato-ortopedia 107 (84,25%), enquanto que na área de Neurologia somente 20 (15,74%) do total da amostra (Figura 2).

Figura 2 – Distribuição da amostra por especialidade

A Tabela 1 a seguir descreve as características da amostra quanto ao sexo, faixa etária e zona de moradia dos sujeitos analisados. Por meio da análise, em relação ao sexo dos indivíduos presentes nos prontuários, constatou-se uma equivalência entre os gêneros, onde, tanto o sexo masculino quanto o sexo feminino representaram 57 casos, equivalente a (50 %) da amostra total para cada sexo.

A respeito da faixa etária, observou-se maior prevalência em indivíduos adultos com idade cronológica entre 41 e 60 anos, representando 62 (54,38%), seguido de adultos jovens com idade entre 20 a 40 anos que correspondiam a 34 (29,82%) da amostra total.

Quanto à zona de moradia, os resultados revelaram que dentre os pacientes que realizaram tratamento fisioterapêutico, destaca-se que a maioria eram predominantemente moradores da zona norte 35 (30,70%), seguida pela zona centrosul 19 (16,66%) e zona oeste 18 (15,78%).

Tabela 1 – Características da pesquisa

Na figura 3 é demonstrado um gráfico com a distribuição dos segmentos afetados, onde um único paciente pode apresentar mais de um segmento afetado. De acordo com os prontuários analisados, foram identificados o número total de 17 diferentes segmentos afetados. Notou-se que a coluna lombar apareceu como o segmento mais afetado 29 (20,27%), seguida pelo membro inferior 19 (13,28%) e membro superior 18 (12,58%).

Sobre os diagnósticos clínicos apresentados a seguir na tabela 2, vale ressaltar que um mesmo paciente pode apresentar mais de uma patologia associada. Conforme os prontuários analisados, evidenciou-se que as três patologias/síndromes mais prevalentes foram as fraturas 17 (13,38%), tendinopatias 15 (11,81%) e hérnias de disco 14 (11,02%).

Tabela 2 – Distribuição dos diagnósticos clínicos nos prontuários analisados

DISCUSSÂO

Segundo Santos et al., (2015), estudos baseados em informações de prontuários possibilitam responder aos questionamentos sobre a população atendida, aos procedimentos realizados, assim como as patologias mais frequentemente que acometem os pacientes, promovendo o aperfeiçoamento dos procedimentos realizados.

O presente estudo baseia-se em uma análise documental, cujo objetivo foi descrever o perfil epidemiológico dos pacientes em atendimento fisioterapêuticos na CEFF no período de 2018 e 2019. Foram analisados 114 prontuários que estavam arquivados na CEFF. Verificou-se que a área de reabilitação que realizou o maior número de atendimentos foi a área de Traumato-ortopedia 107 (84,25%) e a área de Neurologia 20 (15,74%). Este percentual encontra-se de acordo com os estudos de De Oliveira et al., (2018), em uma clínica escola de fisioterapia na cidade de MaceióAL, no qual verificou que a maior demanda na procura por atendimento foi na Traumatologia 45 (33,8%) e Neurologia 27 (20,3%). O estudo de Guimarães (2013), contribui com esses resultados, o qual também mostrou uma predominância em Traumato-ortopedia, seguida pela área de Neurologia.

Por meio de análise dos 114 prontuários constatou-se que houve equiparação entre os gêneros, onde, tanto o sexo masculino como o sexo feminino representaram 50 % da amostra total. Nos estudos de Souza et al., (2012), Da Silva et al., (2015) e Batista et al., (2014), ocorreu maior prevalência do sexo masculino. Já nos estudos de Domingues e Danaga (2014), Oliveira e Braga (2010) e Silva, Lima e Leroy (2013), houve predominância do sexo feminino. Os achados da literatura científica em relação aos gêneros, divergem dos resultados demonstrados no presente estudo. De acordo com Couto et al., (2014), a divergência entre os gêneros ocorre pelo fato de que homens e mulheres adotam comportamento diferenciado em relação aos cuidados com à saúde.

Observou-se que a faixa etária de maior prevalência foi composta por adultos de 41 a 60 anos de idade, representando 54,38 % da amostra. Dados semelhantes aparecem nos estudos de Nunes e Dos Santos Frias (2017), que ao realizarem um estudo retrospectivo com 147 prontuários em uma clínica escola de fisioterapia que funciona no espaço de uma unidade básica de saúde particular em Foz do Iguaçu, onde os pacientes apresentaram faixa etária predominante entre 40 e 59 anos. A faixa etária relatada pelos autores vai de acordo com os resultados encontrados no presente estudo.

As doenças crônico-degenerativas, por definição, acompanham o processo de envelhecimento da população.Embora o processo natural de envelhecimento e morte se inicie no nascimento, é só a partir dos 45 anos que o envelhecimento é acompanhado por uma elevação significativa das taxas de morbimortalidade da população (KILSZTAJN et al., 2016).

Quanto a zona de moradia, constatou-se que apesar da CEFF localizar-se na zona centro-sul, a maioria dos pacientes atendidos eram moradores da zona norte da capital, representando 30,70% da amostra. Diferente dos achados de Da Silva et al., (2015), em que a 47,2% dos pacientes atendidos na clínica escola residiam próximos ao local da pesquisa facilitando o acesso ao serviço. Assis e Jesus (2012) e Cruz et al., (2020), salientam que apesar da saúde ser um direito universal e dever do Estado, além da baixa oferta, vários fatores contribuem para dificuldades de acesso aos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).

Os achados desta pesquisa aproximam-se da literatura, que aponta a coluna lombar como sendo o segmento mais afetado 29 (20,27%). Silva, Lehner e Oliveira (2015), em uma análise detalhada dos pacientes atendidos na UNICLÍNICA da Faculdade UNIVIÇOSA, situada na cidade de Viçosa, MG, no período de março 2009 a fevereiro 2012, demostrou que o segmento corpóreo mais afetado foi a coluna vertebral (35,5%). Assim como Silva Lima e Leroy (2013), que ao delinear o perfil epidemiológico dos pacientes assistidos na clínica de fisioterapia Traumatoortopédica da prefeitura de Hidrolândia – Goiás, o qual apresentou a coluna lombar (23,72%) como o segmento mais acometido.

A dor lombar é agora a principal causa de deficiência em todo o mundo. Prevêse que a incapacidade e os custos atribuídos à dor lombar aumentem nas próximas décadas, em particular em países de baixa e média renda, onde a saúde e outros sistemas são frequentemente frágeis e não equipados para lidar com esse fardo crescente (HARTVIGSEN et al., 2018).

Em relação ao diagnóstico clínico, os dados foram coletados e mensurados de acordo com a especialidade da Fisioterapia com qual a patologia/síndrome se relaciona. Os resultados demonstraram que independentemente da origem do trauma e da sua localização anatômica, a fratura foi o diagnóstico clínico predominante na clínica escola representando 13,38% da amostra, totalizando 17 casos.

Domingues e Danaga (2014), por meio de análise aos cadernos de atendimentos pertencentes ao ano de 2012 no ambulatório de ortopedia e traumatologia da Santa Casa de Avaré-SP, constatou que do total de 263 pacientes atendidos, as fraturas representaram 71% dos casos, totalizando 186 casos. Em estudo semelhante, Sacon et al., (2011), percebeu que independentemente da localização da lesão, em um total de 151 prontuários analisados, o diagnóstico clínico mais presente foi a fratura 15,89%.

O aumento da longevidade faz com que a progressão do número de fraturas seja cada vez mais expressiva. Pacientes que tiveram uma fratura em qualquer sítio têm aproximadamente duas vezes o risco de apresentar uma futura fratura em comparação com indivíduos que nunca tiveram tal lesão (STOLNICKI e OLIVEIRA, 2016).

Conforme Nogueira et al., (2016), no Brasil as fraturas ocupam lugar de destaque entre as patologias traumato-ortopédicas mais atendidas em clínica escola de fisioterapia. Portanto, os achados desta pesquisa são condizentes com outros achados epidemiológicos.

CONCLUSÃO

Baseado nos dados obtidos, o presente estudo pode delinear o perfil epidemiológico dos pacientes atendidos na CEFF no período de 2018 e 2019, como sendo composto de gêneros pariformes, faixa etária predominantemente adulta (41 a 60 anos), moradores da zona norte da capital, onde a área de maior procura por tratamento fisioterapêutico foi a Traumato–ortopedia, tendo como principal diagnóstico clínico a fratura e o segmento mais afetado a coluna lombar.

Observou-se a necessidade de avaliação constante dos prontuários visando auxiliar no processo de reabilitação, nortear iniciativas de pesquisa, consequentemente, otimizando a capacitação acadêmica e orientação nos serviços oferecidos pela clínica escola.

REFERÊNCIAS

ALVES, Andréa Nunes. A importância da atuação do fisioterapeuta no ambiente hospitalar. Ensaios e Ciência, v. 16, n. 6, 2012. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/ensaioeciencia/article/view/2750. Acesso em: 09.09.2019.

ASSIS, Marluce Maria Araújo; JESUS, Washington Luiz Abreu de. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, p. 2865-2875, 2012. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2012.v17n11/2865-2875/. Acesso em: 13.09.2019.

BATISTA, Anny Jéssica et al. Perfil epidemiológico do setor de neurologia da clínica escola de fisioterapia da Faculdade INGÁ no ano de 2013. Revista UNINGÁ Review, v. 17, n. 2, p.11-15, Jan/ Mar, 2014. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1494/1109. Acesso em: 10/08/2020.

BISPO JÚNIOR, José Patrício. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 1627-1636, 2010. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2010.v15suppl1/16271636/pt/. Acesso em: 06.08.2019.

BRANDINI, Daniela Atili et al. Caracterização social dos pacientes atendidos na disciplina de Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, UNESP. Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada, v. 8, n. 2, p. 245-250, 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/637/63711746019.pdf. Acesso em: 12.09.2019.

BRASIL. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 20 set. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 06.08.2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2011/img/07_jan_portaria4279_30121 0.pdf. Acesso em: 08.08.2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. 2011. Acesso em: 05.08.2019.

BREMENKAMP, Mariana Gegenheimer. Avaliação Cognitiva de Idosos Em Uma Instituição de Longa Permanência de Botucatu: Estudo Transversal. 2019. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/183423/bremenkamp_mg_me_b ot_par.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em: 23.09.2019.

CARVALHO, Carolina Abreu de; PINHO, Judith Rafaelle Oliveira; GARCIA, Paola Trindade. Epidemiologia: conceitos e aplicabilidade no Sistema Único de Saúde. São Luís: EDUFMA, p. 24-30, 2017. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/9070. Acesso em: 02/10/2020.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução n. 196, de 10 de outubro de 1996: Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Bioética, v. 4, n. s2, 1996. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1996/res0196_10_10_1996.html. Acesso em: 09.08.2019.

COUTO, Crislaine et al. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ATENDIMENTOS REALIZADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UNIABEU. Revista Saúde Física & Mental-ISSN 2317-1790, v. 4, n. 1, p. 14-22, 2014. Disponível em: https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/SFM/article/view/1791/1167. Acesso em: 15/10/2020.

CRUZ, Priscila Karolline Rodrigues et al. Dificuldades do acesso aos serviços de saúde entre idosos não institucionalizados: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 23, n. 6, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbgg/v23n6/pt_1809-9823-rbgg-23-06-e190113.pdf. Acesso em: 23.08.2019.

DA SILVA, Kaline de Oliveira Cariolando et al. Perfil dos pacientes atendidos na clínica escola de fisioterapia no setor de ortopedia e traumatologia. Revista Eletrônica Estácio Saúde, v. 4, n. 1, p. 50-56, 2015. Disponível em:http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/article/viewFile/1471/ 685. Acesso em: 25.09.2019.

DE MIRANDA, Fernanda Alves Carvalho. Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde: Propostas para a Prática. Editora Appris, 2020. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/Fisioterapia_na_Aten%C3%A7%C3%A3o_ Prim%C3%A1ria_%C3%A0_S.html?id=HoX1DwAAQBAJ&printsec=frontcover&sourc e=kp_read_button&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 30.08.2019.

DE OLIVEIRA, Josilene Cosmo et al. Perfil Epidemiológico dos pacientes atendidos em uma clínica-escola de fisioterapia na cidade de Maceió-AL. Interfaces Científicas-Saúde e Ambiente, v. 6, n. 2, p. 85-94, 2018. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/saude/article/view/3936/pdf. Acesso em: 16/10/2020.

DE SOUZA MATOS, Lilian Ramine et al. Perfil Epidemiológico e Clínico de Pacientes Neurológicos em um Hospital Universitário. Revista Neurociências, v. 27, p. 1-17, 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/339294396_Perfil_Epidemiologico_e_Clinic o_de_Pacientes_Neurologicos_em_um_Hospital_Universitario. Acesso em: 03.09.2019.

DOMINGUES, Sandra Vieira; DANAGA, Aline Roberta. Perfil de atendimento fisioterapêutico no ambulatório de ortopedia e traumatologia da Santa Casa de AvaréSP. Rev. Eletrônica de Educação e Ciência, v. 4, n. 1, p. 2237-3462, 2014. Disponível em: http://fira.edu.br/revista/2014_vol1_num1_pag7.pdf. Acesso em: 15/10/2020.

FALLER, Jossiana Wilke et al. Instruments for the detection of frailty syndrome in older adults: A systematic review. PloS one, v. 14, n. 4, p. e0216166, 2019. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0216166. Acesso em: 06.09.2019.

FERNANDES, Mariline Cristiana Teixeira. O impacto da demência na qualidade de vida e bem-estar do idoso. 2018. Dissertação de Mestrado. Disponível em: http://repositorio.ulusiada.pt/bitstream/11067/4406/1/mpc_mariline_fernandes_disser tacao.pdf. Acesso em: 11.09.2019.

FIGUEIREDO, Luana Karina de Oliveira. Caracterização do perfil de indivíduos acometidos de acidente vascular cerebral atendidos na clínica escola de fisioterapia da UEPB. 2014. 42 f. TCC (Graduação) – Curso de Fisioterapia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2014. Disponível em: %20Luana%20Karina%20de%20Oliveira%20Figueiredo.pdf. Acesso em: 20.09.2019.

GHISLENI, Melissa Mottin; DA SILVA, Vanessa de Cássia Cezar; DOS SANTOS, Marilucia Vieira. Perfil epidemiológico dos pacientes atendidos na área de ortopedia e traumatologia da Clínica-Escola de Fisioterapia Univates. Revista destaques acadêmicos, v. 6, n. 3, 2014. Disponível em: http://www.meep.univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/422/414. Acesso em: 18.09.2019.

GUIMARÃES, Rodrigo Teixeira. Análise do perfil epidemiológico dos pacientes atendidos na Clínica Escola do Centro Universitário de Formiga. 2013. Disponível em: https://bibliotecadigital.uniformg.edu.br:21015/jspui/bitstream/123456789/179/1/Rodri goTeixeira-Fisio.pdf. Acesso em: 05.09.2019.

HARTVIGSEN, Jan et al. What low back pain is and why we need to pay attention. The Lancet, v. 391, n. 10137, p. 2356-2367, 2018. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S014067361830480X?casa_token= PtUKrKwVnNkAAAAA:r5uHU4siKO34XHn8boEZI0LWcBNgmj0Vc3NrQbOQFI3rlU0Ye1MqK2mzzve9oof1ZvJ2X8QgctG. Acesso em: 17/10/2020.

KILSZTAJN, Samuel et al. Serviços de saúde, gastos e envelhecimento da população brasileira. Anais, p. 1-22, 2016. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/viewFile/1252/1216. Acesso em: 16/10/2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR); CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil, v. 150, n. 112, 2013. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 07.08.2019.

NOGUEIRA, Alexandre Fernandes et al. Principais Distúrbios Traumato-Ortopédicos Atendidos Em Clínicas-Escola De Fisioterapia. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, v. 7, n. 2, p. 33-44, 2016. Disponível em: http://www.faema.edu.br/revistas/index.php/Revista-FAEMA/article/view/395/420. Acesso em: 19/10/2020.

NUNES, Elidiane Mafioletti; DOS SANTOS FRIAS, Rondineli. Perfil Sociodemográfico, Epidemiológico e do Atendimento Fisioterápico dos Pacientes de uma Clínica Escola de Fisioterapia que Funciona no Espaço de uma Unidade Básica de Saúde Particular de Foz do Iguaçu, PR. Revista Pleiade, v. 11, n. 22, p. 46-55, 2017. Disponível em: https://pleiade.uniamerica.br/index.php/pleiade/article/view/347/406. Acesso em: 15/10/2020.

OLIVEIRA, Amanda Casagrande; BRAGA, Diógenes Levy C. Perfil epidemiológico dos pacientes atendidos na clínica de ortopedia da Universidade Paulista. J Health Sci Inst, v. 28, n. 4, p. 356-8, 2010. Disponível em: https://www.unip.br/presencial/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2010/04_outdez/V28_n4_2010_p356-358.pdf. Acesso em: 27.09.2019.

OLIVEIRA, Ana Paula Cavalcante de et al. Desafios para assegurar a disponibilidade e acessibilidade à assistência médica no Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 4, p. 1165-1180, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v22n4/1413-8123-csc-22-04-1165.pdf. Acesso em: 17.08.2019.

OLIVEIRA, C. C.; COSTA, T. M. ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DAS PATOLOGIAS TRATADAS NO SETOR DE ORTOPEDIA NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FÍSICA DOM BOSCO. Trabalho de conclusão de curso de Fisioterapia – Apresentado ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium-UNISALESIANO. Lins-SP, 2010. Disponível em: http://www.unisalesiano.edu.br/biblioteca/monografias/51896.pdf. Acesso em: 14.09.2019.

PIRES, A. S. et al. Análise epidemiológica no setor de ortopedia da Faculdade de Ciências da Saúde–Universidade do Vale do Paraíba. Encontro Latino-americano de Iniciação Científica. Universidade do Vale do Paraíba, 2008. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2010/anais/arquivos/0737_1130_01.pdf. Acesso em: 02.09.2019.

RODRIGUES, W., C. C. et al. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes com queimaduras atendidos pela fisioterapia na Universidade Estadual de Goiás. Revista Brasileira de Queimaduras, v. 16, n. 2, p. 94-99, 2017. Disponível em: http://www.rbqueimaduras.com.br/details/369/pt-BR/perfil-epidemiologico-e-clinicode-pacientes-com-queimaduras-atendidos-pela-fisioterapia-na-universidadeestadual-de-goias. Acesso em: 25.09.2019.

ROUQUAYROL, M. Z.; GOLDBAUM, M.; SANTANA, E. W. de P. Epidemiologia, história natural e prevenção de doenças. In: ROUQUAYROL, M. Z; GURGEL, M. (Orgs.). Epidemiologia & saúde. 7. ed. Rio de Janeiro: Medbook, 2013. cap. 2, p. 11–24. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-756844. Acesso em: 01.09.2019.

SACON, Alana Bortolan et al. Perfil de sujeitos atendidos na clínica-escola de fisioterapia na área de ortopedia e traumatologia. Revista Contexto & Saúde, v. 11, n. 20, p. 1191-1196, 2011. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoesaude/article/view/1770. Acesso em: 19.09.2019.

SANTOS, João Márcio et al. Prevalência das diferentes patologias no ambulatório de clínica cirúrgica do Centro de Especialidades Médicas (CEMED) de Barbacena. HU rev, p. 113-120, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2019/832. Acesso em: 03.09.2019.

SILVA, Isabella Dantas da; SILVEIRA, Maria de Fátima de Araújo. A humanização e a formação do profissional em fisioterapia. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1535-1546, 2011. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2011.v16suppl1/1535-1546/pt/. Acesso em: 17.09.2019.

SILVA, P. H. B.; LIMA, K. A.; LEROY, P. L. A. Perfil epidemiológico dos pacientes assistidos na clínica de Fisioterapia Traumato-ortopédica da Prefeitura de Hidrolândia–Goiás. Revista Movimenta, v. 6, n. 3, p. 1984-4298, 2013. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/7015/4786. Acesso em: 16.09.2019.

SILVA, Felipe Lopes; LEHNER, Gunther Herman; DE OLIVEIRA, Célber Renê Limonge. Perfil epidemiológico de pacientes de uma Clínica de Fisioterapia Universitária. ANAIS SIMPAC, v. 4, n. 1, 2015. Disponível em: https://academico.univicosa.com.br/revista/index.php/RevistaSimpac/article/view/228 /387. Acesso em: 19/10/2020.

SIMONI, Daniela Espíndola et al. A formação educacional em fisioterapia no Brasil: fragmentos históricos e perspectivas atuais. Hist enferm Rev eletronica, v. 6, n. 1, p. 10-20, 2015. Disponível em: http://here.abennacional.org.br/here/1_AO_27014_MM.pdf. Acesso em: 24.09.2019.

SOUZA, Clauberto Medeiros et al. LEVANTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DOS ATENDIMENTOS FISIOTERÁPICOS DAS CLÍNICAS INTEGRADAS GUAIRACÁ NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR NOS PERÍODOS DE MARÇO/2011 A OUTUBRO/2011. Voos Revista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade Guairacá, v. 4, n. 1, 2012. Disponível em: http://www.revistavoos.com.br/seer/index.php/voos/article/view/225/02_Vol4.1_VOO S2012_CCS. Acesso em: 21.08.2019.

STOLNICKI, Bernardo; OLIVEIRA, Lindomar Guimarães. For the first fracture to be the last. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 51, n. 2, p. 121-126, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbort/v51n2/0102-3616-rbort-51-02-00121.pdf. Acesso em: 14/10/2020.

THOMAZI, Rafael et al. Frequency of dementia among elderly admitted to a Geriatrics Inpatients Sector of a Brazilian public hospital. Dementia & neuropsychologia, v. 12, n. 1, p. 35-39, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/dn/v12n1/1980-5764-dn12-01-0035.pdf. Acesso em: 12.09.2019.

TURCI, Silvana Rubano Barretto; GUILAM, Maria Cristina Rodrigues; CÂMARA, Maria Clara Coelho. Epidemiologia e Saúde coletiva: tendências da produção epidemiológica brasileira quanto ao volume, indexação e áreas de investigação-2001 a 2006. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 1967-1976, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v15n4/a12v15n4.pdf. Acesso em: 12.09.2019.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.