Como combater o envelhecimento da pele causado pela má alimentação

Alimentos industrializados e altamente processados podem causar oxidação, inflamação celular e glicação do colágeno. Além de adequar a dieta, alguns suplementos podem ajudar a combater esses males.

Alimentar-se bem para ter uma pele saudável parece o assunto do momento. Isso porque, cada vez mais, a ciência prova que alimentos industrializados e altamente processados nos trazem um aporte de xenobióticos (compostos químicos estranhos ao organismo) e de produtos de glicação avançada (AGEs). Isso agrava três pontos importantes: oxidação celular, inflamação clínica e subclínica e a glicação onde a oxidação causada pelos raios UV aumenta a produção de radicais livres e danos ao DNA e proteínas. Os danos provocados pela inflamação aumentam a expressão de enzimas que aceleram o envelhecimento, aumentando a flacidez, e a glicação resulta no enfraquecimento da estrutura do colágeno”, afirma a farmacêutica e diretora científica da Biotec Dermocosméticos, Mika Yamaguchi. É necessário adequar a dieta, com alimentos que podem melhorar a fotoproteção como tomate e açafrão; diminuir a inflamação com os probióticos e prebióticos; e a respeito da glicação, diminuir o consumo de açúcares e carboidratos. Mas além disso, alguns suplementos podem ajudar a combater a oxidação, inflamação e glicação, tais como:

Para inflamação

Ativos: FC Oral + Desmovit

Fosfolipídeos de caviar combatem a inflamação pela presença de EPA e DHA vetorizados em fosfolipídeos. “Também auxiliará no restabelecimento da membrana celular melhorando a fluidez da membrana e aumentando a absorção de nutrientes pela célula. Pode ser formulado com Desmovit, um ingrediente que diminui a inflamação do fígado gerada pelo uso excessivo de medicamentos e que geram subprodutos tóxicos decorrentes do excesso de álcool e problemas digestivos”, diz Mika. A diminuição da inflamação do fígado auxiliará na metabolização e melhor absorção de ativos lipossolúveis, bem como de nutrientes que tenham metabolização hepática.

Para oxidação

Ativos: Glycoxil e Glisodin

No combate à oxidação, Glycoxil é um peptídeo mimético da carcinina que tem uma ação diferenciada por ser um antioxidante universal. “O ativo tem a capacidade de proteger a fase lipídica e hídrica da célula. Possui uma ação antiglicante e desglicante atuando em todas as fases de formação dos agentes avançados de glicação. Quando associado a Glisodin, há um aumento da capacidade do organismo de se defender da oxidação e glicação com um amplo mecanismo de proteção contra os radicais livres, oriundos das mais diversas fontes”, afirma Mika.

Para glicação

Ativos: Glycoxil e Exsynutriment

A glicação é um processo que enfraquece a estrutura do colágeno e a arquitetura da derme, então a associação de Glycoxil com Exsynutriment reestrutura essa matriz extracelular pelo fornecimento de silício que é um cimento dérmico ligando as proteoglicanas e ácido hialurônico ao colágeno que mantém as estruturas moleculares, fundamental para manutenção da firmeza e elasticidade da pele. “Assim, temos uma auto-hidratação e estímulo de proteínas funcionais pela diminuição da glicação e, concomitantemente, estímulo da produção de novas fibras colagênicas de forma estruturada”, diz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.