106 ago 2020

FUNCIONALIDADE DE MEMBRO SUPERIOR, DOR E CÂNCER DE MAMA: O QUE HÁ DE NOVO?

Dra. Mariana Maia de Oliveira Sunemi (SP) Supervisora do curso de especialização em Fisioterapia Aplicada à Saúde da Mulher – CAISM/Unicamp; Pós-doutorado em Ciências da Saúde – Unicamp. Contextualização: O câncer de mama é a neoplasia maligna mais frequente entre as mulheres em todo o mundo. A melhoria contínua dos métodos de detecção e diagnóstico …

FUNCIONALIDADE DE MEMBRO SUPERIOR, DOR E CÂNCER DE MAMA: O QUE HÁ DE NOVO? Leia mais »

ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NO CONTROLE DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA

Dr. Fábio Souza Cupti (RJ) Fisioterapeuta da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e da Universidade Federal Fluminense – UFF; Mestre em Ciências pela UFRJ; Especialização em Eletrotermofototerapia pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Contextualização: Entre as diversas formas de tratamento existentes para controle da dor musculoesquelética, a estimulação elétrica destaca-se como …

ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NO CONTROLE DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA Leia mais »

MODIFICAÇÕES ELETROCORTICAIS EM PACIENTE COM COMPROMETIMENTO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL PODEM SER INDUZIDAS POR INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS E SÃO INDICADORES DE PROGNÓSTICO FUNCIONAL

Contextualização: A Fisioterapia Neurofuncional moderna é pautada na plasticidade cerebral e aprendizagem motora. Diante disso, acredita-se que identificar as modificações que intervenções específicas determinam nas redes neurais se faz útil para que possamos compreender por qual razão existe grande variabilidade de respostas comportamentais dos pacientes. Pesquisas que investigam mudanças no sistema nervoso conseguem definir o …

MODIFICAÇÕES ELETROCORTICAIS EM PACIENTE COM COMPROMETIMENTO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL PODEM SER INDUZIDAS POR INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS E SÃO INDICADORES DE PROGNÓSTICO FUNCIONAL Leia mais »

ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA DISMENORREIA PRIMÁRIA FEMININA

Dra. Mariana Arias Avila Vera (SP) Professora Adjunta do Departamento de Fisioterapia e do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia da UFSCar, líder do grupo de pesquisa Dor: Avaliação e Tratamento Fisioterapêutico (DGP/CNPq). Contextualização: A dismenorreia primária atinge mais de 60% das mulheres em idade reprodutiva, sendo mais comum em mulheres mais jovens, mas ocorrendo em …

ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA DISMENORREIA PRIMÁRIA FEMININA Leia mais »

CANABIDIOL (CBD): UM FITOCANABINÓIDE DE IMPORTÂNCIA ÍMPAR NO ARSENAL FISIOTERAPÊUTICO INTEGRATIVO E COMPLEMENTAR

Contextualização: Canabidiol (CBD) é uma substância natural derivada da planta do gênero Cannabis Sp., isolada na década de 40, mas não elucidada até a década de 60, com grande potencial terapêutico. É o mais prevalente canabinóide das plantas do tipo Cannabis e não tem efeito psicotrópico. A ANVISA, no Brasil, após décadas de solicitações administrativas, …

CANABIDIOL (CBD): UM FITOCANABINÓIDE DE IMPORTÂNCIA ÍMPAR NO ARSENAL FISIOTERAPÊUTICO INTEGRATIVO E COMPLEMENTAR Leia mais »

ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Por: Larissa Aragão Santana; Larissa de Jesus Ferreira da Silva; Millena de Araújo Ferreira.Orientador: Prof. Esp. Matheus Maciel Pauferro. RESUMO Introdução: É salientada em literatura científica a importância do profissional de Fisioterapia na Atenção Básica, por este ter formação generalista, com conhecimento para atuar em ações de prevenção e promoção e reabilitação da saúde. Objetivo: …

ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Leia mais »

Você tem sonhado nesta pandemia?

Do abrir dos olhos ao acordar ao cerrá-los ao dormir criamos o chamado “resto do dia” que nada mais é do que tudo o que vivemos naquele dia… E quando sonhamos, nosso cérebro se encarrega de selecionar os acontecimentos mais marcantes, criando assim uma memória que pode ou não ser permanente. Para Jung o sonho …

Você tem sonhado nesta pandemia? Leia mais »

Entrevista com Dra. Ana Luiza Gelhoren

O que seria essa pneumonia do COVID-19? É uma doença com 2 características muito ruins. 1. Alta capacidade de contaminação e 2. Alta letalidade. 85% tem características clinicas benignas (com sintomas mais altos como coriza, perda de olfato, paladar, queda do estado geral, febre, diarreia). Mas 15% desenvolvem a forma mais grave. A segunda fase …

Entrevista com Dra. Ana Luiza Gelhoren Leia mais »