Fisioterapeuta brasiliense corre 58,8km e bate recorde da Wings for Life

Fonte: http://www.df.superesportes.com.br/

Disputada simultaneamente em 23 países, a corrida de rua Wings for Life reuniu 5.058 pessoas nas ruas de Brasília, no domingo (7/5). O número representa o recorde de inscritos no Brasil. Na capital, o vencedor da prova foi Luís Felipe Barboza, que correu em casa. O brasiliense bateu o recorde do país ao percorrer 58,88km. Entre as mulheres, a curitibana Letícia Saltori conquistou o bicampeonato, com 44,93km.

Luís Felipe, 29 anos, venceu a prova após quatro horas de percurso. O fisioterapeuta correu mais que o vencedor da prova no Brasil no ano passado. Em 2016, o britânico Thomas Payn completou 56,52 km. A ideia inicial de Luís era apenas participar da corrida, pois o foco dele é completar os 42km da Maratona de Porto Alegre, em junho. “Tive paciência e estava confiante, mas até agora a ficha não caiu pra mim”, diz.

Inscrito pela primeira vez para participar da corrida que não tem linha de chegada, a estratégia adotada foi manter um ritmo e usar a velocidade, segundo ele, o ponto forte. “A partir dos 30km, eu conquistei o primeiro lugar. Tive controle e soube até onde ir”, conta. De acordo com o corredor, cada quilômetro foi percorrido em cerca de quatro minutos.

Nascido em Taguatinga e criado em Ceilândia, ele conheceu a corrida em uma competição na escola em que estudava. Para ele, as maiores dificuldades foram o clima quente de Brasília e a reposição de energia durante a corrida. Como prêmio, Luís ganhou uma passagem para escolher o local onde competirá no próximo ano. “Já decidi que vou correr na Alemanha. Lá, a meta será é chegar próximo de 80km”, afirma.

Formato diferente

A corrida Wings for Life tem formato diferente das demais competições. Sem linha de chegada fixa, um carro conhecido como catcher car larga 30 minutos depois dos competidores e aumenta a velocidade gradativamente para alcançá-los. Em Brasília, o piloto pentacampeão da Stock Car Cacá Bueno foi responsável por dirigir o veículo. Outros atletas disputaram a prova, como o brasiliense medalhista de ouro olímpico Bruno Schmidt e o atleta de canoagem paralímpica Fernando Fernandes.

Fabio Piva/Wings for Life World Run

Neste ano, o cadeirante sueco Aron Anderson percorreu 92,14km, bateu o recorde e venceu a prova global. A quarta edição da competição arrecadou mais de R$ 23 milhões. O destino do dinheiro arrecadado com as inscrições é a fundação sem fins lucrativos Wings for life, que financia projetos de pesquisa sobre a cura de lesão na medula espinhal.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.