IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE FRATURA DE COLO DE FÊMUR EM IDOSOS DE 80 ANOS

RENILCE RODRIGUES FERREIRA

Trabalho de Conclusão do Curso de Fisioterapia, Faculdade Uninassau, para obtenção do título de Fisioterapeuta.
Orientador: Prof. Dr. Francisco Carlos Santos Cerqueira.

Prof. Dr. Francisco Carlos Santos Cerqueira.

DEDICATÓRIA
Dedico este trabalho a minha família que me acompanharam durante toda esta trajetória.

AGRADECIMENTO
Agradeço a Deus, pelo fim de mais essa etapa, pelos sonhos que se concretizam, pela sua infinita bondade e auxílio, dando-me sabedoria para superar tantos obstáculos ao longo dessa caminhada.
A minha familia que tiveram paciência e compreenção em muitos momentos que fiquei ausente me dedicando ao curso.
Agradeço ainda, aos professores coordenadores do curso e o professor Dr. Francisco Carlos Santos Cerqueira pelo apoio e estímulo durante a orientação deste trabalho, nos quais levarei em minha jornada profissional.
A todos fica o meu muito obrigada!!!

EPIGRAFE
Não abandone a sabedoria e ela protegerá você. Ame-a e ela lhe dará segurança.
(Provérbios. 04: 06)

RESUMO

A Fisioterapia é um campo que requer consideração, pois através de seus procedimentos realizados torna a vida do idoso, mais ativa e prazerosa. O fisioterapeuta é um profissional que pode atuar, tanto na prevenção, quanto no tratamento das alterações que ocorrem com o envelhecimento. Este trabalho teve como objetivo identificar a importância da Fisioterapia no tratamento de fratura de colo de fêmur em idosos a pós a cirurgia; a Fisioterapia traz a reabilitação de volta a saúde, a qualidade de vida e a funcionalidade, o mais próximo do possível da vida do idoso; a Fisioterapia no tratamento no caso dos idosos submetidos a procedimentos cirúrgicos pós-fraturas femorais, é direcionada para a melhora do equilíbrio, evitando assim fatores de risco para quedas e sua recorrência. Trata-se de uma pesquisa de um estudo descritivo, caracterizado por uma análise literária em periódicos científicos e manuais do Ministério da Saúde abordando temas inerente a saúde do idoso e a prevenção a quedas na terceira idade. Cujas descritores utilizados foram: Prevenção a quedas, Envelhecimento ativo e Fisioterapia. O tratamento fisioterapêutico pode ser necessário em qualquer fase da vida, porém no idoso tem uma relevância não só de tratamento, mas também de prevenção e intervenção, o que ajuda na melhora da qualidade de vida.

Palavras-chave: Fisioterapia, Fratura, Cirurgia, Idosos.

ABSTRACT

Physiotherapy is a field that requires consideration, because through its performed procedures it makes the elderly’s life more active and pleasurable. The physiotherapist is a professional who can act, both in prevention and in the treatment of changes that occur with aging. This study aimed to identify the importance of Physiotherapy in the treatment of femoral neck fractures in the elderly after surgery; Physiotherapy brings rehabilitation back to health, quality of life and functionality, as close as possible to the life of the elderly; Physiotherapy in the treatment of the elderly who undergo surgical procedures after femoral fractures, is aimed at improving balance, thus avoiding risk factors for falls and their recurrence. It is a research of a descriptive study, characterized by a literary analysis in scientific journals and manuals of the Ministry of Health addressing themes inherent to the health of the elderly and the prevention of falls in the elderly. The descriptors used were: Fall prevention, Active aging and Physiotherapy. Physiotherapeutic treatment may be necessary at any stage of life, but in the elderly it is not only relevant for treatment, but also for prevention and intervention, which helps in improving the quality of life.

Keywords: Physiotherapy, Fracture, Surgery, Elderly.

1. INTRODUÇÃO

O presente artigo é resultado de um estudo inicial da pesquisa que tem como Tema:A importância da Fisioterapia no tratamento de fratura de colo de fêmur em idosos. Delimitação do tema: A Fisioterapia no tratamento de fratura de colo de fêmur em idosos de 80 anos homens. Problema: O processo de envelhecer é dinâmico e progressivo, onde ocorrem várias mudanças morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas, fazendo com que ocorra uma alteração no organismo do idoso, tornando-o mais vulnerável a diversas situações que podem gerar algum tipo de lesão.

Diante desse fato, Por que a Fisioterapia no tratamento de fratura de colo de fêmur em idosos a pós a cirurgia é importante? Hipóteses: A Fisioterapia traz a reabilitação de volta a saúde, a qualidade de vida e a funcionalidade, o mais próximo do possível da vida do idoso; A Fisioterapia por meio da cinesioterapia e recursos eletrotermoterápicos atua nos três níveis de atenção melhorando ou recuperando a independência funcional e autonomia do idoso; A Fisioterapia no tratamento no caso dos idosos submetidos a procedimentos cirúrgicos pós-fraturas femorais, é direcionado para a melhora do equilíbrio, evitando assim fatores de risco para quedas e sua recorrência.

Objetivo geral: Investigar quais os tratamentos propostos pela Fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur em idosos submetidos a reparo cirúrgico, por meio de uma revisão de literatura. Objetivos específicos: Identificar por que a Fisioterapia traz a reabilitação de volta a saúde, a qualidade de vida e a funcionalidade, na vida do idoso; Entender por que a Fisioterapia por meio da cinesioterapia e recursos eletrotermoterápicos atua, melhorando ou recuperando a independência funcional e autonomia do idoso. Analisar por que a Fisioterapia no tratamento no caso dos idosos submetidos a procedimentos cirúrgicos pós-fraturas femorais, é direcionado para a melhora do equilíbrio, evitando assim fatores de risco.

Justificativa: Por ser a fratura do quadril um problema de saúde pública, pesquisas na área podem impactar no prognóstico dessa doença, reduzindo suas complicações e aumentando a expectativa e qualidade de vida dos pacientes. Além disto, a incidência de fraturas de fêmur entre os idosos aumentará com o envelhecimento da população, resultando em um ônus econômico crescente. Como demonstrado, diversos estudos sugerem vantagens da implementação de um modelo multidisciplinar de cuidados para pacientes idosos com fraturas do quadril.

No Brasil, apesar de estarem disponíveis na literatura muitos estudos sobre osteoporose, não foi encontrado nenhum a respeito do custo-efetividade da implantação de unidades multidisciplinares para o tratamento do idoso com fratura osteoporótica de fêmur. Atualmente, o processo de envelhecimento populacional observado no mundo é fato marcante em todas as sociedades. Tal processo é definido como a mudança na estrutura etária da população, o que leva a um aumento relativo da quantidade de pessoas acima de determinada idade, considerada como definidora do início da velhice. No Brasil, é definido como idoso o indivíduo que tem 60 anos de idade ou mais.

Diversos aspectos contribuem para o aumento na expectativa de vida como melhores condições sociais e de saneamento, uso de antibióticos e de vacinas, que influenciam diretamente na qualidade de vida. A pesquisa é importante por que no seu bojo traz novas informações para a problemática em questão. A Fisioterapia tem um papel fundamental na reabilitação no pós-operatório da fratura de fêmur em idosos, a fim de prevenir e tratar as alterações funcionais que ocorrem devido a esse trauma. São vários os exercícios e meios terapêuticos para se trabalhar diversos fatores como mobilidade.

Força muscular, equilíbrio postural, coordenação motora, propriocepção, marcha, dentre outros. A fratura no colo do fêmur é encontrada frequentemente na população acima de 60 anos de idade e ocorre, na maioria das vezes, por trauma de baixa energia, especialmente em queda da própria altura. A sintomatologia caracteriza-se por dor no quadril acometido, que pode irradiar- -se para a coxa e o joelho.

Nesse contexto supra mencionado a pesquisa é relevante uma vez que o resultado trás novo conhecimento a respeito do assunto em pauta, também contribui de forma positiva na mudança de comportamento dos idosos que passou por esse processo. Metodologia: Este trabalho é uma pesquisa pra verificar quais os tratamentos propostos pela Fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur em idosos submetidos a reparo cirúrgico, por meio de uma revisão de literatura.

Metodologia: A metodologia de desenvolvimento deste trabalho estar dividida em quatro etapas: Etapa 1: Análise da literatura com foco na área da Fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur em idosos submetidos a reparo cirúrgico; Etapa 2: Desenvolvimento do plano de atividades de pesquisa Bibliográfica e documental da Fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur; Etapa 3: Identificação dos tratamentos propostos pela Fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur em idosos submetidos a reparo cirúrgico, por meio de uma revisão de literatura. Fase hospitalar, após a alta hospitalar; Etapa 4: A avaliação dos resultados obtidos através das pesquisa de revisão de literatura. Fase hospitalar, após a alta hospitalar. A Fisioterapia tem um papel fundamental na reabilitação no pós-operatório da fratura de fêmur em idosos.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1 Investigar quais os tratamentos propostos pela Fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur em idosos submetidos a reparo cirúrgico, por meio de uma revisão de literatura.

É de grande importância, independentemente do tipo de fratura e material usado para fixação, que este paciente fique em ortostatismo e deambule o mais precoce possível para evitar complicações respiratórias e outras complicações inerentes ao imobilismo, porém algumas vezes isso não é possível pelo estado de saúde geral do paciente. Em um estudo, realizado na enfermaria hospitalar, onde os pacientes foram divididos em 2 grupos, um para deambulação precoce e outro para deambulação tardia, foram encontradas evidências de que a estabilidade cardiovascular é um dos principais determinantes do sucesso da deambulação precoce após a cirurgia de fratura do quadril e essa marcha precoce foi determinante para o aumento da funcionalidade dos sujeitos, quando comparados ao grupo de marcha tardia.
(OLDMEADOW LB, EDWARDS ER, KIMMEL LA, KIPEN E, ROBERTSON VJ, BAILEY MJ. 2006).

2.2 Analisar quais os tratamentos propostos pela fisioterapia para as fraturas proximais do fêmur em idosos submetidos a reparo cirúrgico, por meio de uma revisão de literatura.

intervenção fisioterápica no paciente com fratura de fêmur é indicada tanto para a reabilitação, quanto para a prevenção de complicações, não importando se o paciente foi submetido ao tratamento cirúrgico ou ao tratamento conservador. Há necessidade de uma equipe multiprofissional para o adequado acompanhamento e sucesso no tratamento. Fazer com que o indivíduo que sofreu fratura de fêmur tenha uma boa evolução e um acelerado retorno funcional e evitar possíveis complicações, é o objetivo do tratamento fisioterápico (LUSTOSA; BASTOS, 2009).

2.3 Identificar por que a fisioterapia traz a reabilitação de volta a saúde, a qualidade de vida e a funcionalidade, na vida do idoso.

Muitos pacientes que sofreram fratura de fêmur, não voltam ao estado funcional anterior da fratura. Menos da metade dos idosos que sobrevivem após um ano da fratura, conseguem deambular sem auxílio e as atividades de vida diária são realizadas independentemente por 40% dos idosos nessa situação. A falta de deambulação no pósoperatório acarreta diminuição da força muscular, fazendo com que esses idosos fiquem mais propensos a sofrerem novas quedas, aumentando o risco de nova fratura. É muito provável a ocorrência de uma nova fratura dentro do primeiro ano de recuperação, em uma proporção de 6 a 20 vezes maior que a fratura inicial (CARNEIRO; ALVES; MERCADANTE, 2013).

2.4 Entender por que a fisioterapia por meio da cinesioterapia e recursos eletrotermoterápicos atua, melhorando ou recuperando a independência funcional e autonomia do idoso.

A presença de doenças osteoarticulares, como: osteoporose, osteoartrite e artrite reumatoide causam incapacidades, desequilíbrios e podem contribuir para novas quedas. Para que o tratamento tenha um bom resultado é muito importante que o paciente, família, cuidador e terapeuta estejam em perfeita sintonia. A prescrição de exercícios físicos, trabalhando a força dos músculos abdominais, paravertebrais, lombares, multífidos e membros inferiores, para manter ou ganhar equilíbrio no idoso, é muito importante para evitar quedas e recidivas de fratura de fêmur (MESQUITA et al. 2009).

2.5 Análise do problema:

O envelhecimento nada mais é que um conjunto de alterações das estruturas e funções do organismo que de forma progressiva e natural vão acontecendo, especificamente por causa do avanço da idade. Elas modificam o organismo e prejudicam ou dificultam a adaptação ao meio ambiente. (CAROMANO, 2007) O processo natural do envelhecimento, associado, a inatividade física, pode, gradualmente, levar a redução do desempenho físico, uma forte causa para o episódio de queda (SIQUEIRA et al., 2007), sendo esta incidência maior após 75 anos (CESARI, 2002).

Intervenções mais eficazes baseiam-se em identificar precocemente nos idosos o mais riscos nas quedas, adequação do espaço físico e ainda a pratica regular de atividade físicas.

2.6 Desdobramento do problema

O envelhecimento pode ser definido como um processo sociovital multifacetado ao longo de todo o curso da vida. A velhice denota o estado de “ser velho”, condição que resultado processo de envelhecimento que gerações vivenciaram e vivenciam dentro de contextos sociais, políticos e individuais diversos (LIMA et al., 2008; NERI, 2006) Segundo Carvalho Filho; Papaléo Netto (2006).

O envelhecimento enquanto processo tem sido classificado em teorias biológicas, psicológicas e sociais. Dentre as quais, a mais visível é a biológica uma vez que o caráter encontra-se presente em todos os seres vivos animais. Nos seres humanos esse processo acarreta modificações profundas das funções orgânicas, com reduções das reservas funcionais e predisposição a muitas doenças e, consequentemente, a morte.

Para MARTINS ET AL., (2009) Durante o envelhecimento a vida saudável é resultante da manutenção da autonomia e da independência. Sendo a primeira como a capacidade de decisão do indivíduo, e a segunda como aptidão de realizar algo por meios próprios. Portanto, quando se quantifica o grau de autonomia do idoso, bem como o seu grau de independência no desempenho das atividades diárias, está se avaliando a sua saúde e qualidade de vida.

2.7 Diferentes teorias

O risco de cair aumenta significativamente com a idade e com o nível de fragilidade, sendo que os fatores responsáveis por uma queda podem ser intrínsecos (relacionados com o indivíduo) e/ou extrínsecos (relacionados ao ambiente) (WHO, 2004; PERRACINI, 2005; PEREIRA et al., 2001; CHRISTOFOLETTI et al., 2006; MENEZES & BACHION, 2008; REBELATTO & MORELLI, 2007).

De acordo com esses autores, os fatores extrínsecos estão associados às dificuldades propiciadas pelo ambiente, entre os quais podemos mencionar: pisos escorregadios, encerados e molhados, ausência de corrimão, assentos sanitários muito baixos, prateleiras muito altas, mesas e cadeiras instáveis, calçados inapropriados, escadarias inseguras, calçadas esburacadas, degraus de ônibus muito altos, iluminação inadequada, tapetes soltos ou com dobras, roupas excessivamente compridas, obstáculos no caminho (objetos, fios).

Os fatores intrínsecos dizem respeito às alterações fisiológicas relacionadas à idade e são inúmeros, fazendo com que o diagnóstico e o tratamento se tornem bastante complexos (WHO, 2004; PERRACINI, 2005; TINETTI et al., 2006). Relata que os fatores de risco intrínsecos para quedas são: história de quedas; idade; gênero (em idosos jovens as médias de quedas para homens e mulheres são iguais.

Este trabalho teve como objetivo identificar a importância da Fisioterapia no tratamento de fratura de colo de fêmur em idosos a pós a cirurgia; a Fisioterapia traz a reabilitação de volta a saúde, a qualidade de vida e a funcionalidade, o mais próximo do possível da vida do idoso.

A Fisioterapia no tratamento no caso dos idosos submetidos a procedimentos cirúrgicos pós-fraturas femorais, é direcionada para a melhora do equilíbrio, evitando assim fatores de risco para quedas e sua recorrência. Trata-se de uma pesquisa de um estudo descritivo, caracterizado por uma análise literária em periódicos científicos e manuais do Ministério da Saúde abordando temas inerente a saúde do idoso e a prevenção a quedas na terceira idade.

Cujas descritores utilizados foram: Prevenção a quedas, Envelhecimento ativo e Fisioterapia. O tratamento fisioterapêutico pode ser necessário em qualquer fase da vida, porém no idoso tem uma relevância não só de tratamento, mas também de prevenção e intervenção, o que ajuda na melhora da qualidade de vida.

2.8 Resultados e discussão

Para que o objetivo do presente estudo fosse alcançado foram encontrados 34 artigos deste foram selecionados 07, sendo que 05 descreveram sobre equilíbrio, 01 sobre exercício físico, e 01 sobre hidroterapia.

ANOAUTORIDEIA CENTRAL DO AUTOR
2008RESENDE, SM E RASSI CMConclui-se que o programa de exercício de hidroterapia proporciona aumento do equilíbrio e redução do risco de quedas em idosas
2009PIMENTEL, Renata Martins e SHEICHER Marcos EduardoConclui-se que o desempenho no teste de Berg foi pior no grupo sedentário do que no ativo, sugerindo que o idoso sedentário têm maior risco de quedas e que a pratica regular de atividades físicas interfere nesse desempenho
2012FERNANDES, Ana Mércia Barbosa Leite et alConclui-se que um programa de exercícios físicos direcionados para o treino da força, equilíbrio e propriocepção foi capaz de melhorar o desempenho físico e funcional dos idosos, incrementando sua capacidade funcional e diminuindo o risco de quedas
2014PAGLIOSA, Lays Cavallero e RENOSTO AlexandraA aplicação de proposto programa incrementou o equilíbrio e o desempenho da marcha dos idosos reduzindo o risco de ocorrência de quedas
2015CASTRO, Pala Maria Machado Arantes; MAGALHAES Alice Martins de CRUZ Adriana Leite Curcio e REI, Núbia Suely Ribeiro DutraConclui-se que apenas ser do gênero feminino associou-se com a história pregressa de quedas. Esse dado sugere que as associações entre as variáveis analisadas e ocorrência de quedas podem variar de acordo com o perfil da amostra estudada
2016TANAKA, Érica Harumi et alConclui-se que os exercícios proporcionaram benefícios para o equilíbrio dos idosos investigados, embora o grupo domiciliar tenha apresentado os melhores resultados
2017GONCALVES, Andrea Kruger et alConclui-se que houve assim uma tendência na melhora do equilíbrio após o treinamento, auxiliando na prevenção de quedas

A Fisioterapia na saúde gerontologia, atua no atendimento a pessoa idosa, de forma holística, integral, em todos os seus sistemas cardiovascular, respiratório, musculoesquelético, neurológico, urológico e gastrointestinal, respeitando a sua Fonte: MIGUEL JUNIOR (2017) individualidade e o contexto social que está inserido. Pode atuar de forma preventiva ou reabilitadora, promovendo a independência funcional, para as atividades básicas de vida diária e apresenta o intuito de reduzir as implicações das alterações fisiológicas e patológicas da senilidade, contribuindo para o seu bem estar, qualidade de vida e para a promoção da saúde do idoso (DUARTE, 2013; RIBEIRO, 2010).

O tratamento preconizado para esses pacientes, atualmente, é de preferência o cirúrgico, com colocação de material de osteossíntese, por gerar estabilidade e um retorno funcional mais precoce, de forma que o idoso não fique acamado por longo período de tempo, agravando seu estado de saúde, podendo levá-lo a um declínio funcional severo e até a morte. Dentre os materiais de osteossíntese disponíveis para a abordagem cirúrgica destas fraturas têm-se as hastes cefalomedulares, placa e parafuso deslizante e próteses do quadril.

Após a fixação da fratura a Fisioterapia se torna de extrema importância para estes pacientes, visando à mobilização precoce, o treino de marcha e outros métodos de tratamento para manter ou restaurar possíveis déficits. Portanto, este estudo tem como objetivo realizar uma revisão sistemática da literatura sobre protocolos de tratamento fisioterapêutico após fraturas proximais de fêmur tratadas cirurgicamente em pacientes idosos.

3. CONCLUSÃO

Promover o envelhecimento saudável da população idosa é um dos grandes desafios da nossa sociedade, são vários fatores que desencadeiam o envelhecimento como sendo um fardo para muitos nessa fase da vida. As quedas são frequentes entre os idosos e produzem complicações que alteram negativamente a qualidade de vida dessas pessoas, afetando tanto fisicamente como psicologicamente, levando muitos a paralisarem suas atividades rotineiras e também a manter o isolamento no meio social.

O tratamento fisioterapêutico pode ser necessário em qualquer fase da vida, porém no idoso tem uma relevância não só de tratamento, mas também de prevenção e intervenção, o que ajuda na melhora da qualidade de vida. Viabilizar a saúde junto aos idosos deve tornar-se um habito constante, por isso, é de suma importância o acompanhamento de um profissional qualificado atuando na terceira idade, promovendo praticas preventivas de exercícios físicos.

Como exercícios de fortalecimento, de equilíbrio e de marcha, ambos trabalhados em sessões de Fisioterapia, as quais levam o aumento da força muscular; melhora o equilíbrio, a flexibilidade, a coordenação motora e a propriocepção, além do ensinamento de exercícios que futuramente poderão ser realizados sozinhos pelo paciente, tornando assim uma vida saudável e prazerosa. Diante desse contexto a atuação do fisioterapeuta na prevenção a quedas durante a terceira idade é extremante importante no ambiente domiciliar.

4.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CESARI M, Landi F, Torre S, Onder G, Lattanzio F, Bernabei R. Prevalence and risk factors for falls in an older community-dwelling population. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2002;57(11):M721-5.

CARNEIRO M. B.; ALVES D. P. L.; MERCADANTE M. T. Fisioterapia no pós-operatório de fratura proximal do fêmur em idosos. Revisão da literatura. Ata Ortopédica Brasileira [online]; v. 21, n. 3, p. 175-8, 2013. Disponível em URL: http://www.scielo.br/aob.

CARVALHO FILHO,E.T. de; PAPALÉO NETTO, M. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica.2. ed: São Paulo: Editora Atheneu,2006

CHRISTOFOLETTI, G. et al. Risco de quedas em idosos com doença de Parkinson e demência de Alzheimer: um estudo transversal. Rev Bras Fisioter, São Carlos/SP, v. 10, n. 4, p. 429-433, out./dez. 2006.

CANDELORO, J.M. ; CAROMANO, F.A. Efeitos de um programa de Hidroterapia na flexibilidade e na força muscular de pessoas idosas. Revista Brasileira de Fisioterapia, v.11, n. 4, p. 303-309, Jul/Ago 2007

LUSTOSA, L. P.; BASTOS E. O. Fraturas proximais do fêmur em idosos: qual o melhor tratamento? Ata Ortopédica Brasileira. [online]; v. 17, n. 5, p. 309-12, 2009. Disponível em URL: http://www.scielo.br/aob.

LIMA, A. M. M., Silva, H. S., & Galhardoni, R. (2008). Envelhecimento bem-sucedido: trajetórias de um constructo e novas fronteiras. Interface, 12(27), 795-807.

MARTINS, J. J.; et al., Avaliação da qualidade de vida de idosos que recebem cuidados domiciliares. Acta Paul Enferm., v.22,n 3, p. 265-71,2009

MENEZES, R. L. de; BACHION, M. M. Estudo da presença de fatores de riscos intrínsecos para quedas em idosos institucionalizados. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 1.209-1.218, 2008.

MESQUITA, G. V.; Lima M. A. L. T. A et. al. Morbimortalidade em idosos por fratura proximal do fêmur. Texto Contexto Enfermagem. Florianópolis, v. 18, n. 1, p. 67-73, Jan.Mar. 2009.

Oldmeadow LB, Edwards ER, Kimmel LA, Kipen E, Robertson VJ, Bailey MJ. No rest for the wounded: early ambulation after hip surgery accelerates recovery. ANZ J Surg. 2006;76(7):607-11

PERRACINI, M. R. Prevenção e manejo de quedas no idoso. In: Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP – Escola Paulista de Medicina. 1. ed. São Paulo: Manole, 2005. p. 193-206.

PEREIRA, S. R. M. et al., Quedas em idosos. 2001.

REBELATTO, J. R.; MORELLI, J. G. S. Fisioterapia geriátrica. 2. ed. São Paulo: Manole, 2007.

TINETTI, M. et SIQUEIRA FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, et al. Prevalência de quedas em idosos e fatores associados. Rev Saúde Pública. 2007;41(5):749-56.

al. Fall risk evaluation and management: challenges in adopting geriatric care practices. The Gerontologist, Oxford, v. 46, n. 6, p. 715-725, 2006.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. What are the main risk factors for falls amongst older people and what are the most effective interventions to prevent these falls? 2004.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.