Inserção do profissional fisioterapeuta nas unidades públicas de emergência e UPAS no município de Santo André

Por: Dra. Cíntia Freire Carniel, Dr. Rodrigo Daminello Raimundo, Dra. Camila Manini

As unidades hospitalares de atendimento às urgências e emergências constituem o âmbito hospitalar do sistema de atenção à saúde, instituído em 2006 pela Política Nacional de Atenção às Urgências.

A lotação dos departamentos de emergência e a ausência de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) suficientes podem atrasar a internação destes pacientes. O objetivo principal do atendimento fisioterapêutico nessas unidades é dar suporte rápido e eficiente para disfunções cardiorrespiratórias, principalmente nas primeiras horas, evitando, assim, um possível agravamento no quadro clínico, como a necessidade de intubação orotraqueal, utilização de ventilação mecânica invasiva e evolução para a UTI. É estimado que 35% dos pacientes admitidos na sala vermelha evoluem para situação de gravidade.

O reconhecimento e avaliação das vias aéreas, o uso da ventilação mecânica invasiva (VMI) e não invasiva (VMNI) e oxigenoterapia são ferramentas a serem utilizadas na sala de emergência e todo o profissional fisioterapeuta com experiência em situações emergenciais deve saber manejar. Se inserem dentro de desordens ventilatórias algumas patologias como edema agudo de pulmão (EAP), crise de exacerbação de asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), as grandes catástrofes com a administração das medidas de suporte ventilatório, sem falar na presença das equipes ou times de resposta rápida protocolados dentro de algumas unidades hospitalares.5,6,8

No município de Santo André, houve a inserção do profissional fisioterapeuta em uma UPA, como um projeto piloto, para que possamos em números, provar a importância do fisioterapeuta no escopo de profissionais que compõe a equipe. Os atendimentos de fisioterapia acontecem na sala amarela e vermelha, pelos graduandos do último período do curso de fisioterapia do Centro Universitário de Saúde ABC, sob a supervisão constante dos professores contratados pela instituição de ensino.

Dentre as condutas fisioterapêuticas nas unidades públicas de emergência e UPAS destacam-se: planejar e executar medidas de prevenção e redução de risco; prescrever e executar terapêutica cardiorrespiratória e neuro- musculo-esquelética; aplicar métodos, técnicas e recursos de expansão pulmonar, remoção de secreção, fortalecimento muscular, recondicionamento cardiorrespiratório e suporte ventilatório; aplicar medidas de controle de infecção hospitalar; realizar posicionamento no leito, sedestação, ortostatismo, deambulação, além de planejar e executar estratégias de adaptação, readaptação, orientação e capacitação dos clientes/pacientes/usuários, visando a maior funcionalidade e autonomia; monitorar os parâmetros cardiorrespiratório; gerenciar a ventilação espontânea, invasiva e não invasiva; manter a funcionalidade e gerenciamento da via aérea natural e artificial; e realizar a titulação da oxigenoterapia e inaloterapia.

A inserção do fisioterapeuta em maio de 2019 na UPA Central de Santo André possibilitou 372 atendimentos fisioterapêuticos até dezembro de 2019. Futuras comparações poderão ser feitas em relação ao tempo de internação dos pacientes, número e gravidade de complicações recorrentes ao tempo passado no leito e a diminuição no custo, taxa de mortalidade e risco de infecções. A fisioterapia nas UPAs pode proporcionar uma liberação mais rápida dos leitos possibilitando o uso menor de internação e melhora na humanização dos serviços de saúde.

Referências
WOOD S, Winters ME. Care of the intubated emergency department patient. J Emerg Med. 2011;40(4);419-27.

TALLO FS, Vendrame LS, Lopes RD, Lopes AC. Ventilação mecânica invasiva na sala de emergência: uma revisão para o clínico. Rev Bras Clin. 2013;11(1):48-54.

TAQUARY, et al., Perfil clínico e atuação fisioterapêutica em pacientes atendidos na emergência pediátrica de um hospital público de Goiás. Fisioter Pesq.; n.20, vol.3, p.262-267, 2013

PL 1035/2015 – Dispõe sobre a Criação, Unidade de Urgência em Fisioterapia (UUF), implantação, Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Unidade Básica de Saúde (UBS) Disponível em : http://www.camara.gov.br/ ACESSO EM 15/06/2020

Profa. Ms Cintia F. Carniel
Docente do Curso de Fisioterapia
Faculdade de Medicina do ABC – FMABC
Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.