IMPORTÂNCIA DO SUPORTE DE CARGA NA REABILITAÇÃO DO APARELHO LOCOMOTOR.

RESUMO

Magalhães, L. Fransuele; Silva, B. Luana; Martins, S. Márcia; Pontes, S. Sarah; Vieira, Jorge.

INTRODUÇÃO: O Suporte de peso é um sistema de suspensão que reduz a força resultante entre as forças gravitacional e de suspensão, diminuindo a carga sobre o aparelho musculoesquelético, durante o treinamento de marcha. A fisioterapia atua no tratamento com suporte de carga retirando a sobrecarga nos membros inferiores possibilitando e facilitando a marcha do paciente com limitação. OBJETIVO: O objetivo principal desse estudo consistiu em revisar a importância do sistema de suporte de carga parcial na reabilitação locomotora. MATERIAIS E METÓDOS: Foi realizada uma revisão, relacionada ao suporte parcial de peso. Os artigos compreendem do ano de 2002 á 2015. Realizado nas bases de dados MEDLINE, LILACS e SCIELO. RESULTADOS: O suporte parcial de peso corporal foi utilizado em 100% dos artigos, sendo que 30% realizaram intervenções pré-treinamento e pós-treinamento. 40% foram realizados em esteira apenas, 20% esteira e em piso fixo e 30% foi realizado somente em piso fixo(solo). CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os artigos abordados demonstram que o suporte de carga tem auxiliado de forma positiva a reabilitação de indivíduos que obtinham alguma limitação físico-esquelética. Sugerem-se mais estudos com ensaios clínicos randomizados que comprovem a eficácia do Suporte de peso.

Palavras chave: Suporte de carga; Marcha; Caminhada e Equilíbrio postural.

ABSTRACT

INTRODUCTION: The weight holder is a suspension system which reduces the resulting force between the gravity and suspension forces, reducing the load on the musculoskeletal apparatus for gait training. Physical therapy works in treating load-bearing removing the burden of the lower limbs enabling and facilitating the patient’s gait with limitation. OBJECTIVE: The aim of this study was to review the importance of partial load-bearing system in locomotor rehabilitation. MATERIALS AND METHODS: a review, related to the partial body weight support was performed. Articles include the year 2002 shall 2015. Held in the databases MEDLINE, LILACS and SciELO. RESULTS: partial body weight support was used in 100% of the articles, of which 30% had pre-training and post-training interventions. 40% were performed on a treadmill just 20% treadmill and on a fixed platform and 30% was carried out only in fixed floor (ground). CONCLUSION: The articles covered show that the load support has helped positively the rehabilitation of individuals who obtained some physical-skeletal limitation. They suggest further studies with randomized controlled trials to prove the effectiveness of weight bracket.

Keywords: Charging stand; March; Walking and postural balance.

1. INTRODUÇÃO

O suporte parcial de peso corporal (SPPC) é um sistema que reduz a força resultante entre as forças gravitacional e de suspensão. É utilizado como uma alternativa para reabilitação físico-funcional no treinamento de marcha, já que produz uma diminuição da carga do aparelho locomotor. É um método que envolve o uso de colete para suspender o indivíduo sobre uma esteira ou piso fixo com o intuito de aliviar o peso corporal completamente ou parcialmente de acordo com o percentual escolhido segundo Matsuno (2009), e que varia entre 15% a 70% de suporte Haupenthal & Yoneyama (2008).

A fisioterapia atua no tratamento com suporte de carga ao retirar a sobrecarga nos membros inferiores, com isso possibilita e facilita a marcha do paciente com dependência funcional. A função do aparelho músculo esquelético melhora quando se intensifica o treino de marcha em esteira com suporte parcial de carga (SPC),segundo Richards et al 1993. Entretanto, alguns pacientes (a maioria deles crianças com paralisia cerebral), apresentam dificuldades de equilíbrio neste tipo de treino, já que a esteira é uma superfície móvel e por isso mais instável, diferente do piso fixo que é comumente utilizado, Matsuno (2009), Celestino (2014).

O SPPC é importante para reabilitação motora, pois proporciona melhora na biomecânica dos membros inferiores (MMII), já que evita uma hiperextensão de joelho, assim como melhora da postura axial e pélvica, ocasionando um melhor alinhamento do tronco e joelho. Este método permite o treino repetitivo da marcha com uma descarga de peso gradativa e mais simétrica entre os membros e consequentemente menor gasto energético. Permite maior tempo de deambulação em maiores velocidades e melhora do equilíbrio corporal através da estabilização do tronco, segundo Yoneyama et al (2009).

A reabilitação física tem como tem como principal aliado a plasticidade neural que proporciona entre outros fatores, o aprendizado ou reaprendizado motor do padrão da marcha, que é um processo neurobiológico pelo qual os organismos modificam temporariamente ou definitivamente suas respostas motoras, melhorando seu desempenho, como resultado da prática, Segundo Oliveira et al (2000).

O treino locomotor consiste na produção de estímulos, associado à coordenação entre membros, sendo uma alternativa para pacientes que tiveram a marcha prejudicada, na maioria das vezes, por disfunções neurológicas, Pereira et al (2009). Considerando que a marcha é um movimento funcional de extrema importância e que o suporte de peso corporal facilita a mesma ao diminuir a sobrecarga articular, torna-se necessário, mais artigos que comprovem a eficácia desse suporte na reabilitação musculoesquelética, e identifique o melhor tipo de superfície para o seu uso, já que existem poucos artigos que explorem o SPPC em piso fixo.

O objetivo principal desse estudo foi revisar a importância do sistema de suporte de carga parcial (SCP) na reabilitação locomotora.

2. METODOLOGIA

Foi realizada uma revisão, relacionada ao suporte parcial de peso. Todas as etapas foram executadas por dois examinadores independentes, que, ao final de cada etapa, estabeleceram consenso entre os resultados obtidos. Um terceiro examinador foi envolvido no caso de discordância entre os dois examinadores. Os artigos compreendem do ano de 2002 á 2015. Realizado nas bases de dados MEDLINE, LILACS e SCIELO, com as palavras chaves Suporte de carga; Marcha; Caminhada; Equilíbrio postural e seus correlatos na lingua inglesa.

A pesquisa foi dividida em quatro etapas. Na primeira etapa, foram realizadas buscas eletrônicas nas bases de dados MEDLINE e LILACS para identificação dos estudos mediante estratégia de busca adequada às bases de dados e composta pela combinação de termos referentes. Posteriormente, os estudos encontrados foram avaliados quanto aos critérios de inclusão: aplicabilidade do suporte de carga em humanos. E quanto aos critérios de exclusão foram selecionados os estudos experimentais, não se aplica ao aparelho locomotor e não se aplica ao tema. Foram lidos e extraídos os textos em duplicata. As buscas foram realizadas de julho á agosto de 2015. Na segunda etapa, os títulos dos estudos foram avaliados e analisados quanto aos critérios de inclusão e exclusão. Na terceira etapa foi realizada análise do resumo dos estudos incluídos. E na quarta etapa a leitura na integra dos estudos.

3. RESULTADOS

Foram encontrados duzentos e trinta e quatro (234) estudos na busca eletrônica, sendo duzentos e vinte e dois (222) excluídos por não se relacionarem ao tema nove (9), não se aplicam ao aparelho locomotor duzentos (200) ou são experimentais treze (13). Na análise dos títulos e dos resumos somaram o total de doze (12) artigos. Quando realizada a leitura na íntegra de todos os estudos, foi observado que um dos artigos não utilizou o suporte parcial de peso e sim a balança digital antropométrica, somando assim o total de onze (11) artigos. Todos os onze estudos analisados atenderam aos critérios de inclusão.

SP2

O suporte parcial de peso corporal foi utilizado em 100% dos artigos, sendo que 30% realizarão intervenções pré-treinamento e pós-treinamento. 40% foram realizados apenas em esteira, 20% em esteira e piso fixo e 30% somente em piso fixo.

A população dos estudos incluídos variou de criança a adultos, sendo o suporte parcial de peso utilizado por todos os estudos e nos seguintes indivíduos: Criança com paralisia cerebral, paciente hemiparéticos, indivíduos com acidente vascular crônico, lesado medular, paralisia cerebral espástica e diplégia espástica.

Os artigos demonstraram que com uso do suporte de carga contribui para o aprendizado de um novo padrão de marcha, melhora a frequência cardíaca, melhora do condicionamento físico, redução da pressão arterial, redução da frequência cardíaca de repouso, redução do gasto energético, influencia na passada, capacidade de permanecer em ortostase e deambular com auxílio do andador, melhora da cadência marcha e melhora o equilíbrio. Isso por que o mesmo mensura a quantidade de suporte durante o treino de marcha na esteira, força de suspensão visando saber a porcentagem de peso e a variação do mesmo durante a marcha, analisa a assimetria e incentiva a plasticidade do sistema nervoso central.

4. DISCUSSÃO

No treino de marcha convencional com bengalas, andadores, muletas ou em barras paralelas, há uma tolerância ao esforço dos pacientes com deficiência que apresentam limitações impedindo a realização do treino a grandes distâncias, segundo Haupenthal et al (2008). O auxílio do suporte de peso no treino da marcha permite que a descarga de peso seja gradativa sobre o solo, assim o paciente se adapta a atividade, para realizar menor gasto energético, além de proporcionar maior estabilidade do tronco, Faria (2005).

Os artigos divergem sobre as diferenças observadas entre os tipos de superfície (piso fixo e esteira) e sobre o uso do suporte de carga no treino locomotor. Isto pode ser atribuído principalmente nos aspectos da propulsão, Souza (2011) e controle de equilíbrio, Yoneyama (2009), Celestino (2014), Matsuno (2009). Matsumo et al (2009), observaram no seu estudo que crianças com paralisia cerebral apresentaram passadas mais longas e rápidas no piso fixo, independente do uso ou não de SPPC ao ser comparado com a esteira. Por ser uma superfície móvel e instável 18-20, o treino na esteira contribui para diminuir o comprometimento e a velocidade da passada. E também por não terem o hábito de andar em esteira motorizada não se sentiram confortáveis e seguras com a velocidade mais rápida, afirmam Yoneyama (2009), Matsuno (2009) comprovados nos estudos que eles realizaram com as crianças. Ainda segundo Matsumo et al (2009) destacam que as crianças deveriam ser treinadas ao andar em uma superfície utilizada no dia a dia delas. Entretanto, a maioria dos estudos indica a esteira elétrica como um dispositivo comumente utilizado que melhora a marcha num período de tempo curto.

Vários autores, Filippin (2007), Yoneyama (2009), Dutra (2013), apontam que o treino de habilidades da marcha é mais eficiente em esteira quando comparado ao treino no solo. Em contrapartida, Sullivan et al (2002), Haupenthal et al (2008) afirmam que ainda não identificaram qual a técnica de tratamento ideal com o suporte de peso corporal. Para Celestino et al (2014) a esteira estimula passos rítmicos, repetitivos e diminui a geração de força de propulsão durante a caminhada. Segundo Matsumo at al (2009) há vantagens no treino na esteira como a utilização em um pequeno espaço e o favorecimento da prática repetitiva de ciclos completos com passos simétricos e consistentes, apesar de defender o treino em solo para crianças com paralisia cerebral.

Baseado nos artigos analisados observou-se inúmeros benefícios do uso de suporte de carga, dentre os quais são: melhora cardiorrespiratória, osteomuscular e cinemática, Haupenthal (2008), Filippin (2007), Yoneyama (2009), Faria (2004), Dutra (2013). Além disso, o treino de marcha com esse dispositivo resulta numa melhora o sistema sensorial (proprioceptivo, sensitivo e equilíbrio), gerando um ganho de independência funcional. Para Yoneyama et al (2009) pacientes pós-ave com treino em esteira apresentam respostas motoras satisfatórias devido à melhora da assimetria no córtex sensoriomotor e ativação do córtex pré-motor no hemisfério afetado. Já Dutra et al (2013), considera que a recuperação locomotora, deve-se à estímulos neurais e ativação de centros espinhais em que produz um padrão cíclico de marcha, mesmo após a lesão medular. Cita ainda que durante o treino em esteira, a ativação desse gerador promove processos de plasticidade neural, o que favorece um novo padrão de marcha.

Observa-se nos estudos que pacientes que possuíam maior dependência motora necessitou uma maior quantidade de suporte. Contudo, Haupenthal (2008) et al sugerem que o treino comece com o menor percentual possível para que o paciente se sinta confortável e execute a marcha próxima do normal, analisando os seguintes pontos: controle de tronco, fases de balanço e apoio, dissociação de cinturas e equilíbrio. Ocorre uma grande variação de quantidade de suporte oferecida aos pacientes, sendo 0%, Celestino (2014), Dutra (2013), Matsuno (2010), 15%, Celestino (2014), Dutra (2013), Haupenthal (2008), utilizado para iniciar o treino de marcha 20%, Souza (2011), com o intuito de ativar os músculos inferiores e reduzir o gasto energético, 30%, Yoneyama (2009), Souza (2011), Dutra (2013), Matsuno (2010) é o pencentual mais utilizado no treino em esteira. Em Dutra et al (2013), os tratamentos iniciaram com 40% mostrando resultados negativos, pois houve perda cinemática dos plantiflexores em altas velocidades, o que ocasionou um prejuízo do reaprendizado motor em voluntários sem comprometimentos. Liston et al (2000), Thoekerd et al (2003) contataram que o suporte parcial de peso 50% e 70% produziram um aumento da cadência, aumento da largura do passo, resução na fase de apoio e um decréscimo no apoio bipodal. Entretanto, no estudo de Yoneyama et al (2009) utilizou-se 30% de SPC e mesmo assim demonstrou melhora qualitativa nesses parâmetros.

O treino locomotor proporciona uma melhora da biomecênica através do aumento da amplitude de movimento (ADM) das articulações dos membros inferiores, como pelve e tornozelo Dutra (2013). Já para Matsuno et al (2010) houve ausência de diferenças articulares do joelho e tornozelo. Já o quadril apresentou diferenças entre os hemicorpos plégicos e não plégicos. Segundo Pereira et al (2009) num estudo com inividuos hígidos notou que há oscilação e transferência de carga de um lado para o outro durante as passadas, quando analisou a descarga de peso sobre os membros inferiores. Observou ainda, uma resposta de ativação muscular com o gastrocnêmios durante a fase de apoio e o tibial anterior na fase de balanço e o início de sobrecarga biomecânica e das forças propulsoras para transportar o corpo para a frente. Dutra et al (2013) concluiu que o suporte altera a biomecânica do tornozelo (platiflexores), interferindo na passada.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os artigos demonstraram que com uso do suporte de carga contribui para o aprendizado de um novo padrão de marcha, melhora a frequência cardíaca, melhora do condicionamento físico, redução da pressão arterial, redução da frequência cardíaca de repouso, redução do gasto energético, influencia na passada, capacidade de permanecer em ortostase e deambular com auxílio do andador, melhora da cadência marcha, velocidade da marcha, melhora a passada e o comprimento do passo, melhora o equilíbrio. Isso por que o mesmo mensura a quantidade de suporte durante o treino de marcha na esteira, força de suspensão visando saber a porcentagem de peso e a variação do mesmo durante a marcha analisam a assimetria e incentiva a plasticidade do sistema nervoso central.

Assim, o presente artigo nota que há necessidade de mais estudos que comprovem o benefício do treinamento com uso do SPC durante o treino de marcha facilitando a reabilitação do aparelho locomotor. Com isso sugere-se que mais estudos sejam feitos a respeito da quantidade de suporte inicial a ser ofertada e os critérios para sua diminuição, o tempo de treinamento e o ganho de força, e a limitação da ADM (amplitude de movimento) do quadril com o uso do SPC.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Umphred, A. D., Fisioterapia Neurológica. 1994 2ª ed., São Paulo, Manole.

2. Bobath, B., Hemiplegia no Adulto Avaliação e Tratamento. 1978, São Paulo, Manole.

3. O’Sulivan, S. B., Fisioterapia : Avaliação e Tratamento. 1993, 2ª ed., São Paulo, Manole.

4. Creighton DL, Morgan AL, Boardley D, Brolinson PG. Weight-bearing exercise and markers of bone turnover in female athletes. 2001, J Appl Physiol; 90:565-70

5. Sullivan KJ, PhD, PT, Knowlton BJ, PhD, Dobkin BT, MD. Step Training With Body Weight Support: Effect of Treadmill Speed and Practice Paradigms on Poststroke Locomotor Recovery. 2002 Arch Phys Med Rehabil Vol 83, May.

6. Roesler H, Canavezzi A, Bonamigo, ECB, Haupenthal A. Desenvolvimento e teste de suporte de peso corporal Instrumentalizado para o treino de marcha em esteira. 2005, Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 3.

7. Faria CDV, Moreira MCS, Barbosa MCC, Sabbag LMS. Utilização do suporte de peso corporal em solo no treino de marcha do lesado medular (2005). 8. Filippin, Taisa N, Murazo CF, Bonamigo M, Beber EC. A influência do treinamento da marcha com suporte parcial de peso corporal na diplegia espástica / The effects of gait training with partial body weight support in spastic diplegia. 2007, Fisioter. Bras; 8(3): 214-217, maio-jun.

9. Gama MCS, Fernandes LFRM, Benites EG, Rodrigues S, Teodor MR. Avaliação de um treinamento estático de carga parcial de peso/ Evaluation of Partial Static Weight Load Training. Acta Ortop Bras. 2008.

10. Chong W, Bonamigo ECB, Sossmeier JD, Eckhardt M. Desenvolvimento de um sistema de suporte de peso corporal para reabilitação físico-funcional. Revista Brasileira de Biomecânica, 2008 Ano 9, n.17, novembro.

11. Felicel DT, Antoniazzo BRJA, Binotto PM. Análise da densidade mineral óssea de portadores de Encefalopatia crônica não progressiva – um estudo piloto Analysis of bone mineral density in patients with chronic non progressive Encephalopathy. 2009.

12. Yoneyama SM, Silva TLM, Baptista JS, Mayer WP, Paganotti MT, Costa PF. Eficiência do treino de marcha em suporte parcial de peso no equilíbrio de pacientes hemiparéticos. Rev Med (São Paulo). 2009 abr.-jun.;88(2):80-6.

13. Pereira E, Manffra EF, Setti JAP, Dutra CMR, Aguiar LR. Desenvolvimento de instrumentação para aplicação e avaliação do treinamento locomotor com suporte parcial de peso. 2009 dez. Rev. Bras. Eng. Biom. v. 25, n. 3, p. 185-197.

14. UMPHRED DA, Reabilitação Neurológica, 2010, 5º edição.Editora Elsevier, pg57.

15. Melissa S, Maioral D, Falcão C, Antonio E, Kosour L, Dragosavac C, FREIRE D. Nubia VL. Efeito imediato do ortostatismo em pacientes internados na unidade de

terapia intensiva de adultos. The effects of orthostatism in adult intensive care unit patients 2011. 16. Sousa CO, Barela GA, Medeiros CLP, Salvini TF, Barela AMF. Gait training with partial body weight support during overground walking for individuals with chronic stroke: a pilot study/ O treinamento de marcha com suporte parcial de peso corporal durante piso fixo caminhando para indivíduos com acidente vascular cerebral crônica: um estudo piloto. 2011 Neuroeng Rehabil. 8: 48.

17. Florindo M, Pedro R. O processo de aprendizagem motora e a neuroplasticidade The motor learning process and the neuroplasticity, 2014.

18. Celestino ML, Gama GL, Longuinho GSC, Fugita M, Barela AMF. Influência do alívio de peso corporal e da superfície de suporte durante o andar de crianças com paralisia cerebral espástica. Fisiot.mov. 2014 vol.27 no.4 Curitiba Oct./Dec.

19. Dutra CMR, Dutra CMR, Moser ADL, Manffra AF. Treino locomotor com suporte parcial de peso corporal na reabilitação da lesão medular: revisão da literatura. Fisioterapia movimento, Curitiba, 2013 set./dez. 907-920.

20. Matsuno VM, Camargo MR, Palma GC, Alveno D, Barela AMF. Análise do uso de suporte parcial de peso corporal em esteira e em piso fixo durante o andar de crianças com paralisia cerebral. Revista Brasileira Fisioterapia, São Carlos, 2009 set./out. 404-10.

21. Haupenthal A, Schutz GR, Souza PV, Roesler H. Análise do suporte de peso corporal para o treino de marcha. Fisioter. Mov. 2008 abr./jun. (2):85-92.

22. Liston R, Mickelborough J, Harris B, Hann AW, Tallis RC, Conventional physiotherapy and treadmill retraining for higher-level gait disorders in cerebrovascular disease. Age Ageing. 2000;29:311-8.

23. Threlkeld AJ, Cooper LD, Monger BP, Craven AN, Haupt HG. Temporospatial and kinematic gait alterations during treadmill walking with body weight suspension. Gait Posture. 2003;17:235-45

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.