FORTALECIMENTO EM MULHERES SOBREPESO: VISÃO PREVENTIVA

Strengthening in overweight women: Vision preventive

Fernanda Aparecida de Ornelas Massuia1, Fátima Aparecida Oliveira2, Gilmara Figueiredo Santos2, Juliana Cruz2

1 Fisioterapeuta Docente da Universidade Católica de Santos, especialista em Dermato Funcional, Doutora em Mastologia, aluna de pós doutorado na Ufscar
2- Fisioterapeuta pela Universidade Católica de Santos, Especialista em Dermato Funcional

Endereço para correspondência:
Rua Mário Manuel Sales Algodool, 163 Bairro Novo Jardim Pagani, CEP17024-240 Cidade de Bauru – SP – Brasil – (14)32391754, professora.fernanda@ig.com.br

RESUMO
O aumento da circunferência abdominal em mulheres, sobrepeso, tem predisposição à alterações metabólicas e cardiovasculares. O objetivo foi verificar o uso da corrente elétrica neuromuscular, na redução de medidas em abdome de mulheres sobrepeso. O presente ensaio clínico, prospectivo e não controlado apresentou população de conveniência com doze mulheres, com idade média de 48 anos, sobrepeso (média de IMC=29.83 Kg/m2), randomizadas em dois grupos; GI – Controle (n=6) e GII – Tratamento (n=6), submetidas a cinco momentos avaliativos M1 (Avaliação), M2 (após 10 sessões), M3 (após 20), M4 (após 30) e M5 (após 40). O protocolo com corrente russa foi aplicado ‘’durante 50 minutos, três vezes semanais, no período médio de quatro meses, em região abdominal, com avaliação perimêtrica cintura e abdome. Pelo teste “t” de Student foi evidenciada diminuição abdominal com relação à medida antes e após as sessões de tratamento de corrente elétrica em pacientes sobrepesos.
Palavras-chave: Dermato Funcional, Estimulação elétrica neuro muscular, corrente russa, abdome.

ABSTRACT
The increase in waist circumference in women, overweight, is predisposed to cardiovascular and metabolic disorders. The objective was to verify the use of neuromuscular electrical current in the reduction of measures in abdomen of women overweight. This clinical trial, prospective and uncontrolled population of convenience presented with twelve women, with an average age of 48 years, overweight (mean BMI = 29.83 kg/m2), randomized into two groups, GI – Control (n = 6) and IGI – Treatment (n = 6), subject to five times evaluation M1 (Evaluation), M2 (after 10 sessions) and M3 (after 20), M4 (after 30) and M5 (after 40). The current protocol with Russia”was applied for 50 minutes, three times per week, the average period of four months in the abdominal region, with evaluation perimetric waist and abdomen. On the “t” test Student decrease was evident with regard to abdominal taken before and after the sessions of treatment of electrical current in overweight patients
Keywords: Functional Dermato, neuro electrical muscle stimulation, current Russian, abdomen.

INTRODUÇÃO
Estudos recentes sugerem que as prevalências de sobrepeso e obesidade vêm crescendo, já atingindo níveis considerados epidêmicos. Segundo a OMS, já existem 250 milhões de pessoas obesas no mundo e, conforme o IBGE, 40% da população está acima do peso. Da mesma maneira, já é conhecida a notável freqüência desta entidade nos indivíduos do sexo feminino. A obesidade não é uma patologia isolada, constituindo fator de risco para o desenvolvimento de muitas outras doenças. As complicações orgânicas decorrentes da obesidade são variadas e incluem problemas respiratórios, diabetes mellitus, hipertensão arterial, dislipidemias, osteoartrite, entre outras.
A hipertrofia abdominal e diminuição de sua circunferência constituem objetivos de base na maioria dos programas de exercícios de condição física geral. Na mulher, o trabalho abdominal assume destaque, relevando algumas condições específicas da mulher, como a gestação e parto. Além do efeito estético abdominal proporcionado por estes programas, o sexo feminino pode ser beneficiado também na prevenção de doenças e obtenção da saúde. Trabalhos mostram a relação da circunferência abdominal com a ocorrência de doenças metabólicas e cardiovasculares (lean, 1995).
Na tentativa de propor à hipertrofia abdominal e diminuição perimétrica a fisioterapia, ciência cujo principal objeto de estudo é o movimento humano (Oliveira, 2002) utiliza de arsenal terapêutico, como protocolos de exercícios associados ou não ao uso de corrente elétrica.
Como exemplo deste arsenal, pode ser citado os programas de fortalecimento muscular. Estes programas são utilizados na clínica fisioterapêutica como forma de restabelecer às funções normais de um músculo quando debilitado (Guirro, 2002) ou melhorar seu desempenho.
Embora compreendamos a participação da corrente elétrica associada à contração muscular ativa, pouco se analise o efeito deste protocolo em mulheres com sobrepeso.

2. OBJETIVO
Este estudo teve como objetivo verificar o uso da corrente elétrica neuromuscular, na redução da circunferência abdominal, em mulheres sobrepeso.

3. MATERIAIS E MÉTODOS
3.1 Sujeito e composição dos grupos de estudo
O presente ensaio foi clínico, randomizado, prospectivo e não controlado desenvolvido na cidade de Santos-SP, em consultório particular de uma das autoras, localizado no Bairro Gonzaga.
Os critérios de inclusão foram: sexo feminino, cor branca, com idade entre 40 e 56 anos, sobrepeso, sedentárias, do lar e com disponibilidade de horário. Os critérios de exclusão foram: diabetes, hipertensão arterial, labirintite ou doenças cardiovasculares, e vivência de corrente russa.
Para o estudo foram selecionadas 12 participantes, distribuídos em 2 grupos (n=6):
Grupo I (G1) – Tratamento. Grupo II (G2) – Controle.
Para a randomização dos respectivos grupos foram disponíveis em um envelope opaco, papeis de mesma gramatura e tamanho com duas cores, o vermelho e o verde. Cada paciente foi orientada a pegar um papel, e que não houvesse auxílio visual, se fosse da cor verde faria parte do Grupo I e se fosse a cor vermelha, seria o Grupo II.
3.2 Método
Para consecução do objetivo proposto, este estudo foi dividido em cinco etapas:

Etapa I – Levantamento dos pacientes
Foi realizada a divulgação deste estudo entre as clientes do consultório, com o objetivo que as mesmas trouxessem colegas compatíveis com os critérios de inclusão e exclusão e que até o momento não estivessem em condições financeiras satisfatórias para este acompanhamento.
Inicialmente foram levantadas 20 participantes e descartadas 8 devido a incompatibilidade de horário.
As 12 restantes foram submetidas ao cálculo do IMC, onde foi confirmado o sobrepeso, obedecendo às recomendações da OMS.
O IMC foi calculado dividindo o peso pela altura4, o resultado desta divisão foi consultado na tabela abaixo:


Antes de serem iniciadas as Avaliações foram disponibilizadas as participantes a Carta para Consentimento Livre e Esclarecido.
As integrantes deste estudo não foram limitadas às atividades diárias, ocupacionais, porém foi orientado a não iniciarem a prática de atividade física na praia ou em academia até o término dos levantamentos dos dados.

Etapa II – Avaliação
Esta etapa foi composta por anamnese e avaliação física.
A anamnese foi realizada pelo levantamento dos dados pessoais e clínicos. As informações referentes ao estado civil, cor, naturalidade, nível educacional, profissão, peso, altura e perfil alimentar. Foi considerado perfil alimentar, o número de alimentações diárias, horários, tipo de alimentação e quantidade.
A avaliação física foi realizada pela perimetria conduzida pelo auxílio uma fita métrica com capa plástica de material flexível, com precisão de 1 milímetro, com 7 milímetros de largura.
A mensuração obedeceu aos critérios da Anthropometric Standardization Reference Manual, sendo realizada da seguinte forma: na região de cintura (sobre o umbigo) como demonstra a Figura 1 e no abdome (2,5 cm abaixo do umbigo), verificado no final da expiração máxima como demonstra a Figura 2.

Etapa III – Intervenção

Foram realizadas 40 sessões de eletroestimulação com o aparelho de corrente russa em região de abdome, três vezes semanais, no período médio de quatro meses.

Foi utilizado o equipamento de Corrente Russa, fabricado pela Ibramed®, indústria nacional de tecnologia eletrônica LTDA, (Figura 3) 10 canais independente, apresentando uma forma de pulso Bifásico senoidal com freqüência de 2500Hz com modulação de freqüência de pulso de 50Hz, despolarizada simétrica. Com isso obtemos trens de pulso (burst) com duração de 10 milisegundos e intervalos de também 10 milisegundos.

Os parâmetros do equipamento foram de 2500Hz (corrente russa), freqüência do estímulo de 5 Hz, subida (rise) de 3 segundos, descida (decay) de 2 segundos, tempo de contração de 6 segundos para 6 segundos de relaxamento. Foram orientadas que as participantes realizassem contração isométrica, intercalando os músculos estimulados durante a passagem da corrente.

Cada intervenção foi realizada durante 50 minutos aproximadamente, com disposição 4 canais (8 eletrodos) em região abdominal, sendo 1 canal em cada reto abdominal e 1 em cada obliquo, como demonstra a Figura 4.

Etapa IV – Reavaliações

Esta etapa seguiu o mesmo procedimento que o item avaliação, sendo aplicado em cinco momentos distintos. O M1 (Avaliação), M2 (após 10 sessões), M3 (após 20), M4 (após 30) e M5 (após 40 sessões de intervenção).

Na prática foi conduzida a avaliação física em cada sessão antes e após intervenção fisioterapêutica, porém para melhor visualização dos resultados foram analisados apenas os quatro momentos descritos.

Uma das autoras ficou responsável pelos momentos avaliativos (Avaliação e Reavaliações) a qual não obteve a informação em qual grupo a respectiva participante se encontrava, para que não houvesse a possibilidade de sugestionar os dados da avaliação; e as outras autoras responsáveis pela Etapa da intervenção. Uma apenas para colocação dos eletrodos e manipulação do equipamento e a outra pela voz de comando e correção da postura e dos movimentos.

Etapa V – Análise dos dados

Foi realizada análise estatística pelo teste T de Student.

RESULTADOS

As tabelas demonstram as distribuições de valores e médias da circunferência abdominal, respectivamente.

Pela análise estatística realizada, com o teste “t” de Student com significância (p menor que 0,01); sendo observado o seguinte resultado para perimetria: p >0,05.

No grupo tratamento, para a formulação do problema, isto é, verificação do resultado ter sido positivo ou não foram levantas duas hipóteses. A hipótese 0 (H0) é de que o tratamento não fosse efetivo, ou seja, a média das medidas antes (M1) e depois (M5) são iguais e a hipótese 1 (H1) de que o tratamento é efetivo e houve redução das medidas abdominais, ou seja, a média antes é maior do que a média final. Desta forma o teste se mostrou unilateral à direita.

A Tabela 4 mostra os valores das médias antes e depois do tratamento. Por ser um teste unilateral a direita a hipótese 0 é rejeitada se “t” é maior do que “tcrítico”. Através dos resultados obtidos pela análise estatística pelo método “t” de Student, pode-se aceitar a hipótese de que o tratamento tenha sido efetivo.

Tabela 4: Valores das médias antes e depois dos momentos avaliativos, no Grupo Tratamento.

Para o grupo controle tem-se a seguinte formulação; a hipótese 0 (H0) é de que não há diferença entre as médias antes (M1) e depois (M2) e a hipótese 1 (H1) é de que há redução das medidas abdominais sem o tratamento, ou seja, a média antes é maior do que a média final. Desta forma o teste se mostrou unilateral à direita.

A Tabela 5 mostra os valores das médias antes e depois do tratamento. Por ser um teste unilateral a direita a hipótese 0 é rejeitada se “t” é maior do que “tcrítico”. Através dos resultados obtidos pela análise estatística pelo método “t” de Student, pode-se aceitar a hipótese de que não há diferença entre as médias do grupo controle no inicio e no fim.

Tabela 5: Valores das médias antes e depois dos momentos avaliativos, no Grupo Controle.


DISCUSSÃO
O sexo feminino apresenta grande tendência no acúmulo de gordura, principalmente em regiões de abdome e flancos, sendo um dos grandes causadores a ação hormonal.
LEME (2003) descreveu a EENM como desgastante e fatigante quando comparado ao exercício voluntário normal, resultado da excitação sincrônica da unidade motora quando a estimulação elétrica é usada, enquanto a atividade fisiológica normal ocorre as sincronicamente.
A EENM apresenta um maior desgaste e fadiga pela sincronia da estimulação muscular o que não ocorre na contração voluntária, onde a estimulação ocorre sem sincronia5.
Na década de 70, foram publicadas alegações de que a corrente interrompida de média freqüência (2.500 Hz) poderia ser usada para gerar maior força muscular do que uma contração muscular voluntária máxima (Low, 2001), porém com os resultados obtidos neste estudo ficam em discussão os reais resultados frente à perda perimétrica.
Na década de 70, foram publicadas alegações de que a corrente interrompida de média freqüência (2.500 Hz) poderia ser usada para gerar maior força muscular do que uma contração muscular voluntária máxima (Low, 2001), porém com os resultados obtidos neste estudo ficam em discussão os reais resultados frente à perda perimétrica. A escolha pelo pulso bifásico é pela melhor aceitação de percepção (Guirro, 2002 e Brasileiro,2002). Como descreve CURRIER (1983) os pulsos bifásicos atendem às exigências do sistema nervoso, mudança rápida e alta freqüência de pulsos dentro de cada trem de pulso reduzindo o risco de acomodação dos axônios e não produzindo efeitos polares
Outros trabalhos foram conduzidos com o uso de corrente elétrica objetivando ganho de perimetria (Sivini,1999), força muscular (Ward, 2002) e endurance do músculo, relacionando a perda do tecido adiposo (Evangelista,2003).
JARUSSI (2001), VILLAR (1997) após protocolo de estimulação elétrica verificou diminuição do tecido adiposo.
É de suma importância trabalhos desenvolvidos principalmente na área da dermato funcional, seja para divulgação de experiências clínicas entre fisioterapeutas, desenvolvimento de hipóteses para pesquisas futuras além de fornecer material para o ensino da profissão, e auxiliar a formular parâmetros e guias de práticas clínicas (Evangelista, 2003).
Após o grande interesse em músculos desenervados no início da década de 60 com o uso da corrente elétrica, foi pesquisado o seu efeito no controle de dor e desenvolvidos tecnologias nas correntes.
Em 1977 foi pesquisado o efeito da corrente elétrica em atletas no ganho de força muscular. Em 1983 associando a exercícios voluntários (Grosse, 2002). Em 2002, em puérperas (Borges,2002) e em 2003 em pacientes amputados (Signorelli, 2003).
Há a necessidade de tempo suficiente de estimulação elétrica, para transformação de fibras do tipo II em I, mas resistentes, em aproximadamente 30 dias de tratamento (Fall,1998), pois adicionalmente, justificando o tempo deste estudo.
Além do efeito estético proporcionado pelo fortalecimento muscular, discute-se o efeito terapêutico pela diminuição de gordura (Jarussi, 2001) e medida corpórea (Evangelista, 2003), segundo a teoria da influência da contração muscular pela corrente elétrica para indução no metabolismo (catabolismo) de gordura.
SIVINI e LUCENA (1999), em estudo envolvendo quatro grupos, identificaram a ocorrência de maior ganho de perimetria no grupo submetido à eletroestimulação associada aos exercícios.
Em nosso estudo, 80% das participantes não praticavam qualquer atividade física. Além disto, o processo de modernização e transição econômica observado na maioria dos países tem promovido alterações na industrialização da produção alimentícia, que colabora para o consumo de dietas ricas em proteína e gordura e baixa em carboidratos complexos. Atualmente, existe maior quantidade de alimentos disponíveis, enquanto a demanda energética da vida moderna tem caído drasticamente, (Adams, 2000).
A vida sedentária provoca literalmente o desuso dos sistemas funcionais. O aparelho locomotor e os demais órgãos e sistemas solicitados durante as diferentes formas de atividade física entram em um processo de regressão funcional, caracterizando, no caso dos músculos esqueléticos, um fenômeno associado à atrofia das fibras musculares, à perda da flexibilidade articular, além do comprometimento funcional de vários órgãos (Jung, 1997).
O sedentarismo é a principal causa do aumento da incidência de várias doenças. Hipertensão arterial, diabetes, obesidade, ansiedade, aumento do colesterol, infarto do miocárdio são alguns dos exemplos das doenças às quais o indivíduo sedentário se expõe. O sedentarismo é considerado o principal fator de risco para a morte súbita, estando na maioria das vezes associada, direta ou indiretamente às causas ou ao agravamento da grande maioria das doenças (Coitinho, 1991).
Para os pesquisadores da área, sobrepeso e obesidade são termos distintos, embora com alguma relação. O sobrepeso é tido como o aumento excessivo do peso corporal total, o que pode ocorrer em conseqüência de modificações em um de seus componentes: gordura, músculo, osso e água, ou em seu conjunto. Por outro lado, a obesidade refere-se especialmente ao aumento na quantidade generalizada ou localizada da gordura em relação à massa magra (Lohman, 1991).
Vários estudos brasileiros mostram claras tendências regionais e temporais que situam a obesidade no Brasil como sério problema de saúde pública. Assim, os inquéritos populacionais de tendência da obesidade nos últimos 25 anos mostram aumento secular da prevalência da obesidade no Brasil (Monteiro, 1999).
Destaca-se que tanto a classificação do IMC como os da circunferência da cintura são baseados em risco associado de co-morbidades, e as duas medidas antropométricas são altamente correlacionadas (Who, 1995).
A prevenção do sobrepeso é o principal meio para diminuir a adiposidade abdominal, ou seja, intervenções que reduzam a adiposidade total irão diminuir a circunferência abdominal e terão impacto nas incidências de complicações metabólicas e cardiovasculares. Nessa perspectiva, o profissional fisioterapeuta além de atuar na reabilitação física também apresenta condições de promover estratégias que visem a mudanças no estilo de vida, tais como aumento da atividade física, abandono do tabagismo e modificações nos hábitos alimentares.
CONCLUSÃO
Após o término deste estudo pôde observar redução de medidas em região de abdome, em mulheres sobrepeso, dados confirmados estatisticamente.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA
Adams J, P; Murphy P, G. Obesidade e a intensidade das doenças. Jornal Brasileiro de Anestesia, 2000
Borges, F. S.; Valentin, E. Tratamento da flacidez e diástase do reto-abdominal no puerpério de parto normal com o uso de eletroestimulação muscular com corrente de média freqüência : estudo de caso. Rev. Bras Fisiot Dermato-Funcional. v. 1, n.1, 2002
Brasileiro, J. S.; Castro, C. E. S.; Parizotto, N. A. Parâmetrosmanipiuláveis clinicamente na estimulação elétrica neuromuscular (NMES).Revista fisioterapia Brasil, v. 3, n. 1, jan/fev, 2002
Coitinho D, C; Leão M, M; Recine E, Sichieri R. Condições nutricionais da população brasileira: adultos e idosos. Brasília, 1991.
Currier, D.P. Muscular strength development by electrical stimulation in healthy individuals. Physical Therapy, p.915-921, 1983.
Evangelista, A. R. et.al. Estudo comparativo do uso da eletroestimulação na mulher associada com atividade física visando a melhora da performance muscular e redução do perímetro abdominal. Rev. Fisiot. Bras. N.1, v.4, jan/fev, 2003.
Fall, M.; Lindstrom, S. Functional electrical stimulation: physiological basis and clinical principles. Int. Urogynecol. J., v.5, p. 296-304, 1998.
Grosse, D.; Singler, J. Reeducação perineal. São Paulo: Manole, 2002. 145p
Guirro, E.; Guirro, R. Fisioterapia dermato funcional: fundamentos, recursos e patologias, São Paulo: Manole, 2002.
Jarussi, G. O. et al. Estudo dos efeitos da NMES sobre o tecido adiposo e muscular do abdome. Rev. Fisiot. Bras. V.2, n.3, mai/ jun, 2001.
Jung R, T. Obesidade e as Doenças. Brazilian Medicine Bull, 1997.
Lean mej, han ts, morrison CE. Waist circumference as a measure for indicating need for weight management. BMJ 1995; 311:158-61
Leme, M. Manual de operações e intruções. Disponível em: Acesso: out. 2003
Lohman, T. G. Advances in body composition assessment. Champaign, Human Kinetics, 1992.
Low, J.; Reed, Ann. Eletroterapia explicada: princípios, prática, São Paulo: Manole, 2001.
Monteiro Ca, Conde Wl. A tendência secular da obesidade segundo estratos sociais: Nordeste e Sudeste do Brasil. Arq Bras Endocrinol Metabol. 1999; 43(3):186-94.
Oliveira, F. et al. Estimulação elétrica neuromuscular e exercícios com movimentos na diagonal para ganho de força em bíceps e tríceps braquial. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 6, n. 3, p.159-165, 2002.
Signorelli, M. C. et. Al. Protocolo para fortalecimento do membro residual através de eletroestimulação neuromuscular com modulação russa em amputações transtibiais proximais. Revista Reabilitar. v. 18, n.5, p. 40-3, 2003.
Sivini, S. C. L.; Lucena, A. C. T. Desenvolvimento da força muscular através da corrente russa em indivíduos saudáveis. Centro de ciências da saúde (CCS)/Departamento de fisioterapia/UFPE, p.1, 1999.
Villar, F. A. S.et al. Avaliação da capacidade de aferir torque voluntários da cadeira de bonnet adaptada e comparação de torques gerados por dois tipos de estimulação elétrica neuromuscular. In: Congresso Brasileiro de Biomecânica, 7, 1997. Anais, p. 465-72.
Ward, R.; Shkuratova, N. Russian electrical stimulations: the early experiments. Physical Therapy, v.82, n. 10, p. 1019-30, 2002.
Who. Physical Status: The use and interpretation of anthropometry. World Health Organization, Geneva 1995.
World Health Organization (who). Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva; 2003. (WHO -Technical Report Series, 916).

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.