O USO DAS BANDAGENS FUNCIONAIS NO TRATAMENTO DA ENTORSE DE TORNOZELO: REVISÃO DE LITERATURA

Erika Luanna Serpa Rocha
Douglas Silva Ataide

Erika Luanna Serpa Rocha¹ Douglas Silva Ataide²

  1. Discente finalista do curso de Fisioterapia do centro universitário-FAMETRO
  2. Docente e orientador do curso de Fisioterapia de centro universitário-FAMETRO

RESUMO

Bandagens elásticas são comumente usadas em esportes para tratar e prevenir lesões esportiva. refazer a introdução do resumo Objetivo: verificar a eficácia da bandagem elástica na reabilitação de entorse de tornozelo. Metodologia: a pesquisa foi realizada nos seguintes bancos de dados eletrônicos: Scielo, Pubmed e Medline, utilizando descritores. A seleção final foi feita aplicando critérios de inclusão e exclusão ao texto completo. A partir dessa pesquisa selecionou-se 17 artigos que foram inseridos no estudo onde analisou-se a metodologia empregada e os resultados alcançados. Os resultados mostraram que 15 estudos afirmaram que a bandagem funcional é eficaz na reabilitação da entorse de tornozelo mostrando efeitos positivos como: redução da dor, suporte durante as contrações musculares, melhora no padrão de marcha, melhora no desempenho funcional, promoção de estímulos sensoriais na pele, aumento da propriocepção, drenagem de líquidos corporais, ganho de amplitude de movimento. mesmo com um curto período de tempo, porém há autores que afirmaram que quanto maior o tempo de uso melhor será a atuação da bandagem. Assim, é possível concluir que o uso da bandagem funcional consiste em um método não invasivo e econômico, podendo ser utilizado para a reabilitação da entorse de tornozelo, pois seus efeitos destacados pelos estudos descritos nos resultados demonstraram que houve melhoria da força, desempenho e equilíbrio na entorse de tornozelo.

Palavras-Chave: Instabilidade crônica do tornozelo, Bandagens funcionais, Tratamento fisioterapêutico.

ABSTRACT

Elastic bandages are commonly used in sports to treat and prevent sports injuries. redo the introduction of the summary Objective: to verify the effectiveness of elastic bandage in the rehabilitation of ankle sprains. Methodology: the research was carried out in the following electronic databases: Scielo, Pubmed and Medline, using descriptors. The final selection was made by applying inclusion and exclusion criteria to the full text. From this research, 17 articles were selected and inserted in the study, where the methodology used and the results achieved were analyzed. The results showed that 15 studies stated that functional bandaging is effective in the rehabilitation of ankle sprains, showing positive effects such as: reduction of pain, support during muscle contractions, improvement in gait pattern, improvement in functional performance, promotion of sensory stimuli in increased proprioception, draining body fluids, gaining range of motion. even with a short period of time, however, there are authors who stated that the longer the usage time, the better the bandage performance will be. Thus, it is possible to conclude that the use of the functional bandage is a non-invasive and economical method, and can be used for the rehabilitation of ankle sprains, as its effects highlighted by the studies described in the results showed that there was an improvement in strength, performance and balance in ankle sprain.


Keywords: Chronic instability of the ankle, Functional bandages, Physiotherapeutic treatment.

INTRODUÇÃO

O tornozelo está entre as articulações mais frequentemente lesadas durante a atividade atlética, sendo responsável por aproximadamente 30% de todas as lesões relacionadas ao esporte. A lesão de tornozelo mais frequente é a entorse do ligamento com até 85% envolvendo o complexo ligamentar lateral. Isso ocorre a partir de um mecanismo de lesão de inversão, supinação e flexão plantar. A entorse de tornozelo tem sido descritas em termos da extensão dos danos nos ligamentos laterais da articulação, envolvidos em 85% das lesões nos tecidos moles (AGEL e HARVEY, 2011).

Embora a recuperação de uma entorse de tornozelo seja frequentemente rápida, o manejo adequado é fundamental para reduzir o risco de lesões recorrentes e o desenvolvimento de entorse de tornozelo. As taxas de novas lesões após uma entorse inicial de tornozelo são altas, com entorses recorrentes em atletas sendo relatadas em mais de 80%. Enquanto isso, a entorse de tornozelo pode levar à redução da atividade física devido à dor persistente no tornozelo, inchaço, crepitação, rigidez, fraqueza e instabilidade, bem como o desenvolvimento de osteoartrite pós-traumática do tornozelo (WILSON, 2015).

A bandagem funcional permite a diminuição da sobrecarga da região lesionada favorecendo a evolução do processo da reabilitação melhorando a circulação sanguínea e permitindo ao paciente um retorno de suas atividades diárias diminuindo a sobrecarga muscular. Proporciona ainda estabilidade articular dando suporte funcional sem limitar o movimento, a utilização das bandagens elásticas produzem efeitos por meio de mecanismos neurofisiológicos e biomecânicos (MATOS, 2017).

Diante desse contexto, o presente estudo tem como objetivo avaliar o uso de bandagens funcionais no tratamento da entorse de tornozelo.

METODOLOGIA

Este estudo trata-se de uma revisão da literatura em ensaios clínicos nas bases de dados Scielo, PubMed e Medline, integrada de literatura, as buscas se deram no período de julho a novembro de 2020 com os seguintes termos de busca registrados nos Descritores em Ciências da Saúde: entorse de tornozelo AND fisioterapia OR bandagem funcional quanto em português. A base de dados com o maior número de artigos encontrados foi a Scielo.

Na busca foram incluídos estudos do tipo ensaio clínico randomizado e não randomizado, referentes aos anos de 2011 a 2020, que usassem a bandagem funcional como instrumento de reabilitação. Através desta pesquisa foram encontrados 28 estudos com base nos descritores utilizados. No entanto 11 deles foram excluídos por não dados completos para este estudo. A partir do fluxograma abaixo é possível acompanhar em detalhe a realização da pesquisa.

RESULTADO

No quadro 1 estão descritos os 17 estudos selecionados para composição dos resultados. A tabela a seguir é composta pela metodologia utilizada em cada estudo, o nome do autor e ano da pesquisa e os resultados alcançados em cada estudo.

Tabela 1: Resultado encontrado pelos autores acerca do uso da bandagem funcional no tratamento da entorse de tornozelo.

ANOAUTORESTIPOS DE ESTUDORESULTADO
2019Alrawaili et al.,Ensaio clínicoNão apresentou resultados benéficos no desempenho muscular no tratamento da entorse de tornozelo.
2011Biem et al.,Ensaio clínico
2019Fereydounnia et al.,Estudo clínicomelhoria da força, desempenho e equilíbrio na entorse de tornozelo
2018Gehrke et al.,Estudo clínico
2018Sarvestan et al.Estudo clínico
2017Beirão (2017)Estudo investigativoPromove uma tração constante na pele
2017Bordin et al.,Estudo transversalRedução da dor, suporte durante as contrações musculares, melhora no padrão de marcha, melhora no desempenho funcional, promoção de estímulos sensoriais na pele, aumento da propriocepção, drenagem de líquidos corporais, ganho de amplitude de movimento na entorse de tornozelo
2015Someeh et al.,Estudo transversal
2014Hajimirrahimi et al.,Estudo transversal
2012Brum et al.,Estudo clínico
2017MatosRevisão de literaturaTratamento conservador
2014Prianti et al.,Estudo transversalresultados positivos na oscilação postural, na atividade elétrica muscular na entorse de tornozelo
2014Bonetti et al.,Estudo transversalMelhora no deslocamento médio lateral, deslocamento médio anteroposterior e a velocidade média do deslocamento total
2013CostaEstudo transversalApós o uso da bandagem não houve registo de qualquer lesão da tibiotársica
2013Barbanera,Estudo transversalO pico de torque foi maior para o lado não lesado na condição com bandagem após exercício
2012Bicici et al.,Estudo transversalMelhora no desempenho funcional
2012Brito,Revisão de literaturaimportante adjunto na reabilitação
2012BrumEstudo transversalA bandagem funcional proporcionou aumento da estabilidade, auxílio na resposta muscular, fornecendo maior sustentação biomecânica prevenindo as lesões.

DISCUSSÂO

O presente estudo teve como objetivo verificar o uso de bandagens funcionais no tratamento de entorses de tornozelo. Para tanto foram realizadas extensas pesquisas na literatura que trata do tema, bem como busca em site científicos por meio do uso de descritores.

Em relação ao uso de bandagem funcional, principalmente por atletas para o tratamento da entorse de tornozelo foram encontrados diversos estudos. Dos 18 estudos descritos na tabela 1, 16 deles afirmaram que a bandagem funcional trouxe resultados positivos melhorando a reprodução do senso de força em indivíduos com diagnosticados com instabilidade crônica de tornozelo depois de um curto período de tempo resultando potencialmente em maior confiança na realização de atividades.

Fereydounnia et al., (2019) citou em seu estudo que a bandagem Kinesio teve efeitos imediatos na melhoria da força, desempenho e equilíbrio, podendo ser considerada a aplicação durante o processo de reabilitação de atletas com entorse de tornozelo. Contudo, os impactos de longo prazo da bandagem nas medidas funcionais, de equilíbrio e de força devem ser investigados em estudos futuros.

Gehrke et al., (2018) realizou um estudo com 21 atletas com idade entre 18 e 30 anos (média de idade 23,7 ± 3,2) com entorse de tornozelo crônica das equipes de basquete feminino e masculino da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Destes, 13 sofreram entorse no último ano e 16 afirmam usar proteção de tornozelo durante a prática de esportes, dos quais apenas cinco sempre usam. As proteções mais utilizadas são bandagem elásticas com e sem estabilizadores metálicos (13 atletas), mas a maioria dos atletas (15) já havia utilizado fita rígida. Ao final do estudo os autores relataram que o uso de fita rígida e elástica melhora significativamente o equilíbrio dinâmico e, consequentemente, o desempenho funcional de atletas de basquete com entorse, apenas em situações de grande estresse articular. Além disso, Beirão (2017) afirmou que por ser elástica, após a aplicação promove uma tração constante na pele.

Segundo Peres et al., (2014) o uso de bandagem funcional reduz a gravidade e a incidência de entorses em 60-80% dos casos, principalmente em indivíduos que já sofreram a lesão. No entanto, em seu estudo os autores relataram que apesar da redução da gravidade e da incidência de entorses decorrentes da melhor estabilização articular pelo uso de apoios externos de tornozelo, a influência desses implementos no desempenho funcional dos indivíduos ainda não é clara.

Para Someeh et al., (2015) a bandagem funcional pode ser um método eficaz para melhorar o desempenho de atletas em esportes que requerem movimentos laterais. Os autores realizaram um estudo transversal com 32 atletas profissionais com e sem instabilidade crônica do tornozelo. Os resultados deste estudo sugerem que houve diferenças entre atletas que tinham entorse de tornozelo e atletas saudáveis.

Esses resultados foram semelhantes aos citados por Hajimirrahimi et al. (2014) que também usou a bandagem Kinesio taping e afirmou que aa bandagem com o objetivo de correção funcional e mecânica, o desempenho funcional após KT melhorou dramaticamente, mas na bandagem com o objetivo de correção ligamento-tendão, o desempenho funcional não mudou significativamente após a bandagem.

Prianti et al., (2014) realizou um estudo com 14 atletas da 1ª divisão paulista de futebol feminino que foram divididas em 2 grupos, sendo Grupo 1 sem bandagem e Grupo 2 com bandagem elástica, executando a tarefa do chute, em uma plataforma de força. Como resultado verificou-se que o uso da bandagem funcional mostrou resultados positivos tanto na oscilação postural, na atividade elétrica muscular, como no número de acertos de chutes no alvo.

Brum et al., (2012) relatou em seu estudo que há um aumento da estabilidade nessa articulação com o uso da bandagem, auxiliando na resposta muscular, fornecendo maior sustentação biomecânica e, assim, possivelmente prevenindo as lesões. Segundo Taveira (2012) há eficácia na reabilitação da entorse de tornozelo através da melhora da circulação e redução do edema local, bem como, estimulação sensorial oferecendo estabilidade e propriocepção durante a execução dos movimentos e além de proporcionar alívio da dor.

Para Brito (2012) a bandagem funcional é capaz de restringir os movimentos extremos desta articulação e ajuda a diminuir o tempo de reação da musculatura fibular em função da estimulação proprioceptiva que a bandagem propicia aos receptores do tornozelo, sendo um importante adjunto na reabilitação desta articulação.

Porém, apesar de diversos estudos relatarem a eficácia do uso da bandagem funcional na reabilitação de atletas diagnosticados com entorse de tornozelo, dois estudos afirmaram não ser possível comprovar tal eficácia. É o que afirmou Biem et al., (2011) que ao realizar um estudo com 51 atletas da primeira divisão masculina foram testados quanto à estabilidade funcional de ambos os tornozelos onde cada participante foi testado em 3 condições: tornozelo com fita adesiva branca não elástica, tornozelo com fita Kinesio e sem fita adesiva no tornozelo. Os resultados obtidos pelos autores os levaram a concluir que a eficácia do Kinesio Tape na prevenção de entorses de tornozelo através do mesmo mecanismo é improvável, uma vez que não teve efeito na ativação muscular do fibular longo.

Tais resultados foram similares aos relatados por Alrawaili et al., (2019) este relatou em seu estudo que a bandagem funcional Kinesio tape não leva a resultados benéficos no desempenho muscular em jovens jogadores de futebol saudáveis. Vale ressaltar que o número de participantes deste estudo foi menor que número de participantes do estudo de Biem et al., (2011).

Um dos benefícios relatados por Matos (2017) é o fato dee a bandagem funcional ser um tratamento conservador pode ser usado em todos os graus da lesão.

CONCLUSÃO

A partir dos resultados encontrados neste estudo foi possível concluir o uso da bandagem funcional melhora significativamente o equilíbrio dinâmico e, o desempenho funcional de atletas de diversas modalidades de esporte. A bandagem funcional parece ser uma alternativa igualmente eficaz ao tipo rígido nessas situações, além de ser significativamente mais confortável.

Contudo, não se pode deixar de dizer que a literatura é escassa em relação a estudos que abordam o uso da bandagem funcionam na reabilitação da entorse de tornozelo, sugere-se que mais estudos sejam realizados a fim de se obter maior clareza sobre a capacidade estabilizadora dbandagem na articulação de tornozelos cronicamente instáveis. Além disso, o uso desses materiais parece ser bem recomendado, pois aumenta a confiança e a percepção da estabilidade dos atletas que os utilizam, facilitando o retorno à prática esportiva após a ocorrência de lesões.

REFERÊNCIAS

ALENCAR, A.G.M.; et al. Abordagem fisioterapêutica em paciente pós-fratura de tornozelo e compressão da coluna lombar: relato de caso. Revista Fisioterapia e Saúde Funcional, Fortaleza, v.1, n.2, p.61-65, jul./dez. 2012.

ALONSO, A.C.; SANTOS, L. R.; BARON, C.; AYAMA, S.; JUNIOR, G. D. B. V. O efeito do uso da bandagem funcional no tratamento da dor lombar em costureiras, estudo piloto. Revista CPAQV-Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida-CPAQV Journal, v. 7, n. 1, 2015.

BARBANERA, M.; MORAES, A. Q.; GIACHINI, F. F.; BASTONI, V. S.; ERVILHA, U. F. Avaliação isocinética concêntrica do efeito da bandagem funcional após o exercício físico em atletas de futebol com entorse de tornozelo. 2013.

BARONI, B. M. Adaptações neuromusculares de flexores dorsais e plantares a duas semanas de imobilização após entorse de tornozelo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v.16, n.5, set./out. 2010.

BONETTI, L. V. A utilização da bandagem elástica funcional na estabilidade do tornozelo em atletas de basquetebol. Fisioterapia Brasil, v. 15, n. 2, p. 106-111, 2016.

BORDIN, S.; MARINI, T. C.; FLORIANOVICZ, V. C.; PIMENTEL, L. C. G. L. Efeitos agudos da bandagem elástica na atividade muscular. ConScientiae Saúde;16(3):335-341. Universidade Nove de Julho São Paulo, Brasil. 2017.

BRIEM, K., EYTHÖRSDÖTTIR, H.; MAGNÚSDÓTTIR, R. G.; PÁLMARSSON, R.; RÚNARSDÖTTIR, T.; SVEINSSON, T. Efeitos da fita cinesio em comparação com a fita esportiva não elástica e o tornozelo sem fita durante uma perturbação de inversão repentina em atletas do sexo masculino. Jornal De Fisioterapia Ortopédica E Esportiva , v. 41, n. 5, pág. 328-335, 2011.

BRUM, G. R.; MIOTTO, M.; TADIELLO, G. S.; SCHMITT, V. M.; DE MARCHI, T.; BONETTI, L. V. A utilização da bandagem na estabilidade do tornozelo em atletas de basquetebol. ConScientiae Saúde, v. 11, n. 3, p. 491-497, 2012.

COSTA, M. Efeito da ligadura funcional na prevenção da recorrência da entorse do tornozelo numa equipa de basquetebol feminino. Tese de Doutorado. Instituto Politécnico do Porto. Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto, 2013.

DEBIEUX, P.; WAJNSZTEJN, A.; MANSUR, N. S. B. Epidemiologia das lesões por entorse do tornozelo diagnosticadas em pronto atendimento de ortopedia. Einstein(São Paulo), v. 18, 2020.

DOHERTY, C.; BLEAKLEY, C.; DELAHUNT, E.; HOLDEN, S. Tratamento e prevenção de entorse de tornozelo aguda e recorrente: uma visão geral de revisões sistemáticas com meta-análise. Jornal britânico de medicina esportiva , v. 51, n. 2, pág. 113-125, 2017.

FEREYDOUNNIA, S.; SHADMEHR, A.; MOGHADAM, B. A.; MOGHADAM, S. T.; MIR, S. M.; SALEMI, S.; POURKAZEMI, F. Melhorias na força e no desempenho funcional após Kinesio taping em jogadores semiprofissionais de futebol masculino com e sem instabilidade funcional do tornozelo. The Foot, 41 , 12-18, 2019.

HAJIMIRRAHIMI, L.: NASERI, N.; AMIRI, A.; FAKHARI, Z. Efeitos de três tipos de kinesio taping no desempenho de atletas do sexo masculino com instabilidade crônica do tornozelo. Reabilitação Moderna , v. 8, n. 1, 2014.

LOPES, C. C. C. A eficácia do treinamento proprioceptivo na prevenção do entorse de tornozelo. Revista Científica JOPEF, v. 15, n.2, 2013.

MATOS, R. S. Reabilitação da entorse de tornozelo. Pós-graduação em ortopedia e traumatologia com ênfase em terapias manuais. 2017.

PERES, M. M.; CECCHINI, L.; PACHECO, I.; PACHECO, A. M. Efeitos do treinamento proprioceptivo na estabilidade do tornozelo em atletas de voleibol. Rev Bras Med Esporte; 20(2):146-50, 2014.

PINTO, F. R. L.; CÔRTE-REAL, N.; CONSCIÊNCIA, J. A. G. Entorse lateral do tornozelo: capacidade diagnóstica do exame objectivo e exames imagiológicos. Rev Port Ortop Traum; 24(1):37-50, 2016.

SARVESTAN, J.; ALAEI, F.; KAZEMI, N. S.; KHIAL, H. P.; SHIRZAD, E.; SVOBODA, Z. Perfil de agilidade em atletas universitários com entorse crônica de tornozelo: o efeito do Athletic e Kinesio taping em ambos os sexos. Ciências do Esporte para a Saúde, v. 14, n. 2, pág. 407-414, 2018.

SILVA, L. Entorse de tornozelo: melhores condutas terapêuticas-uma revisão narrativa. 2016.

SOMEEH, M., NORASTEH, A. A.; DANESHMANDI, H.; ASADI, A. Influência da bandagem de tornozelo Mulligan em testes de desempenho funcional em atletas saudáveis ​​e atletas com instabilidade crônica do tornozelo. Jornal Internacional de Terapia Atlética e Treinamento , v. 20, n. 1, pág. 39-45, 2015.

WILSON, B.; BIALOCERKOWSKI, A. Os efeitos do Kinesiotape aplicado ao aspecto lateral do tornozelo: relevância para entorses de tornozelo – uma revisão sistemática. PLoS One , v. 10, n. 6, pág. e0124214, 2015.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.