OZONIOTERAPIA E SUAS PERSPECTIVAS EM DISTÚRBIOS ÁLGICOS VERTEBRAIS

Dr. Renato Rocha Junior (RJ)

Fisioterapeuta há mais de 15 anos, Membro da Câmara Técnica de Ozonioterapia da ABRASFIPICS, Mestre em Ciência da Motricidade Humana (UCB-RJ) tendo em comum a ênfase de atuação com Ozonioterapia, Osteopatia (EBOM), Mulligan Manual Therapy, Diafibrolise Percutânea, Reeducação Postural Global (Phillipe Souchard), Mobilização Neural.

Contextualização: Entre 1914 a 1917, durante a primeira guerra mundial, através dos médicos alemães surgiu a aplicação do Ozônio em feridas e gangrenas, começando assim a produzir evidências cientificas entre 1916 e 1917 pela revista The Lancet. Em meados de 1990, no Brasil, começara a introdução da prática e difusão da técnica distribuídas em cursos e congressos pelo país.

Ozônio é o terceiro oxidante mais potente da natureza, regula o sistema antioxidante, melhora o metabolismo de oxigênio, modula o sistema imunológico, tem amplo espectro antimicrobiano, fungicida, bactericida e cicatrizante.

Desenvolvimento: Os distúrbios álgicos vertebrais estão cada vez mais presentes na vida do ser humano em decorrência das imposições de sobrecarga axial sobre o eixo vertebral, posições antálgicas e sedentarismo, fazendo com que se procurem resultados mais satisfatórios para os pacientes. O Ozônio ao longo do tempo vem se mostrando eficiente no estabelecimento da retirada da dor, flexibilizando as estruturas, dinamizando e suprimindo a espasticidade da musculatura, além da redução da inflamação, tornando-se também um aliado potente na combinação de Técnicas da Terapia Manual.

A Ozonioterapia está inserida na (PNPIC) Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do SUS, pela Portaria n° 702/2018 do Ministério da Saúde. O Fisioterapeuta em relação a pratica da Ozonioterapia pode exercer todas as práticas, independente das vias de administração, desde que o mesmo seja capacitado e/ou especializado, sendo amparado pela Resolução 380/2010 do Conselho Federal de Fisioterapia (COFFITO).

Considerações finais: Nos tempos de hoje, a Ozonioterapia, é considerada umas das técnicas que mais se alinha no que concerne acerca da Reabilitação na área da Fisioterapia, gerando assim um prognostico positivo mais precoce na característica da redução da dor e inflamação. A contraindição relevante para o Ozônio, é a deficiência da enzima Glicose-6-Fosfato Desidrogenase (G6PD). Observando também que suas vias de administração, por ser diversificada: Local (intra-articular, peri-articular, paravertebral, intradiscal) entre outros e a Sistêmica (Auto-hemoterapia menor e retal) entre outros…. nos gera um acervo de recursos de excelência para suprir terapeuticamente o paciente no que demanda sua necessidade durante o tratamento.

Leitura complementar:

Alberto PO. Ozone the one and only drug. Acta Neurochir Suppl. 2011;108:143-146. doi:10.1007/978-3-211-99370-5_22

Bocci V. Biological and clinical effects of ozone. Has ozone therapy a future in medicine?. Br J Biomed Sci. 1999;56(4):270-279.

Bocci V, Valacchi G, Corradeschi F, Fanetti G. Studies on the biological effects of ozone: 8. Effects on the total antioxidant status and on interleukin-8 production. Mediators Inflamm. 1998;7(5):313-317. doi:10.1080/09629359890820

Elvis AM, Ekta JS. Ozone therapy: A clinical review. J Nat Sci Biol Med. 2011;2(1):66-70. doi:10.4103/0976-9668.82319.

Gautam S, Rastogi V, Jain A, Singh AP. Comparative evaluation of oxygen-ozone therapy and combined use of oxygen-ozone therapy with percutaneous intradiscal radiofrequency thermocoagulation for the treatment of lumbar disc herniation. Pain Pract. 2011;11(2):160-166. doi:10.1111/j.1533-2500.2010.00409.x.

Maitland G D. Manipulação vertebral: Maitland. 5. ed. São Paulo: Panamericana; 1989.

Travagli V, Zanardi I, Bernini P, Nepi S, Tenori L, Bocci V. Effects of ozone blood treatment on the metabolite profile of human blood. Int J Toxicol. 2010;29(2):165-174. doi:10.1177/1091581809360069

Salter RB. Distúrbios e lesões do sistema musculoesquelético. Rio de Janeiro: Medsi; 2001.

WEBCOBRAF

No período de Outubro/2020 a Fevereiro/2021, sob a organização do XXIII COBRAF, do 1st International Seminar on Innovative Learning and Healthcare Approaches in Physical Therapy, do 1° Encontro de Fisioterapia nos Distúrbios do Sono e dos eventos parceiros – 5º COBRAFISM, I COBRASFE e COBRASFIPICS, acontecerá o WEBCOBRAF, que consiste em uma série de webinars, que ocorrerão de quinze em quinze dias com diversos temas. Poderão participar do WEBCOBRAF sem custo adicional, todos os que estiverem inscritos no XXIII COBRAF até 5 dias antes de cada webnair. Não perca essa oportunidade! Garanta já a sua participação.

17 DE OUTUBRO

WEBCOBRAF – WEBINAR DE FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA
INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL COM BASE NA CIF
PALESTRANTES: PartiCipa Brasil & CanChild
17/10/2020 09h30min – 12h00min
Abertura – 5 min de duração
Palestras – 2 horas de duração
Peter Rosenbaum (CanChild, Canadá): F-words para o desenvolvimento da infância e a CIF
Kennea Ayupe (UnB, Brasil): Introdução à avaliação da criança e do adolescente no contexto da CIF
Paula Chagas (UFJF, Brasil): Avaliação dos fatores contextuais de acordo com core-sets da CIF
Robert Palisano (CanChild, USA)/ Hércules Leite (UFMG, Brasil)/ Ana Cristina Camargos (UFMG, Brasil): Avaliação do domínio da Atividade: GMFM, Challenge, Teste de Caminhada de 10 metros e PEDI-CAT
Ana Carolina de Campos (UFSCar, Brasil)/ Egmar Longo (UFRN-FACISA, Brasil): Avaliação do domínio de Participação: PEM-CY e YC-PEM
Aline Toledo (UnB, Brasil)/ Rafaela Moreira (UFSC, Brasil) /Rosane Morais (UFVJM, Brasil): Avaliação do domínio de Função Corporal: EASE, SRT, Teste de Caminhada de 6 minutos, FSA e Mini-mental
Discussão – 20 min de duração
Encerramento – 5 min de duração

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.