Habilidades e competências necessárias para um fisioterapeuta: Você tem?

O nível de complexidade e autonomia conquistada pela Fisioterapia nos últimos anos remete ao aumento da responsabilidade na busca de nossa formação e da nossa atuação profissional (BISPO JUNIOR, 2010).

Segundo as diretrizes curriculares para os cursos de graduação em Fisioterapia (BRASIL, 2002) devemos possuir seis competências e habilidades gerais:

1. Atenção à saúde: Desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema de saúde, ser capaz de pensar criticamente,

de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções para os mesmos. Deve realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética. A responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde.

2. Tomada de decisões: Uso apropriado, eficácia e custo efetividade da força de trabalho, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Deve avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas.

3. Comunicação: Deve ser acessível e deve manter a confidencialidade das informações. A comunicação envolve comunicação verbal, não verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de comunicação e informação.

4. Liderança: Deve estar apto a assumir posições de liderança, sempre tendo em vista o bem estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz.

5. Administração e gerenciamento: Deve estar apto a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que deve estar apto a ser empreendedor, gestor, empregador ou líder da equipe de saúde.

6. Educação permanente: Deve ser capaz de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Deve aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágios das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja beneficio mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços, inclusive, estimulando e desenvolvendo a mobilidade acadêmico/profissional, a formação e a cooperação através de redes nacionais e internacionais.

Referências

* BRASIL. CNE. Resolução CNE/CES 4/2002. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002.
* BISPO JUNIOR, José Patrício. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, supl. 1, Jun 2010.

drrodrigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.