Bate-papo sobre Osteoporose esclarece dúvidas sobre o tema

Após abertura do evento, feita por Patrícia Lacombe, Bierrembach iniciou a palestra definindo Osteoporose como uma fragilidade óssea causada pela diminuição da massa óssea, caracterizada como um processo natural do envelhecimento, que pode de transformar em doença.

Os causadores da doença foram destacados pelo ortopedista. “Entre as principais causas da Osteoporose estão tabaco, obesidade, sedentarismo, falta de trabalho preventivo e de equilíbrio muscular, além da falta de sol (que carrega a vitamina D) e herança genética”, disse. A genética foi apontada como a principal causa, responsável por 65% dos casos. “Se a mãe, tia, irmã de uma pessoa tem Osteoporose, a prevenção é a melhor alternativa para ela”, completou.

Segundo Bierrembach, pensar em prevenção envolve fatores como exercício físico e alimentação. “Sob a óptica ortopédica, o ideal é a prevenção holística através da adequação da capacidade corporal, do alongamento e do trabalho no tônus. Não se deve chegar aos 70 anos com a Osteoporose instalada para tratar”. A alimentação saudável recomendada pelo ortopedista inclui a ingestão de alimentos como leite, salmão e brócolis, porém a indicação é ter o suporte de profissionais da nutrição para elaborar a dieta adequada para cada pessoa.

A Osteoporose não doe: esta foi, para diversas pessoas, a revelação feita durante a palestra. “A Osteoporose não causa dor, o que doe são suas conseqüências, as micro fraturas lentas, as deformidades tardias como desvio de lateralidade, isso doe”, esclareceu Bierrenbach.

A necessidade ou não de fazer o controle hormonal, a partir da indicação feita pelo ginecologista, foi apontada pelo palestrante como importante passo para o tratamento da Osteoporose, já que a queda do estrogênio nas mulheres tem inicio durante a menopausa e pode comprometer a remodelação óssea. “O osso é um tecido vivo e durante toda a vida suas células nascem e morrem em equilíbrio até os 30 e poucos anos, após os 50 anos inicia-se o desequilíbrio”, explicou.

O uso de medicamentos como anticoagulantes, alguns antidepressivos e corticóide também foram mencionados durante a palestra como vilões que favorecem a Osteoporose. “É preciso considerar os benefícios de cada tratamento e pesar na balança do equilíbrio”, ponderou Dr. Alexandre.

Ao final, os participantes do evento foram convidados para uma vivência em Ginástica Holística, coordenada pela fisioterapeuta Sandra de Farias do Instituto Patrícia Lacombe. “A visão holística (trabalho global) serve para tudo, porque o ser humano não foi programado para ficar parado. Fomos programados para a mobilidade. Temos que saber viver”, finalizou o Bierrembach.

1 comentário em “Bate-papo sobre Osteoporose esclarece dúvidas sobre o tema”

  1. Olá poderia me responder se na Osteoporose o processo de remodelação óssea ocorre normalmente? Ou o processo de remodelação em um paciente com osteoporose é diferente?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.