Na hora e lugar certo.

Estimadas leitoras, estimados leitores, como estão? O ano letivo mal começou e com ele as provas e processos de seleção para cursos e pós em inúmeras Universidades na Europa e mundo a fora. O que estão esperando para se candidatarem? Pessoas corram!!! Olhem que o tempo já está correndo. Não podem deixar de aproveitar uma oportunidade que pode ser única na vida. E se não estão preparados, ou falta alguma coisa, não faz mal, eu estou aqui para ajudar.

Nesta edição, permitam me abordar um tema que para quem pensa em passar um tempo ou uma vida no exterior é de extrema relevância: Racismo, discriminação, problemas de integração entre outros. Temas estranhos não? Hoje em dia fala-se muito em globalização, aldeia global, mil possibilidades de intercâmbios, viajar pela Net num só clique e por aí vai… mas na realidade é tudo mil maravilhas? Alguns pormenores práticos não podem ser esquecidos e vamos pensar o seguinte: …E caso o lugar que escolhemos com tanto amor e carinho não seja “nada acolhedor”?

Mas antes de sair por aí jogando pedra no telhado dos outros, vamos situar bem o problema, pois o nosso telhado é de vidro e bem fino. Duvidam? Pois vou lhes contar uma coisa. Ontem à noite fiquei chocado com um documentário que vi no canal N-TV (canal de notícias Alemão) sobre o racismo no Brasil. Racismo no Brasil? – Esta tenho que ver! Noventa minutos de programa depois, minutos que foram duros, pesados, cheio de comentários e imagens marcantes. Enquanto ouvia trechos do programa tipo: – “Onde ser preto e pobre são quase sinônimos” ou “O Brasil é um dos países mais racistas do mundo”, vinham-me na cabeça automaticamente sentimentos de revolta e negação.

Como pode? Exclamei alto me perguntando. – Num país que protagonizou duas guerras mundiais por acreditar ser de uma raça superior, sou obrigado a ouvir que nós brasileiros é que somos racistas? – Ficaram malucos ou devem estar de brincadeira! – Além do mais, com a crise econômica que assola a Europa a Xenofobia cresce demasiadamente rápido… Predominantemente contra Árabes e Muçulmanos (não confunda, pois nem todo árabe é muçulmano e nem todo muçulmano é árabe).

Existe discriminação contra africanos, ciganos, asiáticos e também contra nós brasileiros, especialmente nos países do sul. Até mesmo entre os próprios europeus. Que digam os Portugueses ao ouvirem dos Britânicos durante uma crise diplomática: – “É que uns europeus são mais europeus do que outros”. Neste caso, operários de uma fábrica inglesa fizeram greve devido a contratação de funcionários vindos de Portugal e que ocuparam 75% das vagas de trabalho na fábrica. Assim os ingleses mantiveram a fábrica fechada ate que todos os Portugueses fossem demitidos e em seu lugar ingleses fossem contratados.

Mas voltando a parte que nos toca, temos mesmo o direito de apontar que este ou aquele país é mais ou menos racista?

Por isso antes de deixar nosso lar doce lar em busca de uma aventura acadêmica ou por outro motivo qualquer, isto é uma das coisas que devem ser postas na balança. Principalmente em tempos de crise. Se pudermos “atenuar” o caminho da pedras e escolher um lugar onde a probabilidade de boa recepção seja maior, por que não fazê-lo?

Pensem nisso e até a próxima. E que tal me mandarem sugestões para a escolha da nossa próxima parada? Uma caminhada por Champs-Élysées com uma paradinha e La sorbonne ou uma visita ao Coliseu de Roma? Las Ramblas e um cafezinho na cantina da Universidade Autônoma de Barcelona? Mandem vossa opinião que estarei esperando ansioso.
Com as melhores lembranças.

Dr. André Luiz de Mendonça
É Fisioterapeuta e correspondente da Revista NovaFisio na Alemanha.
Reside atualmente na cidade  de Mainz
Contato: andremendonca@hotmail.de

Colunista Andre-Luiz-Mendonca

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.