Fundamental para a saúde do corpo, a coluna vertebral exige cuidados desde a juventude.

Especialistas orientam como prevenir e aliviar as crises. A falta de atividade física ou o excesso da mesma são os pontos mais comuns de desgaste da estrutura corporal.

As dores e os demais sintomas de desgaste na coluna vertebral sinalizam um prejuízo para toda a base de sustentação do corpo. Não à toa, os relatos de crises na região costumam revelar uma situação que envolve, praticamente, um “colapso” físico. Independentemente da parte afetada, do osso sacro à cervical, o problema requer muita paciência para o alívio da crise até a restauração do equilíbrio. 

Um problema de coluna normalmente necessita de uma série de especialistas a fim de cuidar e tratar o paciente. Ortopedistas, fisioterapeutas, professores de yoga e de pilates, todos têm uma função nesse processo. Para a fisioterapeuta Ediara Rios, também professora da especialidade, a maioria dos casos têm algo em comum: uma disfunção na biomecânica do corpo. 

“Esses problemas, às vezes, têm irradiações para os braços e pernas, como dormência, queimação, formigamento. Os músculos e articulações não estão trabalhando como deveriam. A fisioterapia vai desenvolver todo o sistema músculo-esquelético para restabelecer a funcionalidade e a biomecânica das articulações”, diz. 

O descuido mais comum que provoca o desgaste da coluna, destaca a fisioterapeuta, está em duas extremidades: a falta de atividade física ou o excesso. O sedentarismo também gera fraqueza muscular. E o exagero na intensidade dos exercícios leva à sobrecarga da musculatura. “A coluna é muito exigida para fazer alguns movimentos, principalmente para carregar peso”, pontua Ediara. Embora o problema seja normalmente associado ao envelhecimento, a população mais jovem tem tratado essa questão desde cedo. Segundo Ediara Rios, a juventude chega no consultório após adoecer por conta do excesso de atividade física. O sobrepeso é outro fator comum de desgaste. Com a longevidade, por outro lado, é natural que todo o corpo sofra alterações e isso inclui a estrutura da coluna. 

Recomendações 

A fisioterapeuta observa que a prática de atividade física moderada, o principal remédio prescrito por todos os profissionais da área de saúde, ganha um sentido especial quando se trata da coluna. No entanto, quando o paciente está em crise, não é hora de se exercitar. Recomenda-se a consulta ao ortopedista e o tratamento fisioterapêutico, basicamente. 

“Nesses momentos de crise, se exercitar só vai acentuar as dores. Com a ajuda de um profissional, o paciente vai tratar as articulações, vértebras e os músculos para recuperar a funcionalidade e o equilíbrio. Quando acabar com as dores, pode caprichar na atividade física e verificar sempre a medida do peso”, sugere Ediara Rios.

Freio 

O digital influencer de gastronomia e viagens Luiz Victor, 28, viu no desgaste de sua coluna um “freio” no ritmo da vida frenética que costumava levar. Ainda bem ativo, hoje ele faz fisioterapia uma vez por semana e, quase diariamente, pratica pilates ou musculação para evitar novas crises. Desde outubro de 2018, Luiz já teve duas protusões na região lombar da coluna e três hérnias de disco. “Já fazia tratamento por conta das protusões. Seis meses depois, senti algo esticando e rasgando na região dos glúteos. Viajei a trabalho, a dor piorou. E chegou a um ponto que eu não conseguia andar. Fiz uma radiografia com urgência e descobri as hérnias. Fiquei muito preocupado”. 

Além de passar maior parte do tempo conectado, Luiz viaja regularmente e tem dificuldade de manter uma rotina. Ele coloca, no entanto, que a disciplina de cuidados tornou a saúde de seu corpo mais estável. 

“Tive uma crise semana passada, mas foram dores musculares, por conta de estresse. Não teve relação com as hérnias. O problema todo é consequência do hábito das novas profissões, a gente vive uma vida muito agitada. E precisa fortalecer os músculos pra evitar ainda mais desgaste”, reflete. 

Integração 

Além do pilates, a prática do yoga costuma ser indicada para o reajuste da coluna. Segundo a tradição oriental, a região é um pilar estrutural e energético de todo o ser. “É um sistema por onde passa toda a parte nervosa, e também energética. Os chakras (centros de energia do corpo) envolvem toda sua extensão. Para ter uma boa distribuição da energia, um sistema nervoso equilibrado, é fundamental alinhar a coluna”, observa a professora de yoga Solange Valle. 

A profissional observa como alguns iniciantes na prática chegam aos espaços de yoga orientados por médicos. “A recomendação é que se faça um exercício de consciência corporal. E há uma frequência grande de jovens que precisam alinhar a coluna por conta da má postura”, sinaliza. 

Solange percebe como uma série de problemas na coluna tem relação com questões emocionais. E reforça que o yoga atua tanto na correção como na prevenção dos desajustes posturais. “O pilates é mais focado em pontos no corpo. O yoga integra as partes. A prática dá força, alongamento e consciência corporal. Não é recomendada quando se está na fase crítica de uma crise de coluna. Mas trabalha a questão do ajuste depois dessa fase”, esclarece a professora.

(Prevenção) 

SONO 
Na hora de dormir, a melhor posição é de lado, com um travesseiro entre os joelhos. É bom evitar deitar de bruços 

DESPERTAR 
Ao acordar, é recomendado virar o corpo para o lado e começar a levantar-se de lado. Evitar se deslocar abruptamente, pra frente 

OBJETOS 
Para apanhar objetos no chão, o movimento ideal é agachar-se dobrando os joelhos, sem inclinar a coluna. Carregar peso excessivo também deve ser evitado 

MOCHILAS 
Quando utilizar mochilas, ajustar as duas alças nos ombros e atentar para o excesso de volume dentro do acessório 

SALTO 
O uso de salto pode acarretar dor na região lombar. Deve-se evitar, caso provoque dor 

CADEIRAS 
No ambiente de trabalho, utilizar cadeiras que não reclinam para trás, com apoio para os braços. Sentar usando todo o encosto e apoiar os pés no chão. A tela do computador precisa ficar à altura dos olhos 

Fonte: Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC) 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.