EXERCÍCIO FÍSICO DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19

Dr. Michel Silva Reis (RJ)

Fisioterapeuta; Doutor em Fisioterapia, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar; Líder do Grupo de Pesquisa em Avaliação e Reabilitação Cardiorrespiratória – GECARE; Docente do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

PALESTRANTE CONFIRMADO

Contextualização: A doença provocada pelo vírus SARS-CoV-2 (COVID-19) em cinco meses se tornou uma pandemia mundial com quase 3 milhões de casos confirmados e 200.000 mortes no mundo(1) . No Brasil, até o dia 30 de abril de 2020, foram confirmados 85.380 casos e 5.901 óbitos com uma taxa de letalidade de 6,8% (1) . Nesse contexto, o período de quarentena tem se estabelecido como estratégia mais adequada para desacelerar a propagação rápida do COVID-19, sobretudo no Brasil, onde é pequena a possibilidade de testar os casos suspeitos, identificar geograficamente e isolar os doentes.
Iniciar um estado repentino de quarentena implica em uma mudança radical no estilo de vida da população. Em muitos casos, podem impactar no nível de aptidão física para manter um estado de saúde adequado (2) , com impacto negativo no controle de certas doenças, como diabetes, hipertensão arterial sistêmica, outras doenças cardiovasculares, doenças respiratórias ou simplesmente para garantir um envelhecimento ativo, reduzir o risco de fragilidade, sarcopenia e demência, como doenças associadas à pessoa idosa (2,3) . Além disso, o impacto psicológico negativo da quarentena pode flertar com estresse pós-traumático, sintomas de confusão e raiva. Por outro lado, o exercício físico tem se mostrado uma terapia eficaz para a maioria das doenças crônicas com efeitos diretos na saúde mental e física (3) . De maneira geral, a recomendação é que cada pessoa acumule entre 150 a 300 minutos por semana de exercício aeróbio de intensidade moderada, somada a duas sessões semanais de exercícios de fortalecimento muscular(4), podendo realizar também exercícios que otimizem o equilíbrio e a flexibilidade.

Desenvolvimento: O nosso Grupo de Pesquisa em Avaliação e Reabilitação Cardiorrespiratória (GECARE) publicou um E-Book para orientar indivíduos com COVID-19 assintomáticos/poucos sintomas ou não infectados com relação à prática de exercício físico na quarentena (Figura1) (4) .

Figura 1. Protocolos de exercícios físicos para a quarentena da COVID-19 (4).

Considerações finais: Neste sentido, orientar exercícios físicos é fundamental para a manutenção da aptidão física com impacto positivo sobre a função pulmonar, reserva imunológica, saúde mental para os indivíduos em quarentena.

Referências:

  1. Boletim epidemiológico. Ministério da Saúde. Governo Federal. 2020.
    https://coronavirus.saude.gov.br/profissional-gestor#boletins.
  2. Fletcher GF, Landolfo C, Niebauer J, Ozemek C, Arena R, Lavie CJ. Promoting Physical Activity
    and Exercise: JACC Health Promotion Series. J Am Coll Cardiol. 2018 Oct 2;72(14):1622-1639.
    doi: 10.1016/j.jacc.2018.08.2141.
  3. Ozemek C, Laddu DR, Lavie CJ, Claeys H, Kaminsky LA, Ross R, Wisloff U, Arena R, Blair SN.
    An Update on the Role of Cardiorespiratory Fitness, Structured Exercise and Lifestyle Physical
    Activity in Preventing Cardiovascular Disease and Health Risk. Prog Cardiovasc Dis. 2018 Nov –
    Dec;61(5-6):484-490. doi: 10.1016/j.pcad.2018.11.005.
  4. Reis MS, Oliveira GMM, Pinto EF, Guio B, Bezerra DVB, Nasser I, Floriano RS, Chaves T,
    Machado W. Como cuidar do seu coração na pandemia do COVID-19: recomendações para a
    prática de exercícios físicos e respiratórios. Rio de Janeiro, 2020. E-book. ISBN 978-65-00-01998-8. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/340661016_COMO_CUIDAR_DO_SEU_CORACAO_NA_PANDEMIA_DO_COVID-19_Recomendacoes_para_a_pratica_de_exercicios_fisicos_e_respiratorios_ABRIL_-2020/stats.
Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.