Covid-19. Fisioterapeutas estão em exaustão física e fadiga psicológica em Portugal

Um estudo realizado por investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), que envolveu 511 fisioterapeutas, concluiu que mais de 40% destes profissionais estão “em situação de exaustão física e fadiga psicológica” devido à pandemia.

Em comunicado, a FMUP explica hoje que o estudo, que envolveu também investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS) e da Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto, visava avaliar o impacto da covid-19 nestes profissionais de saúde ao nível da depressão, ansiedade e ‘burnout’.

Dos 511 fisioterapeutas que participaram no estudo, que teve por base um questionário ‘online’, mais de metade tratam doentes presencialmente, 35% estão em serviços de internamento e 18% trabalham diretamente com doentes infetados pelo novo coronavírus, que provoca a covid-19. 

Citada no comunicado, Cristina Jácome, investigadora da FMUP e do CINTESIS, afirma que a covid-19 “expôs a importância vital dos fisioterapeutas na reabilitação dos doentes, desde a fase aguda até ao acompanhamento a longo prazo”.

“Importava, por isso, perceber como se encontravam os fisioterapeutas do ponto de vista psicoemocional”, sublinha a investigadora.

No questionário, 42% dos fisioterapeutas afirmaram estar em ‘burnout’, “uma percentagem superior à de outros estudos nacionais e internacionais que apontam para 10 a 30%”, refere a FMUP.

Para os investigadores, tal fenómeno pode ser explicado pelo “envolvimento em situações de trabalho emocionalmente exigentes” e por uma “menor capacidade de adaptação ao ‘stress’ do contacto com doentes com covid-19”.

“Quando tentámos compreender que características estavam a contribuir para o estado de fadiga e exaustão, verificámos que os fatores mais relevantes eram uma menor resiliência, níveis mais elevados de depressão, de stress e reabilitar doentes com covid-19”, explica a Cristina Jácome, que além de investigadora é fisioterapeuta.

Associados a estes fatores podem também estar outros problemas, nomeadamente dificuldades económicas, menor produtividade, redução da qualidade dos cuidados de saúde prestados e o aumento do tempo necessário para a recuperação dos doentes “com todas as consequências que daqui advêm para o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, alerta a investigadora.

Por esse motivo, Cristina Jácome considera ser essencial e “urgente” que se implementem estratégias de mitigação para promover a saúde dos fisioterapeutas para garantir a qualidade dos serviços prestados.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.275.113 mortos em mais de 51,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.103 pessoas dos 192.172 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/pais/1625525/covid-19-fisioterapeutas-estao-em-exaustao-fisica-e-fadiga-psicologica

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.