EFETIVIDADE DO PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA EM UMA EMPRESA DE COLETA DE LIXO DOMICILIAR E HOSPITALAR – UM ESTUDO DE CASO

Effectiveness of the program of quality of life in a company of domiciliary and hospital garbage collection – a case study.

Autores:
Liliane Macedo de Faria
Professora do curso de Fisioterapia da Faculdade Anhanguera de Taubaté.
Fisioterapeuta Especialista em Fisioterapia Cardiorrespiratória pelo Instituto do Coração da USP.
E-mail: lilianemfaria@hotmail.com
End: Rua Portão Preto, 183 – Pirituba – São Paulo, SP
cep: 05131-120 – Brasil
Tel: (11) 95443221

Eduardo Filoni
Professor da Unicsul
Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente pela UNICAMP
E-mail: edufiloni@uninove.br

Fernanda Naves
Fisioterapeuta Especialista em Ergonomia pela Universidade Gama Filho
E-mail: fnaves@gmail.com

Aline Martins Hirosse Cobre
Fisioterapeuta Especialista em Ergonomia pela Universidade Gama Filho
E-mail: alinehirosse@yahoo.com.br

EFETIVIDADE DO PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA EM UMA EMPRESA DE COLETA DE LIXO DOMICILIAR E HOSPITALAR – UM ESTUDO DE CASO.

RESUMO:
Objetivo: analisar a importância da implantação de um programa de qualidade de vida no trabalho dos coletores de lixo domiciliar e hospitalar. Métodos: o presente estudo de caso foi realizado em uma empresa de coleta de lixo domiciliar e hospitalar da grande São Paulo, com a implantação de um programa de qualidade de vida utilizando-se análise ergonômica do trabalho, palestras preventivas e de conscientização e ginástica laboral preparatória, cujo enfoque se deu através da análise dos dados pré e pós-programa, com propósito de verificar os benefícios das atividades propostas. Para análise dos dados, levantamos junto à Medicina e Segurança do trabalho desta empresa o índice de lesões e afastamentos existentes antes e durante a execução do programa num período de 4 (quatro) meses. Resultados: os coletores de lixo domiciliar e hospitalar estão expostos a inúmeros riscos de acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, sofrimentos físicos e emocionais; e com a implantação do programa de qualidade de vida houve uma redução nos riscos acima citados. Conclusões: a implantação de um programa de qualidade em uma empresa de coleta de lixo domiciliar e hospitalar trouxe grandes benefícios aos colaboradores e para a empresa; benefícios estes, atingidos em curto prazo.
Palavras-chave: programa de qualidade de vida; análise ergonômica do trabalho; coletor de lixo.

ABSTRACT:
Objective: Analizing the importance of the introduction of a life quality program in the work of hospital and home garbage.Methods: Recent study of some cases was developed in a company which deals with a garbage colectin in São Paulo, with the introduction of life quality program using Ergonomic analysis, prevent lecture and labour exercise before starting the work, which the main point was through data analysis pre and post program, with the objective of verifying the benefits of activities proposed. To analyse the data we check along with Medicine and Work Security on this company the rate of injury and Medical license that occur before and after the program during period of four months. Results: The work collectors of hospital and home garbage are in contact with several riscs of work accident, work diseases, physical and emotional suffering and with the introduction of a quality program there was a reduction in the riscs above described. Conclusion: The introduction of a quality life program in a hospital and home garbage colectin company brought many benefits to the workers and to the company as well. These benefits were reached in a short time.
Key-words: life quality program; work ergonomic analysis, Garbage colect

INTRODUÇÃO
É visível que a atividade de coleta de lixo representa importante trabalho para com a sociedade e com o saneamento básico de uma população. Muito embora possamos ver ou observar a atividade do coletor de lixo, o chamado Gari, ignoramos nosso importante papel neste contexto, pois afinal, nós somos produtores de lixo. Sendo assim, o tipo de lixo produzido, a sua forma de acondicionamento e a sua disposição para a coleta tem uma relação direta com cada indivíduo.
Em uma cidade como São Paulo, o coletor de lixo trabalha num trajeto de aproximadamente 30 a 40 km diariamente, preestabelecido pela empresa, recolhendo em média 1.500 kg de lixo por coletor, num período de 8 horas.
Os Coletores de lixo ou mais popularmente chamados Garis realizam suas atividades de trabalho de uma forma árdua, sujeitos a todos os tipos de situações climáticas. Outra denominação também dada a estes coletores de lixo, é a de “lixeiro”, que vulgariza a atividade profissional exercida. Normalmente esta é uma atividade realizada em condições precárias de segurança e às mais variadas situações de risco, tanto físicas quanto psíquicas.
As atividades do coletor de lixo domiciliar, segundo a Classificação Brasileira de Ocupações, (CBO, 1982) no grande grupo 5 – são: trabalhadores de serviços de turismo, serviços hospitalares, serventia, higiene e beleza, segurança e trabalhadores assemelhados; e no subgrupo 5.52 – trabalhadores de serviços de conservação de limpeza de edifícios e logradouros públicos, e é definida da seguinte forma: Coleta de lixo acumulado em logradouros públicos e outros locais, despejando-os em veículos e depósitos apropriados, a fim de contribuir para a limpeza destes locais: percorre os logradouros, seguindo roteiros pré-estabelecidos, para recolher o lixo; despeja o lixo amontoado ou acondicionado em latões, em caminhões especiais, carrinho ou outro depósito valendo-se de esforço físico e ferramentas manuais para possibilitar seu transporte.
Em estudo sobre a morbidade em coletores de lixo faz uma avaliação da prevalência de muitas patologias que acometem esta categoria de trabalhadores. O autor relaciona o perfil de determinadas morbidades com as condições aos quais estes trabalhadores estão submetidos, tanto ao nível de riscos laborais, quanto às condições psicossociais envolvidas na execução deste tipo de trabalho. (Ilário, 1989)
Em estudo realizado sobre condições de saúde e trabalho dos coletores de lixo da cidade de São Paulo, assinalou que no sistema de coleta de lixo existem condições inadequadas e insalubres, exposição a acidentes de trabalho, e que havia, também, pontos positivos, como a questão da liberdade, do coleguismo e da antecipação da jornada diária de trabalho, daí a ambigüidade, ou seja, parte do principio de que esta atividade pode ser fonte, tanto de prazer quanto de sofrimento.( Santos, 1994)
O interesse por este tema originou-se pelo fato de fazer parte da equipe de fisioterapeutas contratadas recentemente pela empresa, e os elevados índices de acidente de trabalho em que são submetidos os coletores. A partir deste fato, surgiu a questão:
“Qual será a importância de um programa de qualidade de vida para os coletores de lixo?”

Procedimentos metodológicos
O presente estudo foi desenvolvido numa abordagem qualitativa, sendo que esta procura avaliar as condições de trabalho do coletor de lixo e os benefícios da implantação de um programa de qualidade de vida na empresa avaliada. Um dos recursos utilizados foi a AET (Análise ergonômica do trabalho), e entrevistas realizadas com os coletores e profissionais diretamente ligados (líderes, chefe de divisão da coleta, etc.); com finalidade de avaliar o grau de satisfação perante o programa. Não foi possível utilizar questionários auto-aplicáveis devido ao baixo nível de escolaridade dos coletores.
A coleta de dados foi iniciada em janeiro de 2008, data onde se iniciou o programa, e em maio de 2008 após quatro meses da implantação do projeto com prévia autorização oficial do Presidente da empresa.
Na análise da atividade, foram abordados e observados nove coletores que faziam três roteiros: Pirituba, Perus e Jaraguá. Durante o trajeto destes coletores, acompanhamos os mesmos com um carro de apoio guiado pelos líderes dos locais acima descritos, onde foram realizados registros fotográficos e de comportamentos ligados à demanda analisada.
A empresa avaliada é uma das concessões da Prefeitura do Município de São Paulo, responsável pela coleta e tratamento do lixo domiciliar e hospitalar da região noroeste de São Paulo. A mesma possui três transbordos (local onde o caminhão já lotado descarrega o lixo), para posteriormente ser levado em carretas para o aterro sanitário e/ou incinerado.

Resultados e discussão
Os resultados são apresentados da seguinte forma: uma breve descrição do que é AET, seguida da amostra envolvida (que é a análise da demanda segundo as divisões da AET), os resultados obtidos na AET e levantamento de dados estatísticos referentes ao número de queixas, consultas médicas, acidentes de trabalho com ou sem afastamento.
Análise Ergonômica do Trabalho
Para se obter resultados satisfatórios em sua atuação, a ergonomia conta com um método de Análise Ergonômica do Trabalho (AET), que consiste em abordar determinantes da situação real de trabalho. A análise ergonômica do trabalho, “É um instrumento para a análise das cargas, as quais as pessoas estão sujeitas num sistema de trabalho”. (Sell, 1992) Desta forma ela propicia uma visão real da situação de trabalho, permitindo que se possa analisar questões em relação à carga de trabalho e a interferência desta na saúde do trabalhador.
A Análise Ergonômica do Trabalho divide-se em três fases: análise da demanda, análise da tarefa e análise das atividades. (Fialho et al, 1995) O levantamento realizado destas três fases permite elaborar um diagnóstico e, por conseguinte sugerir recomendações e sugestões.
Os participantes – Análise da demanda
A amostra pesquisada foi de nove coletores, cujos dados foram dispostos conforme tabelas

Análise da tarefa
De acordo com a descrição das atividades, o Coletor de lixo, deve coletar lixo acumulado em logradouros públicos, valas a céu aberto e outros locais, despejando-os em veículos e depósitos apropriados.

Descrição das atividades
• Executar serviços de coleta de resíduos sólidos, junto aos caminhões coletores, seguindo roteiros preestabelecidos.
• Utilizar equipamentos apropriados para coleta de lixo em ruas, calçadas, praças, logradouros públicos e outros (vassouras, tábuas).
• Carregar e descarregar veículos coletores de lixo, efetuando disposição adequada dos resíduos coletados.
• Auxiliar na operação e manobra do coletor.
• Manter contato com os munícipes quando necessário, dentro de sua atividade.

Dados fornecidos pela empresa
Com relação ao número de acidentes encontrados em janeiro de 2008, verificou-se a que as lesões nas mãos, pés e tornozelos correspondem à maioria da incidência (52%); e os maiores causadores dessas lesões são vidros e objetos cortantes (18%), e 10,13% refere-se a movimentações do corpo.
Com a implantação do programa de qualidade de vida; houve uma redução significativa no quadro de acidentes em geral; mostrando que aspectos físicos e mentais estão sendo atingidos pelo programa; aumentando níveis de concentração no trabalho, união da equipe, como também resistência física.
Bimestralmente, a empresa produz uma revista que aborda vários aspectos; sendo um deles destinado a divulgação de resultados do programa de qualidade de vida implantado. Na edição de maio de 2008, houve o registro da queda gradativa de lesões como: contusões e entorses de tornozelos. Em um dos depoimentos dos coletores publicados na revista o mesmo disse: “Tudo melhorou. Às vezes travava a perna correndo atrás do caminhão e o exercício me ajudou a evitar isso. Até a mente fica mais relaxada”.

O trabalho dos coletores de lixo
Os coletores de lixo trabalham perfazendo 8 horas diárias, seis dias por semana com uma folga semanal. Os coletores devem sempre completar determinado roteiro de coleta de lixo, ficando dispensados, se completarem em menos de 8 horas e se não conseguirem recebem pelas horas extras. (Duarte, 1998) De novembro a dezembro eles chegam a trabalhar até 10 horas em um dia e o salário mensal aumenta, devido às horas extras. Também no mês de Dezembro existe a gratificação que é doada pela população em geral.

Características dos Coletores de lixo
O coletor de lixo, segundo a empresa, tem baixa escolaridade, sendo que a grande maioria (os mais antigos na profissão), possui o ensino fundamental incompleto. Segundo informação da empresa, o salário inicial desta categoria é de R$ 500,00 (quinhentos reais) acrescido de vale-transportes, vale-refeição e participação nos lucros.
A mesma empresa conta com 1200 coletores de lixo domiciliares, 500 coletores de lixo hospitalar, sendo 9 mulheres. Alguns dos trabalhadores desta categoria passam por treinamentos admissionais com assistente social, psicólogo, gerencia dos empregados e segurança do trabalho.
A atividade do coletor de lixo faz com que estes corram em média 30 a 40 km por dia, dependendo do roteiro ao qual é destinado, coletando os lixos encontrados pelas calçadas, lixeiras, contêineres e mesmo os que não estão acondicionados em sacolas plásticas e espalhados pelas lixeiras ou fora das mesmas. Para a realização do trabalho são designadas equipes de cinco, sendo um motorista e quatro coletores para roteiros onde há maior concentração de lixo e em roteiros onde há pouca concentração de lixos, a equipe nestes roteiros passa a ser de três coletores e 1 motorista.
As equipes partem da empresa dentro das cabines dos caminhões, e quando chegam no local de coleta, os coletores dirigem-se para o estribo (estrutura metálica na parte posterior do caminhão) para realizar a coleta, onde o risco de queda é eminente numa freada brusca ou colisão.
As atividades de trabalho dos coletores de lixo são realizadas em espaço aberto, nas ruas, estando estes sujeitos a todos os tipos de exposição como: a chuva, sol forte, frio intenso, etc., causando, por conseguinte, gripes, resfriados, pneumonias ou outras complicações de saúde.
Esta categoria de trabalhador recebe da empresa os equipamentos de proteção individual EPI(s) como as luvas nitrílicas, tênis de segurança, capa de chuva, calça e camisa com faixas refletivas e touca e blusa para o inverno.

Equipamentos
Os equipamentos utilizados pelos coletores como instrumentos de trabalho no espaço público é o caminhão (depositário de lixo), o qual estes coletores de lixo precisam manusear as alavancas localizadas no comando de controle sempre que precisarem fazer a compactação do lixo. Além do caminhão, os coletores dispõem de “vassoura” (espécie de garfos de ferro), que serve para juntar os lixos que estão fora de seus acondicionamentos, fazendo “montes” que serão recolhidos com improviso de um papelão e ou uma tábua servindo como pá para sustentar o lixo e carregá-lo até o caminhão.
A forma de carregamento de peso (aproximado a 30kg); pode afetar o consumo energético, a fadiga, a pressão no corpo e a estabilidade ao correr. No caso dos coletores avaliados, os mesmos transportam os sacos de lixo em uma das mãos ou em ambas, caracterizando gastos muito altos de energia, fadiga muscular muito alta, pressão localizada e isquemia muito alta e pouca estabilidade postural. (Grandjean et al, 2005)
Rotinas de trabalho
As tarefas executadas diariamente pelos trabalhadores são sempre as mesmas: recolher os lixos e transportá-los para o caminhão para que este possa ser levado até seu destino (transbordo).

Análise das Atividades
O ambiente de trabalho dos coletores de lixo é o espaço público das ruas, cujo ambiente está exposto a todo tipo de intempéries como sol, chuva, calor, etc. A rua é o lugar do informal, do fortuito, da impessoalidade de ver e ser visto, de circular. (Santos, 1999)

Sobre o programa de qualidade de vida
A empresa contratou uma consultoria na área de fisioterapia para implantar o projeto denominado de “Fisioterapia Laboral”; cujas vertentes estão na ergonomia de conscientização, e ginástica laboral.
A ergonomia de conscientização dá-se por meio de palestras preventivas, de conscientização e de segurança realizadas quinzenalmente na sala de treinamento. A ginástica laboral é realizada diariamente antes da jornada de trabalho; na garagem onde os mesmos se concentram para a saída dos caminhões, cuja duração é de 15 min e os coletores são divididos por horários para realizarem as aulas. Muitos dos coletores, têm a possibilidade de realizar a ginástica laboral mais de uma vez por dia, até que o caminhão saia da garagem. Os motoristas também são submetidos à ginástica laboral diariamente.
Além disso, durante o treinamento de dois dias dados aos coletores, há um período onde se interrompe o curso para discutir sobre sugestões e críticas ao programa e por fim a aplicação da ginástica laboral. A ginástica laboral tem como objetivo melhorar variáveis da aptidão física geral, como força muscular e flexibilidade, nível de atividade física, motivação, integração e maior satisfação dos funcionários para com a empresa. (Lima, 2005) Ela é aplicada aos coletores com os seguintes objetivos: treinar propriocepção dos tornozelos, alongar a musculatura em geral com ênfase nos membros inferiores, fortalecer a musculatura em geral e realizar um pré-aquecimento antes da jornada de trabalho; a fim de minimizar sofrimentos físicos prevenindo lesões ocupacionais. (Ferreira et al, 2002)

Considerações finais
Este estudo teve como objetivo avaliar os benefícios da implantação de um programa de qualidade de vida em uma empresa de coleta de lixo.
Durante todo o processo de análise das condições e a organização do trabalho, foi possível observar que as dificuldades no desempenho do trabalho estão relacionados tanto a aspectos físicos como as condições do ambiente de trabalho caracterizada muitas vezes pelos múltiplos riscos pelos quais estão submetidos, a pressão e a ausência de controle do processo de trabalho, assim como a aspectos subjetivos que traduzem em sofrimento psíquico e físico vivenciado por estes trabalhadores.
A falta de treinamento físico e qualificação destes trabalhadores apontam para possibilidade de que tanto acidentes, quanto incidentes ocorrerem por falta de uma maior conscientização.
O que encontramos nesta atividade de coletas é que, mesmo perante o sofrimento ao qual estão submetidos, é mascarado pelo brincar; pela liberdade. (Loreiro et al, 2002)
Diante das observações da população estudada, constatou-se a necessidade de melhoria das condições de trabalho, a partir do processo de qualificação dos trabalhadores, treinamentos para suas atividades de trabalho e manutenção de atividades preventivas como as implantadas até então pela empresa estudada. Além de atitudes que partem da empresa, a conscientização dos moradores de São Paulo é de extrema importância. Segue abaixo algumas recomendações:
1. Necessita-se uma conscientização da comunidade quanto ao acondicionamento e distribuição de lixos em sacolas plásticas objetivando reduzir pesos e posterior danos físicos ao trabalhador.
2. Campanhas com a imprensa escrita e falada para educação da comunidade quanto à reciclagem dos lixos para que vidros, latas e outros objetos recicláveis, não se misturem a lixos convencionais diminuindo assim riscos de acidentes com objetos pérfuro-cortantes.
3. Implantação junto a toda a comunidade de uma padronização sistemática de lixeiras para acondicionamento de lixos, com intuito de garantir a qualidade do serviço.

Referências bibliográficas:

DUARTE RC. Gasto energético, ingestão calórica e condições gerais de saúde de coletores de lixo de Florianópolis. Florianópolis, 1998. 86f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina.

FERREIRA EP, BERGAMASHI EC. Ginástica Laboral: teoria e prática. 1ª ed. Rio de Janeiro: Sprint; 2002.

FIALHO F; SANTOS, N. Manual de análise ergonômico do trabalho. Curitiba: Gênesis, 1995.

GRANDJEAN E, KROEMER KHE. Manual de Ergonomia: Adaptando o trabalho ao homem. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2005.

ILÁRIO E. Estudo de morbidade em coletores de lixo de um grande centro urbano. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, Campinas São Paulo, v.17, n.66 p.07-13, abr./maio/jun., 1989.

LIMA V. Ginástica Laboral: atividade física no ambiente de trabalho. 2ª ed. São Paulo: Phorte; 2005.

LOREIRO MBS, MADRUGADA RB. Cargas de trabalho de coletores de lixo domiciliar: um estudo de caso. XX Simpósio Internacional de Ciências do Esporte: novas fronteiras para o movimento. São Paulo, 10 a 12 de outubro de 2002 (resumo 378).

SANTOS TLF. Relatório de pesquisa: estudo das condições de saúde e trabalho dos coletores de lixo da cidade de São Paulo. São Paulo: Fundacentro, 1994.

SANTOS TLF. Coletores de lixo: a ambigüidade do trabalho na rua.São Paulo, 1999. 222f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica.

SELL I. Anais do I congresso Latino Americano e III Seminário Brasileiro de Ergonomia. ABERGO – Associação Brasileira de Ergonomia. São Paulo: Oboré, 1992.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.