Dr. Helder Montenegro

Quem é |
Dr. Helder Montenegro
Contribuiu para divulgar a Fisioterapia Manual em todo o Brasil, organizando e ministrando cursos, palestras e congressos.
Esta formatando a primeira franquia de Fisioterapia no Brasil.


Em que ano e em qual faculdade se formou?
1985 Universidade de Fortaleza-UNIFOR.

Cidade, estado?
Fortaleza – CE

Qual foi a melhor coisa que fez na vida?
Ter ido para o Instituto Fazzi Amatuzzi em São Paulo após a conclusão do curso de Fisioterapia em Fortaleza (1985) e iniciado os estudos de fisioterapia manual 1988.

Qual foi a pior coisa que fez na vida?
Acredito que fiz e continuo fazendo muitas coisas boas para fisioterapia e as poucas decisões e escolhas ruins que fiz, vejo sempre como aprendizado e lições de vida, portanto faria tudo outra
vez.

O que você mais gosta na profissão?
Quando os pacientes e seus familiares reconhecem a importância da fisioterapia na resolução dos seus problemas de saúde.

O que você odeia na profissão?
Os picaretas que surgem diariamente na fisioterapia com técnicas milagrosas para enganar os estudantes e os novos colegas, como, também, a falta de critérios mais rigorosos para implantação de cursos de graduação e pós-graduação no nosso país.

Que qualidade mais admira nos profissionais que te cercam?
Ética e honestidade.

Que qualidade detesta nos profissionais que te cercam?
Quando eles têm tempo e não o aproveitam para estudar e quando falta iniciativa e dedicação.

Qual sua maior virtude?
Ajudar e orientar os colegas que estão iniciando em sua profissão, continuar estudando e empreendendo na Fisioterapia.

Qual seu pior defeito?
Não ser organizado.

Se pudesse mudar algo, o que seria?
Diminuir o número de faculdades de fisioterapia no nosso país e melhorar a oferta de trabalho para fisioterapeutas.

Qual maior mentira já contou?
Existem pacientes que querem retornar precocemente as suas atividades esportivas ou até mesmo ao trabalho, para eles uma mentira tipo:
vai botar a perder a cirurgia, pode fraturar novamente, vai romper etc.sempre cai bem.

Qual foi o fato mais inusitado em sua profissão?
A minha mudança da Fisioterapia Convencional para Fisioterapia Manual, não só me ajudou muito com a independência profissional, como pude contribuir para divulgação destas novas técnicas em todo o Brasil.

Qual foi o fato mais cômico?
O ITC Vertebral recebe diariamente inúmeros e-mails através dos quais pessoas de diversas partes do mundo buscam ajuda e esclarecimento para seus problemas clínicos. Daí vem esta pérola:
“Tomei uma queda a 01 mês e quebrei o cotovela, mas a coluna ficou doando e a gorra estou com muitas dores e fica irradiando para a barriga e fico com vontade de fazer coco. O que será isto?Já tem 03 dias.”

Qual seu maior arrependimento?
Só agora aos quarenta e poucos anos resolvi aprender Inglês, deveria ter estudado antes.

Qual dica daria aos colegas?
Estudar, ver e atender muitos pacientes é melhor que muitas pós-graduações, fazer um curso especifico na sua futura área de atuação, vendo se o mercado nesta área não está saturado e, por fim, procure mostrar o seu trabalho (marketing) com ética.

Qual objeto de desejo?
A nova mesa de “drop” e Flexion Distracion Ergostyle Hylo do Chattanooga Group Inc.

Diga um desafio?
Contribuir para que a fisioterapia brasileira seja reconhecida e conhecida por todas as classes sociais do nosso país, pois sabemos que menos de 20% da nossa população conhece e tem acesso a esta profissão, e desta forma ampliaríamos o mercado de trabalho.

Quer fazer alguma divulgação?
III Congresso Internacional de Fisioterapia Manual.
www.fisioterapiamanual.com.br

38 • ed.58 | set/out 2007 • F&T

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.