HIDROTERAPIA

Existem relatos que antigas civilizações já utilizavam a água como meio de cura (a cultura proto – índia, os antigos egípcios, assírios, muçulmanos e os hindus), mas foi a civilização grega que deixou de ver a água como elemento místico, começando a utiliza-la em tratamentos físicos específicos.
Sandra Ehms 1
Jorge Moura 2
Franklin Aquino 3-3309-2543

O que é a final hidroterapia?
Segundo a maioria dos livros especializados a hidroterapia é a utilização terapêutica da água. Existem pelo menos duas linhas de tratamentos: a de exercícios semelhantes aos aplicados em solo(cinesioterapia), utilizando – se ou não de equipamentos como flutuadores e pesos; a linha que utiliza técnicas específicas como Halliwick, Bad Ragaz, Watsu e as técnicas que surgiram através do aprimoramento de uma destas. Todas estas são utilizadas de forma terapêutica pelo profissional de fisioterapia.

Qual é a mais eficaz?
Não é necessário o julgamento da aplicabilidade da linha de tratamento aquático mais eficaz, o importante é aplicá-las de forma correta.
Como foi descrito por Chamlian T.R em Medicina Física e Reabilitação: o uso de exercícios ou movimentos como forma de tratamento, com base no princípio de qualquer órgão , se adapta ao estresse aos quais foram submetidos. Os exercícios terapêuticos envolvem aplicação e ajustes de estresses de forma apropriada para produzir as adaptações desejadas sem provocar lesões.
A utilização de exercícios dentro do ambiente aquático, é beneficiado pelos efeitos físicos(densidade relativa, flutuação viscosidade, pressão hidrostática, turbulência, metacentro e outros).
Diversos autores tem estudado a água e seus efeitos no organismo. Epstein observou que um aumento da temperatura de 34,5 para 37 graus c após duas horas de imersão bloqueia e retrocede o processo de diurese; Franchimont em 1983 observou irritabilidade, cansaço e relatos de sono por mais de 3 horas após terapia, em seus pacientes submetidos a tratamentos em temperatura acima de 35 graus por mais de 20 minutos. Outro autores relatam que temperaturas abaixo de 32 graus podem provocar tensão em pacientes neurológicos. Alguns autores defendem a temperatura de 34 à 35 graus para o processo terapêutico, levando em consideração o tempo de imersão, o meio ambiente, a estação do ano e a patologia.
Os efeitos no corpo humano.
Um ser humano imerso ao nível do pescoço (C7) suporta somente 10% do seu peso corporal ( devido ao fator flutuação) consequentemente hà uma descarga de peso nas articulações. Os efeitos da densidade da água, incompressibilidade e pressão hidrostática criam uma compressão significativa sobre todos os tecidos do organismo na imersão; com a imersão até o pescoço, aproximadamente 700 cm cúbicos de sangue são desviados das extremidades para o centro das grandes veias do tórax e do coração, disparando reflexos de defesa para sobrecarga central que inibem o hormônio ante diurético aumentando o estímulo urinário (diurese) diminuindo o volume de plasma e a estimulação do Fator natriurético atrial que contribui para a diurese, natriurese, vasodilatação e supressão da aldosterona, evidenciando assim a resposta renal com a imersão.

Vários benefícios da hidroterapia podem ser enumerados , dentre eles destacamos :
A diminuição das forças de compressão nas articulações, facilitando os movimentos das mesmas; aumento do suprimento sanguíneo para os músculos, melhorando a sua oxigenação; facilitação da ação de músculos que não vencem a ação da gravidade; facilitação das reações de equilíbrio e endireitamento, visto que a resistência da água é infinitamente maior que a do ar, proporcionando assim um maior tempo para as reações e alterações posturais, facilitando também o ortostatismo e marcha.
1 Fisioterapeuta responsável pelo setor de watsu e terapia para terceira idade do Centro Integrado de Reabilitação e Terapia Aquática (CIRTA), Professora assistente do método Halliwick credenciada pela associação inglesa e holandesa do método Halliwick e credenciada pela World wide aquatic body work association (WABA) em watsu I, II e III.
2 Fisioterapeuta responsável pelo Centro Integrado de Reabilitação e Terapia Aquática (CIRTA) e o Centro de Terapia Aquática (CTA), professor assistente do método Halliwick credenciado pela associação inglesa e holandesa do método Halliwick e credenciado pela World wide aquatic body work association (WABA).
3 Fisioterapeuta da equipe de Hidroterapia do Centro Integrado de Reabilitação e Terapia Aquática (CIRTA) e Credenciado pela associação inglesa do método Halliwick.

Técnicas de terapia aquática ( Halliwick, Bad Ragaz, Watsu).

O método Halliwick foi criado em 1949 por James Mac Millan (formado em engenharia química) na escola Halliwick para moças, em southgate Londres.
Após a Segunda guerra mundial James Mac millan prestou o serviço voluntário como professor de natação na escola Halliwick que é uma escola para crianças com necessidades especiais, a finalidade do método era o controle do equilíbrio na água e ensina las a nadar, James Mac Millan não utilizava flutuadores e sim os próprios efeitos físicos da água que são:
empuxo/gravidade, flutuação, turbulência, metacentro que é o alinhamento do centro de gravidade e a linha de flutuação e outros pontos básicos como princípios mecânicos do liquido, estimulação da pele, desvio ocular para iniciar e/ou estimular movimentos, transferencias e etc.
James Mac Millan desenvolveu um programa que fosse fácil o aprendizado dos movimentos para tal tarefa, a este programa ficou conhecido como programa dos dez pontos, que consiste em dez pontos subordinados a três fases.
Com o tempo os pais questionaram os médicos neurologistas sobre a melhora da função das crianças em casa, logo os médicos reconheceram os benefícios terapêuticos do método.

Fisioterapeuta Jorge Moura auxiliando a paciente realizar o 5 º ponto (rotação longitudinal) do programa dos dez pontos do método Halliwick no Centro Integrado de Reabilitação e Terapia Aquática RJ.

O método Bad Ragaz foi criado entre 1957 à 1960 ( 1960 tornou – se conhecido como método Bad Ragaz devido a incorporação do trabalho de Maggie Knott em Vallejo.) por Dr. Zinn (diretor médico), Briget Davis, Nele Ipsen e Beatrice Egger.
O Bad Ragaz tem uma similaridade com o método de Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva, neste método utiliza – se de flutuadores ( colar cervical, cinto pélvico e flutuadores de extremidades.
O fisioterapeuta é o ponto fixo e assim o paciente é quem executa o movimento, a resistência é gerada pelo movimento do corpo na água causando turbulência, entre os benefícios que é propiciado pelo método com grande eficácia destacam se o fortalecimento, alongamento e relaxamento de estruturas osteomusculares. Nesta técnica permite se realizar exercícios passivos, isométrico, isotônico assistidos e resistidos.

Fisioterapeuta Sandra Ehms realizando alongamento passivo de tronco no Centro de Terapia Aquática RJ.

A técnica watsu é um processo terapêutico realizado em piscina aquecida desenvolvida na Califórnia em 1980 por Harold Dull difundido recentemente no país. Através do calor da água, do ambiente tranqüilo, da música, respiração ritmada, dos movimentos suaves de alongamento e do toque em pontos de tensão muscular, o paciente experimenta um estado profundo de relaxamento.
Quem se beneficia do watsu?
A terapia beneficia aqueles que apresentam dores crônicas, disfunções neuromusculares, insônia, fibromialgia, cefaléia, depressão, síndrome do pânico, estress entre outros.

Fisioterapeuta Sandra Ehms realizando Watsu no Centro Integrado de Reabilitação e Terapia Aquática RJ.

A busca do aprimoramento do profissional , que determinará qual linha seguir, seja da cinesioterapia aquática ou a utilização das técnicas específicas. É claro o fato que não é necessário o julgamento da mais eficaz e sim a qualidade e o bom senso de quem a aplicará.
Referencias para esclarecimentos.

Centro Integrado de Reabilitação e Terapia Aquática (CIRTA) – rua Vitor Konder, 344 – Barra – RJ – fone: 0xx 21 – 2495 5871.
Centro de Terapia Aquática (CTA) – rua Araticum, 337 – Anil – RJ – fone: 0xx 21- 2447 9151 ou 2436 5836 – –
E mail – cta@ctaweb.com.br

AUTOR
Dados Pessoais

Endereço para contato – rua Vigilante Fortunato – 561 – Bangu – RJ CEP 21860 – 450
Franklin Aquino (Fisioterapeuta)
E mail – franklin.ferr@ig.com.br
Telefone : 0 xx 21 3309 25 43.
Celular: 0 xx 21 96866285.

Obs.: qualquer sugestão ou problema entre em contato.

Obrigado!

Franklin.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.