Existe colonização na Fisioterapia?

O pressuposto da colonização é a presença do colonizado. Do ponto de vista cientifico-cultural, no caso brasileiro, a resposta é sim; a Fisioterapia é colonizada porque não é autóctone. Melhor explicando: não é daqui deste lugar onde é encontrada e precisamos tomar por empréstimo termos que usualmente não são utilizados na Fisioterapia, para evidenciar a origem alhures de métodos, processos e técnicas terapêuticas. Mas isso não significa desmerecimento; basta recordar as palavras do Fisioterapeuta norte-americano Robert Poole, do Serviço de Reabilitação de Columbus no Estado da Georgia (USA), ao Diário de Pernambuco em outubro de 1986, durante o I Simpósio Brasileiro de Fisioterapia Desportiva:  “Apesar de o Brasil estar em em transição nos conceitos tecnológicos da Fisioterapia, em comparação com os Estados Unidos, estava impressionado com os profissionais brasileiros que atuam na especialidade, tanto a nível de conhecimento geral quanto em termos de criatividade na ministração dos tratamentos aos pacientes”.
 
Dois exemplos para aclarar a questão: fui aluno, aqui no Brasil, de Karin Lundborg – Fisioterapeuta sueca -, Consultora da Organização Mundial de Saúde, em Curso promovido pela Organização Pan-americana de Saúde nos anos 1970, em convênio com o Centro de Reabilitação Sarah Kubitschek, hoje denominado Rede Sarah, que trouxe para o Brasil o conhecimento da Fisioterapia praticada na Europa.  Nos anos 1980, tive como professor, o Tradutor e Monitor dos cursos Maitland no Brasil o Dr. Gordon Cummings, pelo Comitê Pernambuco/Georgia, dentro do Programa Companheiros das Américas.
 

A colonização não cessa; veio a influência francesa de Philippe Souchard com a RPG e as Técnicas de Respiração; a influência alemã surgiu com a “febre” – no sentido figurado de moda, mania -, do Método Pilates, que levou boa parte da categoria a formular esse questionamento: o Fisioterapeuta ministra aulas de Pilates ou utiliza-se do método como ferramenta terapêutica?

Outras influências colonizantes foram trazidas para o Brasil, o Método Bobath e a Acupuntura. O Método Bobath foi criado pelo casal Karel e Berta Bobath – ele Médico e ela Fisioterapeuta -, judeus de origem alemã radicados na Inglaterra que mantinham o Direito Autoral do seu método, se é que podemos usar essa expressão. Os Fisioterapeutas brasileiros recebiam formação específica na Inglaterra e ali obtinham dos autores permissão oficial para o ensino e a prática terapêutica. A outra influência, a Acupuntura, é chinesa, cuja prática  foi regulamentada pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional COFFITO, por meio da Resolução Nº 393/2011.

_______________________

Referências

– Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional COFFITO – Resolução Nº 393. Disciplina a Especialidade Profissional do Fisioterapeuta em Acupuntura/MTC (Medicina tradicional Chinesa) e dá outras providências.
http:/ww w.coffito.org.br/site/index.php/home/resolucoes-coffito/472-resolucao-n-393-2011-disciplina-a-especialidade-profissional-dofisioterapeuta-no-exercicio-da-especialidade-profissional-em-acupuntura-mtc-medicina-tradicional-chinesa-e-da-outras-prvidencias.html (acessado em 6 de novembro de 2015)


 – Diário de Pernambuco – 16/10/1986 Recife: Caderno Cidade – (pag. A-13) 

– Método Pilates: uma atividade regulamentada pela Fisioterapia  (Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 8ª Região – Paraná)
http://www.crefito8.org.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=433:o-metodo-pilates-uma-atividade-regulamentada-pela-fisioterapia&catid=13:noticias&Itemid=14 
(acessado em 3 de novembro de 2015)

– Roberto, Alessandra Martins – Conceito Bobath Tratamento Neuroevolutivo
http://www.abads.org.br/view_materia.php?i=420&s=68
(acessado em 6 de novembro de 2015) 

– Souchard, Philippe-Emmanouel – Respiração. São Paulo: SUMMUS, 1989

– Vieira, Risomar da Silva – Institucionalização da Fisioterapia: Um olhar sobre o processo histórico nos cenários internacional, brasileiro e paraibano – João Pessoa: Editora Universitária da UFPB – 2012 (pag. 72)

 

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.