Ergonomia também é Rock n´Roll

Logo que comecei a trabalhar na área da saúde eu trabalhei com ergonomia. Fazíamos as semanas laborais, com ginástica, testes, mensurações e dicas diversas. Um trabalho complexo, que requer muitas medidas, mas o mais difícil era convencer da importância desse trabalho. Parece não ter sentido isso, mas hoje ainda é.

Os resultados estão nos números, nos estudos, na ciência que já comprovou a eficácia da ergonomia. Mas ainda assim é difícil de vender. Porém a ideia aqui não é ser coach de vendas, nem trazer milagres de como fechar seu negócio ou ficar rico, mas sim vamos falar de ergonomia.

As empresas investem no bem-estar dos trabalhadores porque isso traz resultados. Estudos mostram que a eficiência dos funcionários aumenta 235%. Ou seja estamos falando de saúde, segurança e qualidade de vida, tudo isso junto e aplicado em um ambiente de trabalho.

Trabalhar com ergonomia pode parecer meio misterioso para a maioria das pessoas que nunca teve uma avaliação ergonômica em seu ambiente de trabalho, porém desde 1700 já se fala sobre doenças e lesões relacionadas ao trabalho, pelo médico italiano Bernadino Ramazzini. Mas apenas em 1857, o polonês Wojciech Jarstembowsky, surgiu com o conceito de ergonomia.

Essa palavra veio da junção em grego da palavra trabalho e norma, hoje temos a Norma Regulamentadora 17, que legalizou a ergonomia, que é nada mais que a possibilidade de uma atividade ser realizada por uma pessoa através de recursos e meios direcionados para uma execução laboral específica.

A ideia é prevenir assim acidentes, lesões, afastamentos do trabalho e até potencializar a produção ou a eficácia do trabalho. Nós fisioterapeutas trabalhamos com a ergonomia física, ela consiste em prevenir riscos através de uma intervenção que garanta maior integração da capacidade e limitação do funcionário diante do sistema produtivo.

Para tanto, são feitos ajustes na plataforma de trabalho e também nas análises corporais, como a postura por exemplo. Basicamente aplicando tudo que aprendemos de anatomia, fisiologia, biomecânica, antropometria e colocar em prática para impedir distúrbios musculoesqueléticos.

Claro que tudo fica mais fácil quando temos equipamentos que se adaptam, e possuem fácil regulação. Porém como convencer o dono da empresa que precisa de 11 cadeiras super top, e super caras. Por isso nasce as gambiarras. Sim, quem nunca aconselhou um teclado com entrada USB para quem não quer comprar um suporte de notebook?

Vamos falar mais dicas? Apoio de pé com lista telefônica, se for escritório de advocacia pode ser até o Vademecum.  Fazer apoio de lombar com toalhinha, ou almofada, cadeira sem apoio de cervical com a almofada de cervical. Enfim, se vira nos 30. John Lennon, o beatle uma  vez disse que ele era músico e faria música com qualquer coisa, e acredito que nós fisioterapeutas somos assim.

Com a ginástica laboral não era diferente, os acessórios hoje no mercado são incríveis, mas ainda podemos fazer trabalho de extensores com um elástico de dinheiro. A vida não se resume ao que não se tem, mas o que fazemos com o que temos. Isso sim daria um Coach da Ergonomia hein pessoal? Um pouco Beatle, um pouco Lennon? Talvez, mas para nós o sonho não acabou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.