MASSAGEM TERAPÊUTICA: RELATO DE EXPERIÊNCIAt

Caroline Arruda Sarturi2, Greici Cristiane Lorenz2, Hedionéia Maria Foletto Pivetta1, Lauren Rorato Gomes2, Letícia Santos Hoffmann2, Natalia Paraiba Nunes2, Sabrina Cipolat2

1 Profª. MSC. do Curso de Fisioterapia da UNIFRA e Coordenadora do Projeto Massagem Terapêutica
2 Acadêmicas do Curso de Fisioterapia da UNIFRA e idealizadoras do Projeto Massagem Terapêutica

E-mail: scipolat@ibest.com.br
End.: R. Pedro Santini, n. 207, apt. 204. Bairro: Cerrito. CEP: 97060-480. Santa Maria/RS.

Última atualização: 05 jan. 2009.

RESUMO

O presente artigo consiste em um relato de experiência resultante do “Projeto Massagem Terapêutica”, o qual foi desenvolvido por acadêmicas do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). O projeto teve por finalidade criar espaços para a prática profissional da massoterapia, permitindo, assim, o aperfeiçoamento das técnicas de massagem aprendidas durante o curso. As ações foram desenvolvidas junto aos professores e funcionários da instituição, uma vez por semana, durante o mês de julho de 2008, no Serviço Integrado de Saúde (SIS) da referida Instituição de Ensino. As técnicas massoterapêuticas empregadas visaram o relaxamento, alívio do estresse, combate a fadiga e diminuição da tensão muscular, tendo sido as regiões do dorso e trapézio as mais envolvidas. Através dessa atividade foi possível proporcionar aos professores e funcionários os benefícios da massagem terapêutica, assim como promover a saúde e prevenir o surgimento de agravos relacionados às atividades laborais e as atividades de vida diária. Além disso, foi possível também fazer um levantamento de informações e caracterizar os hábitos do público-alvo participante no que diz respeito à massagem.

Palavras-chave: Fisioterapia. Massagem terapêutica. Massoterapia. Relaxamento.

MASSAGE THERAPY: AN EXPERIENCE REPORT

ABSTRACT

This article consists of an experience report of the “Massage Therapy Project”, developed by the Physiotherapy students of the Franciscan University Center. The project had the aim of improving the massage techniques learned in the course. The actions were extended to the professors and to the functionaries of the Franciscan University Center, once a week, during the month of July, 2008, in the professional practice laboratory. The techniques of massotherapy were used in order to provide relaxation, stress and fatigue reduction, and a decrease in the muscle tension, focusing on the back and the trapezium areas. Through this activity, it was possible to offer to the professors and functionaries of the university the benefits of the massage therapy related to the well-being, as well as to promote the health, preventing the emergence of damages related to the labor activities and to the daily activities. Besides, it was also possible to conduct a survey to characterize
the habits of the target public concerning massotherapy.

KEY-WORDS: Physiotherapy. Massage therapy. Massotherapy. Relaxation.

1 INTRODUÇÃO

A massagem (palavra de raiz latina – massa, que significa tocar, apertar ou amassar) é uma técnica comumente conhecida e empregada para o relaxamento, alívio do estresse, combate à fadiga e diminuição da tensão muscular (FRITZ, 2000). Contudo, apesar do senso comum, os benefícios da massagem vão muito além, ela é um recurso utilizado por vários profissionais da área da saúde, que procuram manter, melhorar ou recuperar estados de saúde de seus pacientes e, consequentemente, o bem estar e a qualidade de vida deles.
Os registros mais antigos indicam que a massagem tinha papel importante no tratamento de pessoas doentes e lesionadas. Tudo indica que ela tenha começado pela prática dos habitantes das cavernas, quando estes esfregavam suas contusões, dessa forma, entendemos que “a massagem sempre foi um dos métodos mais naturais e instintivos de aliviar a dor e o desconforto” (FRITZ, 2000, p. 12).
A massagem vem sendo utilizada como um recurso para a saúde até os dias de hoje. A variação da massagem utilizada pelos profissionais da área da saúde, possuindo cunho terapêutico, é a denominada massagem terapêutica. Essa técnica objetiva a prevenção de diversas patologias ou simplesmente o relaxamento global do indivíduo através da manipulação dos tecidos moles do organismo. A prática da massagem terapêutica pela Fisioterapia foi licenciada nos anos de 1940. Na atualidade, na Fisioterapia preventiva e de reabilitação, a massagem é praticada como modalidade terapêutica (PRENTICE, 2004).
A massagem terapêutica é uma técnica que gera diversos efeitos sobre o organismo de forma sistêmica. Conforme Cassar (2001), todos os seus efeitos são relevantes e, na verdade, estão inter-relacionados, uns com os outros e com fatores emocionais subjacentes. O simples ato de tocar, amassar, pressionar ou apertar a pele, além provocar efeitos mecânicos no organismo, pode desencadear uma série de efeitos fisiológicos e psicológicos, que são de extrema importância para alcançar os benefícios terapêuticos da massagem.
A estimulação mecânica dos tecidos moles é produzida por meio de uma pressão e estiramento ritmicamente aplicados. A pressão comprime os tecidos moles, enquanto que o estiramento aplica tensão. Assim, estas duas forças geram vasodilatação nos vasos sangüíneos e linfáticos, alterando a circulação capilar, venosa, arterial e linfática (DOMENICO; WOOD, 1998).
De maneira geral, os efeitos e benefícios fisiológicos desencadeados pela massoterapia compreendem: o alívio da dor, a melhora da circulação sangüínea e linfática, o aumento da nutrição dos tecidos, a remoção de substâncias tóxicas do organismo, a diminuição da pressão arterial, o aumento dos valores eritrocitários, a resolução de edemas, a facilitação na recuperação do músculo fadigado, a estimulação das funções viscerais, a eliminação de secreções pulmonares, dentre outros (DOMENICO; WOOD, 1998).
Segundo o autor supracitado, os efeitos psicológicos vão desde o relaxamento físico, alívio da ansiedade e tensão (estresse), alívio da dor, estimulação da atividade física, sensação geral de bem-estar (conforto), até o estímulo sexual e fé em geral na deposição das mãos de quem aplica (cura pelas mãos).
Com base nos benefícios que a massagem pode proporcionar ao organismo humano de forma sistêmica e tendo em vista a importância da aplicação dessa técnica no tratamento de patologias e na reabilitação ou manutenção do estado de saúde (sendo, assim, um recurso fisioterapêutico de grande diferencial), percebeu-se o quanto é útil aprofundar os conhecimentos dessa técnica.
Deve ser observado que, como a massoterapia é um recurso que necessita de habilidades técnicas específicas para a sua aplicação, torna-se fundamental a sua prática em tecidos sadios, em diferentes casos e circunstâncias de vida.
Tendo em vista os aspectos mencionados, desenvolveu-se o “Projeto Massagem Terapêutica”. Tal projeto teve por finalidade criar espaços para a prática profissional da massoterapia, oferecendo massagens terapêuticas para os professores e funcionários de uma Instituição de Ensino Superior (IES). Além disso, procedeu-se uma investigação e caracterização do público-alvo em relação aos procedimentos massoterapêuticos aplicados. Nesse sentido, esse artigo tem por objetivo socializar os resultados da ação extensionista desenvolvida dentro de uma Instituição de Ensino Superior Confessional abordando os aspectos relacionados à massagem terapêutica.

2 METODOLOGIA

O projeto “Massagem Terapêutica”, aprovado pela Instituição de Ensino via Coordenação do Curso de Fisioterapia, foi direcionado aos professores e funcionários da UNIFRA, sendo realizado uma vez por semana durante o mês de julho de 2008, totalizando quatro encontros, nas dependências do Serviço Integrado de Saúde (SIS) do Curso de Fisioterapia da UNIFRA, Santa Maria/RS.
Caracterizou-se como uma pesquisa-ação, pois, conforme Franco (2005) refere-se, tratou-se de uma pesquisa essencialmente intencionada à transformação participativa, na qual sujeitos e pesquisadores interagem na produção de novos conhecimentos.
Dessa forma, para selecionar os participantes da atividade, o projeto foi divulgado junto aos professores, foram enviados, primeiramente, cartazes para cada uma das coordenações de cursos, para estas fixarem em seus murais. Além disso, foi feito convite verbal aos coordenadores de curso e aos professores; e foram enviados convites para os e-mails pessoais dos professores.
Para divulgar o projeto aos funcionários, foram enviados cartazes para os setores de serviços da IES, e foram entregues convites para os responsáveis pelo setor.
Além disso, a divulgação das atividades também foi feita no site oficial da Instituição de Ensino.
A duração dos encontros foi estipulada em aproximadamente uma hora e para participar o interessado deveria fazer um agendamento prévio no local.
Cada participante foi atendido por um acadêmico do Curso de Fisioterapia em uma sala individual. Em caso de retorno, procurou-se fazer com que o mesmo acadêmico atendesse a pessoa.
Antes de cada sessão de massoterapia o participante era convidado a ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido e a responder uma ficha de avaliação elaborada pelas acadêmicas responsáveis.
O termo de consentimento é um documento de uso obrigatório que fornece informações essenciais a respeito do projeto. Esse documento esclarece os objetivos, justificativa, benefícios, indicações, contra-indicações, além dos direitos e deveres dos participantes e dos responsáveis pela sua execução. É apresentado em duas vias, devendo ser lido e assinado pelo participante e pelos responsáveis. Uma via pertence ao participante e a outra ao projeto, sendo apropriadamente arquivada.
A ficha de avaliação é um método utilizado para coletar os principais dados do participante. Nessa ficha foram anotadas, por exemplo, as queixas principais, patologias existentes, os medicamentos utilizados, sinais vitais, dentre outras informações relevantes, procurando identificar se era indicada ou contra-indicada a prática de massagem no indivíduo.
Para a prática das manobras da massagem terapêutica foi necessário o uso de alguns materiais, como: óleo de massagem, maca, cadeira de massagem, lençol, toalha, papel toalha, travesseiro, rolo de posicionamento, dentre outros materiais. O recurso sonoro, por meio de músicas ambientais e relaxantes, também foi utilizado para proporcionar um ambiente de acolhedor, de tranqüilidade, aconchego e paz.
As manobras da massagem terapêuticas forma aplicadas de acordo com cada caso e com a região do corpo a ser massageada. As manobras utilizadas foram: deslizamento superficial (DS), deslizamento profundo (DP), amassamento (em “s”, rolante, reptante e malaxação), fricção e pinçamento.
Os resultados da atividade e da coleta dos dados foram analisados qualitativamente sendo apresentados de forma descritiva e discutidos com os autores da área.

3 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Além de proporcionar os benefícios da massagem terapêutica aos participantes, a atividade também permitiu realizar a caracterização dessa população. Sendo assim, foi possível levantar dados e informações a respeito dessas pessoas, descobrir qual(is) o(s) motivo(s) que as fizeram procurar os momento de massagem, as suas queixas principais, as musculaturas mais afetadas, dentre outros.
Um total de 19 pessoas participou das atividades. Destes 19 participantes, 6 (31,6%) eram funcionários e 13 (68,4%) eram professores. Os funcionários que participaram do projeto exercem atividades nos setores de serviços da Instituição como a Biblioteca, DERCA, Coperves, Serviços Gerais, Central Telefônica e Laboratório de Práticas Profissionais. Já os professores compõem o quadro funcional dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Direito, Enfermagem, Fisioterapia, Jornalismo, Psicologia e Publicidade.
Todos os 6 funcionários participantes cumprem uma carga horária de trabalho de 40 horas semanais. Já, dos 13 professores, 9 têm uma carga horária de 40 horas semanais, 3 cumprem 30 horas semanais e 1 cumpre 20 horas semanais.
Quanto ao gênero, houve predominância de participantes do sexo feminino, sendo que dos 19 participantes 15 (78,9%) eram mulheres e 4 (21,1%) eram homens.
Com relação à faixa etária, 7 (36,8%) dos participantes encontram-se na faixa etária dos 27 aos 30 anos; 9 (47,4%) encontram-se na faixa dos 31 aos 40 anos; e outros 3 (15,8%) na faixa dos 48 aos 63 anos.
As queixas mais comuns relatadas durante a anamnese foram: dor de cabeça, dor na coluna vertebral, tensão no trapézio e dorso, tensão nos ombros e nas costas, dor no pescoço, dor no punho, dores no joelho e quadril, dores no braço e sobrecarga nos pés.
As regiões que mais receberam a massagem terapêutica foram as do dorso e trapézio, sendo seguidas, respectivamente, das regiões do ombro, braço, antebraço, pé, coxa, perna e face.
O trapézio é um músculo que cobre um vasto território e desempenha uma ampla variedade de funções no organismo. Embora seja um músculo importante da parte posterior do pescoço, também é um músculo do ombro e do dorso. Os problemas localizados no trapézio podem causar muita dor e desconforto. Para a maioria das pessoas, ele é o principal “depósito” da tensão do dia-a-dia. O trapézio é comumente envolvido em massagens porque é de fácil acesso e porque sua terapia manual proporciona um imenso alívio (CLAY; POUNDS, 2003).
O motivo pelo qual os participantes procuraram a massagem terapêutica foi a obtenção de relaxamento, alívio de tensões musculares e do estresse, sendo estes efeitos relatados por 100% dos participantes.
O relaxamento é um processo físico, psicológico e fisiológico. Sendo assim, técnicas adequadas de massagem podem ajudar neste acontecimento, pois elas auxiliam no relaxamento muscular. Para que ocorra o relaxamento, o paciente deve ser capaz de soltar-se, processo que requer um esforço consciente do mesmo. Um paciente que esteja significativamente ansioso e tenso (estressado) achará muito difícil, senão impossível, relaxar. À medida que a massagem promove relaxamento, também ajuda a reduzir a ansiedade e tensão. Logo, pode-se afirmar que o alívio da ansiedade e da tensão através da massagem é decorrente do relaxamento, o qual necessita de um desligamento psicológico da tensão e da ansiedade (DOMENICO; WOOD, 1998).
O estresse por tempo prolongado e com repetições conduz a manifestações doentias. As primeiras perturbações são de natureza funcional, ou seja, alterações da regulação. Essas podem, após algum tempo, transformar-se em manifestações orgânicas, como por exemplo, úlceras de estômago e intestinos, ou doenças do coração (GRANDJEAN, 1998). Desse modo, através da massoterapia pode-se reduzir o estresse gerado pelas tensões do dia-a-dia, e assim, promovendo a saúde dos que a recebem.
Com base nas respostas obtidas por meio do preenchimento da ficha de avaliação constatou-se que, dos 6 funcionários, 4 não costumavam receber massagens e 2 recebiam massagens (um através do profissional fisioterapeuta e outro pelo massoterapeuta), e dos 13 professores participantes, 9 costumavam receber massagem, desses, 6 com profissionais massoterapeutas, 2 com fisioterapeutas e 1 com estudante de Fisioterapia.
Estes dados vêm a reforçar a hipótese de que, atualmente, a massagem está sendo desapreciada pelos profissionais fisioterapeutas, os quais estão a favor da utilização de outros recursos que exigem menos esforço e desgaste físico, pouco tempo de aplicação, facilidade de manuseio e que podem gerar resultados mais rápidos.
Dessa maneira esses resultados demonstram que os profissionais fisioterapeutas podem estar deixando de utilizar um dos recursos mais antigos da humanidade, enquanto outras categorias profissionais, que muitas vezes não estão totalmente aptas a desenvolverem as técnicas massoterapêuticas, ganham força e espaço no mercado de trabalho. Assim sendo, percebemos a relevância de que esta prática seja contemplada no curso de fisioterapia, não apenas em termos teóricos, mas também práticos, já que o futuro profissional não deve apenas aprender a técnica. Ele precisa ter conhecimento das condutas para uma resolução eficaz de determinados problemas apresentados pelos seus pacientes (REBELATTO,1999).
Outro problema encontrado atualmente é que, ao escolher a massagem como forma de intervenção, os planos de saúde não a reconhecem como padronizada para algumas intervenções musculoesqueléticas e não cobrem esse tratamento. Isso quer dizer que os pacientes são submetidos à massagem apenas quando têm condições de pagar por um tratamento particular (PRENTICE, 2004). Contudo, frente a situações as quais o fisioterapeuta percebe a necessidade de tratamento por meio da massoterapia, ele poderá fazer uso das técnicas conforme os princípios éticos que regem a profissão.
Com relação à utilização de tratamentos medicamentosos, 3, dos 6 funcionários, estavam fazendo uso de medicamentos analgésicos, antiinflamatório e antidepressivo e apenas 2, dos 13 professores, faziam uso de antidepressivos e analgésicos. Os demais participantes não estavam utilizando nenhum tipo de medicamento.
Estar ciente às medicações utilizadas pelo paciente também é uma das preocupações dos profissionais que fazem uso da massagem. As práticas massoterapêuticas, quando associadas ao consumo de certos tipos de medicamentos, podem estimular ou inibir excessivamente alguns efeitos no corpo. Sendo assim, a massagem pode ser usada, com freqüência, para atenuar ações medicamentosas, ou para tratar efeitos colaterais indesejáveis de medicação (FRITZ, 2000).
Por meio da inspeção foi possível constatar a presença de sinais na pele como nevos e verrugas. Dos funcionários, 2 apresentavam sinais no dorso do tipo verruga, e dos professores 4 possuíam sinais do tipo verrugas e nevos. Pesquisadores comentam que, na inspeção dos tecidos, podem ser encontradas certas manchas e irregularidades cutâneas. Algumas são de natureza questionável, como verrugas irregulares ou que sangram; neste caso, é melhor evitar a massagem na área afetada. Também pode ser necessário chamar a atenção do paciente para essas alterações, para que possam buscar o tratamento apropriado. A massagem não deve ser feita em nenhuma área cutânea que apresente lacerações, devido à possibilidade de infecção, principalmente em portadores da síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS). A maioria dos outros tipos de mancha não constitui contra-indicações, desde que a própria massagem não cause desconforto (CASSAR, 2001).
A presença de varizes também foi detectada: 4 funcionários e 8 professores possuíam varizes, restringindo, assim, a aplicação da massagem nos membros inferiores. A massagem é uma técnica indicada como tratamento preventivo nos casos de propensão à varicosidade. Quando a varicosidade já está presente, a massagem pode ser aplicada apenas entre as veias e, portanto, sem tocar em nenhum vaso. Se os vasos estiverem duros e tortuosos, o objetivo do tratamento é estimular a circulação dos vasos colaterais (CASSAR, 2001).
Além disso, alguns dos participantes apresentaram ou relataram casos de edemas localizados. Verificou-se que 3 professores e 2 funcionários costumam ter edemas nos pés, sendo que 1 desses funcionários às vezes apresenta edema nas mãos.
O aparecimento de edema pode estar relacionado à posição (do corpo) na qual as pessoas costumam ficar durante a jornada de trabalho (é importante lembrar da carga horária de trabalho de cada servidor). O edema postural, caracterizado por um aumento no volume de líquido extracelular que se localiza numa posição mais baixa, por exemplo, um membro, pode estar associado à inchação ou depressibilidade (ANDRADE; CLIFFORD, 2003). A massagem auxilia nesta patologia ativando o sistema circulatório e linfático, o que irá facilitar o retorno venoso e da linfa. Por isso, este é um recurso fisioterapêutico indicado para profissionais que possuem atividade laboral prolongada em uma mesma posição corporal, como é o caso dos professores e funcionários, que permanecem grande parte do tempo em postura de sedestação ou bipedestação.

4 CONCLUSÕES

A realização de massagens terapêuticas, por meio do projeto desenvolvido, beneficiou toda a comunidade acadêmica.
De forma geral, possibilitou às acadêmicas aprofundar os conhecimentos massoterapêuticos e estabelecer um ambiente profissional, onde se assumiu postura de acordo com os preceitos éticos da profissão. Também foi possível o aperfeiçoamento das habilidades inerentes ao toque terapêutico, o que permitiu uma maior experiência e desenvolvimento da segurança para a prática laboral.
Para os professores e funcionários, proporcionou os benefícios mecânicos, fisiológicos e psicológicos da massagem terapêutica, assim como preveniu o surgimento de agravos relacionados às atividades laborais e às atividades de vida diárias (AVD’s), valorizando e motivando o quadro funcional da Instituição.
A atuação na promoção da saúde de professores e funcionários da Instituição de Ensino Superior, através da massagem terapêutica, foi realizada por meio da diminuição das tensões e do estresse, proporcionando o relaxamento, melhorando, consequentemente, a qualidade de vida das pessoas que se submeteram ao tratamento.
Contudo, a prevenção do surgimento de agravos relacionados às atividades laborais e do absenteísmo do quadro funcional somente poderão ser verificadas em longo prazo. Esses são fatores motivadores para o prosseguimento das atividades do projeto ao longo do período acadêmico.
Além disso, foi possível discutir a atual situação dos recursos massoterapêuticos no contexto da Fisioterapia e promover, junto à categoria profissional fisioterapêutica e as demais profissões da IES, a massagem como um recurso fisioterapêutico de grande eficácia e valor.
Ficou evidente que a massagem é uma habilidade que necessita de um vasto conhecimento técnico-científico para a sua adequada aplicação; somente o conhecimento da técnica não é suficiente para atingir os objetivos da terapêutica.
Conhecer a anatomia, a patologia e a fisiologia humana é fundamental, mas também tomar cuidado com a postura do indivíduo e a própria postura, assim como escolher a seqüência correta das manobras, graduar a pressão, manter as mãos flexíveis em respeito aos contornos anatômicos do indivíduo e abrangendo os pontos de fixação muscular, mantendo sempre o contato com a pele do paciente (habilidades que só se desenvolvem com a prática) são elementos indispensáveis à realização da massagem terapêutica com competência técnica e científica, o que traz efetividade na conduta, reconhecimento e valorização profissional no mercado de trabalho.
Deste modo, os profissionais da área da Fisioterapia, que possuem um amplo conhecimento de anatomia, fisiologia e patologia, estão devidamente capacitados para desenvolver e aplicar efetivamente as técnicas massoterapêuticas.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Carla-Krystin; CLIFFORD, Paul. Massagem: técnicas e resultados. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

CASSAR, Mario-Paul. Manual de massagem terapêutica: um guia completo de massoterapia para o estudante e para o terapeuta. São Paulo: Manole, 2001.

CLAY, James H.; Pounds, David M. Massoterapia clínica: integrando anatomia e tratamento. São Paulo: Manole, 2003.

DOMENICO, Giovanni de; WOOD, Elizabeth C. Técnicas de massagem de Beard. 4. ed. São Paulo: Manole, 1998.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 483-502, set./dez. 2005.

FRITZ, Sandy. Fundamentos da massagem terapêutica. São Paulo: Manole, 2000.

GRANDJEAN, Etiene. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

PRENTICE, William E. Modalidades terapêuticas para fisioterapeutas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

REBELATTO, José Rubens; BOTOME, Sílvio Paulo. Fisioterapia no Brasil: fundamentos para uma ação preventiva e perspectivas profissionais. 2. ed. São Paulo: Manole, 1999.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.