MÉTODO FLEXICURVA: UMA PROPOSTA PARA AVALIAÇÃO POSTURAL EM GESTANTES

Comunicação Breve – Brief Communication

Autora: Dra. Franciele Canever

As alterações posturais em gestantes1-7 e sua prevalência8-12 constituem não só uma questão de Saúde Pública como também são importantes no prognóstico do quadro álgico que pode estar associado13-19.

Sabe-se que a gestante não pode ser avaliada por meio da Radiografia, em função de ser um método invasivo pela irradiação imposta ao examinado20 e poucos estudos abordam de forma quantitativa a postura nesse período. A Fisioterapia dispõe de recursos para avaliar a postura da gestante, além do método Flexicurva9, temos o Software de Avaliação Postural (SAPO)21, Simetrógrafo12, Protocolo de Avaliação Cinético-Funcional da Gestação11 e Biofotogrametria11.

Uma vez que programas de exercícios físicos22 e/ou tratamentos23,24 específicos voltados, para a prevenção25 ou tratamento26,27, de tais alterações posturais podem ser traduzidos em melhora nas atividades desenvolvidas pelas gestantes assim como na prevenção de quedas28,29, proporcionando melhor qualidade de vida24,30,31.

O Método Flexicurva, validado no Brasil no ano de 2006 20 é de fácil utilização para o ambiente clínico e para pesquisas na área da postura humana32. Serve como forma de diagnóstico e indicador de evolução de tratamento em estudos de campo, grandes populações e em idosos33,35, crianças36 e jovens37. Pode ser usado na avaliação das curvaturas da coluna cervical38, torácica 9,32,34,35,39-42, e também no âmbito escolar para detectar possíveis alterações posturais36.

Em 2008, realizamos um estudo em que foi abordada a prevalência de hipercifose em gestantes por meio desse método9. A amostra contou com 43 gestantes do município de Criciúma (SC), com idade entre 19 e 44 anos (entre o 7o e 9o mês de gestação) e identificou por meio do Método Flexicurva, a prevalência de hipercifose torácica e a empregabilidade desse método. A prevalência de hipercifose em gestantes no município de Criciúma no ano de 2008 foi de aproximadamente 14%. O Método Flexicurva apresentou inúmeras vantagens acerca de sua aplicabilidade, verificando alterações da coluna torácica precocemente.

Outros estudos exploraram o Método Flexicurva em diversos campos, citam-se na ordem – autores, ano de publicação, amostra (n) e objetivo:

  1. a) Fernandes e Lemos (2006, n=72)42

Verificar e correlacionar o grau de cifose torácica em mulheres idosas saudáveis pós-menopáusicas, com osteopenia e com osteoporose, por meio do Método Flexicurva. Não houve diferença angular significativa da cifose torácica.

 

  1. b) Teixeira e carvalho (2007, n=56)32

Verificar a validade concorrente e as confiabilidades intra e interavaliador das medidas de cifose torácica utilizando o método flexicurva x radiografia método Cobb. O método Flexicurva demonstrou ser um parâmetro quantitativo excelente para a mensuração da curvatura da cifose torácica.

 

  1. c) Reis et al. (2009, n=48)41

Demonstrar a utilização do flexicurva para avaliação e comparação da cifose torácica em mulheres saudáveis de diferentes faixas etárias. Não houve correlação entre dor e grau de cifose torácica.

 

  1. d) Bandeira et al. (2010, n=40)34

Comparar a cifose torácica de idosos praticantes de atividade física x sedentários, concluindo que ambos apresentam características similares quanto à cifose torácica.

 

  1. e) Regolin e Carvalho (2010, n=95)33

Verificar a relação entre medida angular da cifose dorsal (obtidas pelo método flexicurva), densidade mineral óssea e controle postural em mulheres idosas. Os resultados sugerem que houve influência da medida angular da cifose dorsal e da densidade no controle postural na direção ântero-posterior e na posição ortostática.

 

  1. f) Oliveira et al (2012, n=47)39

Verificar a validade e reprodutibilidade do flexicurva x radiografia (Cobb) para mensurar os ângulos das curvaturas torácicas e lombares. Os resultados não demonstraram diferença significativa entre os valores, recomendando o uso do método Flexicurva na prática clínica.

 

  1. g) Raupp (2015,n=118)38

O flexicurva mostrou-se um instrumento reprodutível para ser usado pelo mesmo avaliador assim como por diferentes avaliadores, e também se mostrou um instrumento válido para avaliar a curvatura da coluna cervical no plano sagital em indivíduos adultos. Indica a necessidade de mais estudos com diferentes pontos anatômicos para avaliação da validade concorrente com outros métodos de avaliação não-invasiva da coluna cervical.

 

  1. h) Gonçalves et al. (2015, n=74)35

Comparar o ângulo da curvatura torácica em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) x indivíduos saudáveis pelo método flexicurva, mostrando-se esse uma ferramenta útil e prática para avaliar a cifose torácica, identificando que não houve diferença entre as curvaturas dos pacientes DPOC com obstrução moderada e dos indivíduos saudáveis.

 

  1. i) Sedrez et al. (2016, n=40)36

Determinar a confiabilidade do Flexicurva na avaliação de crianças (idade 5-15 anos), permitindo que seja utilizado no âmbito escolar para detectar alterações posturais precoces. Contudo, para monitorar as curvaturas espinhais no plano sagital em crianças, medidas clínicas complementares são necessárias, sugerindo estudos adicionais.

 

  1. j) Ribeiro et al. (2017, n=31)37

Avaliar a validade concorrente do índice de cifose mensurado no flexicurva a partir da correlação com exames de Raios-X em crianças e jovens, porém os valores lineares e angulares obtidos pelo flexicurva não apresentaram correlação com o padrão ouro.

Analisando esses estudos e seus achados, o método dispõe de algumas vantagens:

 

– instrumento quantitativo9,32

– não expõe o paciente à radiação34, não sendo invasivo34,40

– de fácil aplicabilidade e baixo custo9,34,40

– boa sensibilidade e especifidade, simples e prático9

– possibilita identificar os primeiros achados de possíveis alterações posturais9

A identificação de possíveis alterações na manutenção postural durante o período gestacional, através do método flexicurva, pode auxiliar tanto no tratamento específico como no desenvolvimento de estratégias que permitam uma intervenção preventiva9. Talvez o flexicurva não seja muito explorado pelos fisioterapeutas pela falta de hábito ou escassez de estudos40.

 

A metodologia para uso do Método Flexicurva está indicada em diversos estudos 9,20,32,34,35,37,39-41. Sobre os avaliadores, um estudo recomenda que as medidas do flexicurva devem ser feitas sempre pelo mesmo avaliador, para evitar erros9, já outro estudo aponta que pode ser aplicado por diferentes avaliadores38.

Sendo o flexicurva um bom instrumento de verificação de supostas alterações da coluna vertebral torácica40, muitos recomendam o uso do Método Flexicurva na prática clínica 32,35,38,39, e também sugerem estudos adicionais36-38 para explorar esse tópico, constituindo um excelente tema em artigos, Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) / Monografias, até mesmo Teses ou Dissertações.

 

Referências

 

1) Takito MY, Benício MHD, Latorre MRDO. Postura materna durante a gestação e sua influência sobre o peso ao nascer. Revista de Saúde Pública 2005; 39(3):325-32.

2)De Conti MHS, Calderon IMP, Rudge MVC. Desconfortos músculoesqueléticos da gestação: uma visão obstétrica e fisioterápica. Femina 2003; 31 (6): 531-5.

3)Butler EE, Colón I, Druzin ML, Rose J. Postural equilibrium during pregnancy: decreased stability with an increased reliance on visual cues. Am J Obstet Gynecol 2006;195(4):1104-8.

4)De Carvalho YBR, Caromano FA. Alterações morfofisiológicas com lombalgia gestacional. Arq Ciênc Saúde Unipar 2001;5(3):267-72.

5)Borg-Stein J, Dugan SA, Gruber J. Musculoskeletal aspects of pregnancy. Am J Phys Med Rehabil. 2005;84(3):180-92.

6)Davis DC. The disconforts of Pregnancy. JOGNN 1996; 25 (1): 73-81.

7)Dalla Nora D, Petter GN, Santos TS, Pivetta HMF, Braz MM. Alterações posturais em gestantes e suas influências na biomecânica da coluna. Trabalho de Iniciação Científica http:// www.unifra.br/eventos/forumfisio/Trabalhos/5093.pdf. Acessed August 03, 2017.

8)Trevisan ME, Cassol EGM, Soares JC, Facco CR. Estudo da função pulmonar, postura e equilíbrio durante a gestação. Fisioter Bras. 2011;12(5):370-3.

9)Mezzari CC, Fabris L, Madeira K, Canever FF, Longen WC. Hipercifose Torácica em Gestantes: Avaliação da Prevalência pelo Método Flexicurva. In: IX Congresso Paranaense de Ortopedia e VIII Jornada Paranaense de Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica, 2008, Curitiba (PR). Anais do IX Congresso Paranaense de Ortopedia e VIII Jornada Paranaense de Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica, 2008.

10)Wittkopf PG, Machado Borges D, Kretzer J, Moraes Santos G, Flores Sperandio F. Características biomecânicas dos pés no período gravídico-puerperal: estudo de caso. Sci Med. 2015;25(1).

11)Mota GBC, Batista MC, Mota TS, et al. Alterações posturais em gestantes: uma análise através da biofotogrametria computadorizada. RevistaTema 2013;14(20/21):102-16.

12)Oliveira AM, Silva JA, Sartori DVB. Avaliação das alterações posturais em gestantes. Anuário da Produção de Iniciação Científica Discente 2010;13(18):133-43.

13)Novaes FS, Shimo AKK, Lopes, MHBM. Lombalgia na gestação. RLAE 2006; 14(4):620.

14)Ferreira CHJ, Nakano AMS. Lombalgia na gestação: etiologia, fatores de risco e prevenção. Femina 2000;28(8):435-8.

15)Martins RF, Silva JLP. Prevalência de dores nas costas na gestação. Rev Assoc Med Bras. 2005;51(3):144-7.

16)Santana FM, Silva FG, Cavalcante D, et al. Análise da postura e dos desconfortos de gestantes atendidas pela Estratégia Saúde da Família 2014;8(22):33-48.

17)Aguiar EOG, Pereira JS, Silva MAG. Frequência de dor lombar em grávidas e relação com a idade gestacional. Rev Fisioter Brasil. 2007;8(1):31-5.

18)Santos MM, Gallo AP. Lombalgia gestacional: prevalência e características de um programa pré-natal. Arq Bras Ciênc Saúde 2010;35(3):174-9.

19)Pitangui ACR, Ferreira CHJ. Avaliação fisioterapêutica e tratamento da lombalgia gestacional. Fisioter Mov 2008 abr/jun;21(2):135-42.

20)Teixeira FA. Validação do método de flexicurva para avaliação angular da cifose torácica. 67 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2006.

21)Lima AS, Gomes MRA, Araújo RC, Pitangui ACR. Análise da postura e frequência de lombalgia em gestantes: estudo piloto. J Health Sci Inst. 2011;29(4):290-3.

22)Surita FG, Nascimento SL, Silva JLP. Exercício físico e gestação. Rev Bras Ginecol

Obstet 2014;36(12):531-4.

23)Colla C, Paiva LL, Thomaz RP. Exercícios terapêuticos para dor lombar e pélvica

gestacional: uma revisão sistemática. Fisioter Mov. 2017;30(2):399-411.

24)Sebben V, Perussolo C, Guedes JM, Tourinho HF. Tratamento hidroterapêutico na dor lombar em gestantes. Perspectiva 2011;35(129):167-75.

25)Mann L, Kleinpaul JF, Teixeira CS, Konopka CK. Dor lombo-pélvica e exercício físico durante a gestação. Fisioter Mov. 2008 abr/jun;21(2):99-105.

26)Moura SRV, Campos RS, Mariani SHV, Siqueira AAF, Abreu LC. Dor lombar gestacional: impacto de um protocolo de fisioterapia. Arq Med ABC 32(Supl.2):559-63.

27)De Conti MHS, Calderon IMP, Consoni EB, Prevedel TTS, Dalbern I, Rudge MVC. Efeito de técnicas fisioterápicas sobre os desconfortos músculo-esqueléticos da gestação. RBGO 2003;25(9):647-54.

28)Dunning K, Lemasters G, Bhattacharya a. A major public health issue: the high incidence of falls during pregnancy. Matern Child Health J. 2010;14(5):720-5.

29)Albino MA, Moccellin AS, Firmento Bda S, Driusso P. Modificações da força de propulsão da marcha durante a gravidez: das alterações nas dimensões dos pés. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011;33(7):164-9.

30) Aguiar EOG, Pereira JS, Silva MAG. Frequência de dor lombar em grávidas e relação com a idade gestacional. Rev Fisioter Brasil. 2007;8(1):31-5.

31)Souza LA, Brugiolo ASS. Os benefícios da Fisioterapia na lombalgia gestacional. Estação Científica – Edição Especial “Fisioterapia” – Juiz de Fora, nº 01, novembro/2012. http://portal.estacio.br/media/4420/os_beneficios_da_fisioterapia_na_lombalgia_gestacion al.pdf. Acessed August 20, 2017

32)Teixeira FA, Carvalho GA. Confiabilidade e validade das medidas da cifose torácica através do método flexicurva. Rev Bras Fisioter 2007;11(3):199-204.

33)Regolin F, Carvalho GA. Relação entre cifose dorsal, densidade mineral óssea e controle postural em idosas. Rev Bras Fisioter 2010;14(6):464-9.

34)Bandeira FM, Delfino FC, Carvalho GA, Valduga R. Comparação entre a cifose torácica de idosos sedentários e praticantes de atividade física pelo método flexicurva. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2010;12(5):381-6.

35)Gonçalves MA, Rodovalho PL, Bellini AJ, Brüggemann AKV, Mazo GZ, Paulin E. Comparação da cifose torácica entre o paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica e o indivíduo saudável pelo método flexicurva. Fisioter Pesqui 2015;22(3):333-9.

36)Sedrez JA, Candotti CT, Rosa Maria IZ, Medeiros FS, Marques MT, Loss JF. Test-retest, inter- and intra-rater reliability of the flexicurve for evaluation of the spine in children. Braz J Phys Ther 2016;20(2):142-7.

37)Ribeiro RP, Marchetti BV, Oliveira EB, Candotti CT. Kyphosis index obtained in X-ray and with flexicurve assessment in children and young people. Rev Bras Saude Mater Infant. 2017; 17(1):79-87.  

38)Raupp EG. Validade e reprodutibilidade do instrumento flexicurva para avaliação da lordose da coluna cervical. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2015.

39)Oliveira TS, Candotti CT, Torre ML, et al. Validity and reproducibility of the measurements obtained using the Flexicurve instrument to evaluate the angles of thoracic and lumbar curvatures of the spine in the sagittal plane. Rehabilitation Research and Practice, vol. 2012, Article ID 186156, 9 pages, 2012. doi:10.1155/2012/186156

40)Daros M. A utilização da régua flexível como método científico fisioterapêutico para avaliar as alterações posturais da coluna cérvico-torácica – uma análise em indivíduos dos setores administrativos da UNESC. Trabalho de Conclusão de Curso, UNESC, 2009.

41)Reis JG, Costa GC, Trevisan DC, et al. Avaliação da curvatura torácica e da presença de dor em mulheres de diferentes faixas etárias. Coluna 2009;8(1):27-31.

42)Fernandes S, Lemos V. Mensuração da cifose torácica com o método flexicurva em mulheres idosas pós-menopáusicas. Master’s Thesis, Universidade Católica de Brasília 2006. Disponível: http://www.openthesis.org/documents/da-cifose-com-o-flexicurva-334509.html. Acesso: 04.09.2017.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.