Mais Médicos, outros Atos e ainda mais Árvores.

z

Diante de todo impasse vivido nos últimos dias, sejam esses em relação ao ato médico, mais médicos e pessoas amarradas em árvores para não construção de um viaduto. Lembrei de algo que lí:

“Ninguém pensa, onde todos lucram, ninguém sonha onde todos tragam” Foi tirado do livro: O Homem Medíocre de José Ingeneiros (1877-1925). No capitulo: A mediocracia, o autor também cita Platão ao dizer da democracia – ” É pior dos bons governos, mas é a melhor entre os maus”.

Precisamos de mais médicos? Precisamos de mais  árvores? Em qual contexto o todo está inserido? Esse momento do politicamente correto, deve está acarretando uma enorme confusão mental coletiva, dessa forma tomando rumo inesperado, quem diria que Davi venceria Golias em pleno século XXI? Me refiro a derrota do Conselho Federal de Medicina. Quais governos seriam impossibilitados de destruir árvores? Nesse caso, falo das reações contra a construção de um viaduto em Fortaleza. Aonde foi parar as sementes na busca da construção de uma sociedade participativa e consciente? Nas salas de aulas? não podemos crer, na Esplanada dos Ministérios e Congresso Nacional muito menos, na mesa da presidente, não mesmo.  Embaixo de algum tapete? Em nosso entender,  quando alguém não tem a capacidade de realizar suas tarefas, jogam o lixo, figurando suas inabilidades, para baixo do tapete, será esse nosso destino? ou será que fizemos o contrário, o lixo foi parar em cima da mesa?

De certa forma alguns sentem a percepção da vitória, quando assistem a derrota, não de um país ou de um segmento de pessoas, nesse caso, a atual situação da medicina do Brasil, não foram os médicos os derrotados, mas, seus representantes, eles mudaram o foco, em suas visões, o importante é manter a qualquer custo a hierarquia, manter o poder dominante, mesmo arriscando o alicerce dos seus princípios, tudo pelo poder de ser superior.

Se a capa do jornal estampa jovens amarrados em árvores, vistos do lado de fora por políticos na ânsia de serem fotografados e fotografar, alimentando suas redes sociais, insistindo em seu papel de coadjuvantes, quando ainda são figurantes de uma guerra ao meu entender, pouco explicável, pelo simples motivo de não ter em minhas lembranças, nenhuma imagem deles quando muitas outras árvores foram destruídas para construção de shopping , prédios comerciais e edifícios imensos residenciais em pleno mangue.

Estamos politicamente corretos ou dominados? Em minha infância brincávamos de atirei o pau no gato, regido pela alegria ingênua de quem nunca seria capaz de cometer tal ato, nos dias de hoje com tamanha pressão de saber e viver a verdade ditada, somos chamados a mudarmos de forma e seguir regras e mais regras escritas por hipócritas no alto do poder corrupto e incompetente. Onde estão as escolas? Os hospitais e serviços de saúde equipados? O acesso a cultura e ao esporte?  Onde estão nossas crianças?  Onde estão nossos velhos?

Precisamos de mais médicos e de muito mais árvores, precisamos não apenas de olhos saudáveis e sim de novos olhares, ver para enxergarmos nossos rumos com convicção, nos permitindo a pensar e sonhar, enquanto muitos vão insistir em seus lucros e devaneios.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.