Incontinência urinária atinge 10% da população

Fonte: CDN Comunicação Corporativa – Assessoria de Imprensa – Hospital Samaritano de São Paulo

Problema muito comum e que atinge principalmente as mulheres, caracteriza-se pela perda involuntária de urina de forma espontânea ou aos esforços

 A incontinência urinária torna-se um inconveniente para o paciente, tanto no aspecto social quanto higiênico, visto que a perda pode ocorrer mesmo sem que pessoa sinta vontade de urinar. Estima-se que aproximadamente 10% da população sofrem de algum tipo de incontinência, sendo as mulheres com mais de 60 anos as mais acometidas pelo distúrbio. “As mulheres mais idosas acreditam que a perda de urina é comum, inerente à idade, mas não é”, esclarece Rodrigo Castro, especialista do Centro de Uroginecologia do Núcleo de Ginecologia, Obstetrícia e Perinatologia Hospital Samaritano de São Paulo.

Os dois tipos principais de incontinência urinária são: incontinência de esforço e os quadros de bexiga hiperativa (urgência). A incontinência de urgência é caracterizada por uma necessidade súbita e forte de urinar, seguida de uma contração instantânea da bexiga, com perda involuntária de urina. “A incontinência urinária por esforço é a mais prevalente que temos em nossa população. Essa situação é proveniente principalmente por conta do enfraquecimento das estruturas do assoalho pélvico. Existem diversos fatores para o enfraquecimento, como queda hormonal e envelhecimento”, afirma o especialista.

Os músculos do assoalho pélvico estão intimamente relacionados com as funções ginecológica, obstétrica, urinária, intestinal, proctológica e sexual. A reeducação desses músculos por meio da fisioterapia é recomendada para a prevenção ou tratamento de incontinências urinárias, prolapsos (queda) de órgãos pélvicos e disfunções sexuais. As ações fisioterápicas têm como principal objetivo recuperar a função desses músculos, que estão envolvidos no controle da urina. Muitas vezes é preciso fortalecê-los ou relaxá-los, como qualquer outro músculo do nosso corpo.

“É neste momento que entra o trabalho do fisioterapeuta, que auxilia na execução de exercícios, empregando técnicas e aparelhos específicos para as suas necessidades. À medida que o paciente readquire a capacidade de controlar voluntariamente a musculatura e a micção, tem condições de resgatar a auto-estima, elevando a qualidade de vida”, destaca Castro.

O tratamento da incontinência urinária de esforço pode ser clínico ou cirúrgico. Procedimentos minimamente invasivos apresentam excelentes resultados no controle do problema. “Entre os tratamentos cirúrgicos destacam-se os procedimentos de sling, que é minimamente invasivo e caracteriza-se na colocação de um suporte sob a uretra, com objetivo de aumentar a pressão intrauretral, impedindo assim a perda de urina por esforço”, finaliza o especialista.

 Sobre o Hospital Samaritano de São Paulo

Um dos principais centros de excelência em saúde do País, o Hospital Samaritano de São Paulo completa 120 anos de atividades em 2014. Fundado em 25 de janeiro de 1894, nasceu como primeiro hospital privado da capital paulista e hoje é uma das poucas instituições de saúde que permanece em atividade, em duas passagens de séculos, com recursos do próprio negócio. É um hospital especializado em Cardiologia, Gastroenterologia, Neurologia, Ortopedia, Oncologia, Urologia e Ginecologia, Obstetrícia e Perinatologia, com atendimento completo e integrado aos pacientes, com acompanhamento em todas as etapas do tratamento. Além disso, oferece Serviço de Emergência Especializada 24 horas em Ortopedia, Cardiologia, Neurologia e Trauma. O Complexo Hospitalar do Hospital Samaritano conta com 19 andares, 310 leitos de internação e Unidade de Terapia Intensiva, além de um Centro Cirúrgico com ­16 salas para a realização de procedimentos de alta complexidade. Desde 2004, é certificado pela Joint Commission International (JCI), um dos mais importantes órgãos certificadores de padrões de qualidade hospitalar no mundo.