INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS OPERATÓRIO DE ESVAZIAMENTO CERVICAL: REVISÃO DE LITERATURA

Silvane Ferreira dos Santos1
Paulo Antônio Souza da Silva1
Adson Durantt Duarte2;
Rafael Marques Ferrer 3;

Silvane Ferreira dos Santos1; Paulo Antônio Souza da Silva1; Adson Durantt Duarte2; Rafael Marques Ferrer 3;

1Discentes, do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário do Norte – UNINORTE.
2 Especialista, Docente do Curso Superior de Fisioterapia – UNINORTE.
3 Mestre, Docente do Curso Superior de Fisioterapia – UNINORTE.
Endereço: Av. Joaquim Nabuco, 1232, Centro | Manaus | AM | CEP: 69020-030 | (92) 3212-5000.

Artigo Científico apresentado como requisito para obtenção do Título de Bacharel em Fisioterapia pelo curso de Fisioterapia do Centro Universitário do Norte – UNINORTE / Ser Educacional.
Orientador: Rafael Marques Ferrer Coorientador: Adson Durantt Duarte.

Resumo

De acordo a estimativa levantada pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA 2019) haverá 625 mil novos casos de neoplasias malignas entre 2020 e 2022, destacando os acometimentos na cabeça e pescoço, principalmente o trato aerodigestivo superior. O procedimento cirúrgico como o esvaziamento cervical radical é uma das indicações para estes pacientes, porém pode gerar dor e disfunções no membro superior ipsilateral no pós-operatório, sendo necessária uma avaliação e acompanhamento do fisioterapeuta para o tratamento e uma melhor qualidade de vida. Objetivo: Este estudo tem como objetivo revisar na literatura as principais condutas fisioterapêuticas no pós-operatório de esvaziamento cervical, com objetivos de aliviar a dor e recuperar a funcionalidade do membro superior acometido. Metodologia: Revisão bibliográfica integrativa realizada através dos seguintes descritores:“neoplasia de cabeça e pescoço”, “esvaziamento cervical” e “atuação fisioterapêutica”, “head and neck neoplasia”, “cervical emptying” and “physiotherapeutic action” nas bases de dados Pubmed, Scielo, MeDline, Bireme, PEDro, publicados entre 2015 e 2020. Resultados: Foram selecionados 10 estudos, destacando que os recursos fisioterapêuticos como a cinesioterapia, termoterapia, a crioterapia, eletroterapia e a TENS são de grande importância para o tratamento das disfunções no pós-operatório do esvaziamento cervical, com objetivo de reduzir a dor, minimizar o desconforto, melhorar a funcionalidade da cintura escapular e do membro superior acometido, e consequentemente a qualidade de vida dos pacientes. Considerações finais: Observou-se a importância da inclusão do fisioterapeuta na equipe multidisciplinar, pois eles atuam diretamente da reabilitação do paciente com técnicas de eletroterapia, TENS, e cinesioterapia oferecendo uma boa qualidade de vida ao indivíduo que é de grande importância. Porém, raros são os estudos documentados na área, fato este que demonstra a necessidade de um maior número de pesquisas sobre a atuação da fisioterapia no câncer de cabeça e pescoço no pós-operativo.

Abstract

According to the estimate raised by the National Cancer Institute (INCA 2019), there will be 625 thousand new cases of malignant neoplasms between 2020 and 2022, highlighting the affections in the head and neck, especially the upper aerodigestive tract. The surgical procedure, such as radical neck dissection, is one of the indications for these patients, however, it can generate postoperative pain and dysfunction in the ipsilateral upper limb, requiring an evaluation and monitoring by the physiotherapist for the treatment and a better quality of life. Objective: This study aims to review the main physical therapy procedures in the postoperative period of neck dissection, with the objective of relieving pain and recovering the functionality of the affected upper limb. Methodology: Integrative bibliographic review carried out using the following descriptors: “head and neck neoplasm”, “neck dissection” and “physiotherapeutic performance”, “head and neck neoplasia”, “cervical emptying” and “physiotherapeutic action” in Pubmed databases , Scielo, MeDline, Bireme, PEDro, published between 2015 and 2020. Results: Ten studies were selected, highlighting that physiotherapeutic resources such as kinesiotherapy, thermotherapy, cryotherapy, electrotherapy and TENS are of great importance for the treatment of dysfunctions in the postoperative period of neck dissection, in order to reduce pain, minimize discomfort , improve the functionality of the shoulder girdle and the affected upper limb, and consequently the quality of life of patients. Final considerations: The importance of including the physiotherapist in the multidisciplinary team was observed, as they act directly on the patient’s rehabilitation with electrotherapy, TENS, and kinesiotherapy techniques offering a good quality of life to the individual who is of great importance. However, there are few documented studies in the area, a fact that demonstrates the need for more research on the role of physiotherapy in head and neck cancer in the postoperative period

Keywords: Head and neck neoplasia, cervical emptying, physiotherapeutic activity.

1 INTRODUÇÃO

O Câncer de cabeça e pescoço (CCP) é a denominação genérica para o conjunto de tumores do trato aerodigestivo superior (cavidade oral, rinofaringe, orofaringe, hipofaringe e laringe), cuja incidência eleva-se a cerca de 680 mil casos, e a mortalidade a 500 mil por ano no mundo (TSHERING VSW et al; 2016). No Brasil, as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para o triênio 2020-2022 assinalam para a cavidade bucal cerca de 15.490 casos novos por ano, 11.140 em homens e 4.350 em mulheres (INCA, 2017). Os principais fatores de risco para o desenvolvimento desta patologia incluem o tabagismo, etilismo, alimentação inadequada e o papiloma vírus (HPV) (INCA, 2019).

A cirurgia de esvaziamento cervical (EC) é o tratamento mais eficaz do câncer (Chagas et al., 2016) , podendo ser um procedimento cirúrgico seletivo que consiste na remoção apenas dos linfonodos com maior probabilidade de metástases ou radical onde consiste na remoção em bloco dos grupos de linfonodos e vasos linfáticos . Diversos autores (CHAN, 2015; PADOVANI, 2017; BITENCOURT, 2019) reafirmam que esse método é bastante complexo, podendo causar complicações estéticas, alterações funcionais do membro superior ipsilateral, ruptura total do nervo acessório e nervo periférico, afetando a qualidade de vida do paciente.

Em virtude das limitações funcionais, fadiga, descondicionamento e dor, o profissional fisioterapeuta atua na reabilitação deste paciente, com os seguintes objetivos: redução da dor e desconforto, aumento da força muscular e reeducação neuromuscular, aumento da amplitude de movimento, restauração da respiração nasal, e simetria orofacial, e prevenção de contraturas na região craniomandibular e escapular (CALVACANTE et al 2019). Dessa forma, a atuação fisioterapêutica promove melhora da qualidade de vida através do restabelecimento das funções do trato aerodigestivo superior e do complexo do ombro (NIGRITO et al.,2017).

Para atingir tais objetivos no pós-operatório de esvaziamento cervical podemos citar a Eletroestimulação Nervosa Transcutânea (TENS), acupuntura e drenagem linfática manual para alivio da dor; e os exercícios terapêuticos para a melhora do desempenho funcional, melhorando assim a qualidade e o bem estar desses pacientes (Rocha, 2016; ICARO et. al, 2017; SHIMOYA et. al, 2016). Assim o trabalho tem como objetivo realizar uma revisão de literatura para descrever as complicações deste procedimento cirúrgico e destacar os princípios recursos fisioterapêuticos no pós-operatório de esvaziamento cervical.

2 MATERIAIS E MÉTODOS

Este estudo é uma revisão integrativa, cujo levantamento bibliográfico foi realizado através dos bancos de dados da MEDLINE, PEDro, BIREME, SCIELO e PUBMED. Para tal, foi feita a busca por artigos publicados na língua portuguesa e inglesa entre os anos de 2015 e 2020, utilizando as seguintes palavras-chave: “cabeça e pescoço”, “esvaziamento cervical”, “sequelas pós esvaziamento cervical”, ‘fisioterapia e oncologia”, “head and neck”, “head and neck câncer”, “physiotherapy and oncology” . Foram excluídos os artigos que não apresentaram texto na íntegra, monografias, dissertações, teses e artigos duplicados.

4 RESULTADOS

Na triagem inicial, utilizando apenas as palavras-chave, foram encontrados 60 artigos científicos. Após análise, utilizando os critérios de inclusão e exclusão, foram incluídos 10 artigos para esta revisão. No quadro 1 está apresentado um resumo geral dos artigos incluídos na amostra final.



AUTOR/ANO


METODOLOGIA


OBJETIVO


RESULTADOS


A. Harris (2019)


Revisão sistemática
Oferecer evidências que suportam a fisioterapia no pós- operatório de esvaziamento cervical.As evidências disponíveis mostram que as atividades realizadas como cinesioterapia, termoterapia dentre outras se torna benéfica para a reabilitação do ombro após o esvaziamento cervical.


Cavalcante B,et al, (2019)


Revisão narrativa
Demostrar a atuação fisioterapêutica nas principais disfunções do paciente.Observou-se a importância do fisioterapeuta na reabilitação da disfagia, com exercícios ativos como retração de língua, manobras de Mendelson e estimulação sensorial com gelo.


Chan J. et al., (2015)




Estudo de revisão
Investigar a gravidade da disfunção do ombro após o esvaziamento cervical seletivo.Condutas utilizadas foram: mobilizações de MMSS, exercícios ativos e passivos bilateral.


Dias M et al., ( 2015)


Estudo de caso
Melhorar abertura bucal com auxilio de do tratamento fisioterapêutico.Técnicas de massagens, TENS, além de outros dispositivos podem contribuir na abertura bucal


Marques R. et al ,(2017)


Revisão de literatura
Relacionar a qualidade de vida do pacientes com disfagia.Exercícios de resistência com colheres e espátulas, movimentos passivos realizados em diversas direções, são das condutas realizadas.


Shimoya-B. W et al.,( 2016)


Estudo de revisão
Identificar as alterações funcionais ocasionadas pelo esvaziamento cervical, e a atuação da fisioterapia.A cinesioterapia, termoterapia, crioterapia, eletroterapia e TENS são recursos utilizados pelos fisioterapeutas para a redução da dor, a melhora da qualidade de vida e restauração das funções.


Tacani. P et al., (2016)


Estudo de caso
Uso de drenagem linfático como tratamento para redução de linfedema.Observou-se que a drenagem linfática contribui para redução de edema, exercícios faciais para ganho de ADM, exercício de fortalecimento muscular com faixa elástica.




Vallim E. et al., (2019)


Revisão integrativa
Intervenção para ajudar na qualidade de vida do paciente




Auriculoterapia com Agulhas, esta interversão apresentou eficácia alivio nos efeitos colaterais.

DISCUSSÃO

Entre os 10 artigos selecionados para este estudo, as principais condutas apresentadas na atuação fisioterapêutica no pós-operatório (PO) de esvaziamento cervical são Treinamento de Exercício Resistido Progressivo, eletroterapia, termoterapia, cinesioterapia sendo estes benéficos principalmente para os seguintes desfechos: dor, redução de desconforto, relaxamento muscular, aumento da atividade das vias aferentes dos órgãos tediosos.

Diversos pesquisadores como Shimoya (2016) afirmam que recursos usados pelo fisioterapeuta no pós-operatório do EC, do Trismo que é uma sequela ocasionada pelo procedimento (DIAS et., 2015) pode contribuir para reduzir a dor, melhorar a qualidade de vida e restaurar as funções corporais do paciente. Conforme o exposto Vallim et al., (2019) concordam explicando que as intervenções realizadas nesses pacientes apresentam eficácia promovendo a melhora dos sinais e sintomas.

Estudos realizado por Icaro est., (2017) obteve resultados significantes com o uso da cinesioterapia, crioterapia e a Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TEENS) agindo no quadro álgico do paciente, com respectivas melhoras. Visto que o paciente que passam pelo Processo de EC apresentam algumas disfunções que intervém nas suas atividades diárias como lavar ou secar a cabeça, colocar objetos na prateleira dentre outros (CHAN JY, et al., 2015).

Ainda nesse aspecto Tacani P. et al., (2016) observou que além da eletroterapia, termoterapia, cinesioterapia a drenagem linfática contribui para redução de edema amenizando o impacto causado pelo procedimento cirúrgico, tornando-se uma aliada na hora da reabilitação.

Um estudo recente de Harris, (2019) mostra evidências que a fisioterapia torna-se benéfica atuando na disfunção do ombro após o EC disfunções causado pela paralisia do nervo acessório ocasionando a paralisia do musculo trapézio. Há um consenso entre McNeely e Harris (2015- 2019) que exercícios resistido progressivo nas intervenções fisioterapêutica têm grande valia, para fortalecer e ganhar amplitude de movimento foi concluído que alongamentos, exercícios posturais, exercícios progressivo com resistência leve e pesada geram uma progressão significativa. Em sua atribuições o fisioterapeuta além da reabilitação investiga a qualidade de vida do paciente e trabalha o bem estar do indivíduo, ressaltado que o mesmo não substitui as avaliações clínicas e funcionais ( MARQUES, R. S. O et al., 2017).

Em virtude do que foi mencionado Cavalcante et al., (2019) relata importância do Fisioterapeuta oncológico entre a equipe multidisciplinar, realizando cuidados paliativos de forma humanizada minimizando a dor, restaurando função e prevenindo outros sintomas, e restabelecendo a qualidade de vida do paciente..

5 CONCLUSÃO

Para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes é indicado à intervenção de um profissional fisioterapeuta para atuar nas disfunções ocasionadas após procedimento de esvaziamento cervical. A lesão causada no nervo acessório pode causar atrofia no músculo trapézio, causando a queda do ombro, fraqueza muscular e redução de funcionalidade do indivíduo.

Para cada sequela há um procedimento que contribui para a evolução do paciente como a cinesioterapia que age tanto no quadro álgico quanto no funcional, para a dor a eletroterapia traz rápidos resultados; todavia, o alívio é variável entre os pacientes, a termoterapia através do calor superficial é usada frequentemente para reduzir o desconforto e promover o relaxamento muscular através da interferência no ciclo dor-espasmo-dor devido à redução da atividade das fibras aferentes do fuso muscular.

Concluindo assim a existência de evidências diante das revisões bibliográficas e estudos levantados referentes ao tema. Contudo faça-se necessário a realização de mais estudos, constatou-se escassez referente ao assunto abordado, com isso deve-se solidificar cada vez a importância da fisioterapia no âmbito da assistência ao paciente com esvaziamento cervical.

REFERÊNCIAS

BALDOMAN D, VANDENBRINK R. Physical therapy therapy challenges in head and neck cancer. Multidisciplinary care of the Head and Neck Cancer Patient. Cancer Treat Res. 2018. 174: 209-

BITENCOURT RCL, Dutra CMS, Maranhão JB, Silva DKB, Silva ACC, Paiva CB : Avaliação funcional do membro superior em pacientes submetidos ao esvaziamento cervical. Rev. Burgos,D.B.L: Fisioterapia Paliativa Aplicada ao Paciente Oncológico Terminal: Ensaios Cienc., Cienc. Biol. Agrar. Saúde, v.21, n.2, p. 117-122, 2017.

ELETRÔNICA ACERVO SAÚDE / ELETRONIC JOURNAL COLLECTION HEALTH / VOL. 12 (1) e 2103 / DOI: https:// doi.org/10.25248/reas.e2103.2020.

CALVACANTE BS, CERQUEIRA MTAS, MARTINS GB: Atuação da fisioterapia no câncer de cabeça a pescoço: uma revisão narrativa. Revista Movimento 2019; 12(3): 433-447

CHAGAS SFJ, PASCOAL NBM, AQUINO BJL, TCBC-SP, FILHO BAL, PREVITALE ZVE, TRILLO PSA, CURIONI AO, TCBC-SP; Rapoport A, ECBC-SP; Dedivitis AR: Esvaziamento cervical radical por incisão transversa única estendida. Rev. Col. Bras.2016; 43(4) 270-275

CHAN JY, et al. Shoulder Dysfunction after Selective Neck Dissections in Recurrent Nasopharyngel Carcioma. Otolaryngol Head Neck Surg. 2015 Sep; 153 (3): 379-84.

DANIEL SX, FERNANDA NG, KENNYS WB DE MATOS, KELDY SOUZA DE ASSIS: Fisioterapia no câncer de cabeça e pescoço: uma proposta de tratamento na unidade de terapia intensiva: Estudo de revisão. Rev. Cognitionis. 2019.

DIAS M, SOUZA SG, JUSTINA LBD: Tratamento fisioterapêutico em paciente com trismo pós radioterapia. Rev.Inspirar movimento & Saúde. vol. 7 Número 2- ABR/MAI/JUN – 2015.

HARRIS AS. Os pacientes se beneficiam da fisioterapia para disfunção do ombro após a disseção do pescoço? Uma revisão sistemática. Rev. J Laryngol Otol 2020; 1 – 5. htt://doi.org/10.1017 / S0022215120000079.

ICARO MBN, CLEIDILENE LFM, RONIERY OC: A Contribuição da fisioterapia nos cuidados em pacientes com dor oncológica. Rev. UNINGÁ, Maringá, v. 54 n. 1, p 1-7, out./dez. 2017

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. [acesso 2020 agosto 23] Disponivél em: htt://www. inca.org.br/cancer-home/cancer-decabeça-e-pescoço/3/122/.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. ESTIMATIVA 2019 (INCA). [homepage na internet]. Estimativa de Câncer 2020-2022. Disponível em : http://www.inca.gov.br/estimativa2020

LO NIGRO C, Denaro N, Merlotti A, Merlanon M. Head and neck cancer: improving outcones with a multidisciplinary aproach. Cancer Manag Res.2017; 18; 9: 363-371

MARQUES RSO, COSTA AS, MEDRADO ARAP, MARTINS GB, LIMA HR, CARRERA: Qualidade de vida em deglutição e cancêr de cabeça e pescoço: Revisão de literatura. Rev. Baiana de Odontologia. 2017 Mar;8(1):26-32. DOI: 1017267/2238-2720revbaianaodonto.v8i1.1260

MCNEELY ML, PHD; PARLIAMENT MATTHEW B. PARLEAMENT, MD; SEIKALY H, MD; JHA N, MD; DAVID J. MAGEE, PHD; MARK J. HAYKOWSKY, PHD; KERRY S. COURNEYA, PHD: Sustentabilidade dos resultados após um ensaio cruzado ramdomizado de execício de resistência para disfunção de ombro em sobreviventes de câncer de cabeça e pescoço: Fisioterapia Canadá 2015;67(1);85-93; DOI: 10.3138/ptc.2014-130.

PADOVANI C, SILVA JM, TANAKA C: Fisioterapia nos pacientes politraumatizados graves: Modelo de assitência terpêutica. Rev. Acta Fisiatr. 2017; 24 9 (1): 33-39

PAULA JM, SAWADA NO: Qualidade de vida à saúde de paciente de pacientes com câncer em tratamento radioterápico. Rev Rene. 2015 jan –fev; 16(1): 106-13

ROCHA, LIDIANA SIMÕES MARQUE; CUNHA, ALESSANDRA: O papel do fisioterapauta nos cuidados paliativos em pacientes oncológicos. JCBS, v. 2, n. 2, p.78-85, 2016.

SHIMOYA-BITTENCOURT W, SILVA AE, ALENCAR DD, ARRUDA TRA, LEITE AC, SALÍCIO AM: Alterações funcionais em pacientes com câncer de cabeça e pescoço e a atuação da fisioterapia nesta disfunções: Estudo de Revisão. J Health Sei 2016; 18(2): 129-33.

SU H, LI Y. Prophylactic central neck dissection and local recurrence in papillary thyroid microcarcinoma:: Artigo de revisão. a meta-analysis. Braz J Otorhinolaryngol. 2019;85:23743.

TACANI PM, FRACESCHINI JP, TACANI RE, MACHADO AFP, MONTEZELLO D, GOES LCGS et al.. Retrospective study of the phisical therapy modalities applied in head and neck lymphedema treatment. 2016. 38(2): 301-308.

TSHERING VDW, THOENY HC. Cross-sectional imaging in cancers of the head and neck: how we review and report, Cancer Imaging 2016; 16: 20.

TSUI- LING, NI CHEN, CHAW- PENG LONG, YO- CHI HUANG, CHIA- WEI CHIANG, HSUAN CHEN, YAN-YOH LEE.: The effect of home-based program and outpatient physical therapy in patients with head and neck cancer: A randomized, controlled trial: Oral Oncology. Received 16 July 2017, Revised 9 September 2017, Accepted 2 October 2017, Available online 9 October 2017.

VALLIM ETA, MACONDES L, PERES AL, et al.: Auriculoterapia com Agulhas para Melhora da Qualidade de Vida em Pacientes com Câncer: Revisão Integrativa. J. res.: fundam. care. online 2019. out/ dez 11(5): 1376.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.