Cada criança tem seu tempo???

Fisioterapeuta, chegou o Fisio.app | Aplicativo para fisioterapeutas. Baixe agora mesmo em www.fisio.app,

Dra. Rebeca Pedroza Rasga
Fisioterapeuta rotina da UTI pediatria do Hospital Copa D’or
Fisioterapeuta da Clínica Fred Soares
Fisioterapeuta na empresa Kids Care
Pós graduada em Fisioterapia respiratória e uti neonatal e pediátrica – Interfisio
Pós graduada em Fisioterapia respiratória e uti adulto – Unisuam

Cada criança é única e tem seu ritmo, porém, devemos usar o bom senso em tudo, inclusive nessa situação. Nenhuma criança deixa de se desenvolver por preguiça. Muitas vezes a “preguiça” é secundária a dificuldade.
Da mesma forma que uma criança pode andar com 8 meses, outra pode andar com 1 ano e 3 meses e ambas serem absolutamente normais. Porém se ela passa de 1 ano e 4 meses sem dar nenhum sinal de que vai andar, devemos ligar o sinal de alerta! Isso indica que ela tem um atraso no desenvolvimento e
atraso no desenvolvimento não se espera.
Para o diagnóstico precoce de desvios do desenvolvimento, não basta a consideração apenas dos seguintes marcos clássicos:

  • controle de cabeça aos três meses;
  • permanecer sentado, sem apoio, aos seis meses, quando colocado nessa postura;
  • passar para de pé aos nove meses;
  • andar aos 12 meses.

    O olhar deve ser mais criterioso. O que é esperado em cada idade?
    Quais são os marcos motores mais importantes? Além dessas perguntas que temos que nos fazer, temos que lembrar também que atraso e/ou distúrbio motor em criança é decorrente não apenas de lesões neurais nas vias motoras, mas também pode ser causado por deficiência visual, cognitiva ou distúrbio psico-afetivo e vice-versa, isto é, um déficit motor pode levar, com o tempo, a uma deficiência cognitiva e/ou distúrbio psíquico secundário.

    A primeira etapa do desenvolvimento motor que um bebe a termo deve atingir é o controle de cabeça e pescoço. No primeiro mês de vida, com a ação da gravidade, ocorre um aumento da extensão de pescoço e à medida que essa extensão ativa contra a gravidade vai ocorrendo, o ECOM e o trapézio superior são ativados. Ao elevar a cabeça em prono, ocorre também o alongamento dos músculos anteriores do pescoço e ativação dos posteriores.

    Aos 2 meses, a criança usa ativamente a extensão de tórax em posição prona para ajudar a elevar a cabeça, fazendo a adução escapular através da ativação do trapézio e dos romboides, ocorrendo por consequência o alongamento do peitoral e dos músculos do complexo hioide. O tronco, pescoço e extremidades se alinham de forma assimétrica. Aos 3 meses a criança tem o controle de cabeça. Veja quantos detalhes temos que nos atentar apenas do 1º ao 3º mês. O corpo humano é “perfeito”, desde que estimulado adequadamente.

    Se, na avaliação de uma criança, houver comprometimento de mais de uma função, deve-se verificar qual delas é a primariamente alterada para que as intervenções sejam mais dirigidas para a causa primária. Sendo assim, em distúrbio nas áreas motora, cognitiva e de linguagem, se a causa primária for um déficit cognitivo, por exemplo, o maior investimento das intervenções deverá ser nessa área, o que poderá ser feito por um terapeuta ocupacional ou psicopedagogo, especialistas que possuem, pela sua formação, habilitação maior para o desenvolvimento da percepção e da cognição das crianças.

    O diagnóstico funcional da criança, realizado desta forma, é fundamental para nortear não somente o plano terapêutico na reabilitação, mas também a solicitação de exames complementares para as funções acometidas, além de encaminhamentos para os respectivos especialistas.

    Necessitamos como terapeutas estar mais abertos a entender que o corpo e seu funcionamento não fazem parte do conhecimento exato, tendo cada paciente sua evolução e cabendo ao fisioterapeuta estar atento aos limites entre o que é considerado dentro do esperado e do que passa a ser um sinal de alerta.

Referências bibliográficas:

BLY, L. Motor skills acquisition in the first year. Tucson: Therapy Skill Builders, 1994.

Hassano AYS. Desenvolvimento neuropsicomotor no primeiro ano de vida. – Revista de Pediatria SOPERJ. 2011;12(supl 1)(1):9-14

JOHNSON, M.H. Functional brain development in humans. Neuroscience. 2:475-82,2001

LENT, R. O alto commando motor. In: LENT, R. Cem bilhões de neurômios. Conceitos Fundamentais de Neurociência. 1. ed. Vol.01. São Paulo: Atheneu, p.375-418

WEBCOBRAF

No período de Outubro/2020 a Fevereiro/2021, sob a organização do XXIII COBRAF, do 1st International Seminar on Innovative Learning and Healthcare Approaches in Physical Therapy, do 1° Encontro de Fisioterapia nos Distúrbios do Sono e dos eventos parceiros – 5º COBRAFISM, I COBRASFE e COBRASFIPICS, acontecerá o WEBCOBRAF, que consiste em uma série de webinars, que ocorrerão de quinze em quinze dias com diversos temas. Poderão participar do WEBCOBRAF sem custo adicional, todos os que estiverem inscritos no XXIII COBRAF até 5 dias antes de cada webnair. Não perca essa oportunidade! Garanta já a sua participação.

17 DE OUTUBRO

WEBCOBRAF – WEBINAR DE FISIOTERAPIA PEDIÁTRICA
INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEUROFUNCIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL COM BASE NA CIF
PALESTRANTES: PartiCipa Brasil & CanChild
17/10/2020 09h30min – 12h00min
Abertura – 5 min de duração
Palestras – 2 horas de duração
Peter Rosenbaum (CanChild, Canadá): F-words para o desenvolvimento da infância e a CIF
Kennea Ayupe (UnB, Brasil): Introdução à avaliação da criança e do adolescente no contexto da CIF
Paula Chagas (UFJF, Brasil): Avaliação dos fatores contextuais de acordo com core-sets da CIF
Robert Palisano (CanChild, USA)/ Hércules Leite (UFMG, Brasil)/ Ana Cristina Camargos (UFMG, Brasil): Avaliação do domínio da Atividade: GMFM, Challenge, Teste de Caminhada de 10 metros e PEDI-CAT
Ana Carolina de Campos (UFSCar, Brasil)/ Egmar Longo (UFRN-FACISA, Brasil): Avaliação do domínio de Participação: PEM-CY e YC-PEM
Aline Toledo (UnB, Brasil)/ Rafaela Moreira (UFSC, Brasil) /Rosane Morais (UFVJM, Brasil): Avaliação do domínio de Função Corporal: EASE, SRT, Teste de Caminhada de 6 minutos, FSA e Mini-mental
Discussão – 20 min de duração
Encerramento – 5 min de duração

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.