AVALIAÇÃO DOS VALORES DE PEAK-FLOW EM ESCOLARES ASMÁTICOS E NÃO ASMÁTICOS.

AVALIATION OF THE PEAK-FLOW VALUABLES IN ASTHMATIC AND NO-ASTHMATIC CHILDHOOD´S.

Vivian Colla Francisco

Fabio Redivo Lodi

Selma Denis Squassoni

Leandro Nobeschi

1. Vívian Colla Francisco. Fisioterapeuta pela Universidade do Grande ABC. Pós-graduanda de Fisioterapia em Pneumologia pela UNIFESP. E-mail: viviancolla@yahoo.com.br

2. Fábio Loddi Redivo, Fisioterapeuta pela Universidade do Grande ABC, Mestrando em Morfologia pela UNIFESP. E-mail: fabioloddi@uol.com.br

3. Selma Denis Squassoni, Fisioterapeuta pela Universidade do Grande ABC, Mestre em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina do ABC. E-mail:selmadenis@uol.com.br. Supervisora de estágio e coordenadora de pesquisa do curso de especialização em fisioterapia cardiorrespiratória da Faculdade de Medicina do ABC.

4. Leandro Nobeschi, Mestre em Ciências da Saúde pela UNIFESP, professor da disciplina de Anatomia Descritiva do curso de Medicina (Centro Universitário Nove de Julho – Uninove). E-mail: nobeschi@yahoo.com.br

Autor Correspondente:

Vívian Colla Francisco

Endereço: Rua Joana Angélica, nº178. Bairro Barcelona, São Caetano do Sul, São Paulo. CEP: 09551-050.

Telefone: (011)4227-3205 (res) ou (011) 8186-9208 (cel)

Fax: (011)4229-3348

E-mail: viviancolla@yahoo.com.br

RESUMO

A asma brônquica ocorre em grande parte da população, com prevalência em crianças no período escolar. É caracterizada por uma inflamação crônica, que atinge o sistema respiratório, desencadeada por hiper-reatividade das vias aéreas frente a diferentes estímulos causando constrição brônquica que pode ser reversível espontaneamente, parcialmente reversível ou reversível apenas por tratamento medicamentoso. No geral, os escolares apresentam diminuição significante das capacidades pulmonares. A monitorização dessas capacidades por meio dos valores de peak-flow é importante, sendo um instrumento útil para o diagnóstico e manutenção da asma brônquica. No presente estudo, foram avaliados 163 escolares, cuja prevalência de asmáticos foi de 27 escolares femininos e 22 masculinos, identificados por um questionário de qualidade de vida para asma. Nos valores de peak-flow, os escolares com asma brônquica obtiveram diferenças estatisticamente significante em relação aos escolares sem asma brônquica, de ambos os sexos. Sendo assim, torna-se clara a importância da utilização de testes respiratórios, com aparelhos como o peak-flow no manejo de pacientes asmáticos, indicando quando o indivíduo possa estar prestes a iniciar uma crise asmática.

PALAVRAS -CHAVES

Asma, peak-flow, escolares, capacidades pulmonares.

ABSTRACT

The bronchial asthma has been appearing in the most part of population, with prevalence in childhood. It is a chronical inflammation that affect the respiratory system, started for hiperreactivity of the areas way’s causing bronchial constriction that can be spontaneity reversible, parcial reversible or total reversible just with medication. In general, present low pulmonary capacities. Evaluation these capacities utilizing the peak-flow valuables are important for diagnostic and maintaining of the bronchial asthma. In the present study 163 childhoods were analyzed, the asthma appearing was in 27 female childhoods and 22 males, identified for the questionnaire of life quality. For the valuable of peak-flow we found significant differences in male and female childhoods with bronchial asthma. The study demonstrated that the peak-flow and respiratory tests is very important tools for the asthma patients, indicate when the person will be start the asthmatic crises.

KEY-WORDS

Asthma, peak-flow, childhood, pulmonary capacities.

INTRODUÇÃO

Elevados são os números que demonstram a incidência de asma brônquica nas populações de distintas regiões do mundo todo1, sendo que grande parte dos acometidos são crianças na idade escolar, com elevado índice de morbidade e mortalidade2 por essa doença.

A asma brônquica basicamente se define por uma doença inflamatória crônica das vias aéreas, que normalmente apresenta hiper-responsividade brônquica frente a diferentes e múltiplos estímulos e por episódios fluentes de sibilância, dispnéia e algumas vezes tosse, que se intensificam no período noturno ou logo ao acordar3.

Um importante instrumento que auxilia no diagnóstico e controle da asma brônquica são os teste de função pulmonar. Esses testes apresentam grande importância no diagnóstico de distúrbios ventilatórios e no manejo de pacientes com doenças pulmonares, principalmente na população pediátrica 4,5.

Infelizmente esses tipos de testes pulmonares ainda são pouco utilizados na prática clínica brasileira em doenças pulmonares crônicas, mesmo que estudos demonstrem grande eficiência do mesmo. Porém, é possível repararmos numa utilização ainda que precária, deste instrumento no manejo da asma brônquica4.

Os medidores de pico de fluxo expiratório máximo fornecem dados importantes para análises de diferentes graus de obstrução das vias aéreas, sendo esse um fator importante para a prevenção das crises e da avaliação correta de crianças e adolescentes asmáticos6.

A proposta deste estudo consiste na confirmação deste instrumento de avaliação prático, simples e preciso: o aparelho de peak-flow. Com a confirmação do diagnóstico da asma brônquica, a prevenção das crises possibilita menores danos aos pacientes além da melhora na qualidade de vida, também possibilitando um melhor controle das crises de asma brônquica.

MATERIAIS E MÉTODOS

A pesquisa foi realizada numa escola da rede pública da cidade de São Caetano do Sul, onde participaram 163 escolares de ambos os sexos, cursando as primeiras e segundas séries (seis a nove anos) dos períodos matutino e vespertino.

Todos os responsáveis pelas crianças concordaram e assinaram um termo de autorização.

Para caracterização dos escolares em asmáticos e não asmáticos, utilizamos o questionário de qualidade de vida “ATS-DLD-78-C” validado e modificado para o diagnóstico de asma brônquica em crianças de 0 a 13 anos de idade6.

O instrumento utilizado para aferição do pico de fluxo expiratório foi o aparelho de peak-flow da marca Mini-Wright, com escala variando de 60l/min a 850l/min, validado e aprovado4.

Primeiramente os escolares foram submetidos à aferição da altura por meio de uma régua graduada. Em seguida foram encaminhados a uma sala, e individualmente foram chamados para realizarem o teste do peak-flow. O teste foi realizado num ambiente tranqüilo de forma que fossem eliminados quaisquer tipos de interferências ou distrações que pudessem atrapalhar o desempenho do teste e até mesmo a integração avaliador X aluno.

O avaliador explicava e demonstrava o processo a ser realizado pelo escolar. No momento do teste, os escolares permaneciam na posição sentada, segurando o aparelho com as duas mãos, e após uma inspiração em capacidade pulmonar total realizavam a expiração forçada máxima dentro do bocal do aparelho. Esse procedimento foi realizado três vezes, sendo que o maior valor desses três fluxos, foi o adotado. O bucal foi esterilizado com álcool a 70% para a higienização do bucal.

Os escolares foram classificados em 4 grupos distintos: sexo feminino asmático (grupo 1), sexo masculino asmático (grupo 2), sexo feminino não asmático (grupo 3), sexo masculino não asmático (grupo 4). Os referidos grupos foram relacionados com a estatura dos escolares para análise de dados referentes ao teste de peak-flow. Os valores obtidos neste teste foram: a média, desvio padrão, valor mínimo e valor máximo. Foi utilizado o teste T-student (p≤0,05) para a comparação dos escolares asmáticos e não asmáticos.

Este trabalho foi encaminhado ao comitê de ética em Pesquisa em Seres Humanos da Universidade do Grande ABC, apresentando parecer favorável em agosto de 2004.

RESULTADOS

Dos 163 escolares, 90 escolares (55,21%) eram do sexo feminino e 73 escolares (44,79%) do sexo masculino. Quanto à separação em asmáticos e não asmáticos dividimos em 4 grupos: grupo 1 (asmáticos femininos), grupo 2 (asmáticos masculinos), grupo 3 (não asmáticos femininos) e grupo 4 (não asmáticos masculinos).

Na tabela abaixo, os valores relacionados com a altura e os resultados do peak-flow são demonstradas em cada um dos grupos.

Tabela I – Valores de altura e pico de fluxo expiratório (PFE), relacionado aos valores de média, máxima, mínima e desvio padrão de cada grupo descrito.

DISCUSSÃO

No Brasil, os estudos epidemiológicos que dizem respeito à asma brônquica, ainda são poucos, ficando desconhecida a verdadeira dimensão da doença no que diz respeito a diversas regiões do país. Em alguns estudos a prevalência alcança até 25%, encontrando valores ainda mais elevados de prevalências em crianças8, 9, 10.

Estudos mostram que entre 13.204 crianças entrevistadas, compreendendo uma faixa etária de seis a sete anos, a prevalência de asma brônquica foi entre 4,7% e 20,7% respectivamente. Entre 17.555 adolescentes compreendendo uma faixa etária de 13 a 14 anos essa prevalência oscilou entre 4,8% a 21,9% 8,9,10.

Na literatura, a prevalência da asma é cerca de duas vezes maior em meninos cuja idade se encontra inferior a 14 anos. Tal fato pode ser explicado pela diferença entre o tamanho das vias aéreas e o tônus muscular que varia entre os sexos11. Nossos resultados apresentaram uma proximidade da prevalência da asma entre os sexos, sendo que em 90 escolares do sexo feminino, 30% apresentam asma; e no sexo masculino, em 73 escolares, 30,13% apresentam asma.

Em relação aos testes de função pulmonar, cada vez mais vêm se apresentando importantes no papel do diagnóstico, na qualificação da intensidade de acometimentos e distúrbios ventilatórios, e no manejo de pacientes que apresentam doenças pulmonares, tanto na população adulta, como na população pediátrica4, 12.

As provas de função pulmonar, inclusive as mais simples como o peak-flow, ainda são pouco utilizadas na prática clínica diária. Contudo, a verificação rotineira vem ganhando espaço principalmente em pacientes asmáticos, onde é possível a realização deste exame em âmbitos hospitalares, ambulatoriais e até mesmo domiciliares4.

A importância e vantagens na utilização de métodos simples como o aparelho de peak-flow para pacientes com alterações pulmonares, implica no fato de ser um método confiável, simples e de baixo custo para o acompanhamento de pacientes com asma brônquica, monitorando a evolução da obstrução ao fluxo aéreo e a resposta terapêutica4.

Estudos realizados para comprovar a acurácia de medidores do pico de fluxo expiratório (peak-flow), apresentam como resultados normais encontrados em crianças e adolescentes, respectivamente, cuja estatura varie entre 1,10m a 1,80m com pico de fluxo expiratório entre 150 e 500 l/min 4.

No presente estudo, observamos que os valores do pico de fluxo expiratório dos grupos 1 e 2 (asmáticos) têm diferença significante para os grupos 3 e 4 (não asmáticos).

A preocupação com a acurácia de aparelhos de concepção e estruturas simples como o peak-flow, não é recente, mesmo ainda sendo um instrumento de avaliação clínica pouco utilizado no Brasil. O aparelho de peak-flow da marca Mini Wright utilizado nesse presente estudo demonstrou acurácia de acordo com as exigências da American Thoracic Society4, 13.

A elevada prevalência de asma em escolares, na maioria dos casos, leva a criança a comprometimentos de aprendizado, pois acaba aumentando o número de faltas e quando presente em sala de aula, pode apresentar sua atenção diminuída, se isolando do âmbito escolar14.

Estudos mostram que programas de educação em asma aplicados em escolares apresentaram bons resultados relacionados à diminuição dos sintomas, melhora da performance e rendimento escolar, diminuindo o número de faltas causadas pelas crises asmáticas. Esses planos de tratamentos englobam da monitoração com o peak-flow até planos mais complexos de tratamento que incluem: reconhecimento da doença, sintomas, compreensão do tratamento, necessidade de controle ambiental e dúvidas mais freqüentes sobre a doença14, 15. Podendo haver diferenças de resposta aos diferentes tratamentos, onde alguns métodos proporcionam melhores resultados do que outros, porém todos são importantes para o manuseio da doença16.

CONCLUSÃO

Encontramos diferença estatisticamente significante entre os valores do peak-flow em crianças asmáticas e não asmática. Observamos que a prevalência de asma brônquica é semelhante entre os sexos. Os valores de peak-flow se apresentam abaixo dos valores normais nos escolares que obtiveram diagnóstico favorável à asma brônquica tanto no sexo masculino quanto no sexo feminino, dessa forma, nosso estudo sugere a eficácia do acompanhamento e monitorização do PFE pela utilização do aparelho de peak-flow em pacientes asmáticos.

A importância do acompanhamento escolar e familiar acaba sendo um importante aliado no manejo da asma brônquica, de forma que previna as crises de exacerbação, proporcionando ao escolar uma melhor qualidade de vida também no âmbito escolar.

REFERÊNCIAS

  1. Yunginger, JW; Reed, CE; O´Connell EJ; Melton LJ; O´Fallonn WM; Silverstein, A. A community-based study of the epidemiology of asthma. Am Rev Respir Dis 1992; 146:888-894.
  2. Jackson, R; Sears, M; Beaglehole, R; Rea, HH. International trends in asthma mortality: 1970 to 1985. Chest 1988; 94:914-919.
  3. Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia, Sociedade Brasileira de Pediatria, Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia – II Consenso Brasileiro no Manejo da Asma 1998.
  4. Ruchkys, VC; Dias, RM; Sakurai, E; Camargos, PAM. Acurácia de medidores do pico do fluxo expiratório (peak-flow) da marca MiniWright. J Pediatr 2000; 76:447-452.
  5. Polgar, G; Weng, T. The functional development of the respiratory system from the period of gestation to adulthood. Am Rev Respir Dis 1979; 120:625-695.
  6. Esteves AR, Solé D, Ferraz MB. Validação do questionário “ATS-DLD-78-C” modificado para diagnóstico de asma em escolares de 0 a 13 anos. In: V Congresso Brasileiro de Alergia e Imunologia em Pediatria, II Congresso Panamericano de Alergia e Imunologia em Pediatria, III Internacional Pediatric Consensus on the Management of Asthma e I Congresso of the International Pediatric Allergy and Respiratory Federation, 1995, São Paulo, Anais.
  7. Cross, D; Nelson, HS. The role of the peak-flow meter in the diagnosis and management of asthma. J Allergy Clin Imumnol 1991; 87:120-128.
  8. Rosário Filho NA, Sevilha E, Branco, MEG. Prevalência de Asma Brônquica em Consultas Pediátricas, Ver Méd Paraná 1986; 44:57-59.
  9. Ferrari FP, Rosario Filho NA, Ribas LFO, Callefe LG. Prevalência de Asma em Escolares de Curitiba – Projeto ISAAC, J Pediatr 1998; 74:299-305.
  10. Sociedade Brasileira de Alergia e Imunopatologia, Sociedade Brasileira de Pediatria, Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia – II Consenso Brasileiro no Manejo da Asma 1998.
  11. Solé D, Camelo-Nunes IC, Rizzo MCV, Naspitz CK. A Asma na Criança: Classificação e Tratamento, J Pediatr 1998; 74S48-S58.
  12. Polgar, G; Weng, T. The functional development of the respiratory system from the period of gestation to adulthood. Am Rev Respir Dis 1979; 120:625-695.
  13. American Troracic Society. Standardization of Spirometry: 1987 Update Am J  Rev Respir Dis 1987; 136:1285-1298.
  14. Clark, NM; Brown, R; Joseph, CLM; et al. Effects of a comprehensive school-based asthma management, grades and absenteeism, Chest 2004; 125:1674-1679.
  15. Gibson, PG; Powell, H. Written Actions Plans for Asthma: An Evidence-based Review of the Key Components, Thorax 2004; 59:94-99.
  16. Becker A, Watson W, Ferguson A, et al. The Canadian Asthma Primary Prevention Study, J Allergy Clin Immunol 2004; 113:650-656.
Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.