O USO DA EPIDEMIOLOGIA NA GESTÃO E NA PRÁTICA DA SAÚDE/DOENÇA

A Epidemiologia trata-se de uma ciência que estuda os determinantes voltados para a área da saúde em populações humanas de grau coletivo. Detectar a lógica do equilíbrio(a Saúde) e identificar os agentes da sua perturbação (a Doença) são os desafios desse trabalho.
Etimologicamente, “Epidemiologia” significa: “ciência do que ocorre com o povo”. A Epidemiologia, muitas vezes, é apresentada como uma ciência matemática e de técnicas estatísticas de amostragem e análise. O conceito moderno, no entanto, não se restringe somente à quantificação, mas também ao estudo histórico de toda a situação presente na aplicação desta ferramenta.
Entre os fatos que se destacam nos processos de maturidade metodológicas da Epidemiologia estão a criação da 1ª cadeira de Epidemiologia na Escola de Saúde Pública da Universidade de Johns Hopkins – EUA (1921); a Criação do Departamento de Medicina Social em várias Universidades Inglesas dirigidos por Epidemiologistas; e trabalhos como o de Doll, Hill e Colabs, desenvolvidos durante a década de 50 e publicados em 1964, sobre a relação entre o Hábito de Fumar Cigarros e o Câncer de Pulmão. São dados como esses que ilustram os mais recentes avanços da Epidemiologia.
Esta ciência vem sendo utilizada como a principal arma para obter informações referentes à saúde. A investigação Epidemiológica permite evitar e/ou constatar agravos no processo saúde/doença como também evitá-los, propiciando a descrição e a análise dos problemas referentes à área da saúde, fornecendo dados para organizações e no planejamento de ações.
Atualmente, podemos apontar um impactante fator na vida das pessoas: o abusivo aumento de trabalho ligado ao avanço tecnológico, que atinge tanto psicologicamente como fisicamente nossa população. Tem-se destacado o quanto este aceleramento no cotidiano de nossas vidas pode afetar nosso estado físico. O desprender dos compromissos impostos em nossa realidade, declina cada vez mais um menor cuidado com nosso corpo. Um exemplo clássico dessa correlação entre descuido, trabalho e tecnologia seria o significativo crescimento de pessoas com tendinite, causado pelo voraz uso de computadores nas grandes e pequenas empresas; assim como Escoliose e Lordose pela falta de postura e tensão física, em virtude do estresse do nosso dia-a-dia.
Agora, com a apresentação deste fatores e um estudo mais centrado das necessidades de nossa realidade, se faz vigorar uma das grandes medidas apresentadas por profissionais da área da saúde como, Administradores, Médicos Fisioterapeutas e Agentes Multidisciplinares, a implantação da chamada Ginástica Laboral, para auxiliar no estímulo dos profissionais perante o estresse e a prevenção de doenças físico-motoras, resultado de uma vida social imposta sobre as pessoas nos tempos modernos.
A discussão apresentada acima mostra que o conhecimento e o uso da Epidemiologia, tanto na gestão como na prática de prevenção da saúde/doença se torna cada vez mais essencial para qualquer profissional que atue nesta área tão complexa chamada saúde.

• Almeida Filho N; Rouquayrol MZ. Introdução à epidemiologia. 3ª ed., Rio de Janeiro: Medsi, 2002
• Barreto ML. A epidemiologia, sua história e crises: notas para pensar o futuro. In: Costa DC (org). Epidemiologia: teoria e objeto. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1990, p. 19-38
• Beaglehole R; Bonita R; Kjellström T. Epidemiologia básica. São Paulo: OMS/Santos, 1996

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.