Com mais de 100 profissionais, fisioterapia contribui na reabilitação de pacientes na Santa Casa

O hospital conta hoje com 110 fisioterapeutas e, o que poucos sabem, é que a especialidade está presente em praticamente todos os setores

A Santa Casa de Campo Grande, maior e mais bem equipado hospital do Estado, é referência em diversas especialidades médicas e assistenciais. O Serviço de Fisioterapia é uma delas e conta com profissionais especializados atuando na urgência e emergência do Pronto-socorro, Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e, também, nas enfermarias convencionas proporcionando uma reabilitação específica aos pacientes até sua recuperação e alta hospitalar.

Para definir o cuidado que é dispensado aos pacientes é traçado um perfil, para isso o serviço foi dividido em duas linhas assistenciais, setores fechados (áreas mais críticas) e setores abertos (enfermarias). Esse modelo faz com que o hospital aplique a experiência de profissionais especialistas no cuidado sendo destacado a maior demanda nos serviços de neurocirurgia, ortopedia, clínica médica, ala dos queimados, UTIs e outros, e agora, especialmente na ala COVID-19.

O hospital conta hoje com 110 fisioterapeutas e, o que poucos sabem, é que essa especialidade está presente em praticamente todos os setores, contribuindo assim no tratamento dos pacientes internados conforme destaca coordenadora multiprofissional, Rayssa Lima.

“Essa linha de cuidado inicia desde a entrada do paciente na monitorização do sistema respiratório em alguns casos mais graves e na atenção ao quadro motor, que reflete em uma alta hospitalar com melhores resultados. A atuação dos profissionais de forma específica é muito importante na tomada de decisão do tratamento dos pacientes. A experiência de muitos deles, que contam especialização acadêmica na área, inclusive com doutorado, traz ainda mais segurança nos processos dentro da instituição”, comentou.

Com mais de 100 profissionais, fisioterapia contribui na reabilitação de pacientes na Santa CasaAo longo do tempo, a quantidade de pacientes graves e com diversas patologias vem aumentando e isso tem motivado ainda mais a equipe a aperfeiçoar seus conhecimentos para serem aplicados no dia a dia. Para se ter uma referência, em 2019 foram realizados uma média mensal de 13.740 procedimentos em fisioterapia e, em 2020, no primeiro semestre foram feitos 69.850 atendimentos.

A atuação destes profissionais envolve, por exemplo, cuidados respiratórios – manejo da ventilação artificial em pacientes graves, desmame ventilatório (processo de retirada gradual da utilização da ventilação mecânica) e o acompanhamento da manutenção e melhora da função pulmonar, a fim de se evitar as complicações advindas da internação prolongada.

Em relação à reabilitação física, desde a internação na UTI, a mobilização precoce tem papel fundamental para prevenção da fraqueza muscular adquirida, complicação inerente ao quadro clínico do paciente e do imobilismo no leito. Este processo se estende quando o paciente é transferido para uma enfermaria, com o foco no restabelecimento da independência funcional e na melhora da qualidade de vida, como nos casos dos pacientes com sequelas de comprometimento neurológico grave, dos que estão internados no Centro de Tratamento de Queimaduras e nos demais setores convencionais.

Aliás, a atuação da fisioterapia é obrigatória em Unidade de Terapia Intensiva, por exemplo, realizando o manejo da ventilação mecânica, prevenção de doenças circulatórias, dentre outros cuidados extremamente importantes que já eram realizados através de protocolos institucionais e que se tornaram ainda mais visíveis neste momento de pandemia global.

Especialização

Através do efetivo altamente titulado, produções científicas são desenvolvidas por meio de publicação de artigos, trabalhos de pesquisa, estudos de caso e teses com base em atendimentos desenvolvidos nos setores que são divididos, por vezes, em cursos e treinamentos realizados em parceria com a Escola de Saúde na instituição e, até mesmo, em congressos de impacto nacional e internacional.

“Nossos trabalhos são sempre compartilhados com os demais profissionais que compõe a equipe multiprofissional, mas a parceria que temos com a Escola de Saúde do hospital tem proporcionado inúmeras capacitações internas e externas, sempre com a participação de fisioterapeutas. Além dos trabalhos, pesquisas e estudo de casos tem sido publicada”, lembrou o supervisor de fisioterapia das enfermarias, Marlon de Oliveira.

Equipe multiprofissional

Uma das formas de aproveitar o vasto conhecimento dos profissionais foi a criação da “Sessão Multiprofissional”, projeto que envolve outras especialidades como: psicologia, terapia ocupacional, serviço social e fonoaudiologia em um encontro para discussão de caso, compartilhamento de técnicas e demais assuntos que influenciam não apenas na rotina de trabalho, mas na oferta de atendimento aos pacientes internados. A interação entre essas equipes está sendo fundamental para tomada de decisão e num trabalho contínuo com resultados satisfatórios.

Fonte: https://www.enfoquems.com.br/com-mais-de-100-profissionais-fisioterapia-contribui-na-reabilitacao-de-pacientes-na-santa-casa/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.