ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE CIRURGIAS PARA COLOCAÇÃO DE PRÓTESE TOTAL DE QUADRIL REALIZADAS NO HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULA DE CRUZ ALTA, NO ANO DE 2005

1 Mestranda em Fisioterapia pela UTIC – Universidade Tecnológica Intercontinental – PY
2 Fisioterapeuta graduada na Fundação Universidade de Cruz Alta – UNICRUZ
3 Mestrando em Fisioterapia pela UTIC – Universidade Tecnológica Intercontinental – PY e pós graduado em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Desportiva pela Cesumar – PR
4 Mestrando em Fisioterapia pela UTIC – Universidade Tecnológica Intercontinental – PY
5 Fisioterapeuta graduada na Fundação Universidade de Cruz Alta – UNICRUZ

RESUMO
O presente estudo teve como objetivo realizar um levantamento de dados do número de cirurgias de prótese de quadril realizadas no HSVP no ano de 2005. A prótese total de quadril (PTQ) é um procedimento cirúrgico de alta complexibilidade onde é realizada a substituição/ ou a troca da articulação do quadril com o objetivo a restauração da função articular, e a melhora do quadro doloroso. O levantamento dos dados foi realizado nos prontuários dos pacientes os quais se encontravam no SAME (serviço de arquivo médico) no HSVP, demonstrando que foram realizadas 93 cirurgias sendo que 57% eram mulheres e 43% homens, destes, 90 receberam atendimento fisioterapêutico, totalizando 620 atendimentos em 2005, com uma média de sete sessões por paciente e permanecendo internado em média seis dias até a alta hospitalar. Também foi levantada a predominância de idade, obtendo o índice de 49% os pacientes com idade entre 60 a 80 anos. A patologia de base a qual teve destaque foi à artrose do quadril com 94%, 5% fratura do colo do fêmur e 1% fratura do trocanter, outro item, é a procedência dos pacientes, levando em conta que o HSVP é uma referência estadual, pois abrange cidades da região, destaca-se Cruz Alta com 26%, logo em seguida vem Panambi com 9% e Quinze de Novembro com 5%. Dos pacientes que realizaram PTQ 91% foram pelo SUS, 6% pelo IPE, 2% pela UNIMED e 1% GEAP, e destes 98% realizaram fisioterapia e 2% não realizaram fisioterapia. Verificou-se também que o número de reintervenções realizadas: é muito baixo em relação à prótese primária; isso significa que o protocolo usado pela equipe hospitalar e pela fisioterapia traz benefícios a todos os pacientes, contribuindo assim, para uma alta hospitalar mais precoce e com maior sucesso.
Palavras-chave: Levantamento. Fisioterapia, prótese Total de Quadril. Atendimentos Fisioterápicos.

ABSTRACT
The present study had as its objective to verify the importance of physiotherapy on total knee arthroplasty, concerning the physical-functional aspects. A 63 years old patient, with osteoarthrosys on her right knee, submitted to a total knee arthroplasty, cemented type, with thighbone (femur), shinbone (tibia) and kneecap substitution and resection of anterior and posterior crossed ligament, was submitted to three assessments, the first on the preoperatory, than just at postoperatory and finally at the end of the treatment. We utilized; goniometer, data collecting form and anamnesys, muscular strenght form and a modified scale for the preoperatory and postoperatory that assesses: dynamic and static pain, function, muscular resistance, deformity and instability. We could observe pain relieve while resting and while marching. Functionally, the patient was able to go up and down stairs and performed transfers without any support. The muscular resistance presented the maximum punctuation. The movement amplitude was 0º of extension and 110º of flection. Concerning the instability, the patient did not refer to insecurity and missing the step. There were no subtractions in the final evaluation. At the end of this research, we noticed that physiotherapy was a fundamental part of pre and postoperatory assistency in arthroplasty, since the pain which limitated the patient´s march and made impossible or difficult some task performances in the AVD’s, was supressed. The quadriceps and hamstrings muscular strenght did not make difficult the active knee flection and extension. It shows that physiotherapy significantly contributed for the success and we understand that, the earlier we start the treatement, the better are the results, diminishing the rehabilitation time, antecipating functional independency and improving the patient’s life quality.
Key words: physiotherapy, prothesis, arthroplasty, knee.

Introdução
Este trabalho teve como enfoque principal a análise dos pacientes submetidos à Prótese Total de Quadril (PTQ) no ano de 2005. Com isso, visa contribuir aos interessados da área da saúde, médicos, fisioterapeutas, enfermeiras, assim como os que já fizeram à cirurgia ou deverão fazê-la futuramente, proporcionar uma visão mais ampla de conhecimento a respeito desses pacientes e desse tipo de cirurgia, que foi criada para proporcionar um aumento da qualidade de vida dos que sofrem de patologias relacionadas com o quadril.
A substituição ou troca da articulação do quadril é uma cirurgia denominada Prótese Total de Quadril. Esta cirurgia foi idealizada por ortopedistas para restabelecer a função da articulação coxofemoral (RAMOS, 2004).
Os objetivos de a substituição articular total são de reduzir a dor, corrigir deformidades, restabelecer a função e prevenir ou melhorar os efeitos dolorosos secundários em articulações adjacentes (KOTTKE, 1994).
A fisioterapia é importante logo após a Prótese Total de Quadril, porque esta cirurgia é dolorida e o paciente sente receio de se movimentar, pois qualquer movimento brusco do paciente pode ocasionar uma luxação de prótese. O paciente necessita ter confiança no fisioterapeuta e principalmente em si mesmo, para o início do treino de marcha, independente do protocolo. Para estabelecer efetivamente um programa de exercícios para um paciente, o terapeuta precisa entender as indicações e teorias para a cirurgia, precisa familiarizar-se com o próprio procedimento e estar consciente do manejo pós-operatório global do paciente (KOTTKE, 1994).
O objetivo geral deste estudo foi realizar um levantamento das cirurgias de Prótese Total de Quadril feitas no ano de 2005, no Hospital São Vicente de Paula (HSVP) e os específicos, quantificar o número de cirurgias realizadas no HSVP, referentes à Prótese Total de Quadril, quantificar o número de atendimentos fisioterapêuticos feitos aos pacientes, bem como a média de atendimentos individuais durante seu tempo de internação hospitala, quantificar o número de dias de internação, bem como a média individual de dias que permaneceram internados até a alta hospitalar, verificar o sexo predominante dos pacientes submetidos às cirurgias, verificar a idade média desses pacientes, saber a patologia de base que acarretam o procedimento cirúrgico, averiguar a procedência dos pacientes que realizaram a cirurgia de prótese do quadril no HSVP, listar o número de pacientes que realizaram reintervenção e/ou reparação cirúrgica neste período, verificar o plano de saúde dos pacientes e identificar o número de pacientes que realizaram fisioterapia e os que não realizaram fisioterapia.

Métodos
O estudo em questão teve uma população constituída de indivíduos submetidos à cirurgia de prótese de quadril no Hospital São Vicente de Paula da cidade Cruz Alta – RS no período de janeiro a dezembro de 2005.
Inicialmente, foi enviado um ofício (em anexo) com pedido de Autorização aos Diretores do HSVP de Cruz Alta – RS, para ter acesso ao acervo do SAME (Serviço de Arquivo Médico); nele foram colhidas as informações e obtidos os dados necessários que compõem os objetivos.
Foram estudados detalhadamente todos os prontuários de internações feitas com pacientes cirúrgicos submetidos à Prótese Total de Quadril.
Posteriormente, foi feito análise estatística dos dados e discussão dos resultados, para a conclusão do trabalho.
Vale ressaltar que o Comitê de Ética do Hospital São Vicente de Paula, depois de analisar o projeto, vetou um dos objetivos que constava no trabalho: As intercorrências no pós-operatório; dificultando assim, dados mais precisos na média de dias de internação, sendo a limitação do estudo.

Resultados e Discussão
Descreve-se a seguir, os dados encontrados na pesquisa de forma percentual a partir do número total de pacientes que realizaram Prótese Total de Quadril.

Tabela referente a número de pacientes submetidos à PTQ, dias de internação e sessões de fisioterapia durante o ano de 2005 no Hospital São Vicente de Paula.


Média de dias de internação por paciente: Seis dias.
Média de atendimentos fisioterapêuticos por paciente: Sete atendimentos.
Pacientes que realizaram fisioterapia: Noventa pacientes.
Foram realizados 620 atendimentos fisioterápicos, durante o ano de 2005, onde os 90 pacientes que receberam atendimentos fisioterápicos ficaram internados em média seis dias, sendo que cada paciente recebeu em média sete atendimentos fisioterapêuticos individuais no leito cada um, durante seu tempo de internação até a alta. Isso confirma o que diz o Protocolo da Enfermagem, “que o paciente permanece internado de 6 a 7 dias desde a internação até a alta” .

 

Quanto ao sexo, o gráfico demonstra que as mulheres (57%) são as mais acometidas e submetidas à Prótese Total de Quadril enquanto que os homens representam 43% da população estudada submetidos à PTQ, discordando de Arch Intern Méd (2004) que afirma. “Na maioria dos estudos, as articulações do quadril são mais acometidas nos homens”.


Quanto a faixa etária, 49% dos pacientes tem de 60 a 80 anos de idade, 28% tem de 40 a 60 anos de idade, 12% tem de 80 a 100 anos e 11% tem de 20 a 40 anos de idade, o que confirma Cirurgia do Quadril (2004) “… artrose é uma doença da articulação (junta) degenerativa (que desgasta), que atinge 5 a 10% da população e que ocorre com maior freqüência em adultos de meia idade e idosos, principalmente acima de 65 anos. Acomete mais as pessoas idosas, mas os jovens também podem apresentar essa artrose, que não tem tratamento eficaz, a não ser com medicamentos que, momentaneamente, aliviam as dores”.
As próteses utilizadas atualmente têm um tempo de vida projetado de menos de 20 anos. Portanto, os candidatos a Prótese Total de Quadril são usualmente mais velhos do que 60 anos. Pacientes mais jovens podem eleger esta cirurgia quando seu estado funcional é severamente comprometido e a dor se torna intolerável (MAGNUSSON & MAXEY, 2003).
“A artrose afeta praticamente toda a população acima dos 70 anos, com a maior expectativa de vida atual e com o predomínio de estilos de vida que favorecem o acúmulo de peso, há uma tendência de mais e mais indivíduos virem a apresentá-la”, afirma o Dr. Ricon Jr., médico Ortopedista, especialista em quadril (www.belezaestetica.com).


Foram realizados 620 atendimentos fisioterapêuticos, durante o ano de 2005, sendo 55% no primeiro semestre e 45% no segundo semestre, onde os 9 pacientes que receberam atendimentos fisioterapêuticos receberam em média sete sessões no leito cada um, durante seu tempo de internação.
O papel do fisioterapeuta é essencial no estágio pré e pós-cirurgico da recuperação. O estudo de Santavista mostrou que a maioria dos pacientes se recuperando de uma PTQ relata receber mais informações a respeito de sua fase de recuperação dos fisioterapeutas. Os pacientes dependem de seus fisioterapeutas para encorajamento e aconselhamento. Eles devem ser preparados pêlos seus terapeutas para antecipar uma progressão de recuperação única. Comparações com outros pacientes devem ser evitadas. Estabelecer precocemente as expectativas do paciente em relação à independência e ao bem-estar tem um papel importante para a estada mais curta no hospital e para o tempo de convalescença (MAGNUSSON & MAXEY, 2003).
A atuação e intervenção da fisioterapia, aplicada de maneira contínua podem oferecer ao paciente melhor recuperação pós-cirurgica, promovendo o retorno de suas atividades diárias em menor prazo, respeitando os limites de cada paciente. Portanto o papel do fisioterapeuta é fazer com que o paciente se reintegre novamente à sociedade com uma melhor qualidade de vida (GOUVEIA, 2004).


Quanto às patologias de base da Prótese Total de Quadril, 94% a patologia de base é a artrose de quadril, uma vez que a artrose pode estar relacionada ao alcoolismo, anemia falciforme, uso prolongado de corticoides, atividades físicas de alto impacto, doenças da infância, traumatismos e fraturas do quadril entre outras. (CIRURGIA DO QUADRIL, 2004).

Procedência dos pacientes que realizaram a cirurgia de prótese do quadril no HSVP.

O HSVP abrange toda a região, isso nos é demonstrado na figura número cinco, pelo número de diferentes cidades que nos é apresentado, considerando o HSVP uma referência nos mais diversos tratamentos hospitalares. Entre estas cidades se destaca Cruz Alta, a qual teve o maior número de pacientes operados, levando em conta que é um hospital localizado na cidade facilitando o acesso e o atendimento.


Quanto aos pacientes que realizaram cirurgia primária e reintervenção, sabe-se que toda a pessoa que coloca uma prótese poderá precisar trocá-la total ou parcial. Os implantes apresentam variações de composição, modelo e fabricante e nem todos tem o mesmo tempo de duração, que pode variar em média de 15 a 30 anos.(RICON, 2006).
Além das intercorrências como as luxações significativas que a bola metálica da cabeça da prótese sai de dentro da cavidade de plástico. Durante as primeiras semanas após a operação antes que se forme uma cicatrização firme volta da prótese e os músculos estão ainda fracos, a prótese está mais sujeita as luxações (SANTOS & FILHO, 2001).
Também a soltura que ocorre logo nos primeiros meses ou anos após a cirurgia primária, muito provavelmente houve algum erro, equivoco ou dificuldade na técnica cirúrgica (HEBERT & XAVIER, 2003).


Por mais diversos planos de saúde existentes, sabe-se que o SUS é o plano que cobre a Prótese Total de Quadril. Pelas vantagens que o paciente recebe realizando a prótese sem custo algum, muitos dos outros planos não cobrem este tipo de cirurgia ou às vezes existem diferenças de gastos, que fazem o paciente optar por uma fila de espera no SUS.
O SUS, em principio, deve atender a todos, indiscriminadamente, mesmo se o determinado paciente tem um plano particular de saúde, não retira desta generalidade (ARAÙJO , 2006).


Quanto aos pacientes que realizaram fisioterapia, 98% realizaram fisioterapia, pois a fisioterapia é importante logo após a prótese total de quadril, porque esta cirurgia é dolorida e o paciente sente receio de se movimentar, pois qualquer movimento brusco do paciente pode ocasionar uma luxação de prótese. O paciente necessita ter confiança no fisioterapeuta e principalmente em si mesmo, para o início do treino de marcha, independente do protocolo. Para estabelecer efetivamente um programa de exercícios para um paciente, o terapeuta precisa entender as indicações e teorias para a cirurgia, precisa familiarizar-se com o próprio procedimento e estar consciente do manejo pós – operatório global do paciente (KOTTKE, 1994).

Conclusão
O presente estudo teve a devida importância, pois foi possível alcançar seus objetivos.
Os dados mostram que a prótese total de quadril é uma alternativa para minimizar os efeitos de algumas doenças crônicas degenerativas e outras decorrentes do avanço da idade. e ou estilo de vida. Outro dado importante obtido é que o SUS é o sistema de saúde que fornece cobertura total assegurado pelo Estado e foi o plano de escolha dos pacientes.
Sugerem-se novos dados e índices a respeito de atendimentos fisioterapêuticos em outros ambientes hospitalares, estabelecerem um protocolo pré e pós-operatório de PTQ visando sempre benefícios na área da saúde.

Referencial Bibliográfico
ARAÚJO, Alexandre A. Disponível em: Acesso em: 15 de março de 2006.
ARCH INTERN MED. Artoplastia de quadril. Jun28-164(12):1299-304. São Paulo:2004.
Cirurgia do Quadril. Disponível em: Acesso em 15 março 2006.
GOUVEIA, Simone Rizzato. Disponível em Acesso em 15 março 2006.
HEBERT Sizíno; XAVIER, Renato. Ortopedia e Traumatologia: Princípios e práticas. 3ª ed. Editora Artmed. Porto Alegre: 2003.
KOTTKE, F. J; LEHMANN, J. F. Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen. 4 ed. volume 2. São Paulo: Ed. Manole, 1994 /1986.
MAGNUSSON, Jim & MAXEY, Lisa. Reabilitação Pós-Cirúrgica para o paciente ortopédico. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2003.
RAMOS. Rui Padilha. Disponível em: Acesso em 15 março 2006.
RICON, Valdecir T. Protocolo informativo ao paciente que ira realizar prótese total do quadril. Cruz Alta: 2006.

Se desejar, use os botões abaixo para compartilhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.