Dr. Paulo Moté

Quem é, o que faz |
Paulo Moté é fisioterapeuta, trabalha no CIRTA com pacientes neurológicos e ortopédicos e esta fazendo a formação para se tornar instrutor do conceito de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva pela IPNFA.


Qual ano e em qual faculdade se formou?
Me formei em 2000 pelo IBMR – Rio de Janeiro -RJ

Qual foi a melhor coisa que fez na vida?
A melhor coisa é difícil dizer, mas algo que me emociona é ver um paciente e sua família após as vitórias que são alcançadas, como por exemplo os primeiros passos de um hemiparético, que muitas vezes pelo tamanho da lesão nem o médico acreditava que pudesse voltar a andar.

Qual foi a pior coisa que fez na vida?
A pior coisa foi tentar dar aula em um curso preparatório para concursos na área de fisioterapia, porque as alunos não estavam querendo ser tornarem melhores fisioterapeutas, mas sim, aprenderem a responder as questões das provas, de preferência com fórmulas mágicas.

O que você mais gosta na profissão?
O contato com novas pessoas, tanto pacientes, quanto familiares e alunos.

O que você odeia na profissão?
A indiferença de alguns colegas que parecem esquecer que nós tratamos de seres humanos, e não apenas de partes do corpo, ou de sequelas.

Que qualidade mais admira nos profissionais que te cercam?
A atenção com o outro.

Que qualidade você mais detesta nos profissionais que te cercam?
O orgulho.

Qual sua maior virtude?
É complicado falarmos de nós mesmos, mas acho que tento tratar todas as pessoas da mesma maneira, não fazendo diferença se estou falando com o médico, o paciente ou o acompanhante do meu paciente, por mais humilde que ele seja.

Qual seu pior defeito?
As vezes falo demais.

Se pudesse mudar algo, o que seria?
Eu gostaria de ser mais paciente com minha mulher e minha filha, as vezes estou tão cansado quando chego em casa que não uso o meu tempo para ouvir o que elas tem para me dizer.

Qual maior mentira já contou?
Para um paciente que era vascaíno, falei que esperava que o vasco ganhasse um  jogo (impossível eu torcer algum dia para o vasco). Mas estava tentando estimular o sistema límbico do
paciente.

Qual fato foi mais inusitado em sua carreira?
Mais inusitado posso dizer que foi ministrando aula na pósgraduação, no final sempre peço uma avaliação da aula, e a avaliação ficou mais a cargo da minha pessoa.

Qual fato foi o mais cômico?
O mais engraçado hoje, mas que na época não teve graça, foi porque eu não li em sala de aula as tais avaliações e levei para casa. Minha mulher pegou as avaliações para ler só que alguns alunos de brincadeira fizeram alguns elogios em relação a minha pessoa e não a minha aula. Até ela acreditar que eu não tinha a menor ideia quem escreveu aquilo foi complicado, até porque não
sabia mesmo pois peço para as pessoas não se identificarem para que possam escrever com mais liberdade. Só sei que agora sempre leio as avaliações antes de chegar em casa para pelo menos saber o que vou falar para ela dependendo do que estiver escrito.

Qual seu maior arrependimento?
Sei lá, já me arrependi tanto na minha vida, vivo fazendo besteira.

Qual dica daria aos colegas?
Procurem tratar da melhor maneira possível o seu paciente, com as melhores técnicas possíveis, mas principalmente como seres humanos que merecem respeito, não se sujeitem a fazer um tratamento indigno porque o convênio ou o local que você trabalha não te paga bem, procure dar sempre o melhor.

Qual objeto de desejo?
Meu objeto de desejo hoje é umas férias de 30 dias viajando com a minha família, quanto tempo não sei o que é isto.

Qual sua aquisição mais recente?
Minha aquisição mais recente e importante, foi ter me tornado instrutor assistente da IPNFA, depois de ter feito o curso e passado nas provas na Alemanha.

Qual seu maior sonho?
Meu maior sonho é ver uma maior igualdade social no Brasil e no mundo, é uma pena ver que apenas poucos podem ter uma reabilitação realmente digna, falando apenas do que está diretamente ligado ao meu trabalho.

Qual seu maior pesadelo?
Meu maior pesadelo são alguns acompanhantes de pacientes (apesar de ter alguns maravilhosos).

Que talento mais gostaria de ter?
Gostaria de ser músico, tocar um instrumento e cantar bem.

Se não fosse fisioterapeuta gostaria de ser o que?
Sei lá, algo que pudesse viajar e me divertir ao mesmo tempo, tipo um fotógrafo de esportes radicais.

E qual profissão jamais queria ter?
Qualquer uma que precisasse mentir, ser anti ético ou enganar alguém.

Diga um desafio?
Ser um pai e um marido melhor a cada dia. Ah, um fisioterapeuta também.

Um livro?
A Bíblia.

Quer fazer alguma divulgação?
Fisioterapeutas do Brasil, o CIRTA tem procurado organizar cursos da melhor qualidade, com profissionais super competentes do Brasil e de outros países. Agora por exemplo estamos trazendo um fisioterapeuta da Alemanha para ministrar o curso de FNP avançado. Qualquer informação sobre estes cursos é só entrar em contato comigo. Um grande abraço a todos

Dr. Paulo Moté
paulofisiot@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.