OS EFEITOS DA RADIOFREQUÊNCIA NO TRATAMENTO DA FLACIDEZ PÓS- PARTO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

Jomara
Klenda

Jomara Fontenele Magalhães1

Klenda Pereira de Oliveira 2

1 Graduanda em Fisioterapia do Centro Universitário do Norte- UNINORTE SER EDUCACIONAL, MANAUS- AM, Brasil;

2 Docente do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética – UNINORTE.

RESUMO

Os efeitos da radiofrequência são baseados no crescimento da circulação sanguínea linfática, aumento da difusão por meio da membrana celular, aquecimento da pele e diatermia que provoca a vasodilatação. Objetivo: Analisar a partir da revisão de literatura os efeitos terapêuticos da Radiofrequência no tratamento da flacidez pósparto. Metodologia: Ocorreu por meio de uma revisão de literatura que permite uma análise profunda do objeto de estudo, realizado através de pesquisas nas bibliotecas virtuais Scientific Electronic Library On-line –SciELO e bases de dados: Publicações de Artigos Médicos- PubMed e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciência da saúde-LILACS, que deram ênfase a esse estudo. Resultados: Pode-se confirmar que a flacidez na pele é resultante das sequelas, ocasionado por diversos eventos que acontecem no decorrer dos anos como: emagrecimento excessivo, falta de atividade física, envelhecimento, entre outros. Os efeitos da radiofrequência no tratamento da flacidez pós-parto, são baseados no crescimento da circulação sanguínea linfática, aumento da difusão por meio da membrana celular, aquecimento da pele e diatermia que provoca a vasodilatação. Conclusão: São necessários mais estudos que possam identificar os métodos e efeitos da radiofrequência no tratamento da flacidez pós-parto.

Palavras-chave: Radiofrequência. Flacidez. Pós-Parto.

ABSTRACT

The effects of radiofrequency are based on the growth of lymphatic blood circulation, increased diffusion through the cell membrane, heating of the skin and diathermy that causes vasodilation. Objective: To analyze, from the literature review, the therapeutic effects of radiofrequency in the treatment of postpartum flaccidity. Methodology: It occurred through a literature review that allows an in-depth analysis of the object of study, carried out through research in the virtual libraries Scientific Electronic Library Online –SciELO and databases: Publications of Medical Articles- PubMed and Latin Literature- American and Caribbean Health Science-LILACS, which emphasized this study. Results: It can be confirmed that sagging skin is the result of sequelae, caused by several events that happen over the years, such as: excessive weight loss, lack of physical activity, aging, among others. The effects of radiofrequency in the treatment of postpartum flaccidity are based on the growth of lymphatic blood circulation, increased diffusion through the cell membrane, heating of the skin and diathermy that causes vasodilation. Conclusion: More studies are needed to identify the methods and effects of radiofrequency in the treatment of postpartum flaccidity.

Key-words: Radiofrequency. Flaccidity. Post childbirth.

  1. INTRODUÇÃO

A pele é uma sustância biológica e principal órgão do meio externo e de atuação viscoelástico com capacidade de se deformar acerca da pressão que ocorre contra o tecido. Tem relação entre a resistência interna do material em relação com à carga e seu próprio alongamento. Por isso, existem duas fases existentes: a plástica e a elástica. A elástica, é a tensão de forma direta apropriada à habilidade do tecido de responder à carga, sendo que, se a carga for deslocada, o tecido retorna de imediato à dimensão anterior, logo se limitando ao elástico se for excedido (LIMA, RODRIGUES, 2020).

A flacidez é o resultado das sequelas, ocasionado por diversos eventos que acontecem no decorrer dos anos como: emagrecimento excessivo, falta de atividade física, envelhecimento, entre outros. Nessas circunstâncias, os músculos tendem a ser flácidos devido esses acontecimentos, assim a definição da musculatura começa quando perde a tonicidade e fica sem definições no contorno, e as fibras musculares passam a ser atrofiadas e flácidas. As rugas são vincos ocasionados por uma flacidez dos músculos e da pele, resultado do passar do tempo (MULTINI; PEREIRA, 2020).

A flacidez é uma disfunção estética que determina o déficit na síntese de elastina e colágeno em pacientes com idade superior a 35 anos, essa falta de tonicidade na pele pode ser ocasionada por maus hábitos, aspectos genéticos, hormonais e ambientais que favorecem o desenvolvimento da condição inestética que influência na autoestima do paciente (TAGLIOLATTO, 2015).

O surgimento da flacidez está relacionado, particularmente a baixa na produção de colágeno, que desenvolve a nutrição firmeza e elasticidade, o ácido hialurônico, a molécula que tem a finalidade de deixar a pele hidratada, determinando os delineamentos faciais. Com o decorrer do tempo, e a redução da síntese desses componentes, ocorre uma transformação cronológica, a partir da existência de discromias, apresentando uma textura alipídica, com linhas de expressão e diminuição da elasticidade (POSSAMAI, 2013).

Com o surgimento da flacidez puerpério, ocorre uma mudança no corpo após a gravidez, logo no período da gestação, a barriga cresce para acomodar a evolução do bebê e, com isso, a pele e os músculos provocam um estiramento natural graças ao ganho de peso, assim, ocorre desenvolvimento de volume corporal (DOLOVITSCH; WALTER; COELHO, 2016).

O indivíduo percebe a importância de cuidar da sua saúde e aparência, assim, melhor sua autoestima. Por causa da exigência dos padrões de beleza na atualidade, o público feminino tem recorrido a vários procedimentos, com objetivo conquistar resultados surpreendentes. Por isso, ocorrem novos investimentos, sofisticados em cosméticos e nos avanços em aparelhos usados para melhoria estéticas. Nessa busca por beleza, são aplicados em casos de gordura localizada, este deve possuir os padrões de segurança garantindo procedimento seguro, bem tolerado para o remodelamento corporal (PEREIRA et al., 2015).

A radiofrequência pode ser usada para o tratamento de flacidez corporal e facial 15 dias pós-parto, com exceção do local abdominal, que deve ter cuidado sobre a cicatrização ser ocorrer cesárea. Esse procedimento varia segundo a conquista de peso, pois essa técnica gera ondas eletromagnéticas que age com profundidade, aquecendo os tecidos de controle da pele encontrados na derme, já a superfície se preservada e resfriada (VOESE; KLEINPAUL; PETRY, 2015).

Pesquisas afirmam que à temperatura de 40°C, na aplicação da RF permite o crescimento da densidade do colágeno, melhorando o aspecto de flacidez da pele e incentivando a elasticidade dos tecidos ricos da proteína adequada. O nome Lifting (elevação), refere-se ao efeito provocado pela RF, sendo apresentado em diversos experimentos que mostram a mudança da pele. Segundo estudos realizados, não existe um consenso acerca da faixa correta da temperatura de modulação do colágeno (KIM et al., 2016).

Estudos destacam que existem aparelhos com três mecanismos de ação:

tripolar, monopolar e bipolar. O aparelho monopolar, alcança até 20 mm, provocando a liberação de ácidos graxos e triglicérides dos adipócitos, reduzindo seu volume e compactando o panículo adiposo, bem como realiza a remodelação e a formação de novas fibras de colágeno, tratando a flacidez e a celulite. A RF bipolar promove um aquecimento superficial e controle da derme, motivando a reorganização e a neocolagênese (CAVALERI et al., 2017).

A escolha pela temática iniciou a partir da necessidade de se aprofundar pelo assunto Aplicações e Efeitos da Radiofrequência no tratamento da flacidez do puerpério tardio, pois de acordo com estudos científicos é um método seguro que possibilita a melhora e redução da flacidez leve e moderada, tônus da pele e diminuindo as rugas estáticas, ocorrendo o aumento da elasticidade e firmeza da pele depois de algumas sessões de radiofrequência.

Assim, os profissionais Fisioterapêuticos necessitam estar sempre buscando conhecimentos teóricos e técnicos para compreender e se certificar sobre a real segurança das técnicas e equipamentos existentes no mercado e terem conhecimento das características e funções desses métodos inovadores e que trazem resultados satisfatórios a saúde e estética dos clientes.

O presente estudo tem como objetivo analisar a partir da revisão de literatura os efeitos terapêuticos da Radiofrequência no tratamento da flacidez pós-parto.

  1. MATERIAL E MÉTODOS

Foi utilizado o método de revisão bibliográfica que permite uma análise profunda do objeto de estudo a partir da investigação, do julgamento crítico e da síntese da produção científica disponível acerca de uma temática. Foram realizadas pesquisas nas bibliotecas virtuais Scientific Electronic Library On-line -SciELO, e as seguintes bases de dados: Publicações de Artigos Médicos- PubMed e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciência da saúde-LILACS.

Os critérios de inclusão para os artigos selecionados ao estudo foram: artigos que mantinham ligação com o contexto proposto, publicados entre os anos de 2010 e 2020, que se apresentavam na íntegra, disponível on-line, nos idiomas português, inglês e espanhol. Quanto aos critérios de exclusão: artigos em formato de monografia e dissertações e que não estavam de acordo com os descritores.

Os termos utilizados para a busca dos assuntos foram: “Radiofrequência”; “Flacidez Pós-Parto” e “Efeitos”. Após utilização dos critérios de inclusão e exclusão e análise dos resumos, as pesquisas que se voltam para os critérios, foram escolhidos, estruturados, tabelados e debatidos.

O levantamento foi realizado entre os períodos de agosto a outubro de 2020, sendo selecionados artigos a partir das apreciações do título, a leitura do resumo para identificação dos contextos de exclusão. Em seguida, a triagem dos materiais de acordo com os critérios de exclusão, desenvolvida a leitura para extrair componentes de interesse.

Para a classificação da seleção dos estudos foi utilizado o método de GANONG de acordo com o fluxograma a seguir (Figura 1

Figura 1: Fluxograma GANONG das buscas nas bases de dados. Manaus (AM), Brasil, 2019.

  1. RESULTADOS

Para melhor compreender os resultados dos estudos, fez-se essencial que os mesmo fossem apresentados em formato de quadro, dispondo dos seguintes tópicos de forma resumida: autor/ano, título, tipo de estudo, idioma e objetivo. A partir desses dados, foi possível desenvolver uma investigação fazendo comparação dos resultados das pesquisas com a revisão de literatura especializada.

Quadro 1- Artigos utilizados na Revisão de Literatura

Autor/AnoTítuloTipo de EstudoIdiomaObjetivo
FRITZ, K.; SALAVASTRU, C.; GYUROVA, M. (2018)Clinical evaluation of simultaneously applied monopolar radiofrequency and targeted pressure energy as a new method for noninvasive treatment of cellulite in postpubertal women.Estudo ClínicoInglêsInvestigar tratamentos não invasivos para a celulite baseados na aplicação simultânea de radiofrequência (RF) monopolar e energia de pressão
SILVA, R. M. V.; et al. (2017)Avaliação do grau do fibro edema gelóide utilizando um sensor de infravermelho.Estudo ObservacionalPortuguêsInvestigar a relação aos graus da celulite, com o sensor de infravermelho (Celluscan®) além de comparar os resultados obtidos neste tipo de avaliação com os resultados do PAFEG e da análise por fotogrametria.
BELENKY, I.; et al. (2012)Exploring channeling optimized radiofrequency energy: a review of radiofrequency history and applications in esthetic fields.Revisão de LiteraturaPortuguêsDescrever em detalhes o uso extensivo de dispositivos médicos com base na tecnologia de RF
ELMAN, M.; et al. (2012).Non-invasive therapy of wrinkles and lax skin using a novel multisource phasecontrolled radio frequency system.Estudo ExperimentalPortuguêsApresentar o uso da nova tecnologia

Journal of Cosmetic and Laser Therapy.


3DEEP para contorno corporal.
SILVA, E.S.; et al. (2020)Terapia Combinada para Tratamento das Estrias Pós Puerpério: Benefícios da Radiofrequência, Vacuoterapia e Fatores de Crescimento.Revisão Narrativa LiteraturadePortuguêsApontar o caso das estrias desenvolvidas pela gravidez e o seu tratamento estético por meio dos recursos eletroterápicos e princípio ativo

Fritz, Salavastru e Gyurova (2018) afirmam que a radiofrequência é uma técnica eficaz que melhora a flacidez e a elasticidade da pele, permitindo a contração dos septos de tecido adiposo, e assim contribui com um melhor aspecto do Fibro Edema Gelóide (FEG). Para comprovar sua eficácia, vem constantemente são apresentadas evidências no mercado, fazendo uso das tecnologias inovadoras, com resultados positivos e proporcionando a melhora na autoestima após o procedimento.

Silva et al. (2017) corroboram afirmando que A RF é um recurso recomendado para aplicações na derme e que possui diversos efeitos fisiológicos na flacidez. Estudos, realizaram avaliações dos efeitos da baixa temperatura na RF, usando faixas de temperatura abaixo que 36ºC, para determinar a redução do tecido de colágeno e dos septos interlobulares. A Radiofrequência voltada para o tratamento da flacidez corporal, após 15 dias pós-parto, com restrição da área abdominal que necessita se voltar para o processo de cicratização se eventualmente por cesárea.

Para Belenky et al. (2012) a Radiofrequência é um sistema seguro, com pouco risco de efeito colateral, eficaz para o contorno corporal, celulite e métodos de enrijecimento da pele. As intervenções in vivo afirmam que o conceito de que a impenetrabilidade de RF é uma atribuição inversa de sua frequência, a utilização de um método de vácuo dá uma colaboração complementar para introdução de energia de RF.

Elman et al. (2010) afirmam em suas pesquisas que foram desenvolvidas seis sessões de RF bipolar com dez pacientes, com espaço de 15 a 21 dias, demonstrando uma diminuição média de 2,3 cm da circunferência do abdômen, que estavam relacionado com a melhoria da flacidez tissular. Destaca-se ainda que os resultados são alcançados depois de duas a três sessões.

Silva et al. (2020), consideram que a radiofrequência se utilizada visando produzir um processo inflamatório controlado, motiva a geração de elastina e colágeno e que os contribuintes de desenvolvimento auxiliam na reparação celular e no método de cicratização.

  1. DISCUSSÃO
    1. Características da Flacidez Corporal

A pele se destaca como importante órgão, a se relacionar com o ambiente externo, e está sujeita a qualquer tipo de dificuldade, mesmo que seja a proteção os principais papéis. A medida que o tempo vai passando, vai transformando o aspecto da pele, que passa a definhar, e logo vem a flacidez muscular que significa a diminuição do tônus muscular, o músculo fica pouco resistente. Por isso, a mesma pode se apresentar de duas formas: a flacidez muscular e a de pele, os dois tipos são interligados, resultam em aspecto ainda pior às partes do corpo (CRUZ; PEREIRA, 2018).

Com o passar dos anos, os músculos tornam-se flácidos em decorrência da ausência de atividades físicas. Se as mesmas não forem realizadas, as fibras musculares permanecem hipoatrofiadas e flácidas, ou seja, flacidez relativamente falada é ocasionada pela perda de componentes do tecido conjuntivo, como fibroplastos, colágeno e elastina. Esta degradação faz com que a rede de elementos se torne menos resistentes, extraindo a estabilidade entre as células, e as dificuldades da flacidez resultam em pontos antissimétricos (MENDES, 2010).

O envelhecimento da pele inicia a partir dos vinte anos, em que acontecem transformação genéticas e mudanças do estilo de vida dos indivíduos. O envelhecimento é resultado de quatro causas: redução dos fibroblasticos, desidratação epidérmica, atrofia dos músculos faciais e baixa microcirculação cutânea (SOUSA, 2016).

Para Sousa (2016), as fibras colágenas e as elásticas estão preparadas para promover a firmeza da cútis, disponibilizando acesso a uma co-participação na fisiopatologia cutânea. Já, as fibras colágenas são produzidas pelo tecido conjuntivo, sendo formada por uma escleroproteína chamada colágeno. Outra característica apresentada são as rugas vincos ou sulcos da pele, que surgem por efeitos em decorrência do envelhecimento cutâneo, que mais na frente é atingido em seu processo fisiológico.

A elastina é outra proteína que existe na derme, ela se define como uma proteína fibrosa que viabiliza elasticidade a pele. A falta dessas fibras com o passar dos anos e o principal causador da rugas, flacidez e perda da elasticidade, decorrentes do envelhecimento da pele, elastina é firme ainda mais que o colágeno (GERSON, 2011).

  1. Conceitos e Objetivos da Radiofrequência

Segundo Tagliolatto (2015), a radiofrequência é transmitida por um aparelho aprimorado que auxilia na eliminação da flacidez da pele sem ocasionar dor, esse método é seguro e não invasivo a pele. São emitidas através de ondas eletromagnéticas que esquentam a derme e a hipoderme, resultando a contração das fibras de colágeno, motivando sua produção. A radiofrequência produz forte calor e energia acima da superfície mais intensa da pele, o equivalente a 50 e 60 graus, no período em que a superfície da pele se mantém protegida e resfriada.

O processo de estudos da RF começou em 1891, através de D’Ansorval, que ficou totalmente visível, que para cada tipo de tecido, há diversos tipos de frequências. É um instrumento desenvolvido nos Estados Unidos, para o tratamento da flacidez cutânea, sem passar pelo processo cirúrgico, apresentando a capacidade de reestruturação e formação de um colágeno inovado, obtendo um tratamento isento de descamações, queimaduras, equimoses, inchaços e hematomas. Com resultado foi permitido na face, a reparação de sinais de envelhecimento, flacidez tissular e rugas, preparando o uso em todos os fototipos no cotidiano do paciente (COIMBRA; CABALLERO; STENELLO, 2014).

A radiofrequência produz por meio do efeito da corrente elétrica, a alta frequência e o calor nos tecidos dérmicos, ou seja, calor endógeno com densidades conforme o tipo do aplicador utilizado, possibilitando resultados positivos à região. E por ser um é método não ablativo e não invasivo de rejuvenescimento, que pode afetar os tecidos profundos, isso ocorre por meio de técnicas especializadas que vem se desenvolvendo a partir de estudos no decorrer dos anos, para cada vez mais, utilizar a RF com segurança (LEVENBERG, 2010).

O objetivo desse método no período do tratamento, é elevar a temperatura do tecido no modo que, possa atingir uma temperatura local de 40 ºC a 43 ºC, o que transforma para uma sequência de conduta fisiológicas: aquecimento do tecido, incentiva o surgimento de vasodilatação local e impulso à formação de um desenvolvido colágeno. No período da aplicação, o calor provocado deve ser monitorado segundo informações do paciente, e medido por meio de um termômetro que auxilia o equipamento (HURWITZ; SMITH, 2012).

A RF é capaz de incentivar a vasodilatação na área aplicada, desenvolvendo o fluxo sanguíneo, contribuindo com uma maior disponibilidade de nutrientes e oxigênio, e com efeito na eliminação de catabólitos altas. A temperatura é mantida em uma faixa terapêutica, provoca uma mudança na extensão do tecido colágeno, promovendo uma acelerada fricção e fortalecimento dos tecidos. Os efeitos térmicos do equipamento viabilizam a transformação do colágeno, incentivando uma efetiva e imediata ligação de suas fibras, aumentando os fibroblastos a partir da formação de novas fibras colágenas (FONSECA; ALVES; HASSE, 2018).

Existe uma temperatura que é mais utilizada no procedimento, por meio de estudos que já comprovaram, que alterna entre 37º a 43º C, sendo que em grande parte, utiliza o equipamento com temperatura que alterna de 40º C. Segundo pesquisadores, existe a necessidade de atingir altas temperaturas na derme, visando alcançar os efeitos terapêuticos, porém afirmam que não existem verdades concretas da temperatura na derme. Pesquisas mostram que a temperatura que chega a 40ºC a 42ºC na epiderme e alusões de que a temperatura na derme seria em volta de 65ºC (ARAÚJO et al., 2015).

A RF pode afetar até as células musculares, pois sua energia chega o nível celular na epiderme, derme e hipoderme. Ao ultrapassar pelos tecidos, a corrente provoca uma rápida fricção ou resistência dos tecidos, alcançando uma temperatura tissular elevada. Quando descoberta pelo organismo, o sistema fisiológico permite a vasodilatação que melhora a reabsorção dos líquidos intercelulares desmoderados e a nutrição tecidual (BORGES, 2013).

  1. Métodos de Aplicação da RF

Um dos fatores relacionados à pele são as estrias, que são afecções que aparecem através de lesões púrpuras e que se desenvolvem em anomalias embranquecidas e atróficas. Por exemplo, ocorrem com as mudanças de colágeno, no enchimento do espaço entre as fibras do conjuntivo, fibroblastos e as células (DOLOVITSCH; WALTER; COELHO, 2016).

A radiofrequência fortalece o colágeno e a elastina, são essas as fibras que são eliminadas dando início a estria. Sua aplicação se apresenta como uma corrente de frequência alta, produzindo calor por conversão, que fica perto das camadas da pele, oportunizando uma melhor nutrição, oxigenação e dilatação dos vasos sanguíneos (MOREIRA; GIUSTI, 2013).

Sua utilização ocorre através do elevado nível de temperatura do tecido, age de forma contínua sobre os efeitos fisiológicos, como: a reconstrução do colágeno, a força da vasodilatação e aquecimento de tecido. Esse atual método tecnológico distribui calor através da rotação de dipolos, possibilitando que chegue a 65°C na derme, crescimento de temperatura que contribui com a neocolagênese, resultado da reorganização do colágeno (HANSEN; GIACOMOLLI; DEUSCHLE, 2016).

Por ser uma técnica que utiliza radiações, que são caracterizadas em um espectro eletromagnético entre 30 KHz e 3 GHz, esse método inovador possibilita a reparação de sinais de envelhecimento. Ela pode ser usada de forma isolada ou relacionada a demais tratamentos estéticos. Pesquisas mostram que os equipamentos de RF, tem se apresentando como um importante avanço na estética, por alcançar resultados satisfatórios em diversos tratamentos, sua sessão começa com a aplicação do gel e óleo sobre a pele limpa (CARVALHO et al., 2011).

Já a RF tripolar está relacionada a dois sistemas: monopolar e bipolar, os fluxos de força de RF que estão circulando entre três polos (eletrodos), aquece de forma simultânea, as camadas superficiais e interseção da pele. A intensidade da corrente que se encontra entre os três polos, compreende uma densidade de alta potência acerca da área a tratar, possibilitando resultados clínicos de longo prazo após várias sessões de tratamento, sem trazer desconforto (BELENKY et al., 2012).

O processo da RF pode ser comparado a uma ultrassom, que a após a aplicação do gel a máquina começa seu processo, sempre visa atingir bons resultados. Estudos mostram que o procedimento realizado com puérperas, são avaliadas antes e após o parto, ocorre durante três vezes por semana no tempo de seis semanas, resulta na redução das medidas da perimetria abdominal, diminuição da diástase, assim como melhora o tônus muscular dos pacientes (ROCKENBACH, 2012).

Todos os procedimentos devem ser realizados para que o paciente fique tranquilo e esperançoso de forma mais confortável, mas sempre que ocorrer algo relacionado a dor, necessita de imediato acionar a equipe responsável pelo procedimento. Portanto, os resultados satisfatórios dependem dos parâmetros usados clinicamente, é recomendado conhecer não só́ a condição a ser tratada, mas, todo o mecanismo que ocorre nos tecidos através da utilização da corrente elétrica. Se utilizada forma correta, os resultados serão satisfatórios (LIMA; RODRIGUES, 2012).

  1. Efeitos Terapêuticos da Radiofrequência

Segundo Kaduc (2013), os efeitos da radiofrequência são baseados no crescimento da circulação sanguínea linfática, aumento da difusão por meio da membrana celular, aquecimento da pele e diatermia que provoca a vasodilatação. Na evolução da atividade enzimática e do metabolismo ocorre: a redução da atividade simpática, limiar da dor, possibilita a intervenção pró-inflamatória, a aceleração em reparação de tecidos destruídos e desenvolvimento da produção de colágeno.

Segundo Duarte (2019), os efeitos fisiológicos da Radiofrequência para conter à flacidez são: aumento da circulação sanguínea vasodilatação. O crescimento da temperatura que desenvolve vasodilatação local, bem como a motivação do aporte de nutrientes e oxigênio, resultando na eliminação dos catabólitos. O aumento da circulação fica visível a partir dos 40°C, pode atingir o limite máximo aos 45°C.

Latronico et al. (2010) salientam que ocorrem resultados positivos, a melhoria no traçado da silhueta corporal, pois a RF tem seus benefícios confirmados para o combate a flacidez, aprimorando a tonicidade da pele em poucas sessões não modificam a rotina do cliente submetido à técnica, sendo que foi tratado a flacidez para ter resultados satisfatórios.

No momento em que o organismo reconhece a temperatura mais elevada o sistema fisiológico, gera a vasodilatação com entrada dos capilares, desenvolvendo o trofismo tissular, a assimilação dos líquidos intercelulares excessivos e o crescimento do nível da circulação. Contribui com o alcance nutricional de oxigênio por meio desse processo, oligoelementos e nutrientes do tecido, incentivado pela radiofrequência, permitindo uma melhora no sistema de drenagem dos resíduos celulares (toxinas e radicais livres) (AGNE, 2013).

Estes efeitos contribuem com o fortalecimento e a qualidade dos adipócitos, motivam lipólise homeostática e produção de fibras elásticas de melhor qualidade, funcionamento nos fibroblastos e nas demais células. Também seu efeito Joule é o principal resultado térmico da radiofrequência ao ultrapassar o organismo, gerando a produção de calor. Já no efeito térmico ocorre a vasodilatação periférica local, pelo calor gerado, proporcionando aumento do fluxo sanguíneo, produzindo o trofismo, do metabolismo celular e da oxigenação (SILVA; MEJIA, 2012).

Outro efeito positivo, é o manuseio da manopla da radiofrequência, sendo necessário para resultar nos estiramentos em relação ao acúmulo de calor em uma mesma região que ocorre a dor. Na pele, o calor promovido identificado por um termômetro que deve ser utilizado para manter a distância de 20 cm da pele do paciente, podem surgir interferências da temperatura ambiental, os principais resultados são: o aumento da temperatura, diminuição da distensibilidade e a densidade do colágeno cresce, dentre outros (SOUSA, 2016).

Se ocorrerem todos os cuidados necessários na aplicação da radiofrequência, não surgem reações. O tratamento corporal possui suas definições, pode ser considerado a partir da aplicação mais complexa da radiofrequência, sendo que os resultados podem trazer expectativas favoráveis ou mesmo mal estar aos pacientes (SILVA; MEJIA, 2012).

  1. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Constatou-se nos achados da presente pesquisa que a radiofrequência tem como objetivo o alcance do crescimento da circulação sanguínea linfática, redução da atividade linfática, limiar da dor, possibilita a intervenção pró-inflamatória, a aceleração na reparação de tecidos destruídos e desenvolvimento da produção de colágeno. O efeito positivo é o manuseio da manopla da radiofrequência, sendo importante atuar nos estiramentos em relação ao acúmulo de calor na região que ocorre a dor.

De acordo com pesquisas foi possível identificar que a radiofrequência é o tratamento mais recomendado para a flacidez abdominal no pós-parto, geralmente é orientado pelos profissionais já a partir de 40 dias, que pode atuar sobre o excesso de pele. O método gera ondas eletromagnéticas, que agem totalmente aquecendo os tecidos de bases da pele situados na derme, este processo permite a estimulação da produção de elastina e colágeno.

Estudos sobre os efeitos terapêuticos da radiofrequência no tratamento da flacidez pós-parto necessitam ser ampliados, devido à necessidade de pesquisas sobre esse método, já que se torna indispensável no tratamento da flacidez corporal pós-parto. Os efeitos terapêuticos interferem de forma positiva sem agredir a pele, no entanto, é recomendado alertar para os pacientes sobre possíveis riscos, para que seja realizado um procedimento seguro, que possa preservar sua saúde e vida.

REFERÊNCIAS

AGNE, J. E. Eu sei Eletroterapia. Santa Maria Pallotti, 2013. Disponível em: file:///C:/Users/Dora/Downloads/6489-18371-1-PB.pdf. Acesso em: 11set 2020.

ARAÚJO, A. R.; et al. Radiofrequência para o tratamento da flacidez da pele: mito ou verdade. Anais Brasileiros de Dermatologia, v.90, n.5, p.707-21, 2015.

BELENKY, I.; et al. Exploring channeling optimized radiofrequency energy: a review of radiofrequency history and applications in esthetic fields. Advances in therapy, v. 29, n. 3, p. 249-266, Fev. 2012.

BORGES, F. S. Dermato Funcional Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. Revista Científica da Uniararas, v.1, n.2, p.22-32, 2013.

CARVALHO, G. F.; et al. Avaliação dos efeitos da radiofrequência no tecido conjuntivo. Revista Brasileira de Medicina, v.3, p.10-25, 2011. Disponível em:< file:///C:/Users/Dora/Downloads/374-688-1-SM.pdf>. Acesso em: 11set 2020.

CAVALERI, T.; et al. Benefícios da radiofrequência na estética. Revista eletrônica gestão em foco UNISEPE, Paraná, v.9, p. 211-239, 2017.

COIBRA, D. D.; CABALLERO, U. M.; STEFFANELLO, O. B. Quadralização facial no processo do envelhecimento. Surgical Cosmetic Dermatology, v. 6, n.1, p.65-71, 2014.

CRUZ, F. L.S.; PEREIRA, L. P. Estética facial: acupuntura no tratamento de rugas.

Revista Saúde em Foco, nº 10, 2018. Disponível em: https://portal.unisepe.com.br/unifia/wpcontent/uploads/sites/10001/2018/06/024_ESTETICA_FACIAL_E_RUGAS.pdf. Acesso em: 11 out. 2020.

DOLOVITSCH, P.; WALTER, L. G.; COELHO, E. M. L. Revisão bibliográfica de alterações estéticas corporais: Estrias. Salão Do Conhecimento, 2016.

DUARTE, A. B. A utilização da Radiofrequência como técnica de tratamento da flacidez corporal. 2019. Disponível em:.https://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/19/35__A_utilizaYYo_da_RadiofrequYncia_como_tYcnica_de_tratamento_da_flacidez_cor poral.pdf. Acesso em: 11set 2020.

ELMAN, M.; et al. Non-invasive therapy of wrinkles and lax skin using a novel multisource phase-controlled radio frequency system. Journal of Cosmetic and Laser Therapy, Londres, v.12, p. 81-86, Mar. 2010.

FONSECA, E.; ALVES, J.; HASSE, R. O uso da Radiofrequência no tratamento de rejuvenescimento facial. Revista Estética em Movimento, v.1, n.1, p.1-17. 2018.

FRITZ, K.; SALAVASTRU, C.; GYUROVA, M. Clinical evaluation of simultaneously applied monopolar radiofrequency and targeted pressure energy as a new method for noninvasive treatment of cellulite in postpubertal women. J Cosmet Dermatol, n.17, p.361–364, 2018.

GERSON, J.; et al. Fundamentos da Estética 4. Tradução por Cengage Learning, Milady’s Standard Esthetics: Fundamentals, 10th Edition. São Paulo, Cengage Learning, 2011.

HANSEN, D.; GIACOMOLLI, C. M. H.; DEUSCHLE, V. C. N. Qualificação Profissional das Acadêmicas do Curso de Estética e Cosmética Através de Ações Voltadas à Comunidade. Cata-ventos-Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta, Jan; v.7, n.1, p.123-136, 2016.

HURWITZ, D.; SMITH, D. Treatment of overweight patients by radiofrequencyassisted liposuction (RFAL) for aesthetic reshaping and skin tightening. Aesthetic Plast Surg.; v.36, n.1, p. 62-71, 2012.

KADUC, B. Tratado de cirurgia dermatológica, cosmiatria e laser. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda., 2013.

KIM, H. K.; et al. Effects of lowlevel laser therapy, eletroacupuncture, and radiofrequency on the pigmentation and skin tone of adult women. Journal of Physical Therapy Science, v. 28, n.5, p.1407-11, 2016.

LATRONICO, H.; et al. Novas tecnologias para redução de adiposidade localizada: Cavitação, NARL e Radiofrequência, ensaio clinico comparativo. 2010.

LEVENBERG, A. Clinical. Experience with a TriPollar radiofrequency system for facial and body aesthetic treatments. Eur J Dermatol., v.20, n.5, p.615-9, 2010.

LIMA, E. P. F.; RODRIGUES, G. B. O. A estimulação russa no fortalecimento da musculatura abdominal. ABCD, arq. bras. cir. dig. v.25, n.2 São Paulo abr./jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010267202012000200013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 11set 2020.

LIMA, E.; RODRIGUES, G. A estimulação russa no fortalecimento da musculatura abdominal. ABCD – Arquivos Brasileiros de cirurgia digestiva, São Paulo, v.25, n.2, p.125-128, Jun. 2012.

MENDES, L. N. Estimulação elétrica muscular. 2010. Disponível em: 67202012000200013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 11 set 2020.

MOREIRA, J. A. R.; GIUSTI, H. H. D. A fisioterapia dermato-funcional no tratamento de estrias: Revisão de literatura. Revista Científica da Uniararas, v.1, n. 2, p. 22-32, 2013.

MULTINI, A. A. L.; PEREIRA, C. B. Acupuntura na Prevenção e Tratamento de Rugas Faciais. Centro de estudos de terapias naturais. 2020. Disponível em: https://www.cetn.com.br/imprensa/acupuntura-na-prevencao-e-tratamento-de-rugasfaciais/20200407-113006-d548. Acesso em: 29 out 2020.

PEREIRA, P. C.; et al. Edermoterapia e ultrassom terapêutico associado a massagem modeladora na redução de medidas abdominais. 2015. 10 f. Tese (Doutorado) – Curso de Fisioterapia, Centro Universitario de Itajabú, Itajabú, 2015. Disponível em: file:///C:/Users/Dora/Downloads/10-78-2-PB.pdf. Acesso em: 11set 2020.

POSSAMAI, C. G. Radiofrequência em mulheres sobre o contorno do ângulo cérvico facial. 2013.

ROCKENBACH, J. Estimulação elétrica neuromuscular no tratamento da diástase abdominal: uma revisão de literatura. 2012. 17 f. Monografia – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ, Rio Grande do Sul, 2012.

SILVA, A. R.; et al. Radiofrequência no tratamento das rugas faciais. Revista da Universidade Ibirapuera, São Paulo, 7, 38-42, 2014.

SILVA, E.S.; et al. Terapia Combinada para Tratamento das Estrias Pós Puerpério: Benefícios da Radiofrequência, Vacuoterapia e Fatores de Crescimento. FERREIRA, L. A. e Colaboradores. Braz. J. Nat. Sci. – revista eletrônica, v.3, n.3, 2020.

SILVA, G. X. L.; MEJIA, D. P. M. A. utilização da radiofrequência no tratamento da flacidez facial. 2012.

SOUSA, J. N. D. O uso da diatermia por radiofrequência no tratamento das rugas e flacidez facial: Revisão bibliográfica. 2016.

TAGLIOLATTO, S. Radiofrequência: método não invasivo para tratamento da flacidez cutânea e contorno corporal. (SP), Brasil. 2015.

VOESE, F.; KLEINPAUL, W.; PETRY, A. Esthetic plastic surgery: Experiencies concerning corporal (re)constructions and implications for nursin. Northeast Network Nursing Journal, Fortaleza, v.16, n.2, p.185-193, Mar/Abr. 2015.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.