APLICAÇÃO DA MASSAGEM AYURVÉDICA NO TRATAMENTO DA LOMBOCIATALGIA

Use of Ayurvedic Massage at Treating to Low Back Ache

Fernando Fellao Rodrigues*

* Fisioterapeuta graduado pela Universidade de Santo Amaro – UNISA (SP)

RESUMO: Refletindo o que está ocorrendo na comunidade, o serviço de Fisioterapia em Ortopedia da Universidade de Santo Amaro tem atualmente recebido com grande freqüência casos de dor lombar. Muitos pacientes portadores de lombociatalgia estão na fase produtiva de sua vida e apresentam quadro incapacitante, afastando-se, assim, do trabalho. Na lombociatalgia, geralmente ocorrem alterações músculo-esqueléticas, responsáveis por impacto físico, emocional e social e também associadas a fatores individuais como: ganho de peso, má postura, fraqueza dos músculos abdominais e espinhais e fatores ocupacionais como sobrecarga excessiva na coluna lombar, ocasionada pelo levantamento e deslocamento de peso e pela permanência em sedestação prolongada. A Fisioterapia visa exatamente minimizar os efeitos de todas as alterações citadas anteriormente. Com este objetivo, os pacientes foram tratados através da Massagem Ayurvédica associada a um óleo, que facilita os toques e reequilibra os Doshas através dos seus aromas. Os toques profundos com mãos e pés propiciam um realinhamento postural, uma maior flexibilidade do corpo, mobilidade nas articulações, aliviam tensões crônicas, fortalecem o sistema imunológico e têm efeito anti-estresse. Neste trabalho, foi aplicada a técnica da Massagem Ayurvédica no tratamento da lombociatalgia. Os pacientes atendidos apresentavam retrações musculares, dores intensas e diminuição da amplitude de movimento da flexão de quadril. Obtivemos como resultado uma melhora de 75% de todos os itens supracitados, podendo concluir que a Massagem Ayurvédica é uma boa indicação para o tratamento da lombociatalgia.

Palavras-chave: Lombociatalgia, alterações músculo-esqueléticas, fatores individuais, fatores ocupacionais, Fisioterapia, Massagem Ayurvédica, Doshas, reequilíbrio.

ABSTRACT: In agreement with it is occuring in the community, the service of Physical Therapy in Orthopedics and Traumatology of Santo Amaro University has currently received with great frequency cases of lumbar ache. Many patientes with Low back ache are in the productive age and present incapacitant characteristics, moving away itself of the work. Usually, there are in the Low back ache alterations muscle-skeleton, responsible for physical, emotional and social impact and also associated to the individual factors as: profit of weight, harm position, occupational weakness of the abdominal and spinal muscles and factors as extreme overload in the lumbar column, caused for the survey and displacement of weight and for the permanence at the seated position for a long time. The Physical Therapy aims at to minimize the effect of all previously the cited alterations. With this objective, the patients had been dealt through the Ayurvedic Massage associated with an oil, that facilitates to the touchs and becomes the Doshas balanced through its aromas. The deep touchs with hands and feet propitiate a postural realignment, a bigger flexibility of the body, mobility in the joints, alliviate chronic tensions, fortify the immunologic system and have effects against the stress. In this work, the technique of the Ayurvedic Massage was used at treating to Low back ache. The patients presented muscular retractions, intense pains and reduction of the amplitude of movement of the flex of hip. We got as resulted an improvement of 75% of all alterations above-mentioned, being able to conclude that the Ayurvedic Massage is a good indication for the treatment of the Low back ache.

Word-keys: Low back ache, alterations muscle-skeleton, individual factors, occupational factors, Physical Therapy, Ayurvedic Massage, Doshas, to become balanced.

INTRODUÇÃO

Paralelamente aos avanços da medicina, a expectativa de vida cresceu mas, por outro lado, a qualidade de vida da população, de um modo geral, diminuiu. O conjunto destes fatores, somado aos maus hábitos da vida moderna, como má alimentação, sedentarismo e noites mal dormidas, vai gerar o estresse que, por sua vez, provocará reações do corpo. Estas reações desgastam os mecanismos fisiológicos que o corpo possui para manter-se em equilíbrio, fazendo com que o organismo funcione mal e sobrevenham doenças 1.

A má postura no ortostatismo, na sedestação, na deambulação, na prática das atividades físicas e diárias e durante o repouso produz desequilíbrios músculo-articulares e situações de tensão prolongada, que levam a contraturas musculares, fadiga e dor, dificuldade de concentração e ansiedade, podendo conduzir a problemas crônicos de saúde, como a lombociatalgia, e também psicológicos, como perda da auto-confiança, irritabilidade e depressão. Um estado prolongado de tensão do corpo reflete-se num estado permanente de desequilíbrio interno 1.

Na lombalgia é comum a dor ser localizada, não apresentando irradiação importante, enquanto na lombociatalgia ela se irradia para a região glútea e face posterior da coxa, podendo estender-se até o pé, reconstituindo o trajeto do nervo ciático 4.

Mudanças de posição, sedestação, deambulação, tosse, espirro e pequenos esforços provocam dor, cuja intensidade é variável, desde uma sensação de desconforto até uma dor lancinante. A dor pode ser aguda, desencadeada por um esforço físico (levantar um peso, por exemplo) ou surgir gradativamente 4.

Atualmente, o mundo inteiro tenta resgatar uma harmonia mente-corpo que foi perdida ao longo de centenas de anos; anseia por estilos de vida mais saudáveis: uma dieta equilibrada, uma boa digestão, horas restauradoras de sono 1.

O que se observa, no entanto, é que a medicina convencional costuma dar mais atenção às doenças do que aos doentes, não correspondendo a essa busca 3.

A Medicina Ayurveda, medicina milenar indiana conhecida há mais de cinco mil anos e busca a harmonia desejada para nossas vidas e sua prática é indicada para promover a felicidade, a saúde e o desenvolvimento criativo. Segundo a filosofia Ayurveda, onde há harmonia há saúde; onde há desarmonia, há doença. A palavra harmonia, neste contexto, refere-se à integração que temos com o meio ambiente (natureza), através de nossos 5 sentidos. Em resumo, saúde é um estado de felicidade e equilíbrio 1.

A massagem feita regularmente: relaxa os músculos, articulações e o corpo todo, uma vez que o calor gerado pela fricção faz circular a energia, aliviando dores e tensões; promove uma respiração mais profunda e natural; atua nos sistemas linfático, sangüíneo e nervoso; estimula o sistema digestivo; fortalece o sistema imunológico; produz um sono profundo e restaurador; rejuvenesce, revigora e revitaliza o organismo; combate o estresse e, consequentemente, evita a instalação das doenças 1.

LOMBOCIATALGIA

Definida por Mercúrio, 1997, como “dor no nível da coluna vertebral lombar”, a lombalgia pode promover morbidade e incapacidade, sendo, dentre os distúrbios dolorosos que acometem o homem, aquele que apresenta incidência apenas menor que a cefaléia 5.

Por ser a região que suporta o maior peso e sofre a maior pressão no movimento de flexão, não é surpreendente que a dor na região lombar seja um dos grandes males que afetam a sociedade e muito menos que os nervos mais freqüentemente danificados sejam a quinta raiz nervosa lombar (que emerge da coluna entre a quarta e a quinta vértebras lombares) e a primeira raiz nervosa sacral 6.

Estes dois nervos se juntam a outros pequenos ramos, formando o nervo ciático, calibroso, sensitivo-motor, que percorre a coxa e divide-se, na altura do joelho, em dois outros nervos: o nervo tibial (ou nervo ciático poplíteo interno) e o nervo fibular (nervo ciático poplíteo externo), responsáveis pela inervação da região poplítea até o pé 5,6.

A dor que surge decorrente da compressão deste nervo é conhecida como lombociatalgia, ou seja, a lombalgia com dor irradiada a uma ou ambas as pernas, perfazendo o trajeto do ciático 5.

As causas principais podem ser subdividas em alguns grupos, como exposto abaixo 5,6,7,8 :

» mecânico-fisico-posturais – constituem a grande maioria e são representadas por posturas viciosas (cifose, lordose e escoliose), espondilólise e espondilolistese, obesidade, gravidez, esforços repetitivos, seqüelas neurológicas, distensões músculo-ligamentares, protusão e hérnia de disco, artroses e osteofitoses;

» traumáticas (hérnias discais e fraturas);

» degenerativas (estenose de canal, artrose das articulações interapofisárias posteriores, ossificação ligamentar idiopática);

» inflamatórias (espondilite anquilosante, espondiloartropatias, artrite reumatóide, polimialgia reumática e fibromialgia);

» infecções causadas por germes ou bactérias (osteomielite, tuberculose ou discite, por exemplo);

» neoplasias (tumores, metástases, mieloma múltiplo);

» distúrbio metabólico ósseo (osteoporose);

» causas viscerais (processo dos rins, intestino, pâncreas, coração, pulmões, próstata, útero, trompas e ovários que, por se localizarem nas proximidades da coluna vertebral, podem se manifestar como dor na região lombar);

MEDICINA AYURVÉDICA

Junção de duas palavras sânscritas (Ayur = “vida”; e Veda = “conhecimento”), a Medicina Ayurveda é parte integrante dos Vedas, sendo o livro da doutrina sagrada da Índia Antiga, o mais antigo registro conhecido da experiência humana 2,11.

A base do tratamento da Medicina Ayurvédica está na terapêutica alimentar seguida de outras práticas, dentre elas a Massagem Ayurvédica. A aromaterapia e terapêutica por ervas, a prática de exercícios respiratórios (Pranayamas), a musicoterapia (Rajas e mantras) e o Yoga, são outras formas de terapia usadas na Ayurveda 2,11.

O sistema de tratamento pela Medicina Ayurvédica tem como base o conceito dos três princípios metabólicos básicos, os doshas: Vata, Pitta e Kapha 2,11.

Os doshas correspondem aos cinco estados da matéria: sólido (terra), líquido (água), radiante (fogo), gasoso (ar) e etéreo (éter). Eles determinam as cinco densidades da matéria visíveis e invisíveis do universo e relacionam-se também a aspectos mentais, psicológicos e emocionais do ser humano 10.

A partir do éter e do ar, manifesta-se o princípio corpóreo do ar chamado VATA. Os elementos fogo e água manifestam-se juntos no corpo sendo chamado de PITTA. A terra e a água manifestam-se como o humor da água que é chamado KAPHA 10,11.

Vata é como o vento ou o ar em movimento; é seco, leve, sutil e agitado. Pitta é semelhante ao fogo, caracteriza-se por ser quente, oleoso e leve. Kapha é como a água: úmido, pesado e frio 11.

A Massagem Ayurvédica propriamente dita é uma técnica composta de manobras utilizadas na massagem clássica, associadas a manipulações profundas e trações específicas, visando liberação dos bloqueios do sistema músculo-esquelético.

Como estimula desde a pele até os órgãos vitais, passando pelas fáscias ou cadeias musculares, é utilizado um óleo especial para cada dosha, sendo de grande valia para a saúde e bem estar geral do organismo.

Todas as manobras são ascendentes, em direção à linha sagital do corpo, no sentido do coração 10.

OBJETIVOS

Este trabalho teve como objetivo verificar os efeitos da Massoterapia Ayurvédica no tratamento da lombociatalgia.

MATERIAIS E MÉTODOS

A amostra foi constituída de oito pacientes, de ambos os sexos, na faixa etária de 45 a 55 anos, com o diagnóstico de lombociatalgia, encaminhados ao setor de Fisioterapia em Ortopedia da Universidade de Santo Amaro (Unisa), no período de julho de 2003 a outubro do mesmo ano.

Os pacientes foram divididos em dois grupos, assim diferenciados:

Grupo I – composto por pacientes que receberam tratamento fisioterapêutico através da Massagem Ayurvédica, durante 8 sessões, na freqüência de uma vez por semana, com cerca de 45 minutos de duração, realizada em membros superiores e inferiores, tronco, cabeça e pescoço.

Grupo II – grupo controle, que não recebeu nenhum tratamento, seja fisioterapêutico ou de qualquer outra ordem.

Os dois grupos passaram por três avaliações e uma reavaliação respectivamente.

A primeira avaliação, clínica e funcional, incluiu o exame radiológico, o exame físico e por meio dela foram examinados aspectos objetivos (como o teste de Lasègue), subjetivos (como a dor) e funcionais (peso, força muscular, limitação de amplitude de movimento, avaliação postural).

As duas últimas avaliações foram para determinar o dosha do paciente.

Uma compreendia um questionário preenchido pelo profissional, baseado em dezoito itens que abordavam aspectos físicos e emocionais e que, na somatória final, mostraram ao fisioterapeuta qual o dosha do paciente.

A outra era composta por outras dezoito questões de aspecto físico e emocional, respondidas pelo paciente, subjetivamente. Conseguiu-se ao final descobrir seu Dosha.

A reavaliação foi realizada no final do tratamento. Também de aspecto clínico e funcional, permitiu o exame de aspectos objetivos (como o teste de Lasègue), subjetivos (como a dor) e funcionais (força muscular, limitação de amplitude de movimento, avaliação postural).

RESULTADOS

Foram avaliados oito pacientes no período de julho de 2003 a outubro de 2003, sendo 50% do sexo feminino e 50% do sexo masculino. A faixa etária variou de 45 a 55 anos.

Desses oito pacientes, todos apresentavam quadro de lombociatalgia e foram divididos, independente do lado acometido, em dois grupos de quatro, sendo um de atendimento e o outro de controle.

A divisão foi feita aleatoriamente e depois dos grupos já formados, foi levantada a incidência da lombociatalgia quanto ao lado dominante (direito e esquerdo) nos dois grupos.

No grupo controle, 75% dos pacientes apresentam lombociatalgia à direita e 25% à esquerda. Sendo que no grupo de atendimento, a incidência se mostrou exatamente dividida (50% de cada lado).

O Gráfico 1 mostra como resultado que a amplitude de movimento de flexão de quadril do grupo controle na avaliação era de 25,75 , 5,05 graus e de 30 , 4,08 graus no grupo de atendimento.


Já na reavaliação, a amplitude de movimento do grupo controle é de 34,5 , 3,31 graus, obtendo uma melhora de 33%, enquanto o grupo de atendimento era de 82,5 , 11,9 graus e obteve uma melhora de 75%.

Com relação a dor, os dados do Gráfico 2 nos mostram que na avaliação o grupo controle obteve uma média inicial 9,25 , 0,95 enquanto o grupo de atendimento apresentou uma média de 8 , 0,81.


De posse da reavaliação, o grupo controle apresentou uma média de 9 , 0,81 e o grupo de atendimento uma média de 4,75 , 1,5.

Com os resultados do Gráfico 2, foi observado que o grupo controle teve uma melhora de 2,8% , e que o grupo de atendimento obteve uma melhora de 68%, sendo superior ao grupo de controle.

De acordo com a proposta do trabalho, o teste de Lasègue também foi aplicado na avaliação em todos os pacientes dos dois grupos, tendo como resultado todos os testes positivo.


Já no Gráfico 3, onde representa a reavaliação, o teste de Lasègue foi aplicado novamente em todos os pacientes de ambos os grupos.

Tendo como resultado, a melhora de 75% do grupo de atendimento, sendo que três dos quatro pacientes do grupo de atendimento não apresentaram mais o teste de Lasègue positivo depois de oito atendimento, enquanto o grupo controle, apresentava o teste de Lasègue positivo de todos os pacientes.

Os quatro pacientes submetidos ao tratamento foram comparados quanto à postura na vista lateral com inclinação anterior de tronco, no período anterior e posterior aos atendimentos.

Os quatro pacientes apresentaram, inicialmente, grande dificuldade na realização da inclinação, devido à grande retração muscular de toda a cadeia posterior.

Apresentavam também abertura da articulação coxo-femoral, pequena curvatura dorsal e fechamento da articulação tibio-társica, na posição inclinada.

Já após os atendimentos, os pacientes apresentaram uma maior mobilidade para a realização da postura de inclinada e um notável alongamento de toda musculatura posterior, apresentou também, uma discreta abertura da articulação tibio-társica, um maior fechamento da articulação coxo femoral e um ganho notável na curvatura dorsal, obtendo a liberação cervical.

DISCUSSÀO E CONCLUSÃO

Este trabalho foi desenvolvido de acordo com o objetivo citado no início da pesquisa.

Considerando que não há literatura que trate exclusivamente do tratamento da lombociatalgia através da Massagem Ayurvédica, foi necessário fazer levantamentos individuais a respeito dos temas da pesquisa: definição e conceitos de anatomia e biomecânica da coluna lombar, além da fisiopatologia da lombociatalgia; correlação entre o estado psicossomático e a deflagração da doença; e a visão e aplicação do Pensar Ayurvédico na prevenção, combate e tratamento das patologias, estabelecendo uma associação entre dados relevantes e interligados.

De posse dos resultados obtidos com este trabalho, pode-se concordar com Deepak Chopra que, no seu livro “Saúde Perfeita”, fez o seguinte comentário: “Como são intimamente ligados, os três Doshas se movem juntos; mesmo quando você pensa que está trabalhando apenas com um, todos reagem…”.

Isto prova que uma patologia é resultante de desequilíbrio entre os doshas. Assim, independente do dosha predominante naquele paciente, a busca da saúde e / ou ausência da doença deve pressupor um trabalho para tentar o equilíbrio e manter a harmonia entre os tipos mente-corpo, o que se encaixa perfeitamente ao trabalho proposto e aos resultados obtidos.

Na análise dos resultados, ficou comprovado que a aplicação da Massagem Ayurvédica no tratamento da lombociatalgia, com apenas oito atendimentos, conseguiu bons resultados, apresentando um ganho de 75% na amplitude de movimento, 68% na diminuição da dor irradiada para os membros inferiores e 75% de negatividade ao teste de Lasègue. Outro ponto importante deste trabalho foi a melhora da postura dos pacientes atendidos.

Assim, é possível concluímos que a Massagem Ayurvédica é um bom recurso de tratamento para a lombociatalgia. Acredito, que realizando um maior número de atendimentos, possa-se obter resultados ainda melhores em todos os itens supracitados no trabalho.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. SIMONE, M.S. ; ROCHA, A. M. ; MACHADO, A. L. Massoterapia Ayurvédica & Rejuvenescimento. Data: 15/05/2001. Disponível em http://www.planetanatural.com.br. Acesso em 15/08/2003.

2. EDDE, G. A medicina Ayur-védica: como tratar a si mesmo pelas terapias tradicionais da Índia. 37a ed. São Paulo: Ibrasa, 1993. 27 – 36p.

3. ROCHA, A. M. Introdução a Teoria dos Tridoshas – Nossa Constituição, data:19/06/2001. Disponível em http://www.planetanatural.com.br . Acesso em 15/08/2003

4. PEREIRA, ANA F, L; CARVALHO, AF. B. A massagem do tecido conjuntivo no tratamento de lombalgia e lombociatalgia. Data:2000. Disponível em: http://www.bducdb.ucdb.br/tcc . Acesso em: 17/08/2003

5. MERCÚRIO, R. Dor nas costas nunca mais. 1ª ed. São Paulo: Manole, 1997. 4-12, 34-36p.

6. JAYSON, M & SMITH, T. ISTO É – Guia da Saúde Familiar: Dor nas costas. São Paulo: Grupo de Comunicação Três S. A., 2001.

7. QUEIRÓGA, M. R. Fatores de risco para a dor músculo-esquelética na coluna lombar (DMECL). Disponível em: http://www.eps.ufsc.br Acesso em: 13/08/2003

8. ARRUDA, A. Disponível em: http://www.geocities.com Acesso em: 14/08/2003

9. FERRARETTO, I. Disponível em: http://www.doresnascostas.com.br Acesso em: 13/08/2003

10. CHOPRA, D. Saúde Perfeita – Um roteiro para integrar o corpo e a mente, com o poder da cura quântica. 2a ed. São Paulo: Best Seller, 1990. 47 – 180p.

11. BONTEMPO, M. Medicina Natural: Medicina Oriental – os segredos da milenar sabedoria indiana e chinesa. São Paulo: Nova Cultural, 1992. 15 – 33p.

2 comentários em “APLICAÇÃO DA MASSAGEM AYURVÉDICA NO TRATAMENTO DA LOMBOCIATALGIA”

  1. GILMA LOURENÇO

    SOU ESTUDANTE DE MASSOTERAPIA TERMINO O CURSO TÉCNICO ESTE ANO. ESTOU PESQUISANDO PARA FAZER UM TRABALHO SOBRE TÉCNICA DE MASSAGENS.
    O TRABALHO ESTA ÓTIMO MESMO PRETENDO CONTINUAR VISITANDO ESTA PAGINA QUALIDADE DE PROFISSIONAIS 10

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.