ATUAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Fisioterapeuta, chegou o Fisio.app | Aplicativo para fisioterapeutas. Baixe agora mesmo em www.fisio.app,

Por: Larissa Aragão Santana; Larissa de Jesus Ferreira da Silva; Millena de Araújo Ferreira.
Orientador: Prof. Esp. Matheus Maciel Pauferro.

RESUMO

Introdução: É salientada em literatura científica a importância do profissional de Fisioterapia na Atenção Básica, por este ter formação generalista, com conhecimento para atuar em ações de prevenção e promoção e reabilitação da saúde. Objetivo: Analisar através de uma revisão sistemática a atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica à Saúde. Metodologia: Trata-se de um estudo do tipo revisão sistemática, que utilizou as seguintes bases de dados PubMed e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e a Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Usando os descritores Atenção Primária à Saúde/Primary Health Care/Atención Primaria de Salud e Fisioterapia/Physical Therapy Specialty/Fisioterapia. Os critérios para inclusão foram artigos originais disponíveis na íntegra nas bases de dados, publicados nos últimos cinco anos, nos idiomas português, inglês e espanhol, elegíveis ao tema. Resultados: Foram encontrados 383 artigos. Após avaliação do título e resumo, seguida pela leitura na íntegra restaram apenas 13 incluídos para este estudo. Conclusão: A atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica à Saúde cresceu e proporciona benefícios a saúde, desde a prevenção com a elaboração de diagnósticos fisioterapêuticos e orientações, promoção com ações de educação em saúde e reabilitação com a otimização da autonomia funcional, condições emocionais e qualidade de vida. Todavia, os fisioterapeutas ainda são percebidos, sob ótica dos outros membros da equipe multidisciplinar e usuários, como aqueles que desempenham ações apenas para reabilitação.

Palavras-chave: Atenção Primária, Fisioterapia, Atenção Básica à Saúde.

ABSTRACT

Introduction: The importance of the Physiotherapy professional in Primary Care is emphasized in scientific literature, as he has general training, with knowledge to act in prevention and health rehabilitation promotion actions. Objective: To analyze through a systematic review the role of the physiotherapist in Primary Health Care. Methodology: This is a study of the systematic review type, which used the following databases PubMed and Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Coordination for the Improvement of Higher Education Personnel (CAPES) and the Virtual Health Library (VHL). Using the keywords Primary Health Care / Primary Health Care / Atención Primaria de Salud e Fisioterapia / Physical Therapy Specialty / Fisioterapia. The inclusion criteria were original clinical trial-type articles available in full in the databases, published in the last five years, in Portuguese, English and Spanish, which are eligible for the theme. Results: 38 articles were found. After evaluating the title and summary, followed by the full reading, only 13 included for this study. Conclusion: The role of the physiotherapist in Primary Health Care has grown and provides health benefits, from prevention to the elaboration of physiotherapeutic diagnoses and guidelines, promotion with health education actions and rehabilitation with the optimization of functional autonomy, emotional conditions and quality of life. However, physiotherapists are still perceived, from the perspective of other members of the multidisciplinary team and users, as those who perform actions only for rehabilitation.

Key-words: Primary Care, Physiotherapy, Primary Health Care.

INTRODUÇÃO

Para assegurar o direito à saúde no Brasil, foram adotadas medidas a fim de concretizar esse objetivo, com isso houve a implementação de um sistema público de serviço à saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS), que teve sua fundamentação legal com a constituição de 1988. A partir disso, assumiu-se o dos componentes da rede de serviços, a Atenção Primária à Saúde (APS), que teve como objetivo reorientar os sistemas e garantir os cuidados com a saúde nos níveis dos serviços básicos para a população (FONSECA, 2016; SILVA MAIA, 2015; SOARES, 2014).

Visando fortalecer os serviços na Atenção Básica, o Ministério da Saúde criou a Estratégia Saúde da Família (ESF). Esta foi pioneira para elaboração e formação de programas de saúde, que visam a integração da equipe multiprofissional na comunidade e motivar as ações de caráter preventivo. A ESF baseia-se em princípios que norteiam na pessoa/família como centro da atenção, fortalecendo o vínculo com indivíduo, coordenando a rede de assistência, a participação na sociedade e com atuação intersetorial e multiprofissional, dentre eles, o fisioterapeuta (SOARES, 2014; OLIVEIRA, 2019).

Em 2008, com o objetivo de apoiar a Estratégia Saúde da Família (ESF) foram instituídos os Núcleos de Apoio a Saúde da Família, atualmente chamados de Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB), que auxiliam as Equipes de Saúde a fortalecer as medidas e ações de promoção e prevenção de saúde, desenvolver projetos de intervenções para necessidades específicas de grupos das comunidades, além de facilitar o acesso da população para ter o direito à saúde no primeiro nível de atenção (BIM, 2020; FERNANDES, 2018).

O NASF-AB atua em conjunto com as equipes de saúde da família, estas são compostas por um quadro multiprofissional, no qual atuam diversas áreas, sendo a Fisioterapia uma delas. A formação de uma equipe com diferentes profissionais possibilita a realização de discussões e olhares distintos sobre práticas sociais e individuais. Os profissionais devem agir segundo algumas diretrizes preconizadas para APS, como a ação de interdisciplinaridade e intersetorialidade; educação contínua em saúde dos profissionais e da população; desenvolvimento da noção de território; integralidade, participação social, educação popular; promover a saúde e humanização (BRASIL, 2009; SOUZA, 2013; NASCIMENTO, 2015; FERNANDES, 2018).

A Lei Federal 10.424 no artigo 19, de 2002, justifica a atuação do profissional de Fisioterapia na APS, que dispõe sobre a assistência de atendimento e internação domiciliar, com procedimentos da equipe multiprofissional, inclusive fisioterapêuticos. Qualificado para realizar práticas de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde, o fisioterapeuta desempenha suas atividades com boa parte dos usuários da Atenção Básica. Faz-se necessário levantamento bibliográfico de suas contribuições e avaliações das mesmas (BRASIL, 2002; PORTES, 2011; OLIVEIRA,2019).

Diante de uma necessidade de compreender o papel dos fisioterapeutas na Atenção Básica à Saúde, surge este estudo para desvendar os espaços do conhecimento. Este estudo torna-se relevante para evidenciar a importância do profissional de fisioterapia em suas diversas possibilidades de atuação e em suas competências, contribuindo de modo valoroso para afirmação do seu espaço na sociedade. Em contrapartida o estudo contribuirá para sociedade científica, dando reconhecimento e credibilidade às pesquisas de outros autores.

Este estudo tem como objetivo analisar através de uma revisão sistemática a atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica de Saúde.

METODOLOGIA

A pesquisa trata-se de um estudo do tipo revisão sistemática, que utilizou as seguintes bases de dados PubMed e Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e a Biblioteca Virtual em Saúde (BVS).

Os critérios para inclusão foram artigos originais disponíveis na íntegra nas bases de dados, publicados nos últimos cinco anos, nos idiomas português, inglês e espanhol e que aludiram sobre atuação do fisioterapeuta na atenção básica de saúde. Não foram incluídos no estudo os artigos que não abordaram o tema proposto, artigos de revisão de literatura, teses, diretrizes, dissertações, trabalhos de conclusão de curso, cartilhas e artigos pagos.

O período da coleta de dados para a pesquisa foi entre os dias 26 de março de 2020 e 09 de abril de 2020. A pesquisa foi realizada através de etapas para a busca de artigos originais, sendo a primeira, a utilização dos descritores nas bases de dados, os mesmos obtidos na plataforma de Descritores em Ciências da Saúde ou DeCS nos idiomas em português, inglês e espanhol, respectivamente, sendo eles: Atenção Primária à Saúde/Primary Health Care/Atención Primaria de Salud e Fisioterapia/Physical Therapy Specialty/Fisioterapia. Utilizou-se para as combinações dos descritores o operador booleano “AND”. Os resultados encontrados foram filtrados por ano de publicação, idioma e tipo de estudo.

Em seguida, foram avaliados os artigos com base no título e resumo, os resultados obtidos com as combinações e filtragem. Após leitura, foi realizada a inclusão de artigos que abordaram o objetivo do tema proposto. Por fim, os artigos selecionados foram lidos na íntegra e organizados para a elaboração da pesquisa. Segue abaixo na figura 1 a distribuição dos artigos selecionados segundo cada base de dados e as respectivas etapas na coleta de dados.

RESULTADOS

A busca de dados resultou em 383 artigos selecionados nas bases de dados eletrônicas CAPES, LILACS, SciELO, PUBMED e Biblioteca Virtual em Saúde. A tabela 1 mostra a distribuição dos artigos encontrados e selecionados em cada base de dados.

Tabela 1. Quantidade estudos selecionados segundo cada base de dados consultada.

Base de dados Artigos selecionados
BVS123
CAPES 69
LILACS 42
SciELO 20
PUBMED 129
Total 383
Fonte: Dados da pesquisa, 2020.

Para a elaboração do estudo, utilizou-se os descritores “Atenção Primária à Saúde” e “Fisioterapia” combinados pelo operador booleano AND em cada base de dados, após isso, aplicou-se os filtros de idioma e ano de publicação do artigo, tendo como resultados encontrados os seguintes quantitativos:

Na Biblioteca Virtual em Saúde após a utilização dos descritores, encontrou-se 426 artigos, sendo filtrados tendo como resultado 123 artigos, que foram avaliados pelo título e resumo, foram excluídos 82 com base no título e 41 separados para leitura dos resumos, destes 02 excluídos por serem revisão de literatura, 03 por repetição, 01 artigo pago, 01 monografia, 01 não disponibiliza o texto na íntegra e 25 dos resumos não abordam o tema proposto, selecionados 08 artigos para leitura na íntegra do texto. Após a leitura dos estudos selecionados, 03 dos artigos fugiram do tema, 04 retirados por repetição e 01 foi incluído por estar de acordo com a proposta.

O Portal de Periódicos CAPES, também foi utilizado para busca avançada com os descritores, foram localizados 124 artigos, após filtragem pela data de publicação e tipo de material, restaram 69 artigos. A partir da análise pelo título e resumo, 58 não estavam de acordo com os objetivos da pesquisa, 06 por ser de revisão de literatura, 44 fugiam do tema, 06 apresentaram informações incompletas, 02 por duplicidade. Sendo selecionado 11 artigos, que estavam elegíveis à pesquisa. A leitura na íntegra não incluiu 07 artigos, restando apenas 04 para compor o quadro sistemático.

Ao realizar a pesquisa na base de dados LILACS, foram encontrados ao todo 106 artigos com o uso dos descritores. Com a aplicação dos filtros restaram apenas 42 artigos. Dentre os 42 artigos, 25 foram exclusos com base no título e resumo por não condizerem com o tema do estudo, 01 artigo em repetição, 01 artigo pago para acesso, 01 monografia e 01 revisão sistemática. Foram selecionados 13 artigos para a leitura na íntegra. Dos 13 artigos selecionados para leitura, 05 foram irrelevantes, e assim incluídos 08 artigos para compor o quadro sistemático.

Na base de dados SciELO após os descritores foram encontrados 47 artigos, nestes utilizou-se os filtros apontados, restando 20 artigos que foram analisados com base no título e excluídos 05 que não condiziam com o tema proposto, após lidos os resumos dos 15 artigos restantes, excluídos 02 por se tratar de revisão de literatura e 06 por não abordar o tema, sendo selecionados 07 artigos para a leitura do texto completo. Dos artigos selecionados, 03 retirados por repetição e 04 fugiram do tema após a leitura na íntegra. Após todo processo de filtragem não se obteve nenhum artigo selecionado para o quadro sistemático.

Após a utilização dos descritores na base de dados PUBMED foram encontrados 418 artigos que foram filtrados, restando 129 artigos, estes, avaliados por título e excluídos 120 por não apresentar conteúdo para o tema proposto, tratando-se de outras áreas da saúde ou por não abordar a Fisioterapia na Atenção Primária. Os que de alguma forma incluíam esse tema, foram lidos resumos, sendo estes 09 artigos, contendo 01 artigo de pesquisa paga para disponibilidade do texto e 07 dos resumos não abordaram o tema proposto, por fim, incluído 01 artigo para a leitura do texto na íntegra. O estudo selecionado não foi incluído após a leitura na íntegra, em razão de não se tratar da temática proposta. Após todo processo de filtragem não se obteve nenhum artigo selecionado para o quadro sistemático.

Após a leitura na íntegra dos textos, excluiu-se 20 artigos de todas as bases de dados, por não tratar da finalidade do tema apresentado pela pesquisa, retirou-se também da pesquisa 07 artigos pertinentes a sua repetição nas bases de dados, somando 27 artigos não incluídos, restando apenas 13 elegíveis para este estudo que foram selecionados para compor o quadro sistemático de acordo com as variáveis propostas. Segue abaixo na figura 1 a distribuição dos artigos selecionados segundo cada base de dados e apresentação do Quadro 1 com artigos elegíveis.

Figura 1. Distribuição dos artigos selecionados segundo cada base de dados


Dados da pesquisa, 2020.

Quadro 1: Principais artigos selecionados conforme variáveis: título, autor/ano, tipo de estudo, objetivo, materiais/métodos, resultados e conclusão.

TítuloAutor/
Ano
Tipo de estudoObjetivoMateriais/
Métodos
ResultadosConclusão
Inserção do fisioterapeuta na equipe Estratégia Saúde da Família: olhar do usuárioFerretti et al., 2015Estudo do tipo qualitativo.Identificar como o usuário percebe a necessidade da Fisioterapia na ESF.A população de 60 usuários de um centro de saúde da família de um município do oeste catarinense. A coleta de dados foi feita nos domicílios, aplicando questionário semiestruturado com perguntas voltadas ao conhecimento do usuário sobre Fisioterapia e a necessidade de inclusão de profissionais dessa área na equipe do ESF.Observou que os usuários percebem esse profissional como aquele que atua na reabilitação. Já quanto à necessidade de inserção de fisioterapeuta na equipe da ESF, os usuários destacaram que são importantes para facilitar o acesso aos serviços de Fisioterapia e para a ampliação do cuidado.Os usuários reconhecem o papel da Fisioterapia na ABS, percebendo a necessidade de sua inserção na ESF. Revelando que é necessário repensar no processo de treinamento profissional dessa área, aproximando a teoria e a prática das diretrizes da ESF e os princípios do SUS.
Cuidado ao idoso na Atenção Básica: práticas de educação em saúde do fisioterapeutaAntoni et al. 2016Qualitativa exploratórioAvaliar e propor estratégias de intervenção a partir da reflexão sobre o processo de educação em saúde no cuidado individual ao idoso.Participaram 23 fisioterapeutas, divididos em 2 grupos. Realizaram oficinas de produção de conhecimento e resolução de problemas.Confirmaram modelo biomédico, e não conseguindo realizar ações preventivas, justificado pela organização da agenda do serviço. Mas com possibilidade de mudança.O modelo biomédico tem sido claramente reproduzido pelos fisioterapeutas atuantes na AB, sujeitos desta pesquisa.
As ferramentas do NASF nas práticas em saúde de fisioterapeutas.Fernandes et al., 2016Estudo transversal, descritivo-analítico.Analisar o processo de trabalho dos Fisioterapeutas nos NASF, a utilização de ferramentas-tecnológicas e a formação destes para o trabalho.Aplicação de um questionário on-line semiestruturado aplicado com
Fisioterapeutas dos NASF de Mato-Grosso do Sul. Os resultados foram analisados através de estatística descritiva e teste qui-quadrado.
A maioria não recebeu capacitação ao ingressar no NASF. A articulação NASF é considerada insatisfatória para 51,3%. A reabilitação individual é a atividade mais realizada, e as ferramentas do NASF são utilizadas por menos da metade, exceto a Clínica Ampliada.O modelo assistencial-reabilitador tem sido o condutor das ações dos Fisioterapeutas, e as ferramentas do NASF são pouco utilizadas. Resultante do limitado conhecimento sobre as atribuições do NASF, por pouca oferta de capacitação e da formação tradicional.
Atenção fisioterapêutica em duas unidades básicas de saúde em um município do Rio
Grande do Norte: um contato humanizado.
Guedes et al., 2016Relato de experiência.Relatar a experiência da equipe de graduandos e professores supervisores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, nas atividades desenvolvidas em duas unidades básicas de saúde em Santa Cruz.Foram realizadas atividades em escolas sobre a importância da atividade física; capacitação para agentes comunitários de saúde; atendimento em praça pública e atendimentos domiciliares. Focando na promoção a saúde e a importância da Fisioterapia.Observou-se que ações na Atenção Primária em Saúde vão muito além dos atendimentos domiciliares para a Fisioterapia.O efeito das ações em prevenção e promoção de saúde é potencializado e multiplicado com a participação da comunidade.
Fisioterapia e a Atenção Primária em saúde: o processo de implantação dos NASF em Anápolis – GoiásMoreira; Barbosa, 2016Descritivo- exploratóriaDescrever o processo de implantação do NASF em Anápolis, observando a inserção do profissional de Fisioterapia neste processo.Uso de registros documentais deste processo, e entrevista com informantes-chave responsáveis pela decisão e pela coordenação do processo de implantação das equipes.Os fisioterapeutas propõem ações educativas por grupos. Juntamente com outros profissionais, corroborando assim com o que preconiza a diretriz do NASF.A implantação dos NASF em Anápolis está incipiente. Falta entendimento sobre a proposta de trabalho dos fisioterapeutas.
A vivência de um fisioterapeuta em uma Residência Multiprofissional: desafios e possibilidades. Assis, et al., 2017Qualitativo e descritivo na modalidade de relato de experiência.Descrever a experiência vivenciada por um fisioterapeuta em uma Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade.A Residência Multiprofissional com ênfase em Saúde da Família e Comunidade teve uma duração de 2 (dois) anos, no Ceará.O programa trouxe ações voltadas para o fortalecimento das redes assistenciais do SUS, por meio de uma proposta de caráter participativo e integrativo com as categorias profissionais e a comunidade.O fisioterapeuta vem afirmando-se como um importante profissional na Estratégia Saúde da Família, com um olhar multiprofissional e integral, tendo como meta um permanente, reflexivo, crítico e ampliado olhar diante da saúde pública.
Atuação do fisioterapeuta no contexto dos Núcleos de Apoio à Saúde da FamíliaBraghini; Ferretti; Ferraz, 2017Estudo do tipo qualitativo – estudo de casoAnalisar a atuação do fisioterapeuta e as entradas para a realização do seu trabalho no NASF.A população foi 08 fisioterapeutas em atuação no NASF. Para coleta foi usada uma observação participante e uma entrevista semiestruturada.As ações executadas pelos fisioterapeutas consistem em atividades em grupos, visitas domiciliares, auriculoterapia, oxigenoterapia, atividades de educação em saúde e prevenção.A atuação do fisioterapeuta atende, em parte, ou preconiza pelas Diretrizes do NASF, porém, alguns princípios como o apoio matricial e o pacto coletivo devem ser fortalecidos.
Efeito do método Pilates e das rodas de conversa na saúde de idososDuarte; Sousa; Nunes, 2017Estudo de intervenção com reversão entre os períodos basal e de intervençãoVerificar o efeito de um protocolo de intervenção utilizando Pilates e círculos de conversação na autonomia funcional e qualidade de vida de idosos no contexto da APS de Taió, SC.Este estudo aplicou um delineamento experimental de caso único com linha de base (A) e intervenção (B), com 24 participantes com 60 anos ou mais que mudaram de fase com e sem intervenções realizadas.As intervenções foram associadas ao aumento dos parâmetros funcionais e da qualidade de vida, bem como à redução do índice de massa corporal. Além melhora nas condições emocionais, harmonia corporal e mobilidade global.O Método Pilates garantiu maior funcionalidade dos voluntários e mais estudos devem ser realizados para avaliar os indicadores subjetivos.
Assistência do fisioterapeuta da atenção primária a indivíduos pós-acidente vascular cerebralFaria; Araújo; Carvalho-Pinto, 2017Estudo descritivo transversalDescrever a assistência prestada aos pacientes com AVC em um centro de saúde primário.Foram analisados os registros de todos os pacientes com AVC identificados pelos profissionais de saúde, realizada a análise de frequência dos serviços. Os sujeitos foram classificados de acordo com a escala de Rankin modificada.Dos 44 prontuários, 45,5% possuíam descrição da assistência prestada por qualquer profissional do NASF e 36,4% do atendimento de Fisioterapia. O atendimento com a fisioterapia foi realizado no domicílio (94,2%). As práticas foram: orientação, avaliação, exercícios, acompanhamento e encaminhamentos.A maioria das sessões ocorreu no domicílio do sujeito, o que revela uma prática focada no cuidado individual. A orientação era comum, o que ilustra que na Atenção Primária há um foco no empoderamento para o auto aperfeiçoamento da saúde.
Uso de Fisioterapia entre idosos usuários de serviços de Atenção PrimáriaTerada et al., 2017Estudo do tipo transversalDeterminar a prevalência ao longo da vida de utilização de Fisioterapia entre usuários de Unidades Básicas de Saúde de Ribeirão Preto, Brasil, e investigar suas associações com variáveis como sexo, idade, escolaridade e nível socioeconômico.Os idosos foram convidados a participar de um estudo enquanto aguardavam atendimento médico em uma unidade de saúde. Uma amostra foi composta por 224 (63%) mulheres e 133 (37%) homens.Ao todo, 141 relataram ter usado Fisioterapia em algum momento de suas vidas. A prevalência de utilização de Fisioterapia entre mulheres foi de 42,0% e entre homens foi de 35,3%A participação de fisioterapeutas na Atenção Primária à Saúde deve ser encorajada, objetivando reduzir como desigualdades no acesso a esses recursos.
Incontinência urinária em idosas: práticas assistenciais e proposta de cuidado âmbito da Atenção Primária de SaúdeTomasi; Silva; Locks, 2017Qualitativa, do tipo convergente-assistencialIdentificar o conhecimento e as práticas assistenciais sobre a incontinência urinária em mulheres idosas e desenvolver proposta de cuidado a essas mulheres para a promoção da saúde no âmbito da APS.Coleta entre agosto e outubro/2014, através de entrevistas semiestruturadas e oficinas temáticas com 14 fisioterapeutas e 10 enfermeiros.Constatou-se o pouco conhecimento dos profissionais acerca da incontinência urinária, bem como a falta de informação em relação às possibilidades de orientações.Recomenda-se implementar ações de capacitação com estes profissionais, com vistas à promoção da saúde para o autocuidado.
Necessidade e dinâmica da força de trabalho na Atenção Básica de Saúde no Brasil.Carvalho et al., 2018Estudo descritivo-analíticoDescrever o crescimento e a distribuição regional das profissões de nível superior cadastradas em estabelecimentos do tipo Centro de Saúde/Unidade Básica de Saúde nos últimos cinco anos.Os dados foram extraídos do banco de dados online do Departamento de Informática do Ministério da Saúde (DATASUS), no período de 2008 a 2013.As maiores taxas de crescimento nacional, são os profissionais de educação física, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e farmacêuticos.Os outros profissionais do NASF apresentaram crescimento muito superior aos enfermeiros e médicos, com taxas acima de 70%.
O acompanhamento fisioterapêutico de crianças com sequelas de paralisia cerebral atendidas no NASF do município de Alagoa Nova, PB.De Araújo Luna et al., 2018Relato de experiênciaElaborar propostas de intervenção para a melhoria da qualidade dos serviços prestados às crianças com sequelas de Paralisia Cerebral atendidas no setor de Fisioterapia do NASF de Alagoa Nova.O trabalho foi desenvolvido no setor de Fisioterapia com pacientes com Paralisia Cerebral; no total 17 pacientes apresentaram retardo motor, todos com menos de 12 anos de idade.Foi observado que houve sobrecarga de trabalho e pouca evolução obtida devido ao grande número de pacientes (17 no período da pesquisa) atendidos por apenas um profissional, apenas uma minoria dos casos, houve avanço no processo de reabilitação.O setor de Fisioterapia do NASF apresenta problemas de organização estrutural em relação à elevada quantidade de pacientes atendidos por dia. Como consequência da sobrecarga de trabalho, a qualidade dos serviços prestados diminui e os objetivos almejados pelos pacientes e pelas famílias não são alcançados.
Legenda:
AB (Atenção Básica); APS (Atenção Primária à Saúde);
AVC (Acidente Vascular Cerebral);
ESF (Estratégia Saúde da Família);
GDLAM (Grupo de Desenvolvimento Latino-Americano para a Maturidade);
MEEM (Mini-Exame do Estado Mental); MIF (Medida de Independência funcional);
NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família);
SUS (Sistema Único de Saúde).

DISCUSSÃO

A partir da seleção dos 14 artigos, foi observado que atuação fisioterapêutica na Atenção Básica de Saúde (ABS), expandiu-se em território Nacional, entre 2008 e 2013, devido a implantação do NASF. No Nordeste, o crescimento superou de 70%, denotando a importância da contribuição deste profissional (Carvalho et al., 2018). De acordo com Ferretti et al. (2015), todavia, os fisioterapeutas são compreendidos por muitos usuários, como aquele que atua na reabilitação. Sabe-se que para superar esse estigma, o modelo de formação deve ser atualizado e uma ampliação do papel deste profissional, com ações que pensem nos usuários integralmente, demonstrando a capacidade de favorecer a produção de saúde, com prevenção e promoção, não apenas reabilitação.

Conforme Moreira e Barbosa (2016) o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) é um programa da ABS, que concentra muita demanda para os fisioterapeutas. São propostas de ações educativas, como Projeto Terapêutico Singular (PTS), rodas de conversa, juntamente com outros profissionais que consolidam as diretrizes do NASF. Para Braghini, Ferretti, Ferraz (2017) e Fernandes et al. (2016), algumas dificuldades são apontadas neste âmbito, desde a escassez de recursos e infraestrutura física inadequada, carga de trabalho abaixo do necessário, até a formação limitada referente às atribuições do NASF, resultante da pouca oferta de capacitação e da formação tradicional.

Frente ao impasse da formação tradicional, De Assis et al. (2017) destacam a relevância dos programas de residência na saúde da família, onde pode-se decorrer ganhos positivos na formação de futuros profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), ele ressalta como o fisioterapeuta vem se integrando de forma importante como profissional na Atenção Básica. Guedes et al. (2016) destacam que o contato humanizado com os usuários pode promover bem-estar mútuo, potencializando o efeito das ações de promoção e prevenção à saúde junto à comunidade.

Segundo Fernandes et al. (2016) a alta demanda de pacientes que necessitam de assistência individual, é um dos fatores que dificultam o trabalho do fisioterapeuta no NASF, salientando que são necessárias mudanças no processo de trabalho. Del Antoni, Tonhom, Chirelli (2016) relataram sobre a mudança no perfil epidemiológico, o número de idosos cresceu no Brasil, sendo assim, os profissionais são influenciados a se transformar para melhor atender esta população. Inclui-se neste aspecto, todos os membros da equipe multiprofissional que possui relação direta com os idosos como médicos, nutricionistas, enfermeiros e especialmente fisioterapeutas.

Terada et al. (2017) observaram a utilização da Fisioterapia por idosos, ressaltando que a inclusão dos fisioterapeutas no Programa de Saúde da Família pode ser muito benéfica e apontam a falta desta assistência em ABS, como uma privação de benefícios aos usuários, incluindo a presença de incapacidade funcional e o tratamento de doenças. Del Antoni, Tonhom, Chirelli (2016) realizaram uma pesquisa também sobre o cuidado com a população idosa, na qual os fisioterapeutas sugeriram construção de espaços de socialização, e criação de outros NASF’s, para diminuir a sobrecarga de trabalho dos profissionais, melhorando a assistência nos campos de atuação, facilitando o foco na educação permanente. Os desafios encontrados podem ser vistos como fator promissor à renovação de seu eu, quanto profissional da saúde.

Os idosos são comumente sujeitos de pesquisa. Em outro estudo, realizado por Duarte, Sousa, Nunes (2017), avaliaram o efeito do método Pilates em idosos, com círculos binomiais de conversação, sendo observado uma melhora na autonomia funcional e na qualidade de vida, reduzindo o índice de massa corporal, além de evolução nas condições emocionais, harmonia corporal e mobilidade global. Sendo que estes benefícios aumentaram com as intervenções e diminuíram quando esta cessou. Na pesquisa de Tomasi et al. (2017), fisioterapeutas e enfermeiros identificaram através do conhecimento e as práticas assistenciais sobre a incontinência urinária de idosas, promovendo uma proposta de cuidado, evidenciando competência do fisioterapeuta, de atuar de forma multiprofissional.

Em um estudo de forma similar Faria, Araújo, Carvalho-Pinto (2017) comprovou a importância da inserção do fisioterapeuta no âmbito multiprofissional em uma NASF, na atenção ao cuidado da equipe em pacientes que sofreram acidentes cerebrovasculares, evidenciando nos registros que os fisioterapeutas foram únicos a atender mais da metade dos pacientes. De Araújo Luna et al. (2018) analisaram também a atuação deste profission. al em uma patologia neurológia, a paralisia cerebral em crianças, sendo constatado que pela sobrecarga de pacientes, a minoria apresentou avanços, devido à grande demanda de crianças, assim comprometendo na qualidade do atendimento e continuidade do tratamento sendo proposto realização de visitas domiciliares contínuas, conhecendo a rotina dos usuários e contribuindo para prevenção de deformidades e/ou incapacidades, bem como otimizando a qualidade de vida.

te estudo, os autores se depararam com limitações, as quais, são citadas como: A escassez de artigos que contemplassem as diversas áreas de atuação do fisioterapeuta na ABS; A dificuldade de alinhamento das ideias entre os pesquisadores com relação à proposta dos artigos; A problemática abordada nos estudos referente ao currículo pedagógico; A percepção da equipe multidisciplinar e usuários quanto ao fisioterapeuta ser um profissional apenas reabilitador; e a alta demanda de trabalho que compromete de fato na qualidade da assistência prestada pelo profissional de Fisioterapia.

Com relação às limitações expostas, é sugerido que pesquisas voltadas à assistência fisioterapêutica na ABS, mudem as percepções de profissionais da equipe multidisciplinar e usuários, pois o fisioterapeuta pode atuar em todos os contextos da ABS. O alinhamento de ideias pode ser embasado por mais discussões e pesquisas para tal prática de assistência em saúde coletiva. Quanto ao currículo pedagógico, as instituições podem focar na execução das Diretrizes Curriculares, formando os discentes para as diversas áreas de atuação da ABS, com ações de prevenção, promoção, manutenção, proteção e reabilitação da saúde. Sendo que esta medida, também auxiliará para diminuição da percepção do fisioterapeuta apenas como reabilitador. Por fim, a contratação, capacitação e o matriciamento de profissionais de Fisioterapia, apoiaria na qualidade e continuidade da assistência e intervenções pedagógico-terapêuticas alinhadas com a equipe multiprofissional.

Apesar das limitações encontradas, o profissional de Fisioterapia é capaz de executar diversas práticas na ABS, por deter de habilidades e competências que favorecem a saúde dos usuários, tais como: Definir diagnóstico fisioterapêutico; Planejar e executar ações preventivas e curativas; Trabalhar em conjunto com equipe multiprofissional; Realizar educação em saúde; Serviços de gestão e emissões de laudo. Dentre as contribuições encontradas, é possível mencionar, diagnóstico de distúrbios motores e cognitivos, melhora nas condições emocionais, harmonia corporal, mobilidade global, autonomia funcional e qualidade de vida.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica de Saúde (ABS) cresceu entre os anos de 2008 a 2013, devido a implantação do NASF. As vantagens

proporcionadas por esta atuação, são inúmeras e relevantes, desde a prevenção com a elaboração de diagnósticos fisioterapêuticos e orientações, promoção com ações de educação em saúde e reabilitação com a otimização da autonomia funcional, condições emocionais e qualidade de vida.

Todavia, os fisioterapeutas ainda são percebidos, sob ótica dos outros membros da equipe multiprofissional e usuários, como aquele que desempenha ações apenas para reabilitação da saúde. Esta realidade é resultante de uma formação insuficiente, visto que a grade curricular pedagógica, é focada prioritariamente no modelo curativista, também pelo número escasso de profissionais atuantes. É recomendado as instituições de ensino superior, ter uma maior atenção às Diretrizes Curriculares, inserindo os acadêmicos na ABS, dotando estes de maiores conhecimentos, em ações que pensem a saúde de forma integral.

REFERÊNCIAS

BIM, C. R.; GONZÁLEZ, A. Distribuição territorial de fisioterapeutas no Paraná e inserção em equipes na atenção básica. Saúde e Pesquisa, 2020, 13.1: 83-91.

BRAGHINI, C. C.; FERRETTI, F.; FERRAZ, L. Atuação do fisioterapeuta no contexto dos 7núcleos de apoio a saúde da família. Fisioterapia em Movimento, 2017 v. 30, n. 4, p. 703-713.

BRASIL, Decreto-lei número 10.424, artigo 19, de 15 de abril de 2002. Lex: coletânea de legislação: edição federal: Brasília, DF, 2002

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. n. 27. DIRETRIZES DO NASF. Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília-DF, 2009.

CARVALHO, M. N. et al. Necessidade e dinâmica da força de trabalho na atenção básica de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 2018, v. 23, p. 295-302.

DE ARAUJO LUNA, M. M. et al. O acompanhamento fisioterapêutico de crianças com sequelas de paralisia cerebral atendidas no NASF do município de alagoa nova. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 2018 v. 10, n. Especial, p. 70-73.

DE ASSIS, J. C. L. et al. A vivência de um fisioterapeuta em uma Residência Multiprofissional: desafios e possibilidades. Revista de APS, 2017, v. 20, n. 2,

DEL ANTONI, A. C. F.; TONHOM, S. F. R.; CHIRELLI, M. Q. Cuidado ao idoso na atenção básica: práticas de educação em saúde do fisioterapeuta. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 2017 v. 29, p. 5-15.

DUARTE, D. S.; SOUSA, C. A.; NUNES, C. R.O. et al. Effect of Pilates method and conversation circles on the health of older adults. Fisioterapia em Movimento, 2017, v. 30, n. 1, p. 39-48.

FARIA, C. D. C. M.; ARAUJO, D. C.; CARVALHO-PINTO, B. P. B. Assistência do fisioterapeuta da atenção primária a indivíduos pós-acidente vascular cerebral. Fisioterapia em Movimento, 2017, v. 30, n. 3, p. 527-536.

FERNANDES, J. M. et al. As ferramentas do NASF nas práticas em saúde de fisioterapeutas. Fisioterapia em Movimento, 2016, v. 29, n. 4, p. 741-750.

FERNANDES, S. C.; DA ROS, M. A. Desconstruir para transformar: o perfil do fisioterapeuta para o Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Fisioterapia Brasil, 2018, 19.2: 249-258.

FERRETTI, F. et al. Inserção do fisioterapeuta na equipe Estratégia Saúde da Família: olhar do usuário. Fisioterapia em Movimento, 2018, v. 28, n. 3, p. 485-493.

FONSECA, J. M. A. et al. A Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde: uma revisão integrativa. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 2016, 29.2: 288-294.

GUEDES, M. B. O. G. et al. Atenção Fisioterapêutica em duas unidades básicas de saúde em um município do Rio Grande do Norte: Um contato humanizado. Revista de APS, 2016, v. 19, n. 1.

MOREIRA, E. S. M.; BARBOSA, N. B. Fisioterapia na atenção primária em saúde-o processo de implantação dos NASF em Anápolis-Goiás. RESU, 2016, v. 4, n. 1, p. 26-34.

NASCIMENTO, A. A. P.; INÁCIO, W. S. Atuação fisioterapêutica no núcleo de apoio à saúde da família: uma revisão sistemática. J Health Sci Inst, 2015, 33.3: 280-6.

OLIVEIRA, T.; BOMBARDA, T. B.; MORIGUCHI, C. S. Fisioterapia em cuidados paliativos no contexto da atenção primária à saúde: ensaio teórico. Cadernos Saúde Coletiva, 2019, 27.4: 427-431.

PORTES, L. H. et al. Atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica à Saúde: uma revisão da literatura brasileira. Revista de APS – Atenção Primária à Saúde, Juiz de Fora, 2011, 14(1); 111-119.

SILVA MAIA, F. E. et al. A importância da inclusão do profissional fisioterapeuta na atenção básica de saúde. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 2015, 17.3: 110-115.

SILVA, C. A. M.; ORELLANA, P. A. R.; NASSR, G. N. M. Avaliação do estado funcional de idosos com dependência moderada e severa pertencentes ao Centro de Saúde Familiar. Fisioterapia e Pesquisa, 2015, v. 22, n. 1, p. 76-83,

SOARES, G. M. M.; BEZERRA, M. I. C. Estratégias, Possibilidades e Conquistas da Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde: Estudo de Caso. Rev Fisioter S Fun, 2014, 3.1: 45-52.

SOUZA, M. C. et al. Fisioterapia e Núcleo de Apoio à Saúde da Família: conhecimento, ferramentas e desafios. O Mundo da Saúde, São Paulo, 2013, 176.

TERADA, A. Y. et al. Uso de Fisioterapia entre idosos usuários de serviço de atenção primária. Acta Fisiart, 2017, 170-174.

TOMASI, A. V. R. et al. Incontinência urinária em idosas: práticas assistenciais e proposta de cuidado âmbito da atenção primária de saúde. Texto & Contexto-Enfermagem, 2017, v. 26, n. 2.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.