Fisioterapia Preventiva nas Escolas: Um espaço ainda a ser conquistado!!!

Há mais de três décadas, um profissional de Fisioterapia Dr. Marco Antônio Guimarães começou a desenvolver um estudo sobre as deformidades da coluna vertebral em adolescentes em uma escola aqui no Rio de Janeiro.

Este trabalho se fez presente em palestras, cursos e livros e mesmo assim pouco se fez sobre o brilhante trabalho desde amigo querido desde os tempos dos bancos de faculdade na querida Escola de Reabilitação do Rio de Janeiro onde nos formamos e até hoje estamos presentes neste mister que é a Fisioterapia…

Em sua homenagem como Fisioterapeuta resolvi escrever este assunto como um novo alerta para que seja estabelecido as normas e programas Fisioterapêuticos onde possa ser vislumbrado a Fisioterapia Preventiva das deformidades posturais causadas por atitudes viciosas e ou a utilização de materiais impróprios ou desnecessários para estes alunos…

Este escrito, destina-se em especial a profissionais de Fisioterapia, professores e dirigentes de escolas como foi inicialmente feito pelo Dr. Marco Antônio Guimarães…

Estas linhas buscam a tendência natural no campo de trabalho na área preventiva que permita uma visão abrangente das possibilidades para a atuação do profissional nas escolas…

Nesta área o profissional de Fisioterapia poderia juntar-se a profissionais de educação e desenvolver uma nova busca para se evitar as posturas inadequadas deste alunos em sala de aula ou mesmo no carregar suas mochilas com peso exagerado acima dos 10% recomendados em função do seu peso corporal…

A Fisioterapia preventiva estaria antecipando a terapia por métodos posturais da escolioses, lordoses e ou cifoses estabelecidas, sendo a Fisioterapia preventiva  a melhor forma de se evitar tais deformidades…

Nos Estados Unidos da América do Norte, desde 1970 foi implantado um programa de “rastreamento” entre alunos entre 10 e 14 anos com venerabilidades a problemas posturais, sendo que estes alunos seriam submetidos a exercícios de flexibilidade da coluna vertebral principalmente na flexão anterior…

Este programa foi desenvolvido e realizados por Fisioterapeutas, Professores de Educação Física e Enfermeiros com o objetivo principal de verificar assimetrias da coluna e tronco durante a postura simples do movimento de flexão anterior…

Este programa resultou no conhecimento que cerca de 30% dos alunos testados tinham assimetria do tronco e coluna vertebral…

Estes alunos foram encaminhados a Fisioterapeutas que em um estudo mais aprofundados programaram praticas terapêuticas especificas para cada um dos alunos mediante o desvio e as assimetrias apresentadas no exame clínico fisioterapêutico…

Este programa permitiu que as atitudes posturais tratadas preventivamente puderam evitar ou diminuir posturas mais acentuadas ou definitivas como anteriormente foram diagnosticadas…

No Brasil esta atividade em acordo com as escolas perderam-se no tempo e desde o Dr. Marco Antônio Guimarães não mais se fez presente, embora algumas escolas do município do Rio de Janeiro, tenham projetos do programa saúde nas escolas que avaliam e encaminham estes alunos a serviços de Fisioterapia, mas estes mesmos alunos continuam na prática de atividades esportivas que poderão cada vez mais provocar assimetrias posturais…

Seria de grande valia  que estes alunos com problemas posturais fossem encaminhados a Fisioterapeutas na própria escola para a pratica de exercícios específicos para seus problemas posturais, sem que eles fossem afastados do processo de socialização entre os componentes de cada turma…

Sem duvida a analise da postura envolve diversos aspectos que vão desde os anatômicos, mecânicos, neuromusculares e aos psicossociais e cabe aos profissionais da Fisioterapia a tentativa junto aos governantes desenvolverem este exame simples mas eficaz nas escolas com o objetivo de diminuir as posturas assimétricas que se desenvolverão em posturas definitivas, diminuindo os gastos futuros para o estado e ou municípios junto as secretárias de saúde de cada um das competências…

Dr. Edson Virginio Rodrigues

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.