ESTIMULO PRECOCE E HIPOTONIA MUSCULAR: UM OLHAR DA FISIOTERAPIA NO TREINAMENTO SENSÓRIO MOTOR EM LACTENTE COM SINDROME DE DOWN

Lorena Pessoa Duarte¹
Jeronice Souza Rodrigues²

Trabalho de Conclusão do Curso de Fisioterapia, Faculdade Fametro, para obtenção do título de Fisioterapeuta. Orientador (a): Professora Jeronice Souza Rodrigues

¹Academica Finalista do Curso De Fisioterapia da Faculdade Metropolitana de Manaus – FAMETRO
²Fisioterapeuta Mestre; Docente da Faculdade Metropolitana de Manaus – FAMETRO


RESUMO

A Síndrome de Dowm é um quadro clinico que está ligada a genética proveniente de um cromossomo extra, apresentando problemas patológicos e sendo um deles o atraso no desenvolvimento atípico da criança. A estimulação precoce engloba multiplicidades de estímulos para auxiliar o desenvolvimento motor e cognitivo. Tema: Estimulo precoce e hipotonia muscular: Um olhar da fisioterapia no treinamento sensório motor do lactente com Síndrome de Dowm. Objetivo:O presente estudo tem como objetivo mostrar a importância da intervenção do fisioterapeuta através do estimulo precoce e relatar seus principais benefícios. Metodologia: Foi realizado estudo bibliográfico de artigos nacionais, publicado no período de 2010 a 2019, obtido a base de dados Scielo, revistas cientificas e livros, foram selecionadas 15 obras para a realização deste trabalho. Conclusão: O estimulo precoce em lactentes com Síndrome de Dowm mostra-se obter resultados significativos, além de diminuir os atrasos no desenvolvimento motor e cognitivo, aumenta habilidades funcionais e previne déficits futuros.

Palavras-chaves: Estimulo precoce, Síndrome de Dowm, Hipotonia muscular.

ABSTRACT

Dowm’s syndrome is a clinical condition that is linked to genetics from an extra chromosome, presenting pathological problems and one of them being the delay in the child’s atypical development. Early stimulation includes multiple stimuli to assist motor and cognitive development. Background: Early stimulation and muscle hypotonia: A look at physiotherapy in the sensory motor training of infants with Dowm Syndrome. Objective: The present study aims to show the importance of physical therapist intervention through early stimulation and report its main benefits. Methodology: A bibliographic study of national articles was carried out, published in the period from 2010 to 2019, obtained from the Scielo database, scientific journals and books, 15 works were selected to carry out this work. Conclusion: Early stimulation in infants with Dowm Syndrome has been shown to obtain significant results, in addition to decreasing delays in motor and cognitive development, increasing functional abilities and preventing future deficits.

Keywords: Early stimulation, Dowm’s syndrome, Muscle hypotonia.

INTRODUÇÃO

A Síndrome de Dowm é uma cromossomopatia cujo quadro clínico é explicado por um desequilíbrio presente na constituição dos cromossomos. A sua etiologia está ligada a um excesso de material genético proveniente de um cromossomo extra, devido o processo da não disfunção cromossômica, e que pode ocorrer através das seguintes formas: trissomia livre, translocação cromossômica e mosaicismo (EDUARDO et al, 2012).

A Síndrome de Down é uma das anomalias cromossômicas autossômicas mais frequentes, com incidência no Brasil de aproximadamente 1 a 700 nascidos cerca de 8.000 novos casos por ano. Dados referentes ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Estima-se que há em torno de 270 mil pessoas com Síndrome de Dowm no mundo (SEGUNDO MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2019).

Devido ao cromossomo extra, a Síndrome de Down demonstra alguns problemas na saúde do portador tais qual: atraso no desenvolvimento, cardiopatia congênita (40%), hipotonia (100%); problemas de audição (50 a 70%); de visão (15 a 50%); alterações na coluna cervical (1 a 10%); distúrbios da tireóide (15%); problemas neurológicos (5 a 10%); obesidade e envelhecimento precoce (FALCÃO, 2018).

O andar é comum nas crianças com SD, porém elas realizam a marcha com uma base alargada, maior oscilação de tronco e cabeça, não conseguindo manter os membros inferiores em extensão completa, apresentando um grau de flexão em nível de tronco, quadril e joelho. Crianças com SD aprendem a andar com atraso de um ano comparando a crianças com desenvolvimento típico (MATTOS, BELLANI, 2010).

O diagnóstico pode ser realizado antes do nascimento através de exames específicos, durante o pré-natal. A principal causa ainda não se sabe, mais a idade materna avançada é um grande fator causador da Síndrome de Down. Como condição genética o portador da Síndrome de Down (SD) apresenta uma série de características físicas e mentais, e em alguns casos apresentam a cardiopatia (CASSIMIRO; BARBOSA, 2012).

O tratamento fisioterapêutico está voltado às condições do paciente, no caso da Síndrome de Down como o tratamento está associado aos atrasos motores à fisioterapia se propõe a realizar treinos de marcha, mudanças transposturais, equilíbrio estático e dinâmico mediante as técnicas e recursos específicos em solo (ANBAR et al., 2013).

Pode-se observar déficits na marcha e na postura do sujeito com Síndrome de Down, perturbando o aparelho locomotor, o que infere sequelas acumulativas de sobrecarga nas articulações, decorrentes da hipotonia e frouxidão musculo-ligamentar (ROSSETTI, et. al. 2011).

Esta pesquisa mostrou-se relevante em visto que a capacidade motora da criança com Síndrome de Down é lento, ocasionando atrasos no seu desenvolvimento sensório motor e cognitivo, este estudo tem como objetivo mostrar que a intervenção fisioterapêutica precoce em lactentes com Síndrome de Dowm é importante pois através de estímulos precoce a fisioterapia proporciona um melhor condicionamento físico e contribuí em reduzir desordens tardias do desenvolvimento sensório-motor nos lactentes com Síndrome de Dowm.

METODOLOGIA

O estudo foi realizado através de uma revisão literária descritiva de materiais cientifico e bibliográficos, por meio de busca de dados dos sites disponíveis na Internet: SCIELO publicados nos anos de 2010 a 2018, e também em livros científicos encontrados via sites: faculdadeplus.com.br, acessibilidade.unf.br e movimento down em pdf disponível para download, outros livros poderão ser utilizados da biblioteca do Centro Universitário FAMETRO, foram estabelecidos os termos Síndrome de Down; Estímulos Precoce; Intervenção Precoce; Fisioterapia em bebê com Down.

Os critérios escolhidos para a inclusão das referências bibliográficas devem conter palavras-chaves relacionando o sujeito Síndrome de Down em suas pesquisas, a mesma também deveria ter suas publicações com no mínimo 10 anos até os dias atuais, para que haja a necessidade da coleta de dados mais recente e excluindo as chances de confronto de épocas distintas, foram incluídas também artigos de outras profissões como psicologia, pediatria, medicina e enfermagem que apresentam os termos pesquisados relacionando a Síndrome de Down e estimulo precoce pois neles encontram informações adversas que ajudaram a revisão desde estudo a se desenvolver.

Foram excluídos artigos, site, e revistas a cima de 10 anos, pois foi estabelecido que estudos mais recentes foram evoluídos conforme o assunto pesquisado, a exclusão de bibliografias cientifica com outras patologias adversas foram descartadas já que as citações nelas encontradas foge do tema escolhido. Os livros relacionados serviram para complementar dados retirados dos artigos.

Foram encontrados 30 artigos com base ao tema abordado, foi excluído artigos sem paginação, artigos sem compatibilidade ao tema abordado e os estudos encontrados que comparavam outras Síndromes com a Síndrome de Down. As ferramentas utilizadas nesta revisão foram: GOOGLE CHROME WORD OFFICE.

Com base nas etapas citadas e nos livros e artigos que abordam o tema escolhido foi realizada uma revisão literária, com afirmações concretas chegando a uma conclusão de que o estimulo precoce em crianças portadoras da Síndrome de Down desde os primeiros anos de vida é eficaz.

Figura 1: Fluxograma de identificação e seleção de artigos para revisão bibliográfica acerca da intervenção do fisioterapeuta por estimulo precoce em lactentes com Síndrome de Dowm.

Fonte: Autor, 2020

RESULTADOS

Foi possível montar uma tabela contentando os principais autores relevante com total de 9 artigos em ordem cronológica e os principais tipos de estímulos citados por eles que ajuda na diminuição do atraso do desenvolvimento motor, constatou-se que a intervenção do estimulo precoce em crianças portadoras da Síndrome de Down favorece a prevenção de atrasos motores futuros no desenvolvimento motor e cognitivo.

Também foi possível analisar uma tabela de um dos principais artigos que demostra um programa de intervenção fisioterapêutico que auxilia na eficácia da intervenção por estimulo precoce.

Figura 2 – Principais autores que mostram que o estimulo precoce é importante.

Na figura 3 é possível identificar conteúdos que contribuem para o estimulo do desenvolvimento da motricidade da criança com Síndrome de Dowm, foram identificadas diversas atividades que ajudam a estimular o desenvolvimento físico e cognitivo.

Figura 3 – Programa de intervenção motora para Sindrome de Dowm

N de sessõesObjetivos Estimular/desenvolverConteúdoAtividades
05Óculo manual e destrezaMotricidade FinaJogos de encaixe, separar blocos por cores, desenhos pinturas, pinçar pequeno objetos, passar fio na tela, furar pontos em isopor.
05Coordenação e controle do corpoMotricidade globalCircuito com obstáculos (bancos, elástico, corda, bola, cones), jogos com música (estátua), vivo ou morto, jogos com bola.
04Postura, Equilíbrio dinâmico/estáticoEquilíbrioDiferentes posições com diversos matérias (auxiliares ou não), jogos de troca de nível (subir, descer, correr, parar), etc.
04Imitações partes do corpo e rapidezEsquema corporalBrincadeiras no espelho relacionamentos (monitor, pais, amigos), brincadeiras cantadas, brincadeiras com papel, tintas, e figuras geométricas, etc.
04Percepção de espaço e percepção sensorialOrientação espacialJogos de quebra cabeça e encaixe, manusear vários matérias e classificar (grande/pequeno, grosso/fino, mole/duro).
04Linguagem e Estruturas temporaisOrientação temporalEstimular a composição de frases, conversar, cantar, brincadeiras com música (ritmo), palmas, bater o pé e parar.
06Dominância de mãos, pés, olhosLateralidadeJogos de encaixe, arremesso, jogos com bolas, saci-pererê, circuitos, mascara, binóculo, olho mágico.
Fonte: Revista Brasileira De Educação Especial

DISCUSSÃO

Pode-se observar que nos estudos apresentados na tabela 2, há vários tipos de estímulos que ajudam no desenvolvimento motor e cognitivo da criança com SD, demostrando a suma importância do estimulo precoce nos primeiros anos de vida do lactente com SD, na figura 3 mostra um programa de intervenção com atividades em forma de brincadeiras que tem o objeto de impulsionar o desenvolvimento dessas crianças, gerando a diminuição do atraso psicomotor e melhorando a qualidade de vida.

Segundo Mattos & Bellani o estimulo precoce basea-se nas fases do desenvolvimento Neuropsicomotor normal com intuito de reduzir os atrasos que já são existentes, com o propósito de aproximar o máximo do desenvolvimento normal, a fisioterapia precoce não tem o objetivo de tentar igualar o desenvolvimento psicomotor da criança com SD ao de uma criança com o desenvolvimento comum, nem exigir além do que esta criança é capaz, mas faze-la alcançar sua funcionalidade da forma mais adequada possível.

Perín (2010), diz que quando a criança é estimulada abre-se um conjunto de diversas oportunidades e experiências os quais a fará explorar o espaço ao seu redor assim adquiri habilidades que as façam entender o que ocorre ao seu redor. É importante motivar o potencial de cada um individualmente, apresentando objetivos e atividades adequadas que fortaleçam sua aprendizagem.

Santos, Wess e Almeida 2010, realizaram um programa de intervenção precoce (figura 3) com o objetivo geral de aprimorar o desenvolvimento da criança com SD de forma lúdica que englobaram as áreas de motricidade fina, global, equilíbrio, esquema corporal, organização espacial, temporal e a lateralidade, tento como resultado significativo no aumento das habilidades funcionais e obtendo diminuição do atraso motor, também foi possível observar ganhos importantes no seu desenvolvimento global, motricidade global, equilíbrio e organização espacial.

Cebalos et.al, 2011, diz que o estimulo proporcionado pelo lúdico auxilia no desenvolvimento global de maneira significativas nos processos referentes a comunicação e socialização, se tornando um fator fundamental para as crianças com SD, obtendo assim melhora no seu desenvolvimento cognitivo, efetivo, social e motor.

Giacchini et al., (2013), reforça a importante do estimulo precoce pois essa área contribui para novas perspectivas no desenvolvimento cognitivos e físico da criança e também na prevenção de distúrbios que possam surgir no desenvolvimento infantil. O estimulo precoce facilita a aquisição de habilidades, evita ou minimiza déficits psicomotores.

Tendo-se em vista que o desenvolvimento motor do lactente com Síndrome de Dowm é lento a intervenção fisioterapêutica de forma precoce no desenvolvimento dessas crianças se torna importante por envolver e englobar atividades que auxiliam na melhora de vida dessas crianças tanto na parte comportamental, quanto social. O acompanhamento fisioterapêutico na primeira infância tem resultados significativos principalmente na diminuição no atraso do desenvolvimento motor.

Segundo Gusso e Schuart 2013, estimular é uma atividade que proporciona que a criança desenvolva habilidades sensórias, motor, sociais, comunicação e cognitiva, impulsionando ainda mais no desenvolvimento de crianças com Síndrome de Dowm.

Movimento Dowm 2015, enfatiza a importância da intervenção do fisioterapeuta nos primeiros anos de vida do lactente com SD, pois o mesmo traça estratégias de atividades de forma lúdica que tem o objetivo de melhorar as habilidades e o desempenho tais como: melhora da marcha, melhora da coordenação motora, diminuição da hipotonia muscular.

Cintra, Oliveira e Veiga 2015, concordam com os autores anteriores que a melhor forma de se obter melhores benefícios é atrás do estimulo precoce pois fazer a criança ter contato com mundo é fundamental para que ela desenvolva sua identidade e sua autonomia.

Ramos e Muller 2016, realizaram um estudo onde indica que as crianças com SD possuem maior demanda de atrasos motores e cognitivo, com atraso médio de 1 a 2 anos de idade, e aos 12 meses a criança pode apresentar atrasos de 4 a 5 meses comparado a faixa etária prevista no desenvolvimento típico.

Tendo conhecimento dos principais problemas patológicos da criança com SD, o profissional da área da fisioterapia tem a capacidade de realizar condutas de acordo com a idade da criança e respeitando seu espaço e seus níveis de rendimento para que alcance seus objetivos tais como melhorar postura, déficits de equilíbrio, melhorar marcha, auxiliar na diminuição do desenvolvimento atípico dessas crianças, realizando atividades que visa em melhorar a aprendizagem e qualidade de vida, além disso previne outras possíveis disfunções futuras.

A fisioterapia ajuda em todos os aspectos no desenvolvimento da criança com SD, a intervenção do profissional dessa área durante os primeiros anos de vida se torna útil e trás grandes benefícios que também contribuí na sua fase já adulta, e com o ambiente ao seu redor ocorrendo melhoria inclusive na sua comunicação dando oportunidades a desenvolver sua própria independência, quanto mais rápido a intervenção mais ganhos benéficos a criança terá. A criança com Síndrome de Down pode ser estimulada assim que recebe alta do pediatra,

por tanto é importante a intervenção fisioterapêutica de imediato, pois com a presença do fisioterapeuta junto da mãe o mesmo corrigi posturas no colo tais como segura-lo de forma mais apropriada, e recebe orientações que podem evitar problemas durante a fase de crescimento do seu bebê com Down. A criança estimulada tem maior probabilidade de maior estabilidade de desenvolvimento.

É importante que o fisioterapeuta tenha conhecimento da Síndrome para que possa fornecer melhores informações para a família e traçar melhor conduta possível que ajudará no tratamento sempre respeitando a velocidade e ritmo visando sempre em melhorar a fase de desenvolvimento sem olhar para idade cronológica.

A criança com SD deve ter total atenção e um tratamento propício que ajude seu desenvolvimento ser evoluído como um todo, englobando desde a parte motora, cognitiva, muscular, ligamentar, respiratória, psicomotora e postural.

CONCLUSÃO

Com este trabalho foi possível relatar a importância do acompanhamento do fisioterapeuta de forma precoce nos primeiros anos de vida do lactente com Síndrome de Down pois mostra relevância em suas condutas de forma lúdica capaz de alcançar o principal objetivo que é a diminuição do atraso do desenvolvimento atípico da criança com SD, tendo como benefícios ganhos: diminuição da hipotonia muscular, ganho de habilidade funcionais, melhora da coordenação motora, previne déficits futuros e melhora a qualidade de vida fazendo com que a criança alcance sua independência.

O estimulo precoce mostrou-se ser importante pois a intervenção do fisioterapeuta torna- se essencial de forma que este profissional tem total capacidade de reabilitar e prevenir disfunções que prejudicaria o desenvolvimento da criança com Síndrome de Dowm.

REFERÊNCIAS

ADRIANO EDUARDO COSTA DE FIGUEIREDO, AMIRA CONSUÊLO DE MELO FIGUEIRAS, ANABELA DO NASCIMENTO MORAES, ISABEL CRISTINA NEVES DE SOUZA, LAÉLIA MARIA BARRA FEIO BRASIL E PEDRO PAULO FREIRE PIANI: síndrome de down: aspectos citogenéticos, clínicos e epidemiológicos. Rev. para. med

ALMEIDA, Rosa Karla Cardoso (2012): A ESTIMULAÇÃO PRECOCE E SUA IMPORTÂNCIA NA INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS NAS SÉRIES INICIAIS. Revista VI Colóquio Internacional.

ANA PAULA MAURILIA DOS SANTOS, SILVIO LUIZ INDRUSIAK WEISS, GECIELY MUNARETTO FOGAÇA DE ALMEIDA. Avaliação e intervenção no desenvolvimento motor de uma criança com síndrome de down Rev. Bras. Educ. Espec. vol.16 no.1 Marília Jan./Apr. 2010.

ANHÃO, P. P. G.; PFEIFER, L.I; SANTOS, J. L. (2010). Interação Social de Crianças com Síndrome de Down na Educação Infantil. Disponível em: <http://producao.usp.br/handle/BDPI/7744>. Acesso em: out. 2020.

BONOMO LMM, ROSSETTI CB. Aspectos percepto-motores e cognitivos do desenvolvimento de crianças com síndrome de Down. J Human Growth Develop. 2010;20(3):723-34. doi: 10.7322/jhgd.19980 Fisioter Pesqui. 2018;25(2):202-208.

BRUNA BUENO RAMOS, ALESSANDRA BOMBARDA MÜLLER: marcos motores e sociais de crianças com síndrome de down na estimulação precoce, Revista Interdisciplinar Ciências Médicas – 2019 4(1): 37-43

BRUNA MARTURELLI MATTOS; CLAUDIA DIEHL FORTI BELLANI, a importância da estimulação precoce em bêbes portadores de síndrome de down: revisão de literatura. Rev. Bras. Terap. E saúde , curitiba, v. 1, n. 1, p. 51‐63, jul./dez. 2010.

CEBALOS et.at. (2011). Atividade lúdica como meio de desenvolvimento infantil. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd162/atividade-ludica-como-meio- dedesenvolvimento.htm. Acesso em: 19 set.2020.

GODZICKI, B.; SILVA, P. A.; BLUME, L. B. Aquisição do sentar independente na Síndrome de Down utilizando o balanço. Rev. Fisioter. Mov., Curitiba, v. 23, n. 1, p. 73-81, jan./mar. 2010.

JAMILI ANBAR Torquato, Aline Féria Lança, Décio Pereira, Felipe Gonzalez Carvalho, Roberta Dutra da Silva , A aquisição da motricidade em crianças portadoras de Síndrome de Down que realizam fisioterapia ou praticam equoterapia. Rev. Fisioter Mov. 2013 jul/set;26(3): 515-24.

MATHEUS FALCÃO SANTOS MARINHO. Intervenção fisioterapeutica no tratamento da sinddrome de dowm rev. Campo do Saber vol. 4 – jan/jun de 2018

MOVIMENTO DOWN. Guia de estimulação. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: < http://www.movimentodown.org.br/rededeativadores/wp-content/uploads/2014/10/Guia-de- estimula%C3%A7%C3%A3o-2014.pdf/>. Acesso em: 1 nov. 2020.

PERIN AE. Estimulação precoce: sinais de alerta e benefícios para o desenvolvimento.Revista de Educação do IDEAU 2010 [periódico na internet] jul Vol. 5 – Nº.

MINISTERIO DA SAÚDE: “Não deixe ninguém para atrás”, Dia internacional da Síndrome de Dowm. Biblioteca virtual em saúde, 20 de mar 2019.

ROCHA, A. B.; CASSIMIRO, L. M.; BARBOSA, V. M. Síndrome de Down e CIV: interFisio. Rio de Janeiro, 07 fev. 2012.

SANTOS, A.P.M.; WEISS, S.L.I.; ALMEIDA, G.M.F. Avaliação e intervenção no desenvolvimento motor de uma criança com Síndrome de Down. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.16, n.1, p.19-30, 2010.

VANESSA GIACCHINI, ALINE TONIAL, HELENA BOLLI MOTA: Aspectos de linguagem e motricidade oral observados em crianças atendidas em um setor de estimulação precoce, disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/16478/12375 . Acesso em Out. 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.