EFEITOS DA FONOFORESE COM GEL DE ATIVOS LIPOLÍTICOS NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL

EDJANE BARBOSA SANTANA DELGADO1, LUANA DE OLIVEIRA QUEIROZ2, MELYSSA LIMA DE MEDEIROS3, PATRICIA FROES MEYER4, RENATA AGUIAR PATRICIO5, TIAGO DE ARAÚJO BATISTA6

1, 2, 5, E 6 BACHAREIS EM FISIOTERAPIA DA UNIVERSIDADE POTIGUAR
3 E 4 DOCENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR

UNIVERSIDADE POTIGUAR – UnP
NATAL/RN
BRASIL

RENATA AGUIAR PATRICIO
AV SOLON DE MIRANDA GALVÃO 2062
CAPIM MACIO
NATAL/RN
CEP 59078-500

TITULO PARA AS PAGINAS DO ARTIGO: EFEITOS DA FONOFORESE COM GEL DE ATIVOS LIPOLÍTICOS NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL

Palavras-chave: Adiposidade abdominal. Fonoforese. Ultrassom.
Keywords: Adiposity. Phonophoresis. Ultrasound.

Resumo: A adiposidade localizada gera conflitos em um mundo onde o conceito de beleza está voltado para um corpo estruturalmente bem torneado. Consequentemente os indivíduos buscam, cada vez mais, um corpo perfeito. O objetivo deste estudo visou analisar os possíveis efeitos da fonoforese com gel lipolítico, selecionado aleatoriamente no mercado, para adiposidade localizada. Foram selecionadas 10 mulheres, por conveniência, de acordo com os critérios de inclusão como ser portadoras de adiposidade abdominal, não estarem grávidas, não serem portadoras de neoplasia, não apresentarem doença infecciosa aguda, não estar tomando medicamento para emagrecer ou alguma outra terapêutica e não realizarem nenhum tipo de atividade física, e como critérios de exclusão apresentar alergia a algum princípio ativo, falta de assiduidade das voluntárias, presença de doenças infecciosas agudas e/ou febre durante o tratamento. As voluntárias foram submetidas à avaliação prévia através do protocolo de avaliação na gordura localizada (PAFAL) onde se observou os valores de perimetria, plicometria e peso, assim como foi realizado exame de ultrasonografia antes e após o tratamento para quantificar a camada adiposa. As mesmas realizaram 10 atendimentos com ultrassom terapêutico (fonoforese) com frequência de 3MHz, intensidade de 1,2W/cm², no modo contínuo associado a um gel de ativos lipolíticos, com duração de 12 minutos. Foi observada uma redução na medida da cintura, assim como uma diminuição na variável peso e aumento nas variáveis plicometria e ultrassom, porém foi significativo, estatisticamente somente a variável ultrassom, não havendo uma redução do tecido adiposo do abdome.

Abstract: localized adiposity causes conflicts in a world where the concept of beauty is facing a structurally well-toned body. Consequently individuals seek, increasingly, a perfect body. This study aimed to analyze the possible effect of phonophoresis gel lipolytic, selected randomly on the market for localized adiposity. 10 women were selected for convenience, according to the criteria for inclusion as the bearer of abdominal adiposity, are not pregnant, are not suffering from cancer, acute infectious disease is not present, not taking medicine for weight loss or some other therapy and not perform any kind of physical activity, and as exclusion criteria present allergy to some active principle, lack of diligence of the volunteers, the presence of infectious diseases and / or fever during treatment. The volunteers were subjected to prior assessment by the evaluation protocol in localized fat (PAFAL) where observed values of perimeter, Plicometro and weight, as well as the ultrasound examination was performed before and after treatment to quantify the fat layer. They made 10 visits to therapeutic ultrasound (phonophoresis) with a frequency of 3MHz, intensity of 1.2 W / cm ², in continuous mode associated with a gel of active lipolytic, lasting 12 minutes. We observed a reduction in waist circumference, and a decrease in the variable weight and an increase in the variables Plicometro and ultrasound, but was significant statistically only the variable ultrasound, without a reduction in adipose tissue of the abdomen.

1 INTRODUÇÃO

Nos últimos dez anos após o domínio humano sobre a cultura dos vegetais e a necessidade de sobreviver com os costumes urbanos, o ser humano passou a ter acúmulo de gordura em maior escala, passando a obesidade ser considerada, juntamente com outras patologias como diabetes e arteriosclerose, um problema de saúde pública, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Juntamente com a obesidade surgem distúrbios como a adiposidade localizada, que gera conflitos em um mundo onde o conceito de beleza está voltado para um corpo estruturalmente bem torneado1.
O Brasil apresenta-se como a nação que disponibiliza o maior número de tratamentos e procedimentos para atender uma demanda de pacientes em franca expansão, que buscam, além da melhoria corporal, também uma vida mais saudável2.
Esse excesso de gordura leva a alguns riscos como problemas cardiovasculares, hipertensão arterial, aumento do colesterol de alta densidade, triglicerídeos elevados e tendência para o desenvolvimento de diabetes. Estas toxinas têm um efeito pró-aterogênico direto na parede arterial, sendo esse conjunto de fatores de risco conhecido como síndrome metabólica3.
Atualmente a fisioterapia dermato-funcional dispõe de vários recursos para o tratamento da adiposidade abdominal, dentre eles destaca-se o uso do ultrassom terapêutico e sua capacidade de veicular substância através da pele1,4.
Os meios acoplantes influem diretamente na capacidade de absorção das ondas ultra-sônicas pela fonoforese, dependendo dessa característica da viscosidade e do tempo de relaxamento do meio, ou seja, a propriedade que um material possui de se expandir e contrair durante a passagem do ultrassom. Dentro dos vários meios acoplantes utilizados os géis se destacaram por apresentarem menor grau de impedância, menor grau de atenuação além do alto poder de transmissão5.
Algumas indústrias comercializam géis com ativos lipolíticos, apresentando percentuais e combinações distintas para uso na fonoforese. Entre as substâncias mais encontradas estão a fosfatidilcolina que é um fosfolipídio emulsificante, possui ação detergente e diminui a tensão superficial. Forma partículas menores de gordura na forma de triglicerídeos, causando alteração na forma do adipócito. A cafeína tem poder diurético, além de regenerar as células e favorecer o processo de queima de gorduras6.
Poucos estudos e pesquisas mostram a comprovação dos efeitos dos cosméticos na gordura localizada, assim como o desconhecimento do mecanismo da fonoforese, e com isso evidencia-se a necessidade de investigar a ação dos produtos disponíveis no mercado utilizado na fonoforese com objetivo de lipólise.

2 ULTRASSOM NA ADIPOSIDADE
2.1 OBESIDADE E SUAS FORMAS
A obesidade, recentemente foi considerada a mais importante desordem nutricional nos países desenvolvidos, tendo em vista o aumento de sua incidência. Acredita-se que atinja 10% da população desses países e que mais de um terço da população norte-americana esteja acima do peso desejável. O aumento dessa incidência está distribuído em quase todas as raças e sexos, e atinge principalmente a população com idade entre 25 a 44 anos7.
Nos últimos anos, o tecido adiposo deixou de ser considerado apenas uma reserva de energia para ser reconhecido como órgão que contém múltiplas funções e papel relevante na gênese da resistência insulínica. Atualmente, se sabe que o adipócito recebe a influência de diversos sinais, como a insulina, cortisol e catecolaminas, e, em resposta, secreta uma grande variedade de substâncias que atuam tanto local como sistemicamente8.
Existem três formas de distribuição de gorduras, no padrão andróide o depósito de gordura predomina na região abdominal, é considerado um fator de risco para diversas morbidades; no ginóide a gordura se localiza na parte inferior do corpo, como nas coxas e quadris; e a forma mista, na qual a gordura é distribuída de maneira indeterminada pelo corpo9,10.

2.2 ULTRASSOM TERAPÊUTICO
O ultrassom terapêutico (US) vem se constituindo em um recurso amplamente utilizado em virtude de prover ótima resposta terapêutica a algumas afecções, como a cicatrização pós cirurgia plástica e também na fonoforese com produtos cosméticos. Por terapia ultrassônica entende que é um tratamento mediante vibrações mecânicas com uma frequência superior a 20.000Hz. As frequências utilizadas para terapia variam entre 0,7 MHz e 3MHz. O aparelho propriamente dito possui um circuito onde transforma a energia elétrica em oscilações elétricas de alta frequência. Estas oscilações são conduzidas ao transdutor construido com um cristal piezolétrico. Normalmente as frequências de oscilações desses cristais dos aparelhos de ultrassom terapêuticos são de 1MHz e 3MHz11.
A escolha da frequência depende da profundidade do tecido a ser tratado, ou seja, para tecidos mais profundos, frequências mais baixas e, para tecidos mais superficiais, frequências mais altas. As intensidades com objetivo terapêutico situam-se em torno de 0,1 a 3,0 W/cm² e a geração de ondas ocorrendo no modo contínuo maximizam os efeitos térmicos, enquanto que no modo pulsado os efeitos maximizados são os atérmicos. Equipamentos não calibrados e com intensidades muito elevadas podem causar danos teciduais, assim como intensidades menores podem ser ineficazes, acarretando prejuízos aos indivíduos. Assim, por não conter muitas proteínas, o tecido adiposo possui um baixo coeficiente de absorção. De forma que, para se tentar obter efeitos lipolíticos deve-se usar doses mais elevadas e uma frequência de 3MHz 12,13,14.
As proteínas são as que mais absorvem a energia ultrassônica e pesquisas realizadas mostraram que o coeficiente de absorção das ondas ultrassônicas aumentam quando se eleva a quantidade de proteína presente no meio condutor. Por isso tecidos ricos em colágeno absorvem grande parte da energia do feixe ultrassônico que os atravessa15.
Os efeitos fisiológicos promovidos pelo ultrassom nos tecidos biológicos são: o efeito mecânico que promove micro massagem celular, que é responsável por quase todos os resultados da terapia ultrassônica; microcorrente acústica; aumento da permeabilidade da membrana celular, efeito este que é a base para a fonoforese; efeito térmico; vasodilatação; aumento do fluxo sanguíneo; aumento do metabolismo; ação tixotrópica; liberação de substâncias ativas farmacológicas; efeitos sobre nervos periféricos; estimulação da angiogênese; aumento das propriedades viscoelétricas do tecido conjuntivo e ricos em colágeno; aumento das atividades dos fibroblastos, da síntese de colágeno e proteína e elevação dos níveis intracelulares de cálcio11,4.
Os efeitos térmicos do ultra-som são mais benéficos quando a temperatura é aumentada de forma ideal no tecido. Este aquecimento profundo promove um aumento da extensibilidade do colágeno, aumento do fluxo sangüíneo, melhora a atividade enzimática dentro dos tecidos e aumenta o tempo de contração dos músculos. Os efeitos não térmicos do ultrassom terapêutico incluem cavitação e microfluxo acústico, onde o microfluxo é um movimento unidirecional do fluido em um campo de pressão ultrassônico. A microagitação permite o movimento das partículas pelas membranas celulares, provocando o aumento da permeabilidade celular16.
2.3 FONOFORESE
A fonoforese é uma técnica que consiste no método direto e utiliza um medicamento em forma de gel como meio de acoplamento, ou seja, é a introdução de substâncias medicamentosas no corpo humano mediante a energia ultrassônica15.
O ultrassom aumenta a penetração transcutânea por pressão somática, podendo chegar a média e atingir entre 4 e 5cm de profundidade. Os medicamentos em forma de gel não precisam ser ionizados nem ter carga elétrica, sendo necessário apenas para que o processo seja efetivo uma pele íntegra e bem hidratada4.
A fonoforese é uma técnica que vem sendo usada clinicamente desde o início da década de 1960 e se refere a um tipo específico de aplicação de ultrassom ao qual, princípios são utilizados na tentativa de fazer a penetração transdérmica de princípios ativos nos tecidos subjacentes. Qualquer aumento na permeabilidade das células e na vasodilatação local, acompanhada de ondas de pressão acústica, aumenta a difusão dos agentes tópicos18.
A principal circunstância que envolve a deposição de drogas é o fenômeno da cavitação que resulta na formação de micro bolhas gasosas na camada externa da pele, que podem romper-se violentamente, e possivelmente permitir a passagem da droga, é possível que uma desorganização na região lipídica da camada córnea venha a ocorrer, podendo aumentar a sua permeabilidade19.
A aplicação de drogas através da pele é uma opção terapêutica que apresenta vantagens em relação à administração oral e injetável tais como a liberação contínua de medicamentos com uma taxa premeditada, evita altas concentrações ou valores sub-terapêuticos, diminui a agressão ao trato gastrointestinal, proporciona menor perda da concentração dos princípios ativos pela não metabolização primária dos mesmos, não sendo metabolizadas no fígado; promove diminuição dos efeitos colaterais sistêmicos associados ao medicamento, pois as concentrações podem ser menores e em alguns casos uma maior atuação terapêutica devido a sua aplicação local, sendo considerada uma técnica não invasiva5,1,11.
2.4 COSMETOLOGIA
Segundo a legislação que estabelece normas para produtos, os cosméticos são substâncias ou preparados que se destinam a serem utilizados em contato com as partes superficiais do corpo humano, com os dentes e as mucosas bucais, com a finalidade de limpar, perfumar ou proteger, para mantê-los em bom estado, modificar seu aspecto ou corrigir odores corporais, sem ação ou fins terapêuticos1.
A pele é um sistema complexo constituído de epiderme, derme e apêndices entrelaçados entre as duas camadas, sendo a epiderme a camada mais superficial. Esta é avascular e recebe nutrientes dos capilares da derme. A pele tem permeabilidade seletiva, a qual é determinada por condições físicas e químicas naturais, a viscosidade, as extensas ligações de colágeno, os apêndices da pele, idade, doenças e outras, com isso a ação das drogas liberadas dependerá da anatomia da área a ser tratada, da hidratação da pele, da presença de gordura, da saúde ou patologia da pele, do metabolismo e do paciente17.
Os cosméticos são os meios técnicos adequados para a manutenção e o aperfeiçoamento da estética do corpo humano. A ciência da cosmetologia estuda as formas de ação, aplicação e os efeitos dos cosméticos. Os princípios ativos são matérias primas com ação específica sobre a pele e possuem atividade comprovadamente eficaz sobre a célula do tecido. Enquanto o veículo é responsável pelo transporte, pela forma cosmética e finalmente por garantir melhor penetração na pele, o princípio ativo promove a ação especifica sobre a célula11.
3 METODOLOGIA
3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA
Este estudo caracteriza-se como uma pesquisa pré-experimental que pode ser definida como um programa onde a avaliação ocorre antes e depois da intervenção, não havendo grupo controle, evidenciando o estudo pré-experimental. Inicialmente é uma pesquisa exploratória envolvendo um levantamento bibliográfico com fontes primárias, secundárias e terciárias, posteriormente seguida de uma pesquisa experimental, caracterizada por manipular diretamente as variáveis relacionadas com o objeto de estudo20.
Trata-se ainda, de uma modalidade de pesquisa no qual o experimento é constituído por um grupo, geralmente reduzido, previamente definido quanto as suas características fundamentais21.
3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA
Este estudo foi constituído de uma população de voluntárias do sexo feminino, selecionadas por conveniência, portadoras de adiposidade abdominal, na cidade de Natal, RN.
A amostra foi composta por 30 voluntárias do sexo feminino, portadoras de adiposidade abdominal, que foram encaminhadas a clínica escola da UNP para avaliação e tratamento. Os critérios de inclusão foram: serem do sexo feminino, portadoras de adiposidade abdominal, não estarem fazendo uso de medicamento para emagrecer ou alguma outra terapêutica, não realizarem nenhum tipo de atividade física, não estarem grávidas, não serem portadoras de neoplasia, não apresentarem doença infecciosa aguda. Como critérios de exclusão foram: apresentarem alergia a algum princípio ativo, assiduidade das voluntárias, presença de doenças infecciosas agudas e/ou febre durante o tratamento.
3.3 INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS
Foram utilizados para avaliação: O Protocolo de Avaliação Fisioterapêutica em Adiposidade Localizada – PAFAL validado por MENDONÇA et al.9, fita métrica flexível medindo de 0 a 2 metros, plicômetro da marca Sanny que apresenta um campo de medição de 0 à 65 mm, balança digital da marca TOLEDO que registra peso de 1,25 kg a 150 kg e equipamento de ultrasonografia da marca G.E VIVID 3 PRO, com sonda linear de 13.3 MHz.
3.4 PROCEDIMENTOS
Após ser aprovado pelo comitê de ética em pesquisa de acordo com o número de protocolo 090/2009, as mulheres portadoras de adiposidade abdominal foram encaminhadas a clínica escola de fisioterapia da UnP, sendo convidadas a participarem deste estudo. As que concordaram e atenderam aos critérios de inclusão, assinaram ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e foram submetidas a uma avaliação inicial. Foi aplicado o PAFAL, sendo este composto pelos itens: identificação, anamnese, exame físico contendo inspeção e palpação, medidas e testes (plicometria e perimetria) e exames complementares associado às informações gerais sobre a paciente.
Para a plicometria as pacientes foram avaliadas na posição ortostática, foi realizada uma marcação de 5 cm a direita da cicatriz umbilical, em seguida realizado uma prega cutânea e aferido a medição por três vezes, em seguida foi realizado uma média desses valores e acrescentado ao protocolo. Ainda na posição bípede foram verificadas as medidas da perimetria, sendo a mesma realizada dois centímetros abaixo da cicatriz umbilical. Este foi mensurado com o cuidado necessário para evitar que a fita não ficasse apertada e enrolada durante o procedimento.
Posteriormente as pacientes foram submetidas a exame de ultrasonografia, após a conclusão da avaliação foram realizadas 10 sessões de fonoforese utilizando o ultrassom da marca Bioset e modelo Ultrasond Therapy – 1.0 e 3.0 MHz, três vezes por semana, com freqüência de 3MHZ, intensidade de 1,2w/cm² e tempo de 3 minutos por ERA, possuindo essa ERA uma área de 3,5 cm². A área tratada foi a região infra-umbilical que corresponde a quantidade de quatro ERAS, totalizando tempo de 12 minutos de tratamento, devidamente demarcadas anteriormente. Antes da aplicação do ultrassom foi realizada a higienização da pele fazendo a esfoliação com um sabonete mousse esfoliante com o intuito de remover as células mortas da camada da epiderme, até duas vezes por semana e em seguida utilizado um gel REDUXEL mobilizador de gordura e celulite da marca ADCOS que tem em sua composição fosfatidilcolina, lanachrys, cafeína, Argisil como princípios ativos para fins de fonoforese. A marca supracitada foi escolhida aleatoriamente porque representa uma das marcas utilizadas por fisioterapeutas e profissionais do ramo da estética para vários fins.
Após os 10 atendimentos, as voluntárias foram submetidas a uma reavaliação com todos os itens já citados. Os dados foram analisados e comparados, submetendo-se a um arranjo estatístico e apresentados em gráficos e tabelas.
4 RESULTADOS E DISCUSSÕES

A amostra selecionada inicialmente foi de 30 voluntárias do sexo feminino, sedentárias, que não estivessem realizando terapêutica para emagrecer e que apresentassem gordura localizada na região infra-abdominal. Apenas 25 voluntárias compareceram a avaliação inicial, sendo que apenas 15 realizaram o exame de ultrassom antes do início do tratamento. Assim, 15 voluntárias permaneceram no tratamento realizando os 10 atendimentos propostos, porém apenas 10 voluntárias realizaram o exame final para concluir a pesquisa. A perda amostral deu-se devido a ausência das voluntárias tanto a submissão à proposta terapêutica quanto a realização do exame de ultrasonografia final, as voluntárias justificaram a desistência por motivos pessoais.
As voluntárias da pesquisa foram avaliadas com relação ao peso, circunferência abdominal e espessura do tecido adiposo subcutâneo, através dos seguintes métodos de avaliação: antropometria, perimetria, plicometria e exame de ultrasonografia da parede abdominal para responder se a utilização do gel proposto associado à fonoforese contribui ou não para redução ponderal, diminuição do perímetro abdominal e da espessura do tecido adiposo subcutâneo.
A análise estatística foi realizada utilizando o teste t pareado, a partir dos dados obtidos através da plicometria, perimetria, peso e exame de ultrassom longitudinal antes e depois, das pacientes que se submeteram ao tratamento com o ultrassom.

A Tabela 1 foi analisada em relação as variáveis peso, plicometria, perimetria e ultrassonografia, onde foi observado a média antes e após o tratamento assim como desvio padrão antes e após das variáveis.


O gráfico 1 permite verificar as médias das voluntárias de acordo com o peso que foram de 59.94 kg antes e 59.76 kg depois do tratamento, obtendo uma diferença de 0.18 kg e um p-valor de 0,7262, tornando o valor da redução não significante. Houve pequena variação no peso das voluntárias, conforme foi orientado previamente para que as mesmas continuassem sua dieta habitual, sem realizar nenhum tipo de atividade física durante o tratamento.
Francischi et al7, questiona a relação entre redução de peso e de gordura corporal, os quais, na maioria das vezes, são utilizados como sinônimos e de forma errônea. Para o mesmo, é possível reduzir a gordura corporal sem diminuir o peso, ocorrendo assim ganho de massa muscular e esta pode ser superior a gordura reduzida, levando ao aumento no peso corporal total. Portanto, deve-se dar ênfase no tratamento à redução da gordura corporal, já que apenas a perda de gordura promoverá benefícios à saúde.
De acordo com Campos22, o sedentarismo permite menor solicitação dos músculos, ocasionando menor consumo de energia das células e consequentemente aumento de gordura. A falta de exercício físico diminui a capacidade circulatória, diminuindo a drenagem e a oxidação de toxinas.
No estudo em questão, houve diminuição na variável peso, porém quando analisado a variável gordura percebeu-se aumento significativo.

Percebeu-se uma diminuição da média da perimetria das voluntárias de 78,55 cm antes do tratamento para 78,35cm depois do tratamento, resultando em uma diminuição de 0,2 cm com p-valor de 0,7967. Apesar de ter ocorrido diminuição das médias esses valores não se mostraram significativos.

O tecido adiposo do abdome é composto de duas camadas de gordura a areolar e a lamelar que são separadas pela fáscia superficial ou estrato fibroso.  A camada lamelar é a primeira a desaparecer quando o individuo emagrece, sendo a camada areolar mais abundante e mais resistente ao emagrecimento. Assim, o tecido adiposo nessa região pode ser muito amplo, e a sua redução submetida a tratamentos não invasivos pode não obter sucesso2.

A variabilidade na medida de circunferências obtida por diferentes avaliadores é relativamente pequena (0,2 a 1,0 cm), com alguns locais diferindo mais do que outros23.

O estrógeno hormônio feminino predispõe as mulheres a reterem fluídos. Sempre que há uma elevação de hormônios sexuais, o corpo esta programado para armazenar gordura para uso posterior24.

O gráfico 3 mostra aumento na média da plicometria de 21,71mm para 21,88mm antes e depois do tratamento respectivamente, resultando em um aumento de 0,12 mm e p valor de 0,8046 sem significância.

De acordo com Heyward et al.23 a validade e fidedignidade das medidas de plicometria são afetadas pela habilidade do avaliador, tipo de plicômetro, fatores do indivíduo, entre outros. Uma grande fonte de erro é a variabilidade existente entre os avaliadores. Aproximadamente de 3 a 9% da variabilidade das medidas podem ser atribuídos a erro de medida devido à diferença entre avaliadores. O tamanho do erro depende do ponto que está sendo medido, sendo estes maiores para as dobras cutâneas do abdômen, que apresenta um percentual de 8,8.


O gráfico 4 demonstra as medições das médias do ultrassom na posição longitudinal antes da realização do tratamento que foi de 20.91mm para 23.35mm depois do tratamento. Resultando em um aumento de 2.44 mm e um p- valor de 0, 0452, sendo este significativo.
A utilização do exame de ultrasonografia de estruturas superficiais como método diagnóstico foi utilizada por se tratar de um exame confiável que possibilita a mensuração da camada adiposa, sendo este realizado por médico especialista, antes e após a realização das aplicações nas voluntárias da pesquisa. Trata-se de um método não invasivo, confiável, que permite medir a distância entre a pele e a gordura, e da gordura para o músculo por meio de ondas sonoras que se propagam através dos tecidos.
De acordo com Borges11, quando se utiliza doses terapêuticas em torno de 1,5 W/cm² essas podem não influenciar diretamente o tecido adiposo ao ponto de “dissolvê-lo”, não proporcionando assim a redução de medidas, mesmo quando há uma associação de produtos cosméticos considerados lipolíticos. Assim, a dose utilizada na pesquisa que foi 1,2 W/cm² pode não ter sido eficaz para promover ação lipolítica.
Polacow et al.25 relataram que a fonoforese foi capaz de acelerar a permeação dos ativos acentuando a ação lipolítica, reduzindo a espessura do tecido adiposo na hipoderme. Sendo este fato de extrema importância no tratamento da celulite quando ela está associada à gordura localizada.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Existe a necessidade de estudos comprovatórios sobre a eficácia das novas modalidades terapêuticas disponibilizadas atualmente no mercado para tratamento desta afecção, portanto, este estudo foi de grande importância para o meio acadêmico agregando valores ao meio científico, pois visou reduzir a adiposidade localizada, problema este que atinge um grande número de mulheres causando um quadro patológico e estético indesejável.
De acordo com os resultados obtidos na pesquisa realizada com o intuito de verificar a ação lipolítica de um gel através da fonoforese na adiposidade abdominal verificou-se que houve diminuição nas variáveis peso e perimetria e aumento nas variáveis plicometria e exame de imagem de ultrassonografia os quais foram significantes apenas para a variável ultrassonografia apresentando os demais valores não significativos. A diferença de peso foi muito pequena e não significativa.
No estudo em questão os valores de redução de adiposidade abdominal com a utilização do ultrassom e de um gel lipolítico não foram significativos. Portanto sugerem-se novos estudos a respeito da temática, além da utilização da técnica em outras regiões do corpo, com um número maior de atendimentos ou um tempo maior de aplicação, utilizando outro produto lipolítico disponível no mercado, ou ainda outros parâmetros no ultrassom terapêutico, assim como a associação do recurso a outras técnicas com o intuito de verificar os possíveis efeitos associados.

REFERÊNCIAS

1. GUIRRO, E.; GUIRRO, R. Fisioterapia Dermato-Funcional: Fundamentos, recurso e patologias. 3 ed. Barueri: Manole, 2004.

2. MAIO, M. Tratado de Medicina Estética. 1 ed. v. 1.São Paulo: Roca, 2004.

3. KAC, G. et al. Fatores associados a obesidade abdominal em mulheres em idade reprodutiva. Revista saúde pública. São Paulo, v. 35, n. 1, fev. 2001.

4. AGNE, J. E. Eletrotermoterapia teoria e prática. Santa Maria/RS: Orium, 2005. p.282-308.

5. CÁRNIO, P. B. Variação dos parâmetros físicos do campo ultra-sônico em fonoforese com diclofenaco gel. 2006. 77 f. Dissertação (mestrado em Bioengenharia)-Escola de Engenharia de São Carlos / Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto / instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo.

6. BOTEZELLI, J.D. et al. Exercício, fosfatidilcolina e depósitos de gordura em ratos. Phosphatidylcholine and fat depots. Revista Digital. Buenos Aires/Unesp Campus Rio Claro, São Paulo, Ano 13, n. 122, Jul. 2008.

7. FRANCISCHI , R. P. P. et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Revista Nutrição. Campinas, v. 13, n. 1, p. 17-28, jan./abr. 2000.

8.FILHO, F. F. R. et al. Gordura visceral e síndrome metabólica: mais que uma simples associação. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabólica. São Paulo v. 50, n. 2, abr. 2006.

9. MENDONÇA, A.G. et al. Protocolo de Avaliação Fisioterapêutica em adiposidade localizada. Revista Fisioterapia Brasil. Jan./fev. 2008. Suplemento especial.

10. OLINTO, M. T. A. et al. Níveis de intervenção para obesidade abdominal: prevalência e fatores associados. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1207-1215, jun. 2006.

11. BORGES, F. S. Dermato-Funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte, 2006. p. 25-68, 269-292.
12. MACEDO, A.C.B.; GEWEHR, P. Programa de verificação e controle de equipamentos de ultrassom terapêuticos. Revista Brasileira de Fisioterapia. v. 6, n. 5, set./out. 2005.

13. DURIGAN, J.L.Q. et al. Mecanismos de interação do ultrassom terapêutico com tecidos biológicos. Revista Fisioterapia Brasil. v. 07, n. 2, mar./abr. 2006.

14. BRESCIA, C.M. et al. Análise morfológica do tecido adiposo subcutâneo submetido à estimulação por ultrassom associado à corrente elétrica: estudo piloto.

15. BORGES, F. S. Eletroterapia. In: Curso de Pós Graduação Instituto Flor de Lotus. 2007, p. 4-18.

16. FISHER, B. D. et al. A comparison of continuous ultrasound and pulsed ultrasound on soft tissue injury markers in the rat. J Phys Ther Sci. v. 15, n. 2, p. 65-67, 2003.

17. JESUS, G. S.; FERREIRA, A. S.; MENDONÇA, A. C. Fonoforese x Permeação cutânea. Revista fisioterapia em movimento. Curitiba, v. 19, n. 4, p. 83-88, out./dez.2006.

18. DUTTON, M. Fisioterapia Ortopédica: exame, avaliação e intervenção. Porto Alegre: Artmed; 2006.

19. TOGNI, A. B. Avaliação dos efeitos do ultrassom associado à fonoforese e endermologia no tratamento de fibro edema gelóide. 2006. 103 f. Monografia (Graduação em Fisioterapia)-Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2006.

20. CERVO, A.; BERVIAN, P. Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2002.

21. GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996.

22. CAMPOS, M. S. P. Curso de Fisioterapia Estética Corporal. [S1], set. 2000.

23. HEYWARD, V. H.; STOLARCZYK, L. M. Avaliação da Composição Corporal Aplicada. 1 ed. Barueri: Manole, 2000. p. 28.

24. ZIMMERMANN, L. Celulite. Revista Vida Estética. RJ, v. 112, p. 48-55, 2004.

25. POLACOW, M. L. O. et al. Efeito do ultrassom na permeação cutânea do Tiraticol: Análise histológica. Revista Brasileira de Fisioterapia. v. 8, n. 1, p. 53-60, 2004.

1 comentário em “EFEITOS DA FONOFORESE COM GEL DE ATIVOS LIPOLÍTICOS NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.