Inverno: de olho na saúde respiratória

Inverno é um período em que preocupações com a saúde, principalmente relacionadas às doenças respiratórias, normalmente são maiores. Como passar por essa estação sem sustos?
A prevenção deve começar já, pois as temperaturas tendem a baixar e o ar a ficar um pouco mais seco.

“A queda de temperatura provoca maior concentração de poluentes no nível do solo”, explica dr. Igor Polonio, membro da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).

Pessoas com doenças respiratórias crônicas, ou seja, portadoras de asma e de DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – enfisema e bronquite crônica causada pelo tabagismo), além de idosos, crianças e tabagistas devem tomar cuidados redobrados para evitar o agravamento dessas doenças.

“Nestes pacientes a defesa das vias respiratórias é menor, o que os predispõem à infecções respiratórias nos períodos de mudanças de temperatura”, alerta dr. Polonio.

Os principais prejudicados são os portadores de asma e DPOC. Na população em geral, a incidência de gripes, resfriados e pneumonia cresce significativamente.

Cuidados

A principal atitude que os portadores de doenças respiratórias crônicas devem ter é manter acompanhamento médico para evitar exacerbações das doenças como crise aguda de asma ou bronquite.

“É importante que a doença respiratória esteja controlada, isso em qualquer época do ano”, recomenda o doutor, lembrando que é importante tomar as vacinas da gripe e a  pneumocócica dequadamente, especialmente crianças, idosos e portadores de doenças respiratórias crônicas.

Há outros cuidados que devem ser tomados por todos, inclusive por aqueles que não possuem doenças respiratórias crônicas. Evitar ambientes hostis à saúde respiratória, como aglomerações, locais muito poluídos e aspiração de fumaça de cigarro já são grandes atitudes de prevenção.

O ar-condicionado também pode ser um vilão, principalmente quando o filtro não está devidamente limpo “O certo é sempre fazer manutenção no aparelho, seja do carro, de casa ou do escritório”, recomenda dr. Polonio. Outra dica que pode ajudar é uma bacia de água para umidificar o ambiente.

Quanto aos esportes, é bom lembrar que praticá-los ao ar livre, principalmente em vias onde o movimento de automóveis é muito intenso, pode ser ainda mais prejudicial no inverno. Com relação à natação, portadores de doenças respiratórias devem estar atentos ao nível de cloro da água, que pode ser prejudicial, causando rinite e posteriormente sinusite.

“Se possível, procurar piscinas salinizadas. Mas qualquer que seja o tipo de água, ou o esporte escolhido, a prática só deve acontecer após avaliação do médico”.
Informação à imprensa

Acontece Comunicação e Notícias
(11) 3873-6083 / 3871-2331
Nathália Blanco ou Marjorie Okuyama
acontececom3@acontecenoticias.com.br
www.acontecenoticias.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.