DORES MUSCULOESQUELÉTICAS NA GESTAÇÃO: UMA REVISÃO LITERÁRIA ACERCA DOS BENEFÍCIOS DO MÉTODO WATSU NA DOR LOMBAR DURANTE O 3º TRIMESTRE DA GESTAÇÃO

Jheycyana de Freitas Lima
Jeronice Souza Rodrigues

Jheycyana de Freitas Lima1; Jeronice Souza Rodrigues2

1Acadêmica Finalista do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Manaus – FAMETRO.
2 Fisioterapeuta Especialista; Docente do Centro Universitário de Manaus – FAMETRO.


RESUMO

A lombalgia gestacional é caracterizada como uma condição clínica, de dor intensa ou moderada na região lombar da coluna vertebral, ocorrendo principalmente no terceiro trimestre de gravidez. Neste sentido, a fisioterapia dispõe de recursos que auxiliam no controle álgico e na reeducação funcional da lombalgia gestacional, visando à monitorização das alterações físicas, enfocando a manutenção do bem estar da gestante. Dentro da hidroterapia, vem se destacando o Watsu, método que utiliza técnicas de flutuação aplicando alongamentos e movimentos em água aquecida. Objetivo: Descrever os benefícios do método Watsu como tratamento terapêutico da lombalgia gestacional no 3º trimestre de gestação. Método: Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, caracterizada como uma abordagem de revisão utilizando um método descritivo com objetivo explicativo. Quanto ao método de natureza quantitativa com o grau e controle das variáveis do tipo não experimental. Resultados: Através das análises dos artigos obteve-se as informações concretas de quão são efetivos os benefícios do método Watsu no tratamento da dor lombar durante o 3° trimestre da gestação, contribuindo também com a progressão científica, colaborando com a saúde coletiva e a melhoria na qualidade de vida das gestantes. Conclusão: Os benefícios do método Watsu sobre a dor lombar em gestantes durante o 3° trimestre de gestação resultou na melhora da dor, na flexibilidade, na postura e da capacidade funcional, visto que reduziu as dores musculoesqueléticas nas grávidas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Hidroterapia; Lombalgia Gestacional.

ABSTRACT

Gestational low back pain is characterized as a clinical condition, of severe or moderate pain in the lumbar region of the spine, occurring mainly in the third trimester of pregnancy. In this sense, physiotherapy has resources that help with pain control and functional re-education of gestational low back pain, aiming at monitoring physical changes, focusing on maintaining the well-being of the pregnant woman. Within hydrotherapy, Watsu has been highlighted, a method that uses flotation techniques applying stretches and movements in heated water. Objective: To describe the benefits of the Watsu method as a therapeutic treatment for low back pain during the 3rd trimester of pregnancy. Method: This is a bibliographic search, characterized as a review approach using a descriptive method with an explanatory objective. As for the quantitative method with the degree and control of non-experimental variables. Results: Through the analysis of the articles, concrete information was obtained about how effective the benefits of the Watsu method are in the treatment of low back pain during the 3rd trimester of pregnancy, also contributing to scientific progression, collaborating with collective health and improvement in the quality of life of pregnant women. Conclusion: The benefits of the Watsu method on low back pain in pregnant women during the 3rd gestational tremor resulted in improved pain, flexibility, posture and functional capacity, since it reduced musculoskeletal pain in pregnant women.

Keywords: Physiotherapy; Hydrotherapy; Gestational low back pain.

INTRODUÇÃO

Para Dangelo e Fantini (2011), a gestação é um período de profundas modificações físicas que preparam o organismo feminino, através de uma série de eventos, para abrigar e suster o desenvolvimento e crescimento embrionário-fetal de seu filho, adequando-o as novas necessidades apresentadas. Ela tem seu estopim com a fecundação e seu término no parto. A compreensão dessas modificações é fundamental para uma assistência qualificada ao pré-natal e para a preparação materna para o parto.

Na pesquisa realizada por Cortez et al., (2012), afirmam que essas mudanças ocorrem desde o início da gestação e afetam o funcionamento de vários sistemas no corpo humano, desde o sistema circulatório ao musculoesquelético, sendo esse um processo de transformações e adaptações que em algumas mulheres trazem consequências que podem resultar em dor e limitações em suas atividades diárias.

Conforme Katonis et al., (2011), a compressão dos grandes vasos pelo útero gravídico causa diminuição do fluxo sanguíneo medular e pode causar lombalgia, particularmente no último semestre gestacional. E ainda podem ser observadas significativa retenção hídrica determinada pelo estímulo da progesterona e frouxidão ligamentar por secreção de relaxina pelo corpo lúteo, o que torna as articulações da coluna lombar e do quadril menos estáveis e, portanto, mais susceptíveis ao estresse e à dor.

De acordo com Carvalho et al., (2017), em vista do ponto biomecânico, a gestante possui uma postura influenciada pelo deslocamento do centro de gravidade que se projeta anteriormente, em decorrência do crescimento abdominal e dos seios. Dentre as alterações que a gestante pode apresentar encontram-se a instabilidade articular, redução do arco plantar, anteversão pélvica e aumento da lordose lombar, com intuito de auxiliar na conservação do equilíbrio.

No estudo de Madeira (2012), a etiologia real, ou seja, a lesão que provoca a dor na grande maioria dos casos de lombalgias “de consultório” é de difícil identificação, estimando-se que apenas 30% delas correspondam a lombalgias de origem visceral inflamatória ou neoplásica. O restante cai na designação das lombalgias de natureza mecânica. Acrescenta Madeira et al., (2013), que as queixas são mais comuns estão em grávidas chegando a uma estimativa de aproximadamente 50% de relatos em algum momento da gravidez.

Conforme Macedo, Debiagi e Andrade (2010), no tratamento da lombalgia aguda recomenda-se analgésicos simples e antiinflamatórios não hormonais (AINH), além de atividades físicas diárias que fortaleçam os músculos envolvidos na extensão e flexão do tronco, a manipulação vertebral, deve-se evitar posições que aumentem as pressões intradiscais lombares principalmente no terceiro trimestre de gestação onde os cuidados são redobrados.

Segundo Giacopini, Oliveira e Araújo (2017), a fisioterapia tem um papel importante na melhora da qualidade de vida da gestante, diminuindo suas queixas álgicas, através de programas terapêuticos, incluindo a prática segura de exercícios físicos que fortaleçam a musculatura dorsal e abdominal. Visto que, deve ser tomados os devidos cuidados em relação aos tipos de exercícios, a duração, respeitando as contraindicações, as patologias associadas com acompanhamento profissional e indicação clínica de maneira individualizada, para que não venha ocorrer possíveis intercorrências.

De acordo com Cunha e Martins, (2016); Orsini et al., (2010), o método Watsu se emprega através de técnicas de flutuação, por meio de alongamentos passivos e movimentos rítmicos Zen Shiatsu em suporte de água aquecida a 35ºC, gerando uma mobilização articular, rotação de tronco que auxilia no relaxamento profundo, além de pressão em acuopontos, “tsubos”, para equilíbrio dos fluxos de energia através de caminhos de energia, denominados meridianos, os quais proporcionam leveza, redução do cansaço, melhora da dor na coluna, da circulação e edema nas gestantes.

A partir dos dados expostos, percebeu-se a necessidade de aprofundamento sobre a temática, com intuito de demonstrar os benefícios do método Watsu aplicado ao tratamento da lombalgia no 3º trimestre de gestação, desta forma viabilizaram intervenções efetivas direcionadas ao tratamento desta patologia, contribuindo também com a progressão científica, colaborando com a saúde coletiva e a melhoria na qualidade de vida desta população.

O objetivo desta pesquisa foi descrever os benefícios do método Watsu como tratamento terapêutico da lombalgia gestacional no 3º trimestre de gestação, proporcionando melhora no alívio da dor e dos sintomas causados destes distúrbios musculoesqueléticos nessa fase e da capacidade funcional destas mulheres.

METODOLOGIA

Trata-se de um estudo de revisão de literatura, com método descritivo quantitativo-explicativo. O levantamento de dados teve um tempo limite de três meses, onde se utilizou livros da biblioteca do Centro Universitário Metropolitano de Manaus – FAMETRO, bem como o computador para fazer as pesquisas dos artigos, revistas nas plataformas Google e Chrome.

E sendo utilizados como bases de dados: Scientific Eletronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Medical Literature Analysisand Retrieval Sistem Online (MEDLINE) a partir dos seguintes descritores: Fisioterapia, Hidroterapia e Lombalgia Gestacional. Também foram consultados livros de referência e manuais técnicos e diretrizes do Ministério da Saúde sobre o tema, onde a escolha dos locais específicos de busca se deu devido se tratarem de recursos gratuitos.

Os critérios para inclusão empregados para escolha do objeto de pesquisa baseou-se em: artigos completos na íntegra que retrataram a aplicação do método Watsu na lombalgia gestacional, publicados em português e inglês no período entre 2010 e 2019. E como critérios de exclusão utilizados constituíram: artigos incompletos, duplicados, artigos que não abordaram o tema específico.

E o trabalho finalizou obedecendo os aspectos éticos conforme Lei dos direitos Autorais (Lei nº 9.610) e com a listagem de suas respectivas referências seguido de seu apêndice. Para embasar o trabalho foram consultados 19 (dezenove) artigos e 2 (duas) obras literárias voltadas para a temática abordada. Após busca as informações dos artigos restaram 12 artigos com os critérios devidamente compatíveis com a pesquisa, sobre a técnica utilizada, onde foram consultados para desenvolver e embasar todo o conteúdo explorado.

Figura 1: Fluxograma de identificação e seleção dos artigos para a revisão bibliográfica acerca dos benefícios do Método Watsu na dor lombar durante o 3° trimestre de gestação.

Fonte: Autora, 2020.

RESULTADOS

A tabela 2, mostra os artigos selecionados, para a realização desta revisão foram um total de 12, e segundo a análise de cada um obteve-se um resultado para mostrar sobre os benefícios do Método Watsu na dor lombar durante o 3º trimestre da gestação.

Tabela 2: Principais resultados encontrados após a aplicação do Método Watsu.

AnoAutorProtocoloPrincipais Resultados
2018 2017 2014Barros et al. Hora et al. Backhausen et al.2x por semana com 45 minutos cada atendimentoRedução da dor.
2017 2015 2012Cipriano e Oliveira Schitter et al. Neves1x na semana com duração de 60 minutosMelhora do estresse.
2013 2011 2010Muniz et al. Sebben et al. Acosta2x por semana com duração de 50 minutosMelhora da postura.
2018 2014 2010Fogaça e Oliveira. Guth et al. Cunha, Carvalho e Caromano1 única sessão com duração de 36 a 45 minutosRelaxamento corporal.

DISCUSSÃO

Os estudos apresentados na tabela 2, expõe aplicação do método Watsu na dor lombar em gestantes, evidenciando a importância dos benefícios desta e a implementação de um programa de tratamento para se obter um melhor parto, assim como a importância na promoção da qualidade de vida, objetivando nos resultados positivos para a redução da dor nas grávidas, visando nas melhorias para o período gestacional.

Segundo Barros et al., (2018), submeteram a gestante com idade de 20 anos com queixa de dor lombar a um protocolo de tratamento em água aquecida (Watsu). O tratamento foi realizado duas vezes por semana, durante 60 min, divididos em alongamento, fortalecimento e relaxamento. Após a realização do protocolo observou-se redução dos níveis de dor e melhora da qualidade de vida. A hidroterapia foi um
método eficaz no tratamento conservador para a lombalgia em gestante.

Enquanto Hora et al., (2017), encontraram que uma única sessão de Watsu parece influenciar na sensação de relaxamento corporal e as variáveis fisiológicas parecem ser mais influenciadas pela temperatura da água, do que diretamente pelo método. Portanto, podemos sugerir que as intervenções aquáticas, incluindo a fase de relaxamento, podem ser benéficas para o controle de queixas álgicas provocadas pelas alterações fisiológicas e posturais desencadeadas na gestação.

Concordando com os autores anteriores Backhausen et al., (2014), realizou um programa de exercícios aquáticos para verificar seus efeitos sobre a intensidade da dor lombar nas gestantes, sua aplicação foi por 2 meses, com duração de 45 minutos, 2 vezes por semana. As atividades consistiram em seis exercícios, sendo os quatro primeiros com flutuadores; um dom a prancha; e corrida com colete de flutuação. Após o protocolo identificaram melhora da dor lombar, que proporcionou um relaxamento corporal e uma maior facilidade em realizar os exercícios.

Entretanto, acreditamos que o Watsu aplicado por um tempo maior de tratamento, proporcionou alívio das dores nas costas devido ao relaxamento induzido pelo calor da água, durante horas ou dias, ou, em alguns casos, alívio completo. Além da melhora na qualidade de vida, tornando-a prazerosa e eficaz no tratamento da dor lombar durante o 3° trimestre gestacional.

No estudo realizado por Cipriano e Oliveira, (2017), em 20 gestantes, submetidas a realizar exercícios na água afim de melhorar as dores lombares realizado 1 vez na semana com duração de 60 minutos, começando a aplicação com aquecimento, em seguida com alongamento, exercícios para MMSS e MMII, mobilidade pélvica, e relaxamento. E ao final do tratamento mostrou melhora em relação à dor e à funcionalidade das atividades rotineiras das gestantes, o que resultou também na melhora de humor e estresse delas.

Schitter et al., (2015), realizaram um estudo com a técnica de Watsu em gestantes no 3º trimestre de gestação com queixa de dor lombar, 9 mulheres participaram do grupo intervenção e 8 do grupo controle, com sessões de uma vez por semana e com duração de 60 minutos em água a 35°C. A melhora na dor foi relatada por 26,3% das participantes com 95% de analgesia e foram observados efeitos sobre estresse e humor, promovendo melhorias proeminente na qualidade de vida das grávidas para o seu dia-a-dia.

Concordando com os autores anteriores Neves, (2012), em seu estudo realizado em 24 mulheres diagnosticadas com dor lombar, utilizaram técnica de Watsu com sessões de uma vez por semana e duração de 60 minutos em uma clínica privada, aplicada com movimentos leves, por meio de dança respiratória na água, sanfona, sanfona em rotação, rotação da perna próxima e tração lombar. Após o final do tratamento as pacientes relataram redução do quadro sintomatológico, tais como melhora na analgesia, do humor e estresse.

Contudo, acreditamos que o método Watsu é benéfico para a melhora da redução de dor lombar nas gestantes, pois proporcionou analgesia, relaxamento, bem estar após a cada sessão, e ainda observaram uma progressão nos quesitos de humor e estresse, trazendo mais calmaria e conforto no dia a dia de cada gestante. Além de promover a diminuição da tensão dos músculos e sobrecarga das articulações.

No estudo de Muniz et al., (2013), recrutaram gestantes com sintomas de dor lombar submetidas a realizar um tratamento com fisioterapia aquática (Watsu). Os atendimentos foram realizados 2 vezes por semana com duração de 50 minutos cada sessão e totalizando 10 sessões. Procedeu-se em quatro fases sendo subdivido em 10 minutos de aquecimento, 10 minutos de alongamentos, 20 minutos de exercícios específicos e finalizando com 10 minutos de relaxamento. E ao final dos atendimentos as gestantes relataram a diminuição de dores lombares, melhora da postura e capacidade funcional para realizar suas atividades diárias, proporcionando assim o estado físico e metal delas.

Enquanto Sebben et al., (2011), que utilizaram a técnica de Watsu na mesma série de 10 sessões com exercícios de aquecimento, alongamento exercícios localizados e de relaxamento na água por 50 minutos com duas gestantes de 4 meses e 8 meses de gestação onde a melhora no quadro álgico foi de grau 6 para grau 1 em uma paciente e de grau 8 para grau 0 para a segunda paciente, apresentando também uma melhor postura com alteração da hiperlordose lombar, tornando a técnica um elemento chave para o tratamento da dor lombar em gestantes.

Concordando com os estudos anteriores Acosta (2010), utilizou a técnica Watsu e obtiveram os mesmos resultados quanto à analgesia onde 18 mulheres realizaram 10 sessões com técnicas de watsu e relaxamento por 60 minutos 2 vezes na semana, com água em temperatura entre 33° e 35°C onde se observou uma redução em média de 50% da dor nas participantes e beneficiando também melhora postural.

Entretanto, pode-se afirmar que os autores em seus respectivos estudos, sugerem que os benefícios do método Watsu na dor lombar em gestantes, pois sua aplicação consiste em uma forma de relaxamento feita na água, no intuito de contribuir na redução dos sintomas dolorosos e na má postura, proporcionando relaxamento muscular que ajuda a aliviar ou diminuir as dores na coluna durante horas ou dias. Portanto, pode ser indicado como uma forma de tratamento funcional e de grande mobilidade, devido as suas particularidades combinadas a exercícios e alongamentos eficazes na prevenção de dores musculoesqueléticas na gestação.

Segundo Fogaça e Oliveira, (2018), sua amostra contou com seis gestantes entre 25 a 33 anos, com 100% de queixa de dor lombar e realizaram hidroterapia por meio do método Watsu uma vez por semana, e cada aula tinha duração de 45 minutos. As sessões eram subdivididas em exercícios de aquecimento, alongamento de coluna cervical, ombros, quadríceps e isquiotibiais, rotação torácica e extensão, encerrando com 10 minutos de massagem e flutuação. Após a intervenção da fisioterapia aquática nas gestantes apresentaram sair sem queixas de dores, a intensidade de dor préatendimento mostrou redução com a evolução das sessões, o qual proporcionou aumento da flexibilidade e relaxamento corporal.

Enquanto Guth et al., (2014), realizaram um estudo com 21 gestantes com diagnostico de dor lombar, as quais foram submetidas a intervenções aquáticas uma vez por semana, e cada aula tinha duração de 45 minutos. E no decorrer das aplicações relataram melhora da flexibilidade e redução da dor nas lombar, também proporcionou o relaxamento e bem estar nas gravidas durante e após cada sessão aquática, ou seja, atendendo aos anseios para a melhoria da qualidade de vida desta população.

Concordando com os autores anteriores Cunha, Carvalho e Caromano (2010), submeteram 30 mulheres saudáveis com idade mínima de 20 e máximo de 52 anos a sessão única de Watsu com duração de 36 minutos, onde diferenças estatisticamente significante foram encontradas nas médias de variação da PA média, duplo produto e frequência cárdia entre os momentos no solo, antes e logo após a imersão e, logo após e cinco minutos após a imersão e, antes e depois da intervenção, indicando que a intervenção não significou esforço físico e proporcionou relaxamento. Encontrou-se melhora da flexibilidade e diminuição da dor nas costas.

Portanto, acreditamos que a aplicação do método Watsu em uma única sessão pode ser benéfico na diminuição do quadro álgico na lombar nas gestantes, visto que após ao atendimento relataram estar mais relaxadas por conta de a água ser morna, não referindo dor ao término do atendimento. Também observou melhora na flexibilidade e leveza em realizar alguns movimentos.

CONCLUSÃO

Diante da pesquisa realizada, pode-se salientar a importância da fisioterapia através dos benefícios do método Watsu para o tratamento de dores lombar no 3° trimestre de gestação, foram eficazes principalmente para o aumento da flexibilidade, melhora da postura, alivio de dor o que proporcionou um relaxamento corporal e uma maior facilidade em realizar os exercícios, reduzindo assim o estresse e a ansiedade, melhorando o bom humor, a capacidade funcional e autoestima, e sendo tratado no tempo adequado traz melhora nas dores musculoesqueléticas das grávidas.

Portanto, concluímos que os benefícios do método Watsu sobre a dor lombar em gestantes durante o 3° trimestre de gestação resultou na melhora da dor, na flexibilidade, na postura e da capacidade funcional, visto que reduziu as dores musculoesqueléticas nas grávidas, promovendo a melhor qualidade de vida delas, tornando a fisioterapia aquática de extrema importância na contribuição e redução dos riscos de possíveis patologias que possam prejudicar as gestantes. O presente artigo fica aberto a novos estudos dentro do ambiente acerca dos benefícios do método Watsu na dor lombar durante o 3º trimestre da gestação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACOSTA, A. M. C. Comparação da utilização das técnicas de watsu e relaxamento aquático em flutuação assistida nos sintomas de ansiedade, depressão e percepção de dor. São Paulo, 2010.

BARROS, F. L; SOUZA, F.R; COUTO, M.D; BEZERRA, L.L; SILVA, M.B.S; PACAGNELI, F.L; PIEMONTE, G.A. Efeito do tratamento hidroterápico na dor lombar e qualidade de vida de gestante: estudo de caso. Colloq Vitae, v. 10, n. 1, p. 74-79, 2018.

BACKHAUSEN, M.G; KATBALLE, M; HANSSON, H; TABOR, A; DAMM, P;

HEGAARD, H.K. A standardised individual unsupervised water exercise intervention for healthy pregnant women. A qualitative feasibility study. Sex Reprod Healthc. 2014; 5(4): 176-81.

CARVALHO, M.E.C.C; LIMA, L.C; TECEIRO, C.A.L; PINTO, D.R.L; SILVA, M.N;

COZER, G.A; COUCEIRO, T.C.M. Lombalgia na Gestação. Revista Brasileira Anestesiologia, Rio de Janeiro, v.67, n. 3, p. 266-270, 2017.

CIPRIANO, P; OLIVEIRA, C. Influência da bandagem elástica kinesio tape e da hidroterapia na dor pélvica posterior e na funcionalidade nas atividades diárias de gestantes. Fisioter Bras. 2017; 18(1): 02-I: 11.

COSTA, S. B; ASSIS, T. O. Hidrocinesioterapia como escolha de tratamento para lombalgia gestacional. Revista Eletrônica de Ciências. v. 9, n. 13/14, 2010.

CORTEZ, P. J. O; FRANCO, T.A. S; SENE, T.M; CARVALHO, T.D; TOMAZINI, J.E. Correlação entre a dor lombar e as alterações posturais em gestantes. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v. 37, n. 1, p. 30-35, 2012.

CUNHA, M. G.; CARVALHO, E. V.; CAROMANO, F. A. Efeitos da sessão única de

Watsu. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, São Paulo, v.10, n.1, p.103-109, 2010.

DANGELO, J. G.; FANTINI, C. A. Sistema Genital Feminino. In: DANGELO, J. G.; FANTINI, C. Anatomia humana básica. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2011. p. 189-198.

FOGAÇA, K.F.B; NETTO, A.O. Técnicas Fisioterapêuticas Aplicadas no Tratamento da Lombalgia Gestacional. Monografia (Graduação) – FSP – Faculdade Sudoeste Paulista – Fisioterapia. Tapetininga,2018, 28 p.

GIACOPINI, S. M.; OLIVEIRA, D. V.; ARAÚJO A. P. S. Benefícios e recomendações da prática de exercícios físicos na gestação. Rev. BioSalus. 2016.

GUTH, B.D.N; ROVEDA, P.O; CARNEIRO, K.M.V.A; VARGAS, T.F.B. Perfil das Gestantes Participantes do Projeto de Extensão 223oficinas de Saúde na Hidroterapia224. Anais do V Salão de Ensino e de Extensão – Ciências Biológicas e da Saúde. 2014, INSS 2237-9193.

HORA, C. R. B. et al. Variações fisiológicas e sensações subjetivas de discentes do Centro Universitário Tiradentes – AL, submetidos a uma única sessão de watsu. Cad Graduação Ciênciais Biológicas e Saúde Unit. v. 4, n. 1, p. 31-42, 2017.

KATONIS, P; KAMPOUROGLOU, U.M; AGGELOPOULOS, U.M; KAKAVELAKIS, K; LYKOUDIS, S; MAKRIGIANNAKIS, U.M; ALPANTAKI, K. Pregnancy-related low back pain. Hippokratia. n. 15, p. 205-210, 2011.

MADEIRA, H. G. R. Lombalgia em Gestantes: Prevalência, Características e Fatores Associados. – Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Maranhão, 2012.

MADEIRA, H. G. R; GARCIA, J.B.S; LIMA, M.V.V; SERRA, H.O. Incapacidade de fatores associados á lombalgia durante a gravidez. Revista Brasileira Ginecologia, v. 35, n.12, p.541-8, 2013.

MUNIZ, C.M.C; LEAL, I.R.B; PAES, I.G; GOUVEIA, M.O.C; RODRIGUES, P.T. Intervenção da Fisioterapia Aquática na Lombalgia de Gestantes. Relatório de Pesquisa apresentado ao Núcleo de Pesquisa e de Extensão (Nupex) do Centro de Ensino Superior e Desenvolvimento (Cesed), Campina Grande-PB, 2013.

NEVES, E. Técnica de Watsu: Aplicação na Hérnia de Disco. Novafisio. Rio de Janeiro, 2012.

ORSINI, M; FREITAS, M.R.G; MELLO, M.P; ANTONIOLI, R.S; KELE, N; EIGENBEER, J.F; REIS, C.H.M; NASCIMENTO, O.J.M. Hidroterapia no gerenciamento da espasticidade nas paraparesias espásticas de várias etiologias. Rev. Neurociência. v.18, n.1, p.81-86, 2015.

SCHITTER, A. M; NEDELJKOVIC, M; BAU, H; FLECKENSTEIN, J; RAIO, L. Effects of passive hydrotherapy WATSU (WaterShiatsu) in the third trimester of pregnancy: results of a controlled pilot study. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, 2015.

SEBBEN, V; PERUSSOLO, C; GUEDES, J.M; TOURINHO, H.F. Tratamento hidroterapeutico na dor lombar em gestantes. Revista perspectiva Erechim, v. 35, n. 129, p.167-175, 2011.

1 comentário em “DORES MUSCULOESQUELÉTICAS NA GESTAÇÃO: UMA REVISÃO LITERÁRIA ACERCA DOS BENEFÍCIOS DO MÉTODO WATSU NA DOR LOMBAR DURANTE O 3º TRIMESTRE DA GESTAÇÃO”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.