Critérios para avaliação diagnóstica

Quando eu era acadêmico, resolvi fazer meus ísquios trabalharem para aumentar meus conhecimentos, quando tive contato com o livro de O’Sullivan, FISIOTERAPIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO, 2ª edição, publicada no ano de 1993. Pesquisando sobre ele, vi que a autora já publicou a 5ª em 2010 e, em recente contato com profissionais fisioterapeutas, boa parte deles não conhecia a referida obra.

Em virtude dos recentes artigos que tenho escrito, abordando diagnóstico fisioterapêutico, imaginei que fosse interessante trazer ao público uma ideia que poderá auxiliar os profissionais no momento que antecede a tomada de decisão terapêutica: a anamnese. A Resolução COFFITO 80/87 o define como processo de detecção dos desvios da normalidade na estrutura e funcionamento do corpo, mas até aí ausentes os parametros a utilizar para mensurá-los. Por isso, apresento aos que ainda não conheciam os estágios do controle motor, segundo Susan B. O’Sullivan.

 

Inicialmente, o fisioterapeuta precisa verificar se houve ou não alteração na mobilidade e para este item cito a máxima osteopática de que “para toda hipomobilidade há uma hipermobilidade compensatória”, o que minimiza a acurácia dos testes de flexibilidade, por exemplo. Em seguida, a avaliação da estabilidade, ou seja, da capacidade  sustentatória de posições, logo, da mobilidade controlada, diz-se do movimento por toda amplitude, e, por fim, da habilidade, do grau de coordenação da funação motora.

Então, recomendo que seja utilizado o MODELO DE DISFUNÇÃO MUSCULO-ESQUELÉTICA  como referência das constatações realizadas pelo profissional durante o exame físico-funcional do seu paciente, no intuito de correlacionar os achados aos processos corporais prejudicados, o que vai facilitar ao fisioterapeuta antecipar o que poderá acontecer e saber o que já ocorreu até o momento da avaliação.

Em síntese, são itens que abrangem o movimento em geral, aplicáveis em diferentes frentes de atuação na Fisioterapia e adaptáveis às que aparentemente não o recepcionariam devido à natureza da assistência, tal como na terapia intensiva, para qual podemos exemplificar a mobilidade reduzida da caixa torácica interferindo na capacidade inspiratória do doente.

 

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.