Dra. Angela Nodari Lange

O que faz na fisioterapia |

Quando comecei a trabalhar com a Dermato Funcional, me deparei com muito pouco material bibliográfico e por este motivo, resolvi colocar no papel todo o meu conhecimento adquirido em anos de clínica. Escrevi um livro e acredito que meu livro venha acrescentar muito conhecimento teórico aos fisioterapeutas dermato funcional.


Qual ano e em qual faculdade que se formou?
Em janeiro de 1991. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Curitiba.

Qual foi a melhor coisa que fez na vida?
O curso de especialização em Fisioterapia Dermato Funcional no IBRATE – PR.

Qual foi a pior coisa que fez na vida?
Logo que me formei, queimei uma paciente com a Corrente Galvânica. Naquela época, usava-se muito a corrente galvânica para tratamento de gordura localizada e tratamento da celulite, colocava na paciente mais de 10 placas. Eu era inexperiente. Foi uma queimadura mínima, mas o suficiente para me sentir o pior profissional do mundo.

O que você mais gosta na profissão?
Os desafios da profissão. A fisioterapia Dermato funcional é relativamente nova e tem muito para ser estudado sobre as patologias que ela trata e como aplicar os recursos eletroterápicos da melhor forma.

O que você odeia na profissão?
A desvalorização da fisioterapia diante dos convênios, a qual obriga os profissionais da Reabilitação atender cinco ou mais pacientes ao mesmo tempo para poder sobreviver!

Que qualidade mais admira nos profissionais que te cercam?
A persistência dos colegas que trabalham com a Reabilitação, a força de vontade em continuar remando, trabalhando duro e recebendo miséria dos convênios.

Que qualidade mais detesta nos profissionais que te cercam?
Hoje nem tanto, mas num passado remoto, a discriminação de alguns colegas diante dos fisioterapeutas que trabalha com a área da estética.

Qual sua maior virtude?
Ajudar minhas colegas. Toda hora tem uma me mandando e-mail pedindo socorro! Elas me sugam! hihihihi.

Qual seu pior defeito?
Sou imediatista. Gosto de resolver tudo na hora e quem trabalha comigo, tem que entrar neste ritmo.

Se pudesse mudar algo, o que seria?
A dependência de um médico. Anos trabalhando com cirurgião plástico e infelizmente muitos pacientes só realizam um pré ou pós-operatório se o médico indicar.

Qual maior mentira já contou?
Difícil!!! Não tenho este costume.

Qual fato foi mais inusitado em sua carreira?
Em 2002, pela primeira vez vi uma necrose de pele em um pós-operatório de face. Fiquei assustada com o quadro. Dias depois, eu não acreditava que tinha conseguido recuperar o tecido necrosado.

Qual fato foi o mais cômico?
Em 1998 fui para Cancun e naquela época era de costume mandar cartão postal. Fui num posto de correio lá e pedi ao balconista se tinha COLA para os selos. Fui um riso só! Todos os funcionários riam de mim e eu sem entender nada. Mais tarde fui saber o verdadeiro significado da palavra COLA em espanhol! Melhor não colocar aqui!

Qual seu maior arrependimento?
Não me arrependo de nada!

Qual dica daria aos colegas?
Persistência! Vejo muitos alunos(as) recém formados que no ano seguinte desistem da profissão.

Qual sua aquisição mais recente?
Foi a publicação do meu livro “Drenagem Linfática Manual no Pósoperatório das Cirurgias Plásticas”.

Qual objeto de desejo?
Tenho um livro sobre a Fisioterapia Dermato Funcional aplicada na Cirurgia Plástica, que já esta na editora Andreoli. Coloquei nele toda a minha experiência de anos trabalhando ao lado de cirurgiões plásticos, atuando nas necroses, seromas, hematomas, fibroses, e descobrindo aos poucos e sozinha como melhor proceder.

Qual seu maior sonho?
Viajar pelo mundo!

Qual seu maior pesadelo?
Tenho LER no meu punho esquerdo.
Desencadeado por tanto fazer drenagem linfática manual. Morro de medo de que um dia me impeça de trabalhar.

Que talento mais gostaria de ter?
Gosto muito de música. Já tentei trocar alguns instrumentos, mas não nasci para isso!

Se não fosse fisioterapeuta gostaria de ser o que?
Não penso nisso, mas seria com certeza na área da saúde.

E qual profissão jamais queria ter?
Qualquer uma na Informática! Acho horrível ficar o dia todo diante de um computador, sentado, parado, sem ter com quem conversar!

Diga um desafio?
Criar a minha filha.

Um livro?
O Meu! “Drenagem Linfática Manual no Pós-Operatório das Cirurgias Plásticas”.

Quer fazer alguma divulgação?
Sim. Para quem trabalha com pacientes de cirurgia plástica, principalmente no pósoperatório, tenho certeza que o conteúdo do meu próximo livro será de grande valia. Aguardem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.